Abrir menu principal


Mongólia
Монгол улс

Canato da Mongólia
Flag of China (1889–1912).svg
1911 – 1924 Flag of Mongolia (1911-1921).svg
 
Flag of the Mongolian People's Republic (1945–1992).svg

Bandeira de Canato de Bogd

Bandeira

Continente Ásia
Região Ásia Central
País Mongólia
Capital Niislel Khüree (moderno Ulaanbaatar)
Religião Budismo
Governo monarquia absoluta, teocracia[1]
Bogd Khan
 • 1911 - 1924 Bogd Khan
Primeiro-ministro
 • 1912 - 1919 Shirindambyn Namnansüren
Período histórico Século XX
 • 29 de dezembro de 1911 Mongólia Exterior declara sua independência da Dinastia Qing
 • 7 de junho de 1915 Tratado de Kyakhta (1915)
 • 23 de novembro de 1919 Revogação do acordo com a República da China, posterior ocupação e abolição da autonomia da Mongólia pela República da China
 • 11 de julho de 1921 Estabelecimento do governo revolucionário popular
 • 26 de novembro de 1924 Estabelecimento da República Popular
Moeda Dólar mongol

O Canato da Mongólia ou Mongólia Autônoma[2][3] ou Mongólia de Bogd Khan[4] foi o período entre 1911 a 1924, com um interregno entre 1919 e 1920, durante o qual a Mongólia foi um canato independente sob a forma de governo teocrático.

Em 29 de dezembro de 1911, os Khalkhas da Mongólia Exterior declararam sua independência da Dinastia Qing, e instalaram um líder teocrático, o 8ª Jebtsundamba Khutuktu, como Bogd Khan ou "Santo Imperador".[5] Isto marcou o início do período do Canato de Bogd[6] ou Mongólia Teocrática.[7]

Três correntes históricas trabalharam durante este período. A primeira foi a dos mongóis que se esforçaram para formar um estado independente e teocrático que abraçaria a Mongólia Interior, Barga (também conhecido como Hulunbuir), e Tannu Uriankhai ("pan-Mongólia"). A segunda foi a determinação da Rússia czarista para atingir um duplo objetivo de estabelecer a sua própria esfera de influência no país, mas, ao mesmo tempo garantir a autonomia da Mongólia, não uma independência, dentro do Estado chinês. O terceiro foi o último sucesso dos chineses com a eliminação da autonomia e restauração da soberania do país.

Revolução Nacional Mongol de Libertação de 1911Editar

Em 2 de fevereiro de 1913, o Canato Bogd enviou cavalarias mongóis para libertar a Mongólia Meridional da China. A Rússia se recusou a vender armas para o Canato Bogd e o czar russo Nicolau II chamou-o como "O Imperialismo Mongol". 10.000 cavaleiros da Mongóis e sul-mongóis libertaram quase todo o sul da Mongólia, no entanto, o Exército mongol recuou devido à falta de armas em 1914. A Mongólia perderia o seu território do sul, em 1915.

Referências

  1. Timothy Michael May, Culture and customs of Mongolia, Greenwood Press, 2008, p. 22
  2. L'autonomie de la Mongolie extérieure, Annales de géographie, n°127
  3. Mongolie
  4. Brief history of Mongolia
  5. Thomas E. Ewing, Revolution on the Chinese Frontier: Outer Mongolia in 1911, Journal of Asian History (Wiesbaden), v. 12, pp. 101-119 (1978).
  6. William Elliott Butler-The Mongolian legal system: contemporary legislation and documentation, p.255
  7. Академия наук СССР-History of the Mongolian People's Republic, p.232

Ver tambémEditar