Abrir menu principal
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde fevereiro de 2016). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Canal+
Tipo Rede de televisão por assinatura
País  França
Fundação 4 de novembro de 1984
por André Rousselet
Pertence a Canal+ Groupe (Vivendi)
Proprietário Vincent Bolloré
Sede França Issy-les-Moulineaux, Paris, França
Slogan Créateur original de programmes originaux
Criador original de programas originais
Formato de vídeo 1080i (HDTV)
Audiência 2.8% (2013 Mediamétrie)
Canais irmãos C 8
C Star
C News
Canal+ Cinéma
Canal+ Sport
Canal+ Family
Canal+ Décalé
Canal+ Séries
Afiliações Canal+, MultiThématiques, Canal+ Overseas, Canalsat, Canalplay, Télé, D8, D17, Studiocanal, Studio Bagel, Canal+ Régie, OCS (33 %)
Cobertura internacional Canal+ Overseas
Página oficial http://www.canalplus.fr/
Disponibilidade aberta e gratuita
França TDT
Canal 4
Disponibilidade por satélite
França Canalsat, SFR, Orange
Suíça Canalsat Suisse
Canal 4
Disponibilidade por cabo
França Numéricable
Suíça UPC Cablecom, Swisscom, Sunrise, Net+, Citycable
Canal 4
Disponibilidade via ADSL
França Orange, Free, SFR, Darty
Suíça Swisscom
Canal 4

Canal+ (estilizado CANAL+) é um canal de televisão privado generalista francês. Criado em 1984, foi o primeiro canal pago em França, chegou a ter cobertura na Espanha e na Polônia. O canal transmite a maioria dos programas em sinal codificado, mas também transmite alguns programas em sinal aberto.

Desde o dia 27 de junho de 2016, o Groupe Canal+ anunciou que os programas em sinal aberto do canal passarão de 6 horas para 2 horas máximas por dia a partir de setembro de 2016 para colocar programas ditos "premium", atraindo assim mais assinantes.

Em 2018, o grupo lançou o canal nos Estados Unidos e no Canadá : Canal+ International.

ProgramaçãoEditar

Canal+ France difunde principalmente filmes recentes exclusivamente e quase todos os jogos de futebol da Ligue 1 Conforama, para os quais adquiriu direitos de transmissão exclusivos em 2004 por 600 milhões de euros. Desde 2013, o Canal+ vem competindo com a BeIn Sports, que compra cartazes importantes da Ligue 1. Mas o canal é semi-generalista e, portanto, também programa séries, revistas, noticiários, programas juvenis, festivais como Cannes e muitos programas de entretenimento e informação nas suas praias ao ar livre.

Contexto estratégico e situação específicaEditar

Para a Europa e a radiodifusão por satéliteEditar

O primeiro desenvolvimento do Canal+ diz respeito à participação na plataforma franco-alemã de radiodifusão por satélite (TDF 1, Kopernicus, TVsat) para explorar a nova norma europeia de televisão analógica D2 Mac. Para emitir ao lado do futuro canal cultural franco-alemão (La Sept, depois Arte), um canal desportivo, um canal educativo "juvenil" e um canal de música, o Canal+ iniciará as suas emissões por satélite no Verão de 1990. No entanto, esta plataforma de radiodifusão estará em concorrência com o satélite luxemburguês da SES Astra.

O canal investiu então na criação de canais premium na Europa e na bacia mediterrânica, lançando o Canal+ TVCF (Be tv) , na Bélgica francófona, depois no Luxemburgo, em 27 de Setembro de 1989, depois o Canal+ België e o Canal+ Nederland (Países Baixos), Canal Horizons (actualmente Canal+ Horizons) no continente africano em 18 de Abril de 1990, Canal+ España (Espanha) em 14 de Setembro de 1990, Canal+ Polska (Polónia) em 1 de Março de 1995, Tele+ em Itália (30 de Agosto de 1997) e Canal+ Escandinávia (30 de Agosto de 1997) na Dinamarca, Suécia, Finlândia e Noruega (1 de Setembro de 1997).

Com a sua filial MultiThématiques, o canal também cria canais temáticos no cabo francês, bem como a nível internacional (em Espanha, Bélgica, Alemanha e Itália), adaptando localmente os programas Planète, Cinécinémas, Jimmy...

Após o fracasso dos satélites TDF 1 e TDF 2 em D2 Mac, o Canal+ lançou o seu pacote de canais de televisão por assinatura por satélite CanalSatellite em modo analógico para a sua primeira fase comercial em 14 de Novembro de 1992. Abrange apenas a França e, posteriormente, em 27 de Abril de 1996, passou para o modo digital com a aquisição dos canais desenvolvidos para o cabo pela MultiThématiques no satélite europeu Astra. O Canal+ promoverá então este modelo de pacote na Europa através do lançamento do CanalSatélite (Espanha), que se tornará CanalSatélite Digital quando se tornar digital, Le Bouquet (Valónia), Cyfra+ (Polónia), D+ (Itália), CanalSatelliet Digitaal (Países Baixos) e Canal Digital (Escandinávia).

Em 1998, Pierre Lescure pediu ao seu amigo "histórico" Christian Dutoit para conceber e lançar o primeiro canal de notícias do grupo Canal+: i>Télévision ou i>Télé, actualmente C News, cujas primeiras emissões terão lugar no décimo quinto aniversário do Canal+, em 4 de Novembro de 1999.

O Canal+ formou então um dos maiores e mais poderosos grupos audiovisuais europeus, o grupo Canal+.

Movimentos sociaisEditar

Embora o canal já tenha registado dois grandes movimentos em Junho de 2001 e Março de 2003 devido a planos sociais, Canal+ enfrenta novos litígios entre os representantes dos trabalhadores e a sua direcção no final de 2008, principalmente no que se refere aos aumentos salariais.

Em 6 de dezembro de 2008, no contexto da crise internacional, mas também dos excelentes ganhos do Canal+, as negociações salariais foram interrompidas[1]. Um dos sindicatos mencionou tensões salariais agudas dentro do grupo, que não têm sido tão elevadas em vários anos. A greve poderia ser uma das ações organizadas pelos sindicatos.

CondenaçõesEditar

O Tribunal Regional de Nanterre acaba de condenar em 10 de Junho de 2010 (por difamação pública), o director do site Média-Ratings, Philippe Karsenty, Canal+ e TAC Presse, que tinham produzido e difundido um programa intitulado Jeudi investigation : Rumeurs, intox : les nouvelles guerres de l'info (em português: Rumores, intoxicação: as novas guerras de informação), em 24 de Abril de 2008.

OrganizaçãoEditar

ExecutivosEditar

Presidente do Conselho de Administração e Presidente do Conselho de Administração da Canal+ SAEditar

André Rousselet: 01/12/1982 - 14/02/1994

Pierre Lescure: 14/02/1994 - 16/04/2002

Xavier Couture: 16/04/2002 - 26/04/2002

Dominique Farrugia: 26/04/2002 - 20/02/2003

Bertrand Meheut: 20/02/2003 - 03/09/2015

Jean-Christophe Thiery: 03/09/2015 - 10/04/2018

Maxime Saada: desde 10/04/2018

Gerentes geraisEditar

Philippe Ramond: 01/01/1984 - 11/01/1985

Pierre Lescure: 11/01/1985 - 14/02/1994

Denis Olivennes: 06/1999 - 12/04/2002

Bertrand Meheut: 05/2002 - 20/02/2003

Rodolphe Belmer: 19/10/2012 - 03/07/2015

Maxime Saada: 03/07/2015 -

Directores-Gerais dos ProgramasEditar

Pierre Lescure: 01/12/1982 - 11/01/1985

Alain de Greef: 11/01/1985 - 12/2000

Michel Denisot: 12/2000 - 10/02/2002

Dominique Farrugia: 11/02/2002 - 26/04/2002

Guillaume de Vergès: 11/02/2003 - 30/11/2003

Rodolphe Belmer: 01/12/2003 - 03/07/2015

Maxime Saada: desde 03/07/2015

Diretores de desportosEditar

Charles Biétry: 4/11/1984 - 07/1998

Michel Denisot: 07/1998 - 06/2005

Alexandre Bompard: 06/2005 - 06/2008

Cyril Linette: 06/2008 - 06/2015

Thierry Thuillier: 06/2015 - 07/09/2015

Thierry Cheleman: desde 07/09/2015

CapitalEditar

95.018.076 € do capital social da Canal+ S.A. é detido em 48,48% pelo grupo Canal+ (Canal+ Groupe), sendo o restante detido por investidores, nomeadamente investidores institucionais e flutuantes.

Em 11 de maio de 2015, a Vivendi anunciou uma oferta pública de aquisição sobre a empresa, a fim de recuperar o controle do grupo. Em 1º de outubro, o Canal+ era 48,48% controlado pelo grupo Canal+ e 51,52% pelo patrimônio líquido da Vivendi[2].

SedesEditar

A sede do Groupe Canal+ está localizada em 1, place du Spectacle em Issy-les-Moulineaux, na região de Altos do Sena (Hauts-de-Seine, Paris).

Tem várias sedes, incluindo a do canal Canal+ em Boulogne-Billancourt, mas também dos canais gratuitos do grupo (C8, Cnews e CStar), igualmente situados em Boulogne-Billancourt.

A primeira sede foi instalada na torre Olivier de Serres, 78-84, rue Olivier-de-Serres, no 15º arrondissement de Paris. Deixou-o em 1992 para mudar-se para um novo edifício branco, desenhado por Richard Meier, que tinha construído em 1985 - 1989, Quai André-Citroën, ainda no 15º arrondissement de Paris, nas margens do Sena e no qual se agrupam os serviços técnicos e financeiros e as plataformas onde os programas são filmados. Os escritórios administrativos são totalmente envidraçados e têm vista para o Sena, enquanto os estúdios com paredes opacas estão mais discretamente colocados num segundo edifício com vista para a rue des Cévennes, os dois edifícios comunicam através de um átrio que serve de entrada. Canal+ vendeu esta sede em 2003 para purgar as suas dívidas e transferiu-se para a sua sede actual em Boulogne-Billancourt. É actualmente ocupada por escritórios do Ministério da Justiça, pelos estúdios da Rive Gauche e, desde 2018, pela Lagardère Active (incluindo a sede da Europe 1 (rádio)).

Resultados financeirosEditar

Em 2017, a empresa alcançou um volume de negócios de 1.691 milhões €, gerando um lucro líquido de 19 milhões € com uma força de trabalho média anual de 1.601 colaboradores.

DeclinaçõesEditar

O Canal+ está disponível através do pacote de canais Canal+ (antigo Canal+ Numérique, depois Canal+ Le Bouquet) sob a forma de seis canais difundidos no pacote satélite CanalSat, pacotes de cabo e IPTV (fibra óptica ou xDSL):

  • Canal+, lançado em 04/11/1984.
  • Canal+ Cinéma (antigo Canal+ Jaune), lançado em 27 de Abril de 1996.
  • Canal+ Décalé (anteriormente Canal+ Bleu), lançado em 27 de Abril de 1996.
  • Canal+ Sport (antigo Canal+ Vert), lançado em 31 de Agosto de 1998.
  • Canal+ Family, lançado em 20/10/2007.
  • Canal+ Séries, lançado em 21/09/2013.
  • C8 (antigo D8), lançado em 07/10/2012.
  • CStar (anteriormente D17), lançado em 07/10/2012.
  • CNews (anteriormente I>Télé), lançado em 04/11/1999

Apenas os seis canais Canal+, Canal+ Cinéma, Canal+ Sport, C8, CStar e CNews são difundidos na TDT.

Canal+ Hi-Tech (anteriormente Canal+ 16/9) já não emite os seus programas desde que o Canal+ mudou para o formato 16:9.

Canal+ 3D (canal que transmite programas em 3D, filmes e retransmissões), fechado desde 24 de janeiro de 2012.

No final de 2005, Canal+ tinha 5,06 milhões de assinantes na França Metropolitana.

Nos Departamentos e territórios ultramarinos da FrançaEditar

Nos Departamentos e territórios ultramarinos da França (DOM-TOM), o Canal+ está disponível nas Índias Ocidentais, na Nova Caledónia, na Guiana Francesa, na Polinésia Francesa e na Ilha da Reunião. O CanalSat também está presente nas Caraíbas (Índias Ocidentais e Guiana Francesa), Nova Caledónia e Ilha da Reunião. Estas declinações são efectuadas pelo Canal+ Overseas, uma filial a 100% do Groupe Canal+.

Na EuropaEditar

  • Espanha: Canal+ España, substituído pela Movistar+ e Digital+ (Sogecable, mais controlada pelo grupo Canal+), plataforma e canais que desapareceram durante a fusão com a Movistar em 2015
  • Itália: Tele+, plataforma e canais que desapareceram durante a fusão com a Sky Itália em 2003
  • Polónia: Canal+ Polska e Cyfra+ (Canal+ Cyfrowy, liderado pelo Canal Overseas)

No mundoEditar

  • África: Canal+ Afrique (anteriormente Canal Horizons e CanalSat Horizons), CanalSat Madagascar, Canal+ Maurice e CanalSat Maurice (Canal+ Overseas).

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre televisão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Canal+
  1. «Les négociations salariales au sein de Canal+ ont été rompues, a-t-on appris ...». www.telesatellite.com. Consultado em 7 de julho de 2019 
  2. BUSINESS, BFM. «L'arme secrète de Bolloré pour contrôler Vivendi à peu de frais». BFM BUSINESS (em francês). Consultado em 7 de julho de 2019