Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino

liga brasileira de futebol feminino profissional

O Campeonato Brasileiro Feminino Série A1, também conhecido como Brasileirão Feminino, e Brasileirão Feminino Neoenergia por razões de patrocínio,[7] é a principal divisão do sistema de ligas do futebol feminino no Brasil, criado na temporada 2013 pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF). É disputado por dezesseis clubes em um sistema de promoção e despromoção com a Série A2.

Campeonato Brasileiro Feminino
Brasileirão Feminino Neoenergia
Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino
Dados Gerais
Organização CBF
Fundação 2013
Edições 12
Local de disputa Brasil
N.º Clubes 16
Sistema Temporada
Dados Históricos
Atual Campeão Corinthians (5 títulos)
Maior Campeão Corinthians (5 títulos)
Promoção e Despromoção
Qualifica para CONMEBOL Libertadores
Supercopa do Brasil
Despromove para Campeonato Brasileiro Feminino Série A2
Divisões
Série A1 • Série A2Série A3
Edição atual
editar

Para a edição de 2023, o país ocupava a 1.º posição no ranking histórico da CONMEBOL. Dessa forma, ambas as equipes finalistas da competição nacional classificam-se para a CONMEBOL Libertadores Feminina.

O atual campeão nacional é o Sport Club Corinthians Paulista, após conquistar seu quinto título na temporada de 2023.

História

editar

Proibição e era LINAF

editar

A proibição da prática do futebol por mulheres no Brasil teve origem com o decreto-lei 3199 de 14 de abril de 1941, na ditadura Estado Novo.[8][9][10] A proibição só veio a ser derrubada em 1979 ainda na ditadura militar.[8][9][10] Com enfraquecimento do poder militar e o movimento das Diretas Já, a Liga Nacional de Futebol (LINAF) introduziu os primeiros campeonatos nacionais de futebol feminino.[9][10]

Entre 1983 e 1989, a Taça Brasil de Futebol Feminino consagrou o Radar o primeiro campeão nacional de futebol feminino, e sendo também hexacampeão consecutivo entre 1983 e 1988, batendo equipes consagradas do futebol masculino nas finais como Atlético Mineiro e Internacional.[11] Logo o campeonato mudaria de nome, passando a se chamar Torneio Nacional entre os anos 1990 e 1991. Ainda em 1991, um segundo campeonato nacional também foi disputado, o Torneio de Futebol Feminino.

Era CBF

editar

Após um ano de 1992 sem competições disputadas, a Confederação Brasileira de Futebol assume a organização do torneio em 1993, que passa a se chamar Taça Brasil de Clubes, sendo conquistada pelo Vasco da Gama.

Em 1994, outra mudança de nome, agora Campeonato Nacional Brasileiro de Futebol Feminino. Tal como ocorreu com o Brasileirão masculino em 1971, após a CBF assumir a administração da competição, as competições anteriores passaram por um processo de relativização sobre sua relevância. A competição ocorreu até 2001, sendo cancelada na edição de 1995.

Hiato de 2002 a 2005

editar

Durante os quatro anos seguintes, nenhum campeonato nacional foi disputado, à exceção feita do Quadrangular de 2003 que contava com a participação da Seleção Brasileira Universitária, o Santos, o Saad, e o CFZ.

Retorno da LINAF e a Liga Nacional

editar

Em 2006, após a saída da CBF, a LINAF retorna a criação do torneio nacional em parceria com a Federação Paulista de Futebol Amador (FPFA), a competição se chamaria Liga Nacional. O torneio foi disputado em Jaguariúna, estado de São Paulo, em seu primeiro ano, sendo vencido pelo Botucatu, e em várias cidades do estado do Rio de Janeiro em 2007, ano em que as Sereias da Vila sagraram-se campeãs comandadas por Kleiton Lima.

Retorno da CBF e divisão entre Campeonato e Copa

editar

Em 2007, a CBF criou a Copa do Brasil de Futebol Feminino, um torneio no formato de copa nacional tal qual a Copa do Brasil de Futebol. E em 2013 a Confederação Brasileira de Futebol, em parceria com a Caixa Econômica Federal, organizou a primeira edição do Campeonato Brasileiro, com a participação das 20 melhores equipes do Ranking da CBF de Futebol Feminino.[12][13][14] O agora oficial Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino, com uma curta temporada de três meses inicialmente. Em 2015, as equipes que atingiram as fases de mata-mata receberam um apoio financeiro de cerca de R$ 10.000,00 para uma rodada em casa e fora, além do custo de transporte aéreo ou rodoviário pago.

Em 2017, a Confederação Brasileira de Futebol alterou a fórmula de disputa da competição, tendo reduzido a 1ª divisão de 20 para 16 times e criado a Série A2, também com 16 equipes.[15][16] A ampliação no Campeonato Brasileiro foi acompanhada pelo cancelamento da Copa do Brasil de Futebol Feminino.[17][18]

Em 2019, a Band adquiriu os direitos de transmissão da CBF.[1][19] Em novembro de 2020, a ESPN Brasil passou a transmitir a competição.[20] Em 2021 o canal esportivo do Desimpedidos transmitiu as partidas do campeonato no YouTube e o canal SporTV transmitiu as partidas na Tv Fechada .[3][9] Em 2023, o Grupo Globo adquiriu os direitos de transmissão do torneio, mas com a TV Globo realizando a cobertura a partir das quartas de final.[5]

Historicamente, os times paulistas dominam a disputa, tendo vencido 9 das 10 edições já realizadas (com 5 times campeões: Centro Olímpico, Corinthians, Ferroviária, Rio Preto e Santos). Além disso, os times paulistas também são responsáveis por todos os títulos do Brasil na Copa Libertadores da América de Futebol Feminino (com 5 times campeões: Audax, Corinthians, Ferroviária, Santos , São José-SP e Palmeiras) . Curiosamente, Audax e São José-SP são campeões continentais, mas nunca venceram o Campeonato Brasileiro (tendo se classificado para a Libertadores ao vencer a extinta Copa do Brasil de Futebol Feminino).

Em maio de 2021, foi anunciado a criação da Série A3, com 32 clubes.[21][22]

Acesso à CONMEBOL Libertadores Feminina

editar

O acesso à CONMEBOL Libertadores Feminina é feito tendo por base a posição do país no ranking histórico da CONMEBOL. Devido o Brasil ocupar o 1º lugar no ranking da temporada 2023, ambos os finalistas da competição nacional tem acesso à competição internacional.[23]

Ranking da CONMEBOL

editar

Atualizado em 21 de Outubro de 2023[24]

Pos. Associação Pont.
1   Brasil 260
2   Chile 148
3   Colombia 145
4   Paraguai 115
5   Argentina 105
6   Venezuela 79
7   Equador 66
8   Uruguai 53
9   Bolívia 40
10   Peru 38
Classificação do Brasil no ranking histórico da CONMEBOL
2020 2021 2022 2023

Temporada 2024

editar

Clubes

editar
Clube Cidade Estado Estádio Lotação
América Mineiro Belo Horizonte Minas Gerais Alterosas 2 000
Atlético Mineiro Belo Horizonte Minas Gerais Alterosas 2 000
Avaí/Kindermann Caçador Santa Catarina Carlos Alberto Costa Neves 6 500
Botafogo Rio de Janeiro Rio de Janeiro Nilton Santos 44 000
Corinthians São Paulo São Paulo Parque São Jorge 16 000
Cruzeiro Belo Horizonte Minas Gerais Estádio das Alterosas 2 000
Ferroviária Araraquara São Paulo Fonte Luminosa 20 950
Flamengo Rio de Janeiro Rio de Janeiro Luso-Brasileiro 5 500
Fluminense Rio de Janeiro Rio de Janeiro Laranjeiras 8 000
Grêmio Porto Alegre Rio Grande do Sul Vieirão 4 700
Internacional Porto Alegre Rio Grande do Sul SESC Campestre 2 800
Palmeiras São Paulo São Paulo Allianz Parque 43 713
Real Brasília Brasília Distrito Federal Defelê 1 500
Red Bull Bragantino Bragança Paulista São Paulo Nabi Abi Chedid 15 010
Santos Santos São Paulo Vila Belmiro 16 068
São Paulo São Paulo São Paulo Marcelo Portugal 1 500

Federações

editar
Estado Nº Clubes Clubes
  São Paulo 6 Corinthians, Ferroviária, Palmeiras, RB Bragantino, Santos, São Paulo
  Minas Gerais 3 América MG, Atlético Mineiro, Cruzeiro
  Rio de Janeiro 3 Botafogo, Flamengo, Fluminense
  Rio Grande do Sul 2 Grêmio, Internacional
  Distrito Federal 1 Real Brasília
  Santa Catarina 1 Avaí/Kindermann

Participações

editar

Ver também: Lista de Participações no Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino

Um total de 50 clubes já participaram do Campeonato Brasileiro desde a sua primeira edição, em 2013. A tabela a seguir apresenta os clubes que mais participaram dos torneios que compõe o Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino desde 2013 a 2023. Os clubes em negrito indicam as equipes que jogaram o Brasileirão de 2023.

Clubes Temporadas
(2013-2023)
Melhor campanha Estreia Última R  
  Ferroviária 10 Campeão (2014 e 2019) 2014 2023
  Kindermann 10 Vice-campeão (2014 e 2020) 2013 2023
  São José-SP 10 Vice-campeão (2013 e 2015) 2013 2022 1
  Flamengo 9 Campeão (2016) 2015 2023
  Santos 9 Campeão (2017) 2015 2023
  Corinthians 8 Campeão (2018, 2020, 2021, 2022 e 2023) 2016 2023
  Iranduba 8 4º colocado (2017) 2013 2020 1
  Foz Cataratas 7 3º colocado (2013) 2013 2019 1
  São Francisco EC 7 6º colocado (2013) 2013 2019 1
  Vitória das Tabocas 7 5º colocado (2013) 2013 2019 1
  Grêmio 5 7º colocado (2021) 2017 2023 1
  Internacional 5 Vice-campeão (2022) 2019 2023
  Pinheirense 5 6º colocado (2014) 2013 2018 1
  Rio Preto 5 Campeão (2015) 2013 2018
  Cruzeiro 4 10º colocado (2020) 2020 2023
  Palmeiras 4 Vice-campeão (2021) 2020 2023
  São Paulo 4 3º colocado (2020) 2020 2023
  Audax 4 7º colocado (2017 e 2019) 2017 2020 1
  Caucaia 4 8º colocado (2014) 2013 2016 1
  Centro Olímpico 4 Campeão (2013) 2013 2016 1
  Duque de Caxias 4 5º colocado (2014) 2013 2016 1
  Ponte Preta 4 8º colocado (2018) 2017 2020 1
  Portuguesa 4 10º colocado (2014 e 2015) 2014 2018 1
  Sport 4 9º colocado (2017) 2014 2019 1
  Viana 4 14º colocado (2014 e 2016) 2013 2016 1

Campeões

editar

Total de temporadas entre os quatro primeiros colocados

editar

Durante as 10 edições do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino, realizadas entre 2013 e 2022, 15 equipes diferentes terminaram o torneio entre os quatro primeiros colocados.

* Atualizado em 10 de setembro de 2023.

Total G4 Clubes Participações
7   Corinthians 8 5 2 0 0
6   Ferroviária 10 2 1 2 1
5   Rio Preto 5 1 2 1 1
3   Centro Olímpico 4 1 0 2 0
  Flamengo 9 1 0 1 1
  Kindermann 10 0 2 1 0
  São José-SP 10 0 2 0 1
  Palmeiras 4 0 1 0 2
  São Paulo 4 0 0 1 2
2   Santos 9 1 0 1 0
  Internacional 5 0 1 0 1
1
  Foz Cataratas 7 0 0 1 0
  Iranduba 8 0 0 0 1
  Tiradentes-PI 3 0 0 0 1
  Botafogo 2 0 0 0 1

Artilheiras

editar

Por edição

editar
Edição Jogadora Clube Gols Ref.
2013   Gabi Zanotti Centro Olímpico 12 [25]
2014   Raquel Fernandes Ferroviária 16 [26]
2015   Gabi Nunes Centro Olímpico 14 [27]
2016   Millene Fernandes Rio Preto 10 [28]
2017   Soledad Jaimes Santos 18 [29]
2018   Danyelle Flamengo 15 [30]
2019   Millene Fernandes Corinthians 19 [31]
2020   Carla Nunes Palmeiras 12 [32]
2021   Bia Zaneratto 13 [33]
2022   Cristiane Santos 13 [34]
2023   Amanda Gutierres Palmeiras 13 [35]

Clubes com mais artilharias

editar
Pos. Clube Total
1   Palmeiras 3
2   Centro Olímpico 2
  Santos
3   Ferroviária 1
  Rio Preto
  Flamengo
  Corinthians

Maiores goleadas

editar
  • Abaixo segue a lista das maiores goleadas da história do Brasileirão Feminino.
Edição Mandante Placar Visitante Data Ref.
1 2014 Ferroviária   16–1   Pinheirense 16 de outubro de 2014 [36]
2 2023 Corinthians   14–0   Ceará 25 de fevereiro de 2023 [37]
3 2015 Centro Olímpico   13–0   Duque de Caxias 20 de setembro de 2015 [38]
4 2023 Palmeiras   11–0   Ceará 1 de abril de 2023 [39]
5 2013 Tiradentes-PI   11–1   Viana 21 de setembro de 2013 [40]
6 2015 São José-SP   10–0   Mixto 16 de setembro de 2015 [41]
Tiradentes-PI   10–0   Viana 23 de setembro de 2015 [42]
2017 Corinthians   10–0   São Francisco EC 31 de maio de 2017 [43]
2019 Flamengo   10–0   Vitória das Tabocas 23 de março de 2019 [44]
2023 Bahia   10–0   Ceará 11 de março de 2023 [45]
7 2019 Corinthians   9–0   São Francisco EC 14 de julho de 2019 [46]
Santos   9–0   Sport 13 de julho de 2019 [47]
2020 Kindermann   9–0   Audax 10 de setembro de 2020 [48]
Internacional   9–0   Audax 11 de outubro de 2020 [49]
2023 Palmeiras   9–0   Real Ariquemes 26 de fevereiro de 2023 [50]
8 2014 Sport   1–9   São Francisco EC 25 de setembro de 2014 [51]
9 2014 Avaí   0–8   Botafogo 17 de setembro de 2014 [52]
Chapecoense   8–0   Avaí 25 de setembro de 2014 [53]
2015 Santos   8–0   Botafogo-PB 4 de outubro de 2015 [54]
2018 Corinthians   8–0   Pinheirense 16 de maio de 2018 [55]
Sport   8–0   Pinheirense 22 de maio de 2018 [56]
2019 Santos   8–0   São Francisco EC 27 de março de 2019 [57]
2021 Palmeiras   8–0   Napoli 20 de junho de 2021 [58]
2023 Real Ariquemes   0–8   Ferroviária 26 de março de 2023 [59]

Ver também

editar

Referências

  1. a b Nunes, Maíra (2 de maio de 2019). «Brasileiro feminino volta a ter transmissão na TV após dois anos em branco». Correio Braziliense. Consultado em 28 de setembro de 2021 
  2. Reis, Luana (9 de agosto de 2021). «Brasileirão Feminino 2021 vai passar a ser transmitido também pelo SporTV». BolaVip. Consultado em 28 de setembro de 2021 
  3. a b «Desimpedidos irá transmitir o Campeonato Brasileiro Feminino». MKT Esportivo. 15 de abril de 2021. Consultado em 28 de setembro de 2021 
  4. «Brasileirão Feminino passará a ter transmissão do TikTok». Gazeta Esportiva. 13 de agosto de 2021. Consultado em 28 de setembro de 2021 
  5. a b colunista, GABRIEL VAQUER (1 de novembro de 2022). «Fora da Band, Brasileirão feminino perde espaço na Globo e causa reclamação». Notícias da TV. Consultado em 19 de junho de 2023 
  6. César, Daniel (8 de março de 2024). «TV Brasil irá transmitir Brasileirão Feminino e Série D e ministro de Lula faz promessa». NaTelinha - UOL. Consultado em 8 de março de 2024 
  7. «Neoenergia é a primeira patrocinadora exclusiva das Seleções Brasileiras Femininas». CBF. 1 de junho de 2021. Consultado em 20 de outubro de 2023 
  8. a b «Mulheres passaram 40 anos proibidas por lei de jogar futebol no Brasil». Jornal da USP. 13 de junho de 2019. Consultado em 14 de outubro de 2023 
  9. a b c d «Proibido há 80 anos por "prejudicar maternidade", futebol feminino estreia Brasileirão histórico». El País. 17 de agosto de 2021. Consultado em 14 de outubro de 2023 
  10. a b c «Futebol Feminista, a história da modalidade que se tornou uma causa política». El País. 23 de dezembro de 2020. Consultado em 14 de outubro de 2023 
  11. «Esporte Clube Radar». museudofutebol.org.br. Consultado em 14 de outubro de 2023 
  12. «Com patrocínio da Caixa, CBF organiza Brasileirão de Futebol Feminino». Estadão. 16 de setembro de 2013. Consultado em 16 de setembro de 2013 [ligação inativa] 
  13. «Ministério do Esporte, Caixa e CBF anunciam investimentos no futebol feminino». Agência Brasil - Empresa Brasileira de Comunicação. 16 de setembro de 2013. Consultado em 14 de outubro de 2023 
  14. «Futebol feminino ganha patrocínio da Caixa para o Campeonato Brasileiro». Agência Brasil - Empresa Brasileira de Comunicação. 14 de setembro de 2013. Consultado em 14 de outubro de 2023 
  15. «Novidades do Campeonato Brasileiro Feminino 2017». Consultado em 1 de novembro de 2016 
  16. «Com grandes na disputa, CBF divulga tabela do Brasileiro Feminino Série A1». ge.globo.com. 21 de fevereiro de 2017. Consultado em 14 de outubro de 2023 
  17. Superesportes (8 de junho de 2017). «CBF cancela Copa do Brasil feminina e times ficam sem calendário para o 2º semestre». Superesportes 
  18. «CALENDÁRIO DO FUTEBOL DE BASE E FEMININO - 2017» (PDF). CBF. 9 de janeiro de 2017 
  19. «Band acerta com CBF e vai transmitir o Brasileiro feminino». 2 de maio de 2019. Consultado em 21 de maio de 2019 
  20. «ESPN fecha compra do Brasileirão Feminino e fará finais ao vivo na TV paga». www.uol.com.br. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  21. Antunes, Luana (18 de maio de 2021). «Confira quais são as competições de futebol feminino nacional em 2022». Torcedores.Com. Consultado em 19 de maio de 2021 
  22. «CBF confirma para 2022 a Série A3 do Brasileiro de Futebol Feminino». GE. 18 de maio de 2021. Consultado em 19 de maio de 2021 
  23. «Regulamento CONMEBOL Libertadores Feminina 2023». CONMEBOL. 22 de agosto de 2023. Consultado em 20 de outubro de 2022 
  24. «Regulamento CONMEBOL Libertadores Feminina 2023» (PDF). CONMEBOL (em espanhol). 22 de agosto de 2023. Consultado em 21 de outubro de 2023 
  25. «CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL FEMININO - 2013». CBF. 12 de dezembro de 2013. Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  26. «CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL FEMININO - 2014». CBF. 30 de novembro de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  27. «CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL FEMININO - 2015». CBF. 8 de novembro de 2015. Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  28. «CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL FEMININO - 2016». CBF. 21 de julho de 2016. Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  29. «CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL FEMININO - 2017». CBF. 31 de julho de 2017. Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  30. «CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL FEMININO - 2018». CBF. 18 de janeiro de 2019. Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  31. «CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL FEMININO - 2019». CBF. 4 de agosto de 2019. Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  32. «CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL FEMININO - 2020». CBF. 6 de dezembro de 2020. Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  33. «CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL FEMININO - 2021». CBF. 7 de setembro de 2021. Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  34. «CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL FEMININO - 2022». CBF. 8 de agosto de 2022. Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  35. «CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL FEMININO - 2023». CBF. 4 de setembro de 2022. Consultado em 18 de fevereiro de 2024 
  36. «Ferroviaria (SP) x Pinheirense (PA) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2014». CBF 
  37. «Corinthians (SP) x Ceará (CE) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2023». CBF 
  38. «Adeco (SP) x Duque de Caxias (RJ) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2015». CBF 
  39. «Palmeiras (SP) x Ceará (CE) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2023». CBF 
  40. «PS.e. Tiradentes (PI) x Viana (MA) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2013». CBF 
  41. «São José (SP) x Mixto (MT) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2015». CBF 
  42. «PS.e. Tiradentes (PI) x Viana (MA) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2015». CBF 
  43. «Corinthians (SP) x São Francisco (BA) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2017». CBF 
  44. «Flamengo (RJ) x Vitória (PE) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2019». CBF 
  45. «Bahia (BA) x Ceará (CE) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2023». CBF 
  46. «Corinthians (SP) x São Francisco (BA) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2019». CBF 
  47. «Santos (SP) x Sport (PE) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2019». CBF 
  48. «Kindermann (SC) x Audax (SP) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2020». CBF 
  49. «Internacional (RS) x Audax (SP) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2020». CBF 
  50. «Palmeiras (SP) x Real Ariquemes (RO) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2023». CBF 
  51. «Sport (PE) x São Francisco (BA) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2014». CBF 
  52. «Avaí (SC) x Botafogo (RJ) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2014». CBF 
  53. «Chapecoense (SC) x Avaí (SC) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2014». CBF 
  54. «Santos (SP) x Botafogo (PB) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2015». CBF 
  55. «Corinthians (SP) x Pinheirense (PA) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2018». CBF 
  56. «Sport (PE) x Pinheirense (PA) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2018». CBF 
  57. «Santos (SP) x São Francisco (BA) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2019». CBF 
  58. «Palmeiras (SP) x Associação Napoli Cacadorense (SC) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2021». CBF 
  59. «Real Ariquemes (RO) x Ferroviaria S.a.f. (SP) - Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino 2023». CBF