Abrir menu principal

Campeonato Mundial de Atletismo de 2013

14ª edição dos Campeonato Mundial de Atletismo, em Moscovo, Rússia
14°Campeonato Mundial de Atletismo
Чемпионат мира по лёгкой атлетике 2013

Moscou 2013
2013 World Championships in Athletics logo.png
Dados
Países participantes 203
Entidade responsável IAAF e Federação Russa de Atletismo - Всероссийская федерация лёгкой атлетики (ВФЛА)
Sede Rússia Moscou, Rússia
Primeira edição Helsinque 1983
Atletas 1784
Duração 10 a 18 de agosto de 2013
Estádio principal Estádio Lujniki
Site oficial Moscow 2013
◄◄ Daegu 2011 {{{evento}}} Pequim 2015 ►►

Campeonato Mundial de Atletismo de 2013 foi o 14º campeonato mundial bienal do esporte realizado em Moscou, Rússia, entre 10 e 18 de agosto daquele ano, sob organização da Associação Internacional de Federações de AtletismoIAAF e da Federação Russa de Atletismo (Всероссийская федерация лёгкой атлетики) – ВФЛА.[1] As competições ocorreram no Estádio Lujniki, antigo Estádio Central Lenin e Estádio Olímpico durante os Jogos Olímpicos de 1980, [2] com a participação de 1784 atletas de 203 países e a assistência de 268.548 espectadores, ultrapassando o número total do campeonato anterior, em Daegu 2011.[3]

A Rússia venceu o torneio realizado em casa, a primeira vez na história dos mundiais que o país anfitrião liderou o quadro de medalhas, com um total de sete medalhas de ouro, seguida pelos Estados Unidos e pela Jamaica, com seis cada, mas em 2016 perdeu uma delas por doping e acabou ficando em segundo lugar; os norte-americanos conquistaram o mesmo número mas foram os que mais conquistaram medalhas, com 25 no total. Este campeonato também viu o jamaicano Usain Bolt tornar-se o mais bem sucedido atleta em campeonatos mundiais, com um total de oito medalhas de ouro e duas de prata conquistadas em mundiais de atletismo. Antes do início da campetição, quatro velocistas foram banidos por falharem em exames anti-doping.[4]

Índice

PrêmiosEditar

O campeonato paga prêmios em dinheiro e esta edição dividiu mais de sete milhões de dólares entre os atletas, incluindo um bônus de US$100.000 dólares para quem estabelecesse um novo recorde mundial em sua modalidade. Os principais prêmios foram:[5]

Eventos individuais
  – $60.000
  – $30.000
  – $20.000
4° lugar: $15.000
5º lugar: $10.000
6° lugar: $6.000
7º lugar: $5.000
8° lugar: $4.000
Eventos por equipe
  – $80.000
  – $40.000
  – $20.000
4° lugar: $16.000
5º lugar: $12.000
6° lugar: $8.000
7º lugar: $6.000
8° lugar: $4.000

LocalEditar

O local das competições, Estádio Lujniki, que faz parte do Complexo Olímpico Lujniki, foi originalmente construído em 1956 com o nome de Estádio Central Lenin e tornou-se o principal estádio esportivo da então União Soviética. Com uma capacidade total de 103.000 espectadoes à época, ele foi o principal palco dos Jogos Olímpicos de Moscou 1980, onde foram realizadas as cerimônias de abertura e encerramento daqueles Jogos, assim como partidas de futebol e competições de hipismo, além de ser o local das disputas de atletismo.[6] Passando a chamar-se Lujnick após o fim da URSS, depois de uma grande reforma em 1996 ele recebeu teto sobre toda a arquibancada, cadeiras e telões e sua capacidade passou a ser de 78.360 lugares.[7]

 
Estádio Lujniki, completamente modernizado, durante o Mundial.

ControvérsiasEditar

Em junho daquele ano, a introdução de uma lei federal banindo "propaganda homossexual" no país afetou o campeonato. Organismos internacionais condenaram a promulgação da lei mesmo antes do evento, que ocorreu meses antes dos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, também na Rússia, no ano seguinte. O político russo Vitaly Milonov, um cruzado contra o homossexualismo, declarou que as leis seriam aplicadas tanto para cidadãos russos quanto para atletas ou turistas na época do campeonato. Para as vozes que se levantaram pedindo o boicote ao Mundial e aos subsequentes Jogos de Inverno, Milonov declarou que as "competições esportivas são um lugar onde não deve haver nenhuma política".[8]

Atletas de diferentes países manifestaram preocupação com o fato e com os direitos dos homossexuais na Rússia, mas nenhum boicotou o evento. Mesmo assim, demontrações de apoio aos gays ocorreram durante o Mundial. Duas atletas suecas, Emma Green Tregaro do salto em altura e a velocista Moa Hjelmer, apareceram para suas qualificatórias com unhas pintadas na cor do arco-íris, fato notado e transmitido pela televisão. A IAAF notificou a Federação Sueca de Atletismo que o gesto era uma brecha nas regras de conduta dos atletas. Os suecos defenderam sua atleta mas ela encerrou a polêmica aparecendo para sua final com as unhas pintadas de vermelho como "símbolo do amor".[9] Mesmo assim, durante a final do salto em altura, nas tribunas do estádio o ministro da Cultura e Esporte da Finlândia, Paavo Arhinmäki, apareceu balançando uma bandeira com as cores do arco-íris em apoio a Tregaro.[10]

 
Yelena Isinbayeva, envolvida em polêmica no campeonato.

A russa Yelena Isinbayeva, campeã olímpica e mundial do salto com vara e de grande popularidade no país, causou polêmica ao dar declarações públicas criticando o ato das suecas. Ela disse que os protestos eram desrespeitosos com relação ao país anfitrião e suas leis e comentou, em inglês, que eles, russos, "se consideravam um povo normal e comum, onde meninos e meninas e homens e mulheres se relacionavam normalmente" e que se eles tinham suas leis todos deveriam respeitar. "Quando vamos a outros países tentamos seguir as regras do lugar".[11] Criticada em declarações de outros atletas e pela mídia ocidental, ela declarou que havia sido mal-entendida por causa de sua compreensão da língua inglesa: "O que eu quis dizer é que as pessoas devem respeitar as leis de outros países especialmente quando são convidados. Mas quero deixar claro que respeito as ideias de meus colegas atletas e quero declarar nos termos mais fortes que eu me oponho a qualquer discriminação contra homossexuais por causa de sua sexualidade, o que por sinal é contra a Carta Olímpica".[12]

Durante a competição houve a deserção de um atleta cubano. Orlando Ortega, corredor dos 110 m c/ barreiras, desertou de sua delegação nacional e não retornou a Cuba com a equipe ao fim do campeonato. Ortega havia sido punido com uma suspensão disciplinar de seis meses pela Federação Cubana de Atletismo no começo do ano por razões não-divulgadas. O presidente da Federação Russa de Atletismo, Valentin Balakhnichev, declarou que não tinha tido qualquer contato com o atleta e que de qualquer maneira a sua federação não tinha intenção de recrutá-lo para nada.[13] Falando na Europa após sua defecção, Ortega esclareceu que sua atitude não tinha relação com a política cubana mas com uma geral falta de atenção dos órgãos esportivos do país com a situação de seus atletas e de que tinha sido punido injustamente, o que tinha afetado seu treinamento para o campeonato.[14] Ele viria a competir nos Jogos Olímpicos da Rio 2016 pela Espanha, onde ficou com a medalha de prata.[15]

DopingEditar

 
Darya Pishchalnikova, punida por doping antes do campeonato começar.

A IAAF coletou amostras de sangue de todos os atletas participantes, seguindo o mesmo procedimento usado em Daegu 2011, de acordo com seu programa de verificação do Passaporte Biológico dos Atletas. Este programa ajuda a Federação Internacional a detectar o uso potencial de substâncias proibidas, incluindo esteróides, crescimento de hormônio humano, EPO e doping de sangue. Além dos testes de sangue obrigatórios, a IAAF também fez cerca de 500 testes de urina nos atletas, dividdos em três grupos: todos os medalistas, portadores de anomalias nos passaportes biológicos e testes aleatórios. Continuando com os procedimentos iniciados no Mundial de Helsinque 2005, todos as amostras de urina foram estocadas para permitir futuros testes com tecnologia mais avançada. Todas as amostras foram processadas pelo laboratório anti-doping de Moscou, creditado junto à WADA.[16]

Nos meses anteriores ao campeonato, 40 atletas russos foram suspensos por doping. Os mais proeminentes deles foram a lançadora de disco Darya Pishchalnikova, prata em Londres 2012, e a lançadora de martelo Olga Kuzenkova, campeã olímpica em Atenas 2004. O presidente da FRA, Valentin Balakhnichev, apoiou as suspensões numa tentativa de demostrar o aumento da efetividade da RUSADA, a agência anti-doping russa, criada três anos antes.[17] Um mês antes do início das competições, o jornal britânico The Mail on Sunday, após longa investigação publicou que Grigory Rodchenkov, o chefe da agência anti-doping de Moscou, havia sido preso por acusações de distribuição de drogas, mas as acusações foram retiradas e ele liberado; a irmã dele foi condenada pela compra de drogas proibidas para fornecimento aos atletas.[18]

O ex-técnico russo Oleg Popov e o velocista dos 400 m Valentin Kruglyakov declararam que atletas eram obrigados a se doparem e pagavam fiscais para esconder seus resultados positivos;[19] em resposta, o técnico da equipe nacional de atletismo Valentin Maslakov, assinalou que Kruglyakov já havia testado positivo para doping e que Popov foi técnico de Lada Chernova, lançadora de dardo que havia sido pega duas vezes em testes de doping. Ele também assinalou que a RUSADA e seus laboratórios eram independentes das federações esportivas.[20]

Os testes de doping feitos na competição revelaram que diversos atletas usaram de drogas no campeonato. O quinto colocado no lançamento de dardo, Roman Avramenko, da Ucrânia, e a turcomena Yelena Ryabova, dos 200 m rasos, testaram positivo para o esteróide Turinabol; outra velocista dos 200 m, Yelyzaveta Bryzhina, também da Ucrânia, foi banida pelo uso do esteróide drostanolona. Outros casos foram o do velocista afegão Masoud Azizi (nandrolona), Ayman Kozhakhmetova e Ebrahim Rahimian da marcha atlética (EPO) e o maratonista guatemalteco Jeremias Saloj, também por EPO.[21]

RecordesEditar

O evento viu a quebra de três recordes do campeonato, dois recordes continentais e 48 recordes nacionais, mas nenhum recorde mundial.[22] O ucraniano Bohdan Bondarenko quebrou um recorde no salto em altura com 20 anos de duração, que pertencia ao cubano Javier Sotomayor desde o Campeonato Mundial de Stuttgart em 1993.

Recorde
Modalidade
Atleta
País
Marca
Anterior
 
salto em altura
Bohdan Bondarenko
 
2,41 m
2,40 m – Stuttgart 1993
 
lançamento de martelo
Tatyana Lysenko
 
78,80 m
77,96 m – Berlim 2009
 
revezamento 4x100 m feminino
Jamaica
 
41.29
41.47 – Atenas 1997

Quadro de medalhasEditar

Posição País Ouro Prata Bronze Total
1   Estados Unidos 6 14 5 25
2   Rússia 6 3 6 15
3   Jamaica 6 2 1 9
4   Quênia 5 4 3 12
5   Alemanha 4 2 1 7
6   Etiópia 3 3 4 10
7   Grã-Bretanha 3 3 6
8   República Tcheca 2 1 3
  Ucrânia 2 1 3
10   França 1 2 1 4
11   Polônia 1 2 3
12   Colômbia 1 1
  Croácia 1 1
  Irlanda 1 1
  Nova Zelândia 1 1
  Suécia 1 1
  Trinidad e Tobago 1 1
  Uganda 1 1
19   Austrália 2 1 3
20   Costa do Marfim 2 2
21   Canadá 1 4 5
22   China 1 3 4
23   Cuba 1 2 3
24   Países Baixos 1 1 1
  Nigéria 1 1 1
26   Botswana 1 1
  Finlândia 1 1
  Hungria 1 1
  Itália 1 1
  Catar 1 1
31   Espanha 2 2
  Sérvia 2 2
33   Djibouti 1 1
  República Dominicana 1 1
  Estônia 1 1
  Japão 1 1
  México 1 1
  África do Sul 1 1

MedalhistasEditar

Masculino
 
O desfile das bandeiras durante a cerimônia de abertura.
 
O pardal-mascote do Mundial.
 
Medalhistas dos 110 m c/ barreiras.
 
Mo Farah conquistou duas medalhas de ouro, nos 5000 m e 10000 metros.
 
Ashton Eaton, campeão do decatlo.
 
Zuzana Hejnová, da República Tcheca, campeã dos 400 m c/ barreiras.
 
Edna Kiplagat comemora após vencer a maratona.
 
Dafne Schippers, bronze no heptatlo.
 
A marcha dos 20 km feminina.
Evento Ouro Prata Bronze
100 m
detalhes
Usain Bolt
  Jamaica
9.77 Justin Gatlin
  Estados Unidos
9.85 Nesta Carter
  Jamaica
9.95
200 m
detalhes
Usain Bolt
  Jamaica
19.66 Warren Weir
  Jamaica
19.77 Curtis Mitchell
  Estados Unidos
20.04
400 m
detalhes
LaShawn Merritt
  Estados Unidos
43.74 Tony McQuay
  Estados Unidos
44.40 Luguelín Santos
  República Dominicana
44.52
800 m
detalhes
Mohammed Aman
  Etiópia
1:43.31 Nick Symmonds
  Estados Unidos
1:43.55 Ayanleh Souleiman
  Djibouti
1:43.76
1500 m
detalhes
Asbel Kiprop
  Quênia
3:36.28 Matthew Centrowitz
  Estados Unidos
3:36.78 Johan Cronje
  África do Sul
3:36.83
5000 m
detalhes
Mo Farah
  Grã-Bretanha
13:26.98 Hagos Gebrhiwet
  Etiópia
13:27.26 Isiah Koech
  Quênia
13:27.26
10000 m
detalhes
Mo Farah
  Grã-Bretanha
27:21.71 Ibrahim Jeilan
  Etiópia
27:22.23 Paul Tanui
  Quênia
27:22.61
Maratona
detalhes
Stephen Kiprotich
  Uganda
2:09:51 Lelisa Desisa
  Etiópia
2:10:12 Tadese Tola
  Etiópia
2:10:23
110 m c/ barreiras
detalhes
David Oliver
  Estados Unidos
13:00 Ryan Wilson
  Estados Unidos
13:13 Sergei Shubenkov
  Rússia
13:24
400 m c/ barreiras
detalhes
Jehue Gordon
  Trinidad e Tobago
47.69 Michael Tinsley
  Estados Unidos
47.70 Emir Bekrić
  Sérvia
48.05
3000 m c/ obstáculos
detalhes
Ezekiel Kemboi
  Quênia
8:06.01 Conseslus Kipruto
  Quênia
8:06.37 Mahiedine Mekhissi-Benabbad
  França
8:07.86
Marcha 20 km
detalhes
Aleksandr Ivanov
  Rússia
1:20:58 Chen Ding
  China
1:21:09 Miguel Ángel López
  Espanha
1:21:21
Marcha 50 km
detalhes
Robert Heffernan
  Irlanda
3:37:56 Mikhail Ryzhov
  Rússia
3:38:58 Jared Tallent
  Austrália
3:40:03
4x100 m
detalhes
  Jamaica
Nesta Carter
Kemar Bailey-Cole
Nickel Ashmeade
Usain Bolt
37.36   Estados Unidos
Charles Silmon
Mike Rodgers
Mookie Salaam
Justin Gatlin
37.66   Canadá
Gavin Smellie
Aaron Brown
Dontae Richards-Kwok
Justyn Warner
37.92
4x400 m
detalhes
  Estados Unidos
David Verburg
Tony McQuay
Arman Hall
LaShawn Merritt
2:58.71   Jamaica
Rusheen McDonald
Edino Steele
Omar Johnson
Javon Francis
2:59.88   Rússia
Maksim Dyldin
Lev Mosin
Sergei Petukhov
Vladimir Krasnov
2:59.90
Salto com vara
detalhes
Raphael Holzdeppe
  Alemanha
5,89 m Renaud Lavillenie
  França
5,89 m Björn Otto
  Alemanha
5,82 m
Salto em distância
detalhes
Aleksandr Menkov
  Rússia
8,56 m Ignisious Gaisah
  Países Baixos
8,29 m Luis Rivera
  México
8,27 m
Salto triplo
detalhes
Teddy Tamgho
  França
18,04 m Pedro Pablo Pichardo
  Cuba
17,68 m Will Claye
  Estados Unidos
17,52 m
Salto em altura
detalhes
Bohdan Bondarenko
  Ucrânia
2,41 m   Mutaz Essa Barshim
  Catar
2,38 m Derek Drouin
  Canadá
2,38 m
Arremesso de peso
detalhes
David Storl
  Alemanha
21,73 m Ryan Whiting
  Estados Unidos
21,57 m Dylan Armstrong
  Estados Unidos
21,34 m
Lançamento de disco
detalhes
Robert Harting
  Alemanha
69,11 m Piotr Małachowski
  Polônia
68,36 m Gerd Kanter
  Estônia
65,19 m
Lançamento de martelo
detalhes
Paweł Fajdek
  Polônia
81,97 m Krisztián Pars
  Hungria
80,30 m Lukáš Melich
  República Tcheca
79,36 m
Lançamento de dardo
detalhes
Vítězslav Veselý
  República Tcheca
87,17 m} Tero Pitkämäki
  Finlândia
87,07 m Dmitriy Tarabin
  Rússia
86,23 m
Decatlo
detalhes
Ashton Eaton
  Estados Unidos
8809 pts Michael Schrader
  Alemanha
8670 pts Damian Warner
  Canadá
8512 pts
Feminino
Evento Ouro Prata Bronze
100 m
detalhes
Shelly-Ann Fraser-Pryce
  Jamaica
10.71 Murielle Ahouré
  Costa do Marfim
10.93 Carmelita Jeter
  Estados Unidos
10.94
200 m
detalhes
Shelly-Ann Fraser-Pryce
  Jamaica
22.17 Murielle Ahouré
  Costa do Marfim
22.32 Blessing Okagbare
  Nigéria
22.32
400 m
detalhes
Christine Ohuruogu
  Grã-Bretanha
49.41 Amantle Montsho
  Botswana
49.41 Antonina Krivoshapka
  Rússia
49.78
800 m
detalhes
Eunice Sum
  Quênia
1:57.38 Brenda Martinez
  Estados Unidos
1:57.91 Alysia Montaño
  Estados Unidos
1:57.95
1500 m
detalhes
Abeba Aregawi
  Suécia
4:02.67 Jennifer Simpson
  Estados Unidos
4:02.99 Hellen Obiri
  Quênia
4:03.86
5000 m
detalhes
Meseret Defar
  Etiópia
14:50.19 Mercy Cherono
  Quênia
14:51.22 Almaz Ayana
  Etiópia
14:51.33
10000 m
detalhes
Tirunesh Dibaba
  Etiópia
30:43.35 Gladys Cherono
  Quênia
30:45.17 Belaynesh Oljira
  Etiópia
30:46.98
Maratona
detalhes
Edna Kiplagat
  Quênia
2:25:44 Valeria Straneo
  Itália
2:25:58 Kayoko Fukushi
  Japão
2:27:45
100 m c/ barreiras
detalhes
Brianna Rollins
  Estados Unidos
12.44 Sally Pearson
  Austrália
12.50 Tiffany Porter
  Grã-Bretanha
12.55
400 m c/ barreiras
detalhes
Zuzana Hejnová
  República Tcheca
52.83 Dalilah Muhammad
  Estados Unidos
54.09 Lashinda Demus
  Estados Unidos
54.27
3000 m c/ obstáculos
detalhes
Milcah Cheywa
  Quênia
9:11.65 Lydiah Chepkurui
  Quênia
9:12.55 Sofia Assefa
  Etiópia
9:12.84
4x100 m
detalhes
  Jamaica
Carrie Russell
Kerron Stewart
Schillonie Calvert
Shelly-Ann Fraser-Pryce
41.29     Estados Unidos
Jeneba Tarmoh
English Gardner
Alexandria Anderson
Octavious Freeman
42.75   Grã-Bretanha
Dina Asher-Smith
Ashleigh Nelson
Annabelle Lewis
Hayley Jones
42.87
4x400 m
detalhes
  Estados Unidos
Jessica Beard
Natasha Hastings
Ashley Spencer
Francena McCorory
3:20.41   Grã-Bretanha
Eilidh Child
Shana Cox
Margaret Adeoye
Christine Ohuruogu
3:22.61   França
Marie Gayot
Lénora Guion-Firmin
Muriel Hurtis
Floria Gueï
Phara Anacharsis*
3:24.21
Marcha 20 km
detalhes
Elena Lashmanova
  Rússia
1:27.08 Anisya Kirdyapkina
  Rússia
1:27.11 Liu Hong
  China
1:28.10
Salto com vara
detalhes
Yelena Isinbayeva
  Rússia
4,89 m Jennifer Suhr
  Estados Unidos
4,82 m Yarisley Silva
  Cuba
4,82 m
Salto em distância
detalhes
Brittney Reese
  Estados Unidos
7,01 m Blessing Okagbare
  Nigéria
6,99 m Ivana Španović
  Sérvia
6,82 m
Salto triplo
detalhes
Caterine Ibargüen
  Colômbia
14,85 m Ekaterina Koneva
  Rússia
14,81 m Olha Saladuha
  Ucrânia
14,65 m
Salto em altura
detalhes
Svetlana Shkolina
  Rússia
2,03 m Brigetta Barrett
  Estados Unidos
2,00 m Anna Chicherova
  Rússia
Ruth Beitia
  Espanha
1,97 m
Arremesso de peso
detalhes
Valerie Adams
  Nova Zelândia
20,88 m Christina Schwanitz
  Alemanha
20,41 m Gong Lijiao
  China
19,95 m
Lançamento de disco
detalhes
Sandra Perković
  Croácia
67,99 m Mélina Robert-Michon
  Alemanha
66,28 m Yarelys Barrios
  Cuba
64,96 m
Lançamento de martelo
detalhes
Tatyana Lysenko
  Rússia
78,80 m   Anita Włodarczyk
  Polônia
78,46 m Zhang Wenxiu
  China
75,58 m
Lançamento de dardo
detalhes
Christina Obergföll
  Alemanha
69,05 m Kimberley Mickle
  Austrália
66,60 m Mariya Abakumova
  Rússia
65,09 m
Heptatlo
detalhes
Hanna Melnychenko
  Ucrânia
6586 pts Brianne Theisen-Eaton
  Canadá
6530 pts Dafne Schippers
  Países Baixos
6477 pts
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Campeonato Mundial de Atletismo de 2013

Referências

  1. «Moscow gets ready to welcome the IAAF World Championships» (em inglês). IAAF. 8 de agosto de 2013. Consultado em 12 de agosto de 2013. 
  2. «IAAF website brings you all the action from Moscow 2013» (em inglês). IAAF. 9 de agosto de 2013. Consultado em 12 de agosto de 2013. 
  3. «Moscow 2013 attendance figures». IAAF Moscow 2013. Consultado em 10 de setembro de 2016. 
  4. «Track Championships Add Layer of Scrutiny to Russia and Doping». The New York Times. Consultado em 10 de setembro de 2016. 
  5. «Athletics World Championships Prize Money: How Much For A World Record?». World Sports Intelligence. Consultado em 10 de setembro de 2016. 
  6. «Games of the XXII Olympiad» (PDF). la84.org. Consultado em 10 de setembro de 2016. 
  7. «Luzhniki Stadium». The Stadium Guide. Consultado em 10 de setembro de 2016. 
  8. «Russian MP rails against idea of sporting boycott over anti-gay laws - video». The Guardian. Consultado em 10 de setembro de 2016. 
  9. «Gay-rights gesture may violate rules». ESPN. Consultado em 10 de setembro de 2016. 
  10. McCormick, Joseph Patrick. «Russia: Finnish minister waves rainbow flag at Moscow athletics, despite anti-gay laws». Pink News. Consultado em 10 de setembro de 2016. 
  11. «Isinbayeva condemns Green-Tregaro's rainbow gesture». Reuters. Consultado em 10 de setembro de 2016. 
  12. «I was misunderstood, back-tracking Isinbayeva says». Reuters. Consultado em 10 de setembro de 2016. 
  13. «eports: Hurdler Orlando Ortega deserts Cuban team, whereabouts unknown». NBC Sports. Consultado em 10 de setembro de 2016. 
  14. «Cuban Hurdler Deserts Squad in Moscow». Havana Times. Consultado em 10 de setembro de 2016. 
  15. «Men's 110m Hurdles - Standings». Rio 2016. Consultado em 10 de setembro de 2016. 
  16. «ANTI-DOPING Q&A EXPLAINS HOW THE CHEATS ARE CAUGHT». IAAF. Consultado em 10 de setembro de 2016. 
  17. Russia hosts athletics showpiece in doping shadow. Agence France-Presse (2013-08-05). Retrieved on 2013-08-21.
  18. «Russian Insider Says State-Run Doping Fueled Olympic Gold». The New York Times. Consultado em 10 de setembro de 2016. 
  19. «SPECIAL INVESTIGATION: Drugs, bribery and the cover-up! Russian athletes». Mail online. Consultado em 10 de setembro de 2016. 
  20. «Russian Athletics Coach Slams Doping Claims». The Moscow Times. Consultado em 10 de setembro de 2016. 
  21. «Seven athletes fail doping tests at world athletics championships». The Sydney Morning Herald. Consultado em 10 de setembro de 2016. 
  22. «RECORDS BROKEN AT MOSKVA (LUZHNIKI) 2013». IAAF. Consultado em 10 de setembro de 2016. 

Ligações externasEditar