Abrir menu principal

Campeonato Paulista de Futebol de 1991

Campeonato Paulista de Futebol de 1991
Campeonato Paulista da Primeira Divisão de Futebol Profissional de 1991
Dados
Participantes 28
Período 24 de julho – 15 de dezembro
Gol(o)s 756
Partidas 390
Média 1,94 gol(o)s por partida
Campeão São Paulo (17º título)
Vice-campeão Corinthians
Melhor marcador Raí (São Paulo) - 20 gols
◄◄ São Paulo 1990 Soccerball.svg 1992 São Paulo ►►

O Campeonato Paulista de Futebol de 1991 teve como campeão o São Paulo, que conquistou o título ao vencer o Corinthians na final, com vitória por 3 a 0 no primeiro jogo e empate sem gols na segunda partida. O artilheiro da competição foi Raí, do próprio São Paulo, com vinte gols marcados.

Índice

ParticipantesEditar

O Campeonato Paulista da Primeira Divisão de 1991 foi dividido nos grupos verde e amarelo. O Grupo Verde foi composto das equipes melhores classificadas no Campeonato Paulista de 1990 e o Grupo Amarelo, pelas equipes piores classificadas naquele torneio, incluindo Olímpia, Rio Branco, Sãocarlense e Marília, que subiram da segunda divisão de 1990.

Grupo Verde: América, Botafogo, Bragantino, Corinthians, Ferroviária, Guarani, Ituano, Mogi Mirim, Novorizontino, Palmeiras, Portuguesa, Santos, XV de Piracicaba e XV de Jaú.

Grupo Amarelo: Catanduvense, Internacional, Juventus, Marília, Noroeste, Olímpia, Ponte Preta, Rio Branco, Santo André, São Bento, São José, São Paulo, Sãocarlense e União São João.

RegulamentoEditar

Cada um dos grupos teve jogos em turno e returno apenas dentro das respectivas chaves. Ao final dos dois turnos, os cinco melhores do Grupo Verde e os três melhores do Grupo Amarelo passaram para a próxima fase. Foi rebaixado para a segunda divisão o time com pior campanha, independentemente do grupo.[1] O primeiro critério de desempate nessa fase era o número de vitórias, seguido do saldo de gols. Os oito classificados foram então divididos em dois grupos de quatro times, com apenas o campeão de cada grupo sendo promovido à final depois de dois turnos dentro de cada chave. A final deu-se em dois jogos: em caso de empate em pontos ganhos nas duas partidas, seria disputada uma prorrogação de 30 minutos; persistindo o empate o campeão seria o time com melhor campanha ao longo de todo o campeonato.

O campeonatoEditar

PreparativosEditar

O Campeonato Paulista de 1991 começou com projeção de ascensão dos clubes do interior,[2] já que não só o Bragantino tinha conquistado o título anterior, como os três últimos vice-campeões tinham sido equipes de fora da capital (Guarani, em 1988, São José Esporte Clube, em 1989, e o Novorizontino, em 1990). Para enfrentar essa ascensão, Palmeiras e Corinthians apostaram em novos técnicos, respectivamente Nelsinho Baptista e Cilinho (substituindo Carlos Alberto Silva, anunciado logo depois do Campeonato Brasileiro, mas que comandou o time em apenas três amistosos em junho e deixou o clube em seguida, diante de uma proposta mais vantajosa do Porto, de Portugal),[3] enquanto o São Paulo manteve Telê Santana no cargo, além da base que havia acabado de conquistar o Campeonato Brasileiro de 1991.

Devido à má campanha no campeonato de 1990, o tricolor estava no Grupo Amarelo, com os times teoricamente mais fracos, o que era motivo de preocupação para Telê. "Os times do Interior vão crescer contra nós", avisava.[4] As ausências em relação ao elenco campeão brasileiro eram o zagueiro Ricardo Rocha, vendido ao Real Madrid, da Espanha, o lateral Leonardo, vendido ao também espanhol Valencia, o volante Bernardo, vendido ao Bayern de Munique, da Alemanha, além dos reservas Zé Teodoro, que foi para o Guarani, e Mário Tilico, que foi para o Cruzeiro, onde ganharia naquele mesmo ano a Supercopa Libertadores. Mas o atacante Müller voltara do futebol italiano na reta final do Brasileiro e o também atacante Macedo, emprestado pelo Rio Branco para o Brasileiro, teve seu passe comprado em definitivo. Raí também começou finalmente a se destacar, depois de quatro anos apagados no elenco. "O Campeonato Paulista de 1991 matou um jogador comum e fez nascer um craque", escreveria a revista Placar em dezembro.[5]

No grupo mais forte, o Corinthians apostava no currículo de Cilinho como lançador de jovens talentos, embora ainda fosse uma incógnita o seu relacionamento com Neto, a estrela do time, com quem tinha tido problemas de relacionamento no São Paulo, em 1987.[6] O técnico, entretanto, colocava panos quentes: "Queria ter trabalhado com o Neto de hoje na época do São Paulo. Afinal, hoje ele é o atleta com maior liderança sobre o elenco."[6] Quando soube da contratação, o jogador disse que isso só tinha acontecido porque ele tinha autorizado, o que ele depois garantiria ser apenas uma brincadeira com o volante Márcio que fora entreouvida por jornalistas e, mais tarde, atrapalharia o relacionamento entre jogador e técnico.[7]

Também no Grupo Verde, o Palmeiras buscava pôs fim a um jejum de quinze anos sem títulos, e para isso trouxe o zagueiro Luís Eduardo, o meia Edu Marangon e o atacante Evair, trocado com a Atalanta por Careca Bianchesi.[8] Já o Santos não fez contratações, além do técnico Ramiro Valente, ex-jogador do próprio clube (campeão paulista em 1955, 1956 e 1958) mas sem qualquer experiência no cargo. "Nunca orientei nem times juvenis, mas acompanho atentamente o que acontece no futebol atual", explicava Ramiro.[9]

Primeira faseEditar

Como se poderia esperar, a caminhada do São Paulo rumo à segunda fase foi bem tranquila, apesar de um começo razoavelmente claudicante, com três empates nos seis primeiros jogos. Depois o time deslanchou, embora sua maior série de vitórias seguidas tenha sido de apenas quatro, entre 18 de setembro e 2 de outubro. Antes de cada jogo, os são-paulinos colocavam diante de uma imagem de Nossa Senhora Aparecida, no vestiário, algumas rosas vermelhas.[10] A única derrota tricolor nessa fase — e em todo o campeonato — foi uma surpreendente goleada por 4 a 1 para a Internacional de Limeira em pleno Morumbi, em 9 de outubro. "Jogamos o tempo todo debaixo do gol da Inter, chutamos todas para fora e o adversário aproveitou quatro contra-ataques", reclamou Telê Santana.[11] Por outro lado, o clube conseguiu quatro goleadas ao longo do campeonato, como os 4 a 0 sobre o Juventus em 28 de julho, os 5 a 2 sobre o Marília em 6 de agosto, os 5 a 0 sobre o Catanduvense em 18 de setembro, em plena Catanduva, e os 5 a 0 sobre o São José em 12 de outubro, e o goleiro Zetti chegou a ficar 683 minutos sem sofrer gols, entre 1 de setembro e 2 de outubro.[12]

Em 21 de setembro o São Paulo jogou contra o Juventus no Canindé, e dirigentes do Cádiz, da Espanha, assistiram o jogo para analisar o futebol de Raí,[13] que começava a despontar. Foi a primeira sondagem internacional ao jogador, que ainda incluiria mais tarde os interesses do Valencia, por indicação de Leonardo, e do Real Madrid.[13]

O São Paulo classificou-se com antecipação para a segunda fase e terminou com oito pontos de vantagem sobre o segundo colocado, a Internacional, e catorze pontos sobre o quarto colocado, o Noroeste, o primeiro entre os times do Grupo Amarelo que não se classificaram. Acompanhando São Paulo e Internacional à segunda fase foi o Santo André.

Já o Grupo Verde foi muito mais disputado. A diferença entre o primeiro colocado Corinthians e o sexto colocado Bragantino, o primeiro entre os não-classificados, foi de apenas três pontos. A briga foi até o último minuto da última rodada: um gol de Vladimir, da Portuguesa, aos 47 minutos do segundo tempo[14] do jogo contra o Palmeiras, deu a vitória por 1 a 0 à Lusa, classificando-a no lugar do Bragantino e tirando o alviverde do topo do grupo, o que garantiria uma chave teoricamente mais fácil na segunda fase.[15] Ao fim da primeira fase, o Bragantino ainda tentou tomar a vaga do Botafogo, alegando que o clube ribeirão-pretano deveria perder os pontos da partida contra o XV de Jaú por ter escalado Nélson sem condições de jogo. Na tentativa de resolver o caso na Justiça, depois do campeonato, a apelação foi esquecida.[16]

A classificação em primeiro lugar por parte do Corinthians deu-se apesar da ausência de sua estrela Neto, suspenso por ter dado uma cusparada no árbitro José Aparecido de Oliveira depois de ter sido expulso contra o Palmeiras, em 13 de outubro[17] — ele já frequentava o banco de reservas por decisão do técnico.[18] Quando a decisão da suspensão por quatro meses foi tomada, Cilinho não apoiou seu jogador, que passou a se sentir persona non grata no clube e teve o preço de seu passe fixado em dois milhões de dólares, menos da metade do valor original antes dos problemas com o técnico e da suspensão.[7] Cilinho também teve problemas com o dirigente João Bosco, e os dois quase saíram aos tapas no vestiário quando da vitória por 3 a 0 sobre o Bragantino no Canindé, em 9 de outubro.[18] A partir daí, entretanto, foi selado um acordo de paz.[18]

Com a pior campanha entre os dois grupos, o São Bento, de Sorocaba, acabou rebaixado à divisão intermediária, sendo substituído em 1992 pelo Araçatuba, campeão daquela divisão em 1991 depois de vencer a Independente de Limeira — vencia por 1 a 0 quando a torcida do Independente derrubou o alambrado do Estádio Municipal Bruno Lazzarini, em Leme, onde foi disputado o jogo.[19] Na Segunda Divisão (que na verdade era o equivalente à terceira), o campeão foi o São Caetano, que dava continuidade à sua ascensão meteórica rumo à primeira divisão paulista — e, mais tarde rumo ao vice-campeonato da Copa Libertadores da América de 2002 e a dois vice-campeonatos brasileiros, em 2000 e 2001 —, já que tinha subido da quarta divisão em 1990 e em 1992 conquistaria uma vaga na primeira divisão. O São Caetano venceu um quadrangular com Velo Clube, também classificado, de Rio Claro, Oeste de Itápolis e Batatais, e contou em sua caminhada com três veteranos ex-jogadores da seleção brasileira: Luís Pereira, Serginho Chulapa e Wladimir, que geraram apelidos pejorativos das torcidas adversárias, como "asilo", "refugo" e "Matusalém", mas foram peças importantes na conquista.[20]

Classificação final
Primeira Fase
Grupo Verde
Time PG J V E D GP GC SG
1 Corinthians 32 26 9 14 3 27 14 13
2 Palmeiras 31 26 12 7 7 21 15 6
3 Botafogo 31 26 9 13 4 21 14 7
4 Portuguesa 30 26 11 8 7 25 21 4
5 Guarani 30 26 10 10 6 25 15 10
6 Bragantino 29 26 10 9 7 29 22 7
7 Santos 27 26 7 13 6 21 15 6
8 Ituano 26 26 9 8 9 22 29 -7
9 América 24 26 5 14 7 15 21 -6
10 XV de Piracicaba 22 26 7 8 11 26 34 -8
11 Novorizontino 22 26 6 10 10 22 29 -7
12 XV de Jaú 21 26 6 9 11 22 27 -5
13 Ferroviária 20 26 3 14 9 13 19 -6
14 Mogi Mirim 19 26 5 9 12 21 35 -14
Grupo Amarelo
Time PG J V E D GP GC SG
1 São Paulo 42 26 17 8 1 50 20 30
2 Internacional 34 26 16 2 8 37 22 15
3 Santo André 32 26 10 12 4 39 29 10
4 Noroeste 28 26 9 10 7 28 25 3
5 Sãocarlense 28 26 9 10 7 31 29 2
6 Juventus 28 26 9 10 7 23 24 -1
7 Ponte Preta 27 26 8 11 7 26 18 8
8 Rio Branco 25 26 10 5 11 24 22 2
9 União São João 24 26 7 10 9 26 26 0
10 Marília 21 26 7 7 12 25 30 -5
11 São José 21 26 7 7 12 21 35 -14
12 Catanduvense 20 26 4 12 10 15 33 -18
13 Olímpia 19 26 5 9 12 16 30 -14
14 São Bento 15 26 4 7 15 18 36 -18
PG - pontos ganhos; J - jogos; V - vitórias; E - empates; D - derrotas; GP - gols pró; GC - gols contra; SG - saldo de gols
Classificados para a segunda fase (Grupo 1).
Classificados para a segunda fase (Grupo 2).
Eliminados na primeira fase.
Rebaixado para a Divisão Intermediária.

Segunda faseEditar

Para o Grupo 1 classificaram-se Corinthians (primeiro colocado do Grupo Verde), Internacional (segundo colocado do Grupo Amarelo), Santo André (terceiro colocado do Grupo Amarelo) e Portuguesa (quarta colocada do Grupo Verde). O Corinthians ainda estava sem Neto, mas viu Wilson Mano assumir a liderança do time na ausência dele[21] e classificou-se com uma rodada de antecipação, vencendo seus seis jogos e sofrendo apenas dois gols. A ausência de Neto era desdenhada até pelos jogadores. "Ele é muito importante, mas pela primeira vez as pessoas notaram que formamos um time", explicou Jacenir, que era amigo do meia. "Quando ele jogava, a imprensa se esquecia dos outros atletas."[7]

No Grupo 2, enfrentaram-se São Paulo (primeiro colocado do Grupo Amarelo), Palmeiras (segundo colocado do Grupo Verde), Botafogo (terceiro colocado do Grupo Verde) e Guarani (quinto colocado do Grupo Verde). São Paulo e Palmeiras terminaram empatados com nove pontos. Os times tinham se enfrentado na primeira rodada, com vitória do São Paulo por 4 a 2, e na última rodada, com um empate sem gols em que o Palmeiras, precisando da vitória, pressionou bastante[14] e chutou uma bola na trave, com Evair, mas o goleiro são-paulino Zetti (que defendera o Palmeiras até o ano anterior) foi o grande destaque.[22] O Palmeiras levava vantagem no número de vitórias, enquanto o São Paulo vencia no confronto direto e no número de gols marcados (os times também estavam empatados no saldo de gols), mas o regulamento deu a vaga ao tricolor, pela melhor campanha na primeira fase.

O livro A História do Campeonato Paulista, publicado em 1997, considerou tal decisão um "absurdo",[16] embora ela fizesse parte do regulamento desde o início.[23] As críticas eram refutadas também com a argumentação de que na segunda fase, jogando apenas contra clubes do Grupo Verde, o São Paulo conseguiu uma média de gols por jogo (2,16) maior do que a conquistada no Grupo Amarelo (1,92).[10] Com a eliminação do rival, o são-paulino Müller gritou para a torcida adversária: "Seus porcos, 16 anos na fila!"[16] Curiosamente, quatro anos depois Müller seria contratado pelo Palmeiras, onde se destacaria.[24]

Classificação final
Segunda Fase
Grupo 1
Time PG J V E D GP GC SG
1 Corinthians 12 6 6 0 0 11 2 9
2 Portuguesa 8 6 4 0 2 8 6 2
3 Internacional 2 6 1 0 5 4 9 -5
4 Santo André 2 6 1 0 5 5 11 -6
Grupo 2
Time PG J V E D GP GC SG
1 São Paulo 9 6 3 3 0 13 7 6
2 Palmeiras 9 6 4 1 1 11 5 6
3 Guarani 5 6 2 1 3 8 11 -3
4 Botafogo 1 6 0 1 5 4 13 -9
¹ O São Paulo se classificou por ter a melhor campanha ao longo do campeonato.
PG - pontos ganhos; J - jogos; V - vitórias; E - empates; D - derrotas; GP - gols pró; GC - gols contra; SG - saldo de gols

FinaisEditar

São Paulo e Corinthians começaram a decidir o Campeonato Paulista de 1991 em 8 de dezembro, em um duelo do melhor ataque contra a melhor defesa. Dos treze confrontos anteriores entre os clubes, desde o Campeonato Brasileiro de 1987, o São Paulo havia vencido apenas um,[25] em setembro de 1988, e um ano antes os rivais haviam decidido o Campeonato Brasileiro, com duas vitórias corintianas. Apesar desse retrospecto, o São Paulo era considerado o time mais técnico.[26] O Corinthians ainda vivia um ambiente conturbado desde que Cilinho impedira Neto de se concentrar para as finais junto com o restante do elenco,[7] apesar de estar suspenso, e o goleiro Ronaldo também passou a dar declarações contra o treinador.[27]

Antes do primeiro jogo, a interpretação errônea[28] dos regulamentos dos campeonatos de 1990 e 1991 fez com que a torcida alvinegra aproveitasse para receber os são-paulinos com gritos de "Segunda Divisão!".[29] Na preliminar, os corintianos também comemoraram o título de aspirantes da Ponte Preta, um time cujas cores também são preto e branco, sobre o Guarani.[30] Em campo, entretanto, Raí, já àquela altura considerado "o melhor do Brasil" por Telê[10] e pela imprensa,[11] abriu o placar para o São Paulo logo aos 16 minutos, com um chute da intermediária, um gol que o deixou empatado na artilharia do campeonato com Guga, do Santos, ambos com 18 gols. No segundo tempo, Raí aumentaria a vantagem tricolor e assumiria de vez a artilharia do torneio com uma cobrança de pênalti sofrido por Macedo e ainda marcaria mais um, de cabeça. Com o pênalti desperdiçado mais tarde por Wilson Mano, o placar ficaria em 3 a 0. Apesar da boa margem, Telê não saiu satisfeito. "Faltou determinação", reclamou. "Poderíamos ter marcado mais gols."[31] Ele ainda creditou a vitória elástica ao técnico adversário, mas encarou isso como elogio: "Foi um resultado anormal e só aconteceu porque o Cilinho optou pelo esquema ofensivo, procurando sempre o gol desde o início do jogo. Ele é um técnico arrojado."[32]

Não que fizesse diferença, pois ao Corinthians não importava a elasticidade do placar: no segundo jogo, precisaria ganhar por qualquer placar no tempo normal e depois novamente na prorrogação.[1] Nem a torcida acreditou, e no segundo jogo o Morumbi foi tomado por 60% de são-paulinos.[33] A chuva forte que caiu antes[34] e depois do jogo[35] não impediu que mais de 106 mil torcedores pagassem ingresso para assistir à decisão.

Jairo foi escalado para marcar Raí[21] e cumpriu sua função, tanto que o são-paulino teve apenas uma chance de gol, no primeiro tempo.[36] Mesmo assim, sem Dinei, expulso no primeiro jogo, o Corinthians criou pouco no ataque. Cilinho teve de colocar Tupãzinho, que ele mesmo tinha barrado na metade do campeonato.[21] A única grande chance foi um chute de Ezequiel cara a cara com Zetti, mas que saiu cinco metros acima do gol.[37] O São Paulo dominou o jogo,[38] e, mesmo sem conseguir marcar, o empate sem gols deu o título ao São Paulo sem a necessidade de prorrogação.

Ao fim do jogo, Raí comandou a corrida de alguns jogadores até o técnico Telê Santana e levantou-o em seus ombros. Mais tarde, fez uma "guerra de água" com jornalistas e, ao lado de Antônio Carlos, Müller e Cafu, subiu na grade do vestiário para cantar o hino do clube.[39] "Minha concentração antes e durante a partida é muito grande, o que me deixa calado", confessou Raí. "Mas, depois da conquista, volto a ser mais espontâneo, como uma criança."[39] Telê aproveitou o momento para desabafar: "O São Paulo (…) foi disparado o melhor time, como já tinha acontecido no Campeonato Brasileiro, justamente porque adotou o bom futebol como opção de trabalho. A conquista paulista foi mais difícil e mais importante que a do Brasileiro, pois tivemos de provar não estar em vantagem por termos disputado o Grupo B. a classificação para a semifinal até a conquista do título, a equipe participou de oito jogos decisivos e não perdeu nenhum. Isso é uma prova de superioridade."[32] Telê ainda dizia não ter certeza se continuaria no clube em 1992 e que só tomaria uma decisão no início do ano — ele acabaria voltando, e conquistaria duas Libertadores e dois Mundiais Interclubes nos dois anos seguintes. A diretoria são-paulina ainda falava sobre o então possível reforço do lateral Júnior, do Flamengo, que não queria conversar enquanto não acabasse a decisão do Campeonato Carioca, no domingo seguinte.[40]

No vestiário corintiano, o tom era de conformismo, embora os jogadores não escondessem sua decepção com o resultado do primeiro jogo, que classificaram como determinante para a perda do título. "O erro aconteceu domingo passado", lamentou Jacenir. "Jogamos totalmente errado e agora pagamos o preço. Fizemos hoje o que foi possível, mas a goleada nos desestruturou. Se tivéssemos ao menos empatado aquele jogo…"[36] Giba concordou: "Demos o máximo, mas não foi possível derrotar o São Paulo. Perdemos o título nos 3 a 0."[36] Quem não estava sereno era o técnico Cilinho, que tentou comprar briga com um repórter do Jornal da Tarde, e ambos despencaram das escadas que dão acesso ao vestiário.[18] Mais tarde, também lamentou a derrota: "Deus, não satisfeito com tudo o que realizamos na primeira fase, nos colocou à frente de um time beneficiado pelo empate, e aí não conseguimos superar."[41]

A decisãoEditar

8 de dezembro de 1991 Corinthians 0 — 3 São Paulo Morumbi, São Paulo


Dinei   2.º tempo
Raí   16 do 1.º
Raí   14 do 2.º
Raí   17 do 2.º
Público: 102.821
Renda: Cr$ 369.297.000
Árbitro: Oscar Roberto de Godói

Corinthians: Ronaldo, Giba, Marcelo, Guinei e Jacenir; Márcio (Tupãzinho), Wilson Mano e Ezequiel; Marcelinho Paulista, Dinei e Paulo Sérgio. Técnico: Cilinho.

São Paulo: Zetti, Cafu, Adílson (Sérgio Baresi), Ronaldão e Nelsinho; Sídnei, Suélio (Rinaldo) e Raí; Macedo, Müller e Elivélton. Técnico: Telê Santana.


15 de dezembro de 1991 São Paulo 0 — 0 Corinthians Morumbi, São Paulo

Público: 106.142
Renda: Cr$ 371.373.000
Árbitro: Ílton José da Costa

São Paulo: Zetti, Cafu, Antônio Carlos, Ronaldão e Nelsinho; Sídnei, Suélio e Raí; Macedo, Müller e Elivélton. Técnico: Telê Santana.

Corinthians: Ronaldo, Giba, Marcelo, Guinei e Jacenir; Jairo, Ezequiel (Carlinhos) e Wilson Mano; Marcelinho Paulista, Tupãzinho e Paulo Sérgio. Técnico: Cilinho.

Campeão Paulista de 1991
 
SÃO PAULO
(17º título)

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b "Regulamento", Placar número 1 061, julho de 1991, Editora Abril, pág. 4
  2. "Os poderosos estão sitiados", Placar número 1 061, julho de 1991, Editora Abril, pág. 4
  3. Celso Dario Unzelte, Almanaque do Corinthians Placar, Editora Abril, 2005, pág. 735
  4. "Gigante com medo de cair", Placar número 1 061, julho de 1991, Editora Abril, pág. 6
  5. "Jogador nota 11", Placar número 1 066-A, dezembro de 1991, Editora Abril, pág. 4
  6. a b "Correndo atrás da criatividade", Placar número 1 061, julho de 1991, Editora Abril, pág. 7
  7. a b c d "Neto era o ídolo. Agora não tem lugar no time", Cosme Rímoli, Jornal da Tarde, 16/12/1991, Edição de Esportes, pág. 7
  8. "O maior reforço está no banco", Placar número 1 061, julho de 1991, Editora Abril, pág. 8
  9. "Aposta no desconhecido", Placar número 1 061, julho de 1991, Editora Abril, pág. 9
  10. a b c "Pronto para mais uma década", Placar número 1 067, janeiro de 1992, Editora Abril, págs. 4-9
  11. a b "São Paulo tem tudo para ficar com a taça", O Estado de S. Paulo, 15/12/1991, Esportes, pág. 6
  12. "Epopéia tricolor", Placar número 1 066-A, dezembro de 1991, Editora Abril, pág. 6
  13. a b "Raí, um elogio ao futebol", Ubiratan Brasil, Jornal da Tarde, 16/12/1991, Edição de Esportes, pág. 4
  14. a b Celso Dario Unzelte e Mário Sérgio Venditti, Almanaque do Palmeiras Placar, Editora Abril, 2004, pág. 334
  15. Celso Dario Unzelte, Almanaque do Timão Placar, Editora Abril, 2000, pág. 384
  16. a b c Valmir Storti e André Fontenelle, A História do Campeonato Paulista, Publifolha, 1997, pág. 197
  17. Celso Dario Unzelte, Almanaque do Corinthians Placar Editora Abril, 2005, pág. 479
  18. a b c d "Cilinho abre o caminho. No braço", Luiz Antonio Prósperi, Jornal da Tarde, 16/12/1991, Edição de Esportes, pág. 7
  19. "Araçatuba já se considera campeão", O Estado de S. Paulo, 15/12/1991, Esportes, pág. 5
  20. "São Caetano vence e pega a vaga", Brasil de Oliveira, O Estado de S. Paulo, 15/12/1991, Esportes, pág. 5
  21. a b c "Os vice-campeões", Sérgio Baklanos, Jornal da Tarde, 16/12/1991, Edição de Esportes, pág. 6
  22. Conrado Giacomini, São Paulo: Dentre os Grandes, És o Primeiro, Ediouro, 2005, pág. 229
  23. Celso Dario Unzelte e Mário Sérgio Venditti, Almanaque do Palmeiras Placar, Editora Abril, 2004, pág. 330
  24. Celso Dario Unzelte e Mário Sérgio Venditti, Almanaque do Palmeiras Placar, Editora Abril, 2004, pág. 492
  25. "Os números são favoráveis ao Corinthians", O Estado de S. Paulo, 8/12/1991, Esportes, pág. 4
  26. "Estrutura, planejamento. E o título", Sérgio Baklanos, Jornal da Tarde, 16/12/1991, Edição de Esportes, pág. 3
  27. "Cilinho fica. Os líderes não", Luiz Antonio Prósperi, Jornal da Tarde, 16/12/1991, Edição de Esportes, pág. 8
  28. Conrado Giacomini, São Paulo: Dentre os Grandes, És o Primeiro, Ediouro, 2005, págs. 224-226
  29. Conrado Giacomini, São Paulo: Dentre os Grandes, És o Primeiro, Ediouro, 2005, pág. 230
  30. "'É o troco do Braisleiro de 90'", Ferdinando Casagrande, Jornal da Tarde, 16/12/1991, Edição de Esportes, pág. 2
  31. "A arte de ser o melhor", Placar número 1.066-A, dezembro de 1991, Editora Abril, pág. 2
  32. a b "'Fomos os melhores do campeonato. Disparado!'", depoimento de Telê Santana a Ubiratan Brasil, Jornal da Tarde, 16/12/1991, Edição de Esportes, pág. 5
  33. "O 'já ganhou', desde o Anhangabaú", Ferdinando Casagrande, Jornal da Tarde, 16/12/1991, Edição de Esportes, pág. 2
  34. "Cidade-Morumbi recebe multidão e muita água", Nelson Urt, O Estado de S. Paulo, 16/12/1991, Esportes, pág. 10
  35. "Globo ganhou no detalhe", Roberto Pereira de Souza, Jornal da Tarde, 16/12/1991, Edição de Esportes, pág. 2
  36. a b c "Os jogadores sabiam: estava tudo perdido", Cosme Rímoli, Jornal da Tarde, 16/12/1991, Edição de Esportes, pág. 6
  37. "Atacar. Mas, com quem?", Cosme Rímoli, Jornal da Tarde, 16/12/1991, Edição de Esportes, pág. 6
  38. "São Paulo mantém o jogo sob controle", Tonico Duarte, O Estado de S. Paulo, 16/12/1991, Esportes, pág. 3
  39. a b "No fim, uma homenagem justa. A Telê", Ubiratan Brasil, Jornal da Tarde, 16/12/1991, Edição de Esportes, pág. 4
  40. "Na boate, caviar. No vestiário, água e lama", Luiz Antonio Prósperi, Jornal da Tarde, 16/12/1991, Edição de Esportes, pág. 12
  41. "'Futebol é para gente capaz'", depoimento de Cilinho a Vinícius Mesquita, Jornal da Tarde, 16/12/1991, Edição de Esportes, pág. 7