Abrir menu principal

Campos de concentração para gays na Chechênia

Ativistas representam uma cena de mães chechenas que lutam seus filhos, vestidos com bandeiras LGBT e da Chechênia, na Nevsky Prospekt, São Petersburgo.[1][2]

A partir de fevereiro de 2017, relatou-se que mais de 100 moradores da República da Chechênia, uma parte da Federação Russa, foram sequestrados, presos e torturados pelas autoridades que os perseguiram com base em sua orientação sexual.[3] Um número desconhecido de homens, que as autoridades detiveram sob suspeita de serem homossexuais ou bissexuais, teriam morrido depois de terem sido mantidos no que grupos de direitos humanos e testemunhas oculares chamaram campos de concentração.[4][5]

As alegações foram inicialmente relatadas em 1 de abril de 2017 no Novaya Gazeta,[6] um jornal de oposição em língua russa, que informou que mais de 100 homens supostamente foram detidos e torturados e pelo menos três morreram em assassinatos extrajudiciais. O artigo, citando suas fontes nos serviços especiais chechenos, chamou a onda de detenções de "varredura profilática".[6][7] O jornalista que primeiro relatou sobre o assunto teve que se esconder.[8][9] Houve pedidos de represálias contra jornalistas que informam sobre a situação.[10]

À medida que as notícias sobre as ações das autoridades chechenas se espalhavam, que foram descritas como parte de um expurgo sistemático contra pessoas LGBT, ativistas russos e internacionais tentaram evacuar sobreviventes dos campos e outros chechenos vulneráveis, mas encontraram dificuldade em obter vistos para conduzi-los com segurança para outros lugares.[11]

Os relatos da perseguição encontraram uma variedade de reações em todo o mundo. Um porta-voz do chefe de Chechênia, Ramzan Kadyrov, negou não apenas a ocorrência de qualquer perseguição, mas também a existência de homens homossexuais na Chechênia, acrescentando que essas pessoas seriam mortas por suas próprias famílias.[12][13] Os oficiais em Moscou foram céticos, embora no final de maio o governo russo tenha concordado em enviar uma equipe de investigação para a Chechênia.[14] Vários líderes nacionais e outras figuras públicas do Ocidente condenaram as ações da Chechênia e protestos foram realizados na Rússia e em outros lugares.[15]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Tom Batchelor, Russian police round up LGBT activists demonstrating against persecution of gay men in Chechnya, The Independent (1 de maio de 2017)
  2. Andrew E. Kramer, Russians Protesting Abuse of Gay Men in Chechnya Are Detained, New York Times (1 de maio de 2017)
  3. «Information uncovered about a second prison for homosexuals in the Russian republic of Chechnya». Consultado em 16 de abril de 2017 
  4. Smith, Lydia (10 de abril de 2017). «Chechnya detains 100 gay men in first concentration camps since the Holocaust». International Business Times UK. Consultado em 16 de abril de 2017 
  5. Reynolds, Daniel (10 de abril de 2017). «Report: Chechnya Is Torturing Gay Men in Concentration Camps». The Advocate. Consultado em 16 de abril de 2017 
  6. a b Milashina, Elena (1 de abril de 2017). «Murder of honor: the ambitions of a well-known LGBT activist awake a terrible ancient custom in Chechnya». Consultado em 14 de abril de 2017. "Novaya Gazeta" became aware of mass detentions of residents of Chechnya in connection with their unconventional sexual orientation - or suspicion of such. At the moment, more than a hundred men have been informed of the detention. "Novaya Gazeta" knows the names of the three dead, but our sources say that there are many more victims. 
  7. Kramer, Andrew E. (1 de abril de 2017). «Chechen Authorities Arresting and Killing Gay Men, Russian Paper Says». Consultado em 15 de abril de 2017 – via NYTimes.com 
  8. «Analysis - She broke the story of Chechnya's anti-gay purge. Now, she says she has to flee Russia.». Consultado em 16 de abril de 2017 
  9. «Reports Of New, Terrifying 'Gay Concentration Camps' Where Men Are Getting Tortured And Murdered». ELLE UK. 13 de abril de 2017. Consultado em 13 de abril de 2017 
  10. Walker, Shaun (14 de abril de 2017). «Journalists fear reprisals for exposing purge of gay men in Chechnya». Consultado em 15 de abril de 2017 – via The Guardian 
  11. Ponniah, Kevin (19 de maio de 2017). «Chechen gay men hopeful of finding refuge in five countries». BBC News. Consultado em 22 de maio de 2017 
  12. Walker, Shaun (2 de abril de 2017). «Chechen police 'have rounded up more than 100 suspected gay men'». The Guardian. Consultado em 16 de abril de 2017 
  13. Peter, Laurence (11 de abril de 2017). «Chechen police 'kidnap and torture gay men' - LGBT activists». BBC News. Consultado em 31 de maio de 2017 
  14. Walker, Shaun (26 de maio de 2017). «Russia investigates 'gay purge' in Chechnya». The Guardian. Consultado em 27 de maio de 2017 
  15. BBC. «'Campos de concentração para homossexuais': a crescente perseguição a gays na Chechênia». Consultado em 16 de abril de 2017