Abrir menu principal
Candango de Melhor Atriz
Denise Fraga é premiada com o Candango de Melhor Atriz em 2011 por Hoje.
Apresentação Festival de Brasília
País  Brasil
Primeira cerimónia 1965
Detentor Bahia Valdinéia Soriano, por Café com Canela
Sítio oficial

Candango de Melhor Atriz é um prêmio a atrizes de cinema conferido anualmente no Festival de Brasília do Cinema Brasilieiro. Além da estatueta "Candango" as vencedoras recebem um prêmio de R$5 mil.[1]

Índice

HistóriaEditar

A primeira atriz a vencer o prêmio foi Fernanda Montenegro, em 1965, por sua atuação no filme A Falecida. De lá para cá 51 mulheres receberam a láurea, nos 45 anos do prêmio. A diferença é justificada pela não realização do festival entre os anos de 1972 e 1972 e por, em seis ocasiões (1986, 1988, 1989, 1990, 1991, e 1995) o filme ter sido dividido por duas atrizes.

Em 1993 aconteceu a única vitória tripla. Lucélia Santos, Maria Zilda Bethlem e Norma Bengell dividiram o Candango de Melhor Atriz por Vagas para Moças de Fino Trato. Já em 2008 aconteceu a única vitória não nominal: o juri concedeu o prêmio ao "elenco feminino do filme Siri-Ará".

Apesar de ser um festival onde apenas filmes brasileiros podem participar, cinco atrizes estrangeiras já venceram o prêmio, atuando em filmes nacionais. Isso aconteceu em 1967, com a italiana Rossana Ghessa, protagonista de Bebel, Garota Propaganda, em 1971 com a argentina Adriana Prieto, laureada por O Anjo Mau, em 1975 com a portuguesa Elza Gomes premiada duplamente por suas atuações em Guerra Conjugal e Nem os Bruxos Escapam, em 1979 com a polonesa Beyla Genauer, vencedora por A Rainha do Rádio, e pela última vez em 2003, quando a austríaca Ruth Rieser venceu por Lost Zweig.Na edição de 2016,pela primeira vez duas estrangeiras ganharam o festival: Elisabete Francisca e Francisca Manuel, ambas por A cidade onde envelheço

Sete atrizes foram premiadas duas vezes: Helena Ignez (1966 e 1969), Lucélia Santos (1981 e 1993), Louise Cardoso (1986 e 1987), Patrícia Pillar (1992 e 1998), Denise Fraga (1995 e 2011), Dira Paes (1996 e 2002) e Marcelia Cartaxo (1985 e 2015)

VencedorasEditar

Referências

  1. «Prêmios». Festival de Brasília. Consultado em 3 de março de 2013 
  2. «Confira os vencedores da 50ª edição do Festival de Brasília». Correio Braziliense. 24 de setembro de 2017. Consultado em 14 de maio de 2018 
  3. «Conheça os vencedores do Festival de Brasília». Agência Brasil. 24 de setembro de 2012. Consultado em 3 de março de 2013 
  4. «Vencedores do Festival de Cinema de Brasília». Canal Brasil. 4 de outubro de 2011. Consultado em 3 de março de 2013 
  5. «'O céu sobre os ombros' vence o Festival de Brasília». G1 Pop & Arte. 1 de dezembro de 2010. Consultado em 3 de março de 2013 
  6. Neusa Barbosa (25 de novembro de 2009). «Com 8 prêmios do júri, "É Proibido Fumar" se consagra no Festival de Brasília». UOL Cinema. Consultado em 3 de março de 2013 
  7. Luiz Zanin Oricchio (25 de novembro de 2008). «'FilmeFobia' é o vencedor do Festival de Brasília». O Estado de S. Paulo. Consultado em 3 de março de 2013 
  8. «Vencedores do 40º Festival de Brasília». Terra. 2007. Consultado em 3 de março de 2013 

BibliografiaEditar

  • Caetano, Maria do Rosário (2007). Festival 40 Anos. a hora e a vez do cinema brasileiro 1ª ed. Brasília: Secretaria de Cultura do Distrito Federal 
  • Bahia, Berê; Celso Araújo (1997). 30 Anos de Cinema e Festival. a história do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro - 1967-1997 1ª ed. Brasília: Fundação Cultural do Distrito Federal