Abrir menu principal
Canaã
Autor(es) Graça Aranha
Idioma português
País  Brasil
Gênero Romance-novela
Localização espacial Espírito Santo
Editora H. Garnier
Lançamento 1902
Páginas 360

Canaã[1] é um livro de Graça Aranha publicado no Brasil pela primeira vez em 1902. O romance-novela aborda a imigração alemã no estado do Espírito Santo, por intermédio do conflito entre dois personagens principais, Milkau e Lentz, que representam diferentes linhas filosóficas.[2]

Temas como opressão feminina, imperialismo germânico, militarismo, corrupção dos administradores públicos, ostracismo, conflito de adaptação à nova terra são tratados nesse romance.[3]

SinopseEditar

Milkau e Lentz são dois jovens alemães que imigram para Porto do Cachoeiro, no Espírito Santo. Trabalhando como colonos, desenvolvem uma relação de amizade e de competição, ao expressarem duas filosofias de vida diferentes.[4][5]

Maria, filha de imigrantes que trabalha para a família Kraus, é seduzida pelo filho do patrão. Após muitas vicissitudes, dá à luz seu filho no mato, onde a criança é devorada pelos porcos. Maria, acusada de matar seu filho, é presa e resgatada por Milkau, que foge com ela para a sua Canaã, a terra prometida, em busca da liberdade.[3][6]

Estudo críticoEditar

Canaã foi inspirado no naturalismo filosófico alemão e inaugurou uma nova fase do romance brasileiro, com a fusão entre realismo e simbolismo.[7] O livro pertence à fase pré-modernista brasileira, que apresenta a renovação formal, a nacionalização, o regionalismo e a preocupação com a realidade nacional. Reflete sobre uma situação histórica nova ou até então não considerada, a imigração alemã no Espírito Santo, o que lhe confere o caráter inovador próprio do pré-modernismo.[8]

Afrânio Coutinho destaca no livro alguns aspectos principais: o aspecto descritivo e realista, a fixação da paisagem, as impressões visuais, tácteis e olfativas.[9]

Canaã representou a ligação entre as correntes histórias e filosóficas do final do século XIX e a revolução modernista da segunda década do século XX. Esta obra apresentou ao Brasil um novo estilo de romance: o romance-tese, em que o debate de ideias filosóficas se integra à narrativa e muitas vezes a suplanta em importância. Milkau e Lentz representam duas ideologias postas em contraste: o universalismo (Milkau) e o divisionismo (Lentz), entre a “lei do amor” (Milkau) e a “lei da força” (Lentz).[3][4]

Ver tambémEditar

Notas e referências

  1. Na ortografia da época, Chanaan.
  2. Paes, José Paulo (Dezembro de 1991). «Canaã: o horizonte racial». Estudos Avançados. 5 (13): 161–179. ISSN 0103-4014. doi:10.1590/S0103-40141991000300010. Consultado em 1 de fevereiro de 2019 
  3. a b c «Canaã de Graça Aranha». www.micropic.com.br. Micropic - Noronha (salvo em Wayback Machine). Consultado em 15 de agosto de 2011 
  4. a b Gonzaga, Sérgio. «Pré-Modernismo - Graça Aranha». educaterra.terra.com.br. Educa Terra - Literatura Brasileira (salvo em archive.is). Consultado em 15 de agosto de 2011 
  5. «Canaã, de Graça Aranha». www.passeiweb.com. Passeiweb. Consultado em 15 de agosto de 2011 
  6. EW, Atelaine Normann; FILIPOUSKI, Ana Mariza Ribeiro. Literatura Brasileira e Portuguesa. In: LUFT, Celso et al. Novo Manual de Português. 3. ed. São Paulo: Editora Globo, 1996. p. 343
  7. EW, A. N.; FILIPOUSKI, A. M. R. Apud LUFT, 1996. p. 343
  8. Nunes Bittencourt, Renato (Outubro de 2009). «Graça Aranha e a Polêmica Filosófica sobre a Identidade Brasileira». UNOPAR Cient., v.10, n.2. pp. 23–34. Consultado em 1 de fevereiro de 2019 
  9. COUTINHO, Afrânio. A Literatura no Brasil. V.3, pp. 240-242. Apud LUFT et al, 1996. p. 343

Ligações externasEditar