Abrir menu principal

Viva (canal de televisão)

(Redirecionado de Canal Viva)
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde março de 2019). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde janeiro de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Viva
Globosat Programadora Ltda.
Tipo Canal de televisão por assinatura
País  Brasil
Fundação 18 de maio de 2010 (8 anos)
Pertence a Globosat
Proprietário Grupo Globo
Presidente Daniela Mignani[1]
Cidade de origem Rio de Janeiro, RJ[2]
Sede Rio de Janeiro, RJ
Estúdios Rio de Janeiro
Slogan Emoção que não acaba
Formato de vídeo 480i (SDTV)
1080i (HDTV)
Audiência 0,26 pontos (2017)[3]
Cobertura 100% do território nacional (via satélite)
Página oficial canalviva.globo.com
Disponibilidade por satélite
Claro TV
Canal 43[4]
Canal 543 (HD)[4]
Vivo TV
Canal 36 (HD) (Satélite Intelsat 34)
Canal 360
Canal 804 (HD)
Algar TV
Canal 336
Canal 936 (HD)
Oi TV
Canal 36 (HD) (Satélite SES-6)
Canal 36
Canal 537 (HD)
Sky
Canal 43
Canal 443 (HD)
Disponibilidade por cabo
NET
Canal 43[5]
Canal 543 (HD)[5]
Vivo TV
Canal 543 (HD)
TV Alphaville
Canal 43 (HD)
Disponibilidade digital
Globosat Play
Assistir ao vivo

Viva é um canal de televisão por assinatura brasileiro, que faz parte do Grupo Globo e programada pela Globosat. Foi inaugurado no dia 18 de maio de 2010 e está presente nas operadoras de televisão a cabo e satélite NET, TV Alphaville, Sky, Claro TV, Vivo TV, Oi TV e Algar TV.[6] O foco da emissora é no entretenimento, para isso, exibe minisséries, seriados, filmes dublados, pegadinhas, novelas e programas de variedades que estão no ar ou foram produzidos pela Rede Globo e pelo canal GNT.

O Viva foi um dos canais pagos líderes de audiência entre o fim de 2010 e o primeiro semestre de 2011 quando reprisava a telenovela Vale Tudo, que foi ao ar originalmente entre 1988 e 1989 com o mistério "Quem matou Odette Roitman?". O canal também fez logo sucesso com a novela Por Amor, tendo ido ao ar originalmente entre 1997 e 1998 que falava sobre a questão "do que uma mãe é capaz de fazer por amor a uma filha". Já em seus primeiros meses de atividade, o canal atingiu a 16ª colocação entre os mais assistidos da TV paga brasileira e em 2012 estava na 9a colocação, ainda que estivesse disponível em apenas 30% dos domicílios assinantes (de acordo com a base do Ibope). Para 2013, o canal apostou na reexibição de uma das minisséries mais recentes da emissora global, que chegou a ser indicada ao Emmy, Maysa - Quando Fala o Coração, no ar originalmente em 2009.[7] Em 2013, também criou sua primeira produção original, com quatro novos episódios do Sai de Baixo.[1] No ano de 2014, numa parceria com a Rede Globo, faz com que transmita o Desfile das campeãs do Rio-São Paulo, além do acesso paulistano.[8]

Índice

HistóriaEditar

2010Editar

No dia 18 de maio de 2010, foi inaugurado o Canal Viva, do grupo de TV por assinatura Globosat. O canal tem como princípio, desde sua estreia, dedicar grande parte de sua programação a programas de televisão exibidos originalmente na TV Globo. O objetivo inicial do canal era o de atingir o público de mulheres, com mais de 35 anos, de todas as classes sociais.

A grade de programação, na época da inauguração, era composta por reprises de telenovelas e outros programas do arquivo da TV Globo, reexibição de programas atuais daquela TV e do canal GNT em horários alternativos, além de “enlatados” dublados. Quando o canal estreou, duas novelas foram escolhidas para representar o gênero, como será exposto a seguir. Além disso, o canal dedicou o horário das 23h45 para minisséries da TV Globo. A partir de julho de 2011, o horário das minisséries foi remanejado para as 23h15. O seriado “Mulher”, estrelado por Eva Wilma e Patrícia Pillar, também estava na grade original do canal. Outro programa juvenil que estreou em maio de 2010 no Canal Viva foi “Sandy & Junior”, cuja proposta era de integrar música e ficção. O público infantil também recebeu uma fatia de espaço na grade do canal com os programas “Sítio do Pica-pau Amarelo” e “Caça Talentos”, estrelado por Angélica. Este último ainda não havia saído do ar no Canal Viva em setembro de 2013.

Algumas séries da TV Globo como “A Justiceira”, “Delegacia de Mulheres”, “Mulher” e “Antônia” também foram exibidas.

Muitos programas humorísticos da TV Globo também foram exibidos no Canal Viva ao longo de sua trajetória: “Chico Total”, “A Comédia da Vida Privada”, “Escolinha do Professor Raimundo”, “TV Pirata”, “Viva o Gordo”, “Brasil Legal”, “Toma Lá Dá Cá”, “Minha Nada Mole Vida”, “Casos e Acasos”, “Sob Nova Direção”, “Ó Pai, Ó”, “Dicas de um Sedutor”, “Faça Sua História”, “O Belo e as Feras”, e “Sai de Baixo”, no ar desde maio de 2010 até, pelo menos, setembro de 2013. Em comemoração aos três anos do canal, foram produzidos e veiculados em agosto de 2013 quatro episódios inéditos dessa série com parte do elenco original.

O Canal Viva tem como tradição programar comemorações de aniversário a cada ano. Em 2011, quando completou um ano, exibiu programas como “Esquenta” apresentado por Regina Casé, “Cassino do Chacrinha”, que mais tarde tornou-se fixo na grade de programação, o humorístico “Casseta & Planeta Urgente!”, a série “Armação Ilimitada” e o musical “Chico e Caetano” (CANAL..., 2011, p. 23).

A música está presente no Canal Viva desde o início. O primeiro programa musical exibido no canal foi “Som Brasil”, depois vieram “Estação Globo” e “Globo de Ouro”.

Quadros do programa “Fantástico”, cuja duração de cada episódio é pequena, também são exibidos no canal como “Retrato Falado”, “As 50 Leis do Amor” e “Sexo Oposto”.

Em horário alternativo, os programas da TV Globo exibidos no Canal Viva desde sua estreia são os semanais “Caldeirão do Huck”, apresentado por Luciano Huck, “Estrelas”, comandado por Angélica e os diários “Mais Você”, com Ana Maria Braga e “Vídeo Show”. Há também o programa religioso “Santa Missa”, com o Padre Marcelo Rossi.

Já do canal a cabo GNT, que pertence também ao grupo Globosat, eram exibidos também no Canal Viva, com uma opção em horário alternativo, os programas nacionais “Alternativa Saúde”, “Mesa pra Dois”, “Diário de Olivier”, “Happy Hour” e “Mothern”. Além dos enlatados “Ou Eu Ou o Cachorro” e “The Oprah Winfrey Show”. Nenhum desses programas continuou no ar até o aniversário de dois anos do canal, em maio de 2012.

Filmes estrangeiros dublados sempre tiveram espaço no Canal Viva dentro da faixa “Sessão Viva”. Outros programas estrangeiros que passaram a fazer parte da grade do canal foram “Mr. Bean”, “Nova York Contra o Crime”, “O Chefe Espião”, “SuperNanny” e “S.O.S. Babá”.

Quando inaugurado, o Canal Viva tinha dois horários fixos de telenovela: às 15h30 e às 16h30, ocupados pelas obras “Quatro por Quatro” de Carlos Lombardi e “Por Amor” de Manoel Carlos.

“Quatro por Quatro” foi substituída por “Vamp” do autor Antonio Calmon. Em seguida, veio “Top Model”, escrita por Walter Negrão e Antonio Calmon. As três primeiras novelas desta faixa foram exibidas originalmente na TV Globo no horário das 19 horas. Em seguida, foi exibida “Felicidade”, escrita por Manoel Carlos, que deu lugar a “Anjo Mau” de Maria Adelaide Amaral. Ambas exibidas originalmente no horário das 18h na TV Globo.

“Por Amor” precedeu a trama de Benedito Ruy Barbosa “O Rei do Gado”. Em seguida, vieram nesta ordem: “Barriga de Aluguel”, de Glória Perez, “Renascer”, também de Ruy Barbosa, e “A Próxima Vítima” de Silvio de Abreu. Com exceção de “Barriga de Aluguel”, todas as outras tramas foram exibidas às 20h na TV Globo.

Em outubro de 2010, o Canal Viva inaugurou mais uma faixa de horário de telenovelas e passou a exibir às 0h45 a telenovela “Vale Tudo”, escrita por Gilberto Braga, Aguinaldo Silva e Leonor Bassères. Diferente dos outros horários, a novela era exibida de forma inédita no período noturno e o horário alternativo era o do meio-dia do dia seguinte.A novela exibida na faixa da meia-noite passou a ser o carro-chefe do Canal Viva.

2011Editar

Produções inéditas também passaram a fazer parte da programação do Canal Viva. Em dezembro de 2011, estreou o programa “Reviva”, que a cada episódio trata de um tema ligado a um programa exibido nesse canal.

Em dezembro de 2011, o Canal Viva percebeu o sucesso do horário da madrugada e decidiu criar um horário alternativo também para as duas telenovelas da faixa vespertina, logo após a exibição do capítulo inédito da novela da faixa da meia-noite. Os capítulos das novelas exibidas às 15h30 e às 16h30 eram reapresentados na madrugada seguinte, às 1h15 e às 2h15.

Por conta da reprise de “Vale Tudo”, em abril de 2011, com menos de um ano de funcionamento, o Canal Viva ficou no ranking dos canais mais vistos da TV por assinatura (JIMENEZ, 2011c, p. E4). Durante a primeira semana de exibição de “Vale Tudo”, a emissora do grupo Globosat ficou em primeiro lugar em audiência na TV paga (MATTOS, 2010). Além disso, a trama teve uma grande repercussão na internet. O microblog Twitter propiciou discussões diversas referentes ao enredo e seus personagens. Em uma semana a conta do canal (@canalviva) teve um aumento de 300% no número de seguidores (VALE..., 2010).

Com o fim da apresentação de “Vale Tudo”, o Canal Viva continuou a apostar na faixa de horário inédita noturna e passou a exibir “Roque Santeiro”, mas um pouco mais cedo: às 0h15.

Depois de “Roque Santeiro”, foi a vez de “Que Rei Sou Eu?” estrear no horário da 0h15 no Canal Viva. A trama, que foi escrita por Cassiano Gabus Mendes, é a única telenovela até então da faixa da meia-noite do Canal Viva que não foi exibida originalmente às 20h: ele passava às 19h na TV Globo.

Em seguida, estreou no Canal Viva “Rainha da Sucata” de Silvio de Abreu, que em menos de um mês de apresentação começou a entrar no ar mais cedo: à meia-noite. A trama foi exibida na TV Globo em 1990, época em que o Brasil passava uma crise econômica por conta do Plano Collor. O enredo abordava a ascensão de uma nova classe emergente e a decadência da elite.

2012Editar

Em 2012, quando o canal completou dois anos, foram lançadas as séries internacionais Dallas e Twin Peaks na faixa Clássicos em Série. Também foi apresentado um especial musical em homenagem ao músico Tom Jobim: “Antonio Brasileiro”. Nesse mesmo ano, havia uma faixa vespertina intitulada Faixa Viva Animal, com programas estrangeiros sobre animais. Eram apresentados os programas A Vida Selvagem de Chris Humfrey (segunda-feira), Meu Cão é Tão Gordo Quanto Eu (terça-feira), Escolha seu Filhote (quarta- feira), Magnetismo Animal (quinta-feira) e Heróis de Estimação (sexta-feira).

Em agosto de 2012, estreou Viva o Sucesso, um programa que traz o perfil de personalidades brasileiras como atores e cantores.

2013Editar

Em agosto de 2013, estreou a série Damas da TV, em que é apresentada semanalmente uma entrevista com uma atriz brasileira que fez e ainda faz parte da história da teledramaturgia brasileira. O programa é uma homenagem aos 50 anos da telenovela diária no Brasil.

O Canal Viva abriu uma votação na internet para que o público pudesse escolher a sucessora de “Rainha da Sucata” entre quatro opções: “A Indomada”, “Água Viva”, “Fera Ferida” e “O Dono do Mundo”. A vencedora foi “Água Viva” de Gilberto Braga, a mais antiga dentre as opções de escolha e também entre as todas as novelas exibidas no Canal Viva até então.

No final de setembro de 2013, estreou “Água Viva”, a primeira novela na faixa da meia-noite que não tinha como tema principal o cunho político ou social. As quatro primeiras telenovelas (“Vale Tudo”, “Roque Santeiro”, “Que Rei Sou Eu?” e até mesmo “Rainha da Sucata”) têm alguns pontos em comum: além de todas terem sido exibidas mais de vinte anos antes na TV Globo, em uma época em que o Brasil estava vivendo um processo de abertura política pós-período militar, o pano de fundo dos enredos tratavam de assuntos político- sociais.

Há também outros dois programas do Canal Viva: o “Reviva”, que é classificado por Goulart (informação verbal, 2013) como “uma espécie de “Vídeo Show”, [com] bastidores do que está no ar [no Canal Viva]” e o “Viva o Sucesso”, cuja criação foi motivada pela Lei 12.48533, para o fomento de produção audiovisual nacional. Este é produzido por uma produtora independente, aquele, pela própria equipe do Canal Viva. Ainda quanto ao programa “Viva o Sucesso”, Tassiana Farias (informação verbal, 2013) diz que o canal “tem o total direito em cima da obra [e que está] disponível no ‘Muu’, que é a plataforma da  Globosat para assistir via web alguns programas dos canais Globo.”

No aniversário de dois anos do Canal Viva, foram preparadas cinco edições especiais do programa “Reviva”, “cada uma conta com um tema referente a um pilar da programação do [Canal] Viva – variedades, novelas, minisséries, musicais e humor – e no comando apresentadores ilustres: Marília Gabriela, Glória Maria e Zeca Camargo” (CANAL..., 2012, p. 7).


2014Editar

2015Editar

2016Editar

2017Editar

2018Editar

Em 1 de janeiro, o canal estreia o humorístico Os Trapalhões e as primeiras edições dos programas Estrelas, Encontro com Fátima Bernardes e Mais Você. Em 15 de janeiro começa a reprisar a novela Bebê a Bordo, ás 15h30 e com reprise ás 00h30.[9] Os primeiros 90 capítulos foram exibidos na íntegra. A exibição causou controvérsia a partir do capítulo 91, em 30 de abril, quando o canal começou a compactar os capítulos, resumindo até 11 episódios em 5, numa atitude inédita que irritou seus telespectadores. Por não ter explicação aparente, o jornalista Maurício Stycer, do UOL, afirma em crítica que o Viva usa "lógica de TV aberta" para fazer os cortes: "a trama de Carlos Lombardi estaria provocando fuga de espectadores".[10] Cristina Padiglone, no site Telepadi, sugere que a trama foi rejeitada pela audiência conservadora e fez alusão aos cortes realizados em Celebridade, encurtada em sua exibição no Vale a Pena Ver de Novo por baixa audiência.[11] Após as queixas, o Viva se pronunciou nas redes sociais afirmando que a telenovela será exibida na íntegra a partir de 7 de maio até 15 de julho, na plataforma Viva Play. Na TV, Bebê a Bordo continuará sendo exibida editada.[12]

No dia 29 de janeiro estreia Sinhá Moça, ás 14h30 e com reprise ás 01h15 e Explode Coração, ás 23h30 e 13h30.

Em 18 de junho, Vale Tudo substitui Bebê a Bordo em comemoração aos seus 30 anos.[13]

Dia 30 de julho, A Indomada substitui Explode Coração.[14]

Em 2 de julho, começa a exibir a série A Feiticeira ás 09h30 e com reprise ás 03h30 e 07h45.[15]

Em 6 de agosto, estreia A Grande Família ás 22h15 e no dia 10, o Domingão do Faustão com exibição ás 17h00 de sexta.[16] E dia 12, edições antigas do Caldeirão do Huck.

Dia 20, Baila Comigo substitui Sinhá Moça.[17]

A partir de 3 dezembro, o canal antecipou em 30 minutos todos os horários da parte da noite. A Indomada, Vale Tudo e Baila Comigo vão ao ar às 23h00, 00h00 e 00h45, respectivamente.[18]

2019Editar

No dia 07 de janeiro, estreou a primeira temporada do humorístico Os Caras de Pau. Sob comando de Marcius Melhem e Leandro Hassum, o programa começou como um quadro no Zorra Total e virou um especial de fim de ano, exibido pela TV Globo nos anos de 2006 e 2009. Em 2010, ganhou espaço na grade fixa do canal, com três temporadas ao todo.

Já a partir do dia 10 de janeiro, quinta-feira, às 21h, a comédia "Pé na Cova" estreia no canal VIVA. A primeira série da temporada de humor é composta por 22 episódios e traz, no elenco, nomes de peso Miguel Falabella, Marília Pêra, Luma Costa, Daniel Torres, Lorena Comparato e Mart'nália.

A primeira a estrear foi Porto dos Milagres, no dia 11 de fevereiro, às 15h30 – com reapresentação à 0h –, substituindo Vale Tudo. Esta foi a primeira reprise do folhetim desde a exibição original. Em cena, o pescador Guma (Marcos Palmeira), líder comunitário que batalha contra o todo-poderoso da cidade de Porto dos Milagres, litoral baiano, Félix Guerreiro (Antonio Fagundes) – sem saber que este é seu tio. O destaque fica por conta da vilã Adma (Cássia Kis), esposa de Félix, responsável por afastar Guma, ainda bebê, da família.

No dia 28 de fevereiro, o Viva lançou Terra Nostra, às 14h30 – com reapresentação por volta de 1h –, na vaga ocupada por Baila Comigo. O enredo acompanha os imigrantes italianos Matteo (Thiago Lacerda) e Giuliana (Ana Paula Arósio), separados na chegada ao Brasil e, posteriormente, unidos, após casarem-se com outros pares, em busca do filho desaparecido. No elenco, Antonio Fagundes, Raul Cortez, Ângela Vieira, Marcos Frota, Carolina Kasting, Débora Duarte, Marcello Antony, Maria Fernanda Cândido e Paloma Duarte, dentre outros.

Por fim, “O Cravo e a Rosa”, no ar a partir de 25 de março, às 23h – com reapresentação às 13h30 –, horário hoje ocupado por “A Indomada”. A narrativa opõe a feminista Catarina Batista (Adriana Esteves) e o machista Julião Petrucchio (Eduardo Moscovis). O pai de Catarina a quer casada, para assim poder conduzir sua filha caçula ao altar; já Petrucchio vê na união com a “fera” a possibilidade de salvar sua fazenda da falência. Êxito absoluto das 18h, a trama, revista pelo público em duas ocasiões, em 2003 e 2013, voltará à telinha na íntegra.

A partir de 8 de abril, começa a exibir Estrela-Guia ás 11h45.[19]

ProgramasEditar

O canal tem grande ênfase na exibição de produções dramatúrgicas da Rede Globo, como novelas, séries e minisséries — incluindo as tramas de sucesso nas faixas das seis, sete e oito, séries de humor e tramas infantis, além de produções exibidas dentro do Fantástico como interprogramas.[20] Também transmitem programas de auditório e programas de variedades. Até 2017, tais atrações eram exibições de programas recentes, sendo substituídas por programas de suas primeiras exibições.

SlogansEditar

  • 2010-2014: Do seu jeito
  • 2014-2018: As melhores surpresas
  • 2018-presente: Emoção que não acaba

ControvérsiasEditar

Profissionais ligados à área de teledramaturgia, tanto os que trabalham na Globo e hoje estão fora da emissora, reclamam que não recebem pelo uso de suas imagens nas reapresentações no Canal Viva.[21][22] Para estes profissionais, ainda que o Viva pertença à Globosat e ao Grupo Globo, a empresa deve pagar os direitos ao elenco da produção, este teria sido assunto nas reuniões de um grupo liderado por Antônio Fagundes, que visa cobrar melhores condições de trabalho.[22] Segundo três atores ouvidos pelo Blog Mundo da TV, mantido por Fernando Oliveira do R7, o Viva compra o conteúdo licenciado da Globo, sendo ela, portanto, que deveria pagá-los. Uma vez que ela é atual empregadora de boa parte dos atores e já os remunera, forma-se então um impasse jurídico.[22] No entanto, a coluna de Flávio Ricco consultou tanto o Viva quanto a Globo para obter respostas. A Globo declarou que todos recebem pelas reprises e que os pagamentos acontecem normalmente, já o Viva informa que não tem nenhuma obrigação de pagar direitos para autores, atores ou demais pessoas envolvidas, e justifica por que: "O contrato do Viva é de licenciamento do conteúdo da TV Globo e de outros fornecedores internacionais ou de produtoras independentes. Pagamos pelo conteúdo. Os fornecedores, como a TV Globo, BBC, CBSG etc, são responsáveis pelo pagamento dos direitos a seus contratados".[21]

Referências

  1. a b Telepadi. 21 de novembro de 2016 http://telepadi.folha.uol.com.br/diretora-do-gnt-dani-mignani-assume-tambem-canal-viva/  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  2. «Canal Viva é lançado no Rio». G1. 15 de maio de 2010 
  3. Ricco, Flávio (31 de janeiro de 2018). «Verdade dos números: Cartoon Network liderou a audiência da TV paga em 2017». Coluna Flávio Ricco. Consultado em 13 de maio de 2018 
  4. a b «Grade de canais "Juntinhos"». clarotv.claro.com.br 
  5. a b «Grade de canais "Juntinho"». www.netcombo.com.br 
  6. «Consulte o número do canal na sua operadora». Viva. 20 de agosto de 2012. Consultado em 23 de janeiro de 2013 
  7. «Globo faz acordo com equipe do canal Viva para não perder público; "Hilda Furacão" será reprisada em agosto». NaTelinha. 30 de julho de 2010. Consultado em 30 de julho de 2010. Arquivado do original em 2 de agosto de 2010 
  8. Canal Viva (28 de outubro de 2013). «VIVA se une à TV Globo para transmitir o carnaval 2014». 15:29. Consultado em 29 de dezembro de 2013 
  9. «Canal Viva altera sua programação e vai reprisar a novela "Bebê a Bordo"». tvefamosos.uol.com.br. Consultado em 29 de março de 2019 
  10. «Canal Viva usa lógica da TV aberta para cortar e encurtar "Bebê a Bordo"». tvefamosos.uol.com.br. Consultado em 29 de março de 2019 
  11. «Em decisão inédita, Viva retalha reprise de 'Bebê a Bordo', rejeitada por audiência conservadora - Telepadi». telepadi.folha.uol.com.br. 30 de abril de 2018. Consultado em 29 de março de 2019 
  12. «Após queixas, Viva diz que irá exibir capítulos de "Bebê a Bordo" editados». tvefamosos.uol.com.br. Consultado em 29 de março de 2019 
  13. «Curiosidades de Vale Tudo, que estreia no Canal Viva no dia 18 | Observatório da Televisão». observatoriodatelevisao.bol.uol.com.br. Consultado em 29 de março de 2019 
  14. «Canal Viva troca 'Roda de Fogo' por 'A Indomada' para suceder 'Explode Coração' - Telepadi». telepadi.folha.uol.com.br. 3 de maio de 2018. Consultado em 29 de março de 2019 
  15. Tv, Grupo Nós (terça-feira, 19 de junho de 2018). «A TV Entre Nós: Canal Viva irá exibir "A Feiticeira" em julho na TV». A TV Entre Nós. Consultado em 29 de março de 2019  Verifique data em: |data= (ajuda)
  16. «Faustão de 1989 volta ao canal Viva a partir de agosto - Telepadi». telepadi.folha.uol.com.br. 11 de julho de 2018. Consultado em 29 de março de 2019 
  17. «Clássico da TV, novela "Baila Comigo" estará de volta no canal Viva». tvefamosos.uol.com.br. Consultado em 29 de março de 2019 
  18. «VIVA antecipa exibição de novelas na faixa noturna». Revista Viva. 28 de novembro de 2018. Consultado em 29 de março de 2019 
  19. «"Estrela-Guia" integra a programação infanto-juvenil do VIVA». Revista Viva. 26 de março de 2019. Consultado em 29 de março de 2019 
  20. http://natelinha.ne10.uol.com.br/noticias/2015/06/19/viva-reestreia-o-programa-gente-inocente-90021.php
  21. a b Flávio Ricco; José Carlos Nery (27 de janeiro de 2014). «Viva explica por que não paga atores por reprises». UOL. Consultado em 16 de junho de 2014 
  22. a b c Fernando Oliveira (16 de junho de 2014). «Atores da Globo compram briga com o Canal Viva e exigem pagamento por reprises». Blog Mundo da TV. R7. Consultado em 16 de junho de 2014 

Ligações externasEditar