Abrir menu principal
Canal Street
Manhattan, Nova York,  Estados Unidos
Carros e comércio
Tipo Rua
Inauguração 1820
Início Broadway
Fim West Street
Lugares que atravessa Chinatown

Canal Street é uma importante rua leste-oeste que fica em Lower Manhattan, Nova York. Ela segue desde o lado leste da Broadway, entre a Essex e a Jefferson Street, até a West Street, entre a Watts e a Spring Street, no oeste. A rua atravessa o bairro de Chinatown e forma as fronteiras do sul de SoHo e Little Italy, bem como o limite norte de Tribeca. A rua funciona como um grande conector entre Jersey City, através do Holland Tunnel, e o Brooklyn, através da Ponte de Manhattan. É uma via de mão dupla na maior parte do seu comprimento - da West Street até a Ponte de Manhattan - com dois trechos unidirecionais entre a Forsyth Street e a Ponte de Manhattan.

HistóriaEditar

Em 1800, o lago de água doce - também conhecido como Collect Pond - uma das poucas fontes naturais de água doce da cidade de Nova York, tornou-se completamente poluído com esgoto e escoamento de curtumes, cervejarias e outras oficinas e fábricas ao redor.[1] O escoamento da lagoa, incluindo um "riacho lento" que percorreu parte da rota da futura Canal Street, alimentou pântanos, impedindo a cidade de continuar crescendo para o norte. Para lidar com isso, o Conselho Comum da cidade ordenou que os pântanos fossem drenados e, em 1803, que a própria lagoa fosse preenchida. Um dreno foi construído continuando o caminho do "rio lento" até o rio Hudson, que redirecionou o subsolo. A lagoa foi drenada com sucesso em 1813 ou 1815.[2]

 
Canal Street em 1893.

A área foi desenvolvida, mas as nascentes permaneceram e fizeram com que a terra "seca" fosse pantanosa e irregular. O Conselho Comum autorizou então um canal, na forma de uma vala profunda, que continuaria a transportar o excesso de água.[3] Por não ser eficiente e não ter fluxo suficiente, também se tornou um esgoto a céu aberto. A cidade o cobriu em 1819, mas como não tinha armadilhas de ar, o canal coberto tornou-se um esgoto coberto e fétido.[2][4] Canal Street foi concluída em 1820, seguindo o caminho do canal coberto e nomeada em referência a ele.[5][4] As residências históricas e os prédios mais novos que haviam sido construídos ao longo da Canal Street caíram rapidamente em desuso, e o trecho leste da Canal Street ficou dentro da conhecida favela Five Points, quando os valores das propriedades e condições de vida despencaram.

No início do século 20, o comércio de joias centrou-se na esquina da Canal Street com a Bowery, mas mudou-se no meio do século para o moderno Diamond District na 47th Street. Na década de 1920, o Citizens Savings Bank construiu uma sede notável em cúpula no canto sudoeste da intersecção,[6] que continua a ser um marco local. A porção da Canal Street, em torno da Sexta Avenida, era o principal mercado de componentes eletrônicos de Nova York por um quarto de século após o fechamento da Radio Row que foi demolida para a construção do World Trade Center.[7]

Reputação como refúgio dos vendedores ambulantesEditar

 
Comércio ilegal de produtos.

Canal Street é um distrito comercial movimentado, repleto de lojas abertas com preços comparativamente baixos e vendedores ambulantes a oeste; bancos e joalherias a leste. Por uma geração após a Segunda Guerra Mundial, o antigo segmento hospedou muitas lojas que vendiam componentes exóticos de alta tecnologia para possíveis inventores e engenheiros.[8] Canal Street é também o principal distrito chinês de joalheria de Chinatown.[9] Turistas, bem como moradores locais, lotam suas calçadas todos os dias para frequentar as barracas ao ar livre e lojas pequenas que vendem itens como perfumes, bolsas, ferragens e plásticos industriais a preços baixos. Muitos destes produtos são importações do mercado cinza e muitos notoriamente falsificados, com falsas marcas registradas de eletrônicos, roupas e acessórios pessoais (incluindo os relógios Rolex falsos, que se tornaram um clichê Manhattan). CDs e DVDs falsificados também são comuns e são oferecidos para venda na Canal Street - muitas vezes antes mesmo de serem lançados oficialmente nas lojas ou no teatro - em estandes e malas improvisados ​​ou simplesmente dispostos em lençóis.[10]

A venda generalizada desses produtos falsificados persiste ao longo da Canal Street e em lugares ocultos, apesar das frequentes batidas policiais.[11][12] Além disso, a legislação foi proposta em 2013 para tentar tornar a compra de itens falsificados um crime; Isso permitiria que a economia da cidade recebesse pelo menos US$ 1 bilhão por ano em impostos.[10]

Galeria de imagensEditar

Referências

  1. Sante, Luc (2003). Low life: lures and snares of old New York 1st Farrar, Straus Giroux pbk. ed. New York: Farrar, Straus Giroux. pp. 5–6. ISBN 0374528993. OCLC 53464289 
  2. a b Gotham: A History of New York City to 1898 pág. 59-60
  3. Kadinsky, Sergey (2016) Hidden Waters of New York City Countryman Press. Pp. 9-13 ISBN 978-1-58157-355-8
  4. a b The Street Book. [S.l.: s.n.] p. 33
  5. Yakas, Benjamin. "Canal Street", p.201
  6. "New Bank Building; Citizens Savings Bank to Erect Monumental Structure on Bowery", The New York Times (July 2, 1922)
  7. «World Trade Center: The History of the Old Radio Row». NPR. 3 de junho de 2005. Consultado em 23 de outubro de 2018 
  8. Giovannini, Joseph. "Shopping Canal St., New York's Attic" The New York Times (October 29, 1987)
  9. Zhou, Min. "Chinatown: The Socioeconomic Potential of an Urban Enclave". Philadelphia: Temple University Press, 1995. ISBN 9781439904176. p.106. Retrieved: 2013-07-19
  10. a b Verena Dobnik; Bethan McKernan (13 de junho de 2013). «Chinatown's Counterfeit-Goods Economy Targeted In New York City Council Bill». Huffington Post. Associated Press. Consultado em 7 de agosto de 2015 
  11. Hauser, Christine. "City Agents Shut Down 32 Vendors of Fake Items" The New York Times (February 27, 2008)
  12. Kalman, Alex and Sinreich, Lola. "Op Ed: New York’s Street of Schemes" The New York Times (January 16, 2010)

Ligações externasEditar