Caos (cosmogonia)

Caos é um estado vazio mitológico que precede a criação do universo (cosmo) no mito da criação na tradição grega, ou ao "hiato" inicial citado para a separação original do céu e da terra da tradição abraâmica.[1][2][3]

Magnum Chaos representado por Lorenzo Lotto, no Basílica de Santa Maria Maior em Bérgamo.

EtimologiaEditar

A palavra Caos, de origem grego antigo χάος, kháos, que significa vazio, enorme espaço vazio, profundo, abismo[4], derivada ao verbo Caótico, de origem grego antigo χάσκω, kháskō e χαίνω, khaínōf, que significa bocejar, seja bem aberto, vêm da língua protoindo-europeia *ǵʰeh₂n-, que significa ficar boquiaberto, bocejar.[5]

Descrição nas religiõesEditar

 Ver artigos principais: Tiamat, Caos (mitologia), Tehom e Abismo (religião)

Na mitologia babilônica, o mito Enuma Elish narra o caos pré-existente consiste em água doce, Apsu, bem como água salgada, Tiamat. Este último deu à luz o deus Marduque, que criou o céu e a terra dos restos mortais de seu progenitor. Na mitologia grega, o mito Hesíodo narra o primeiro deus Caos, do vazio primitivo e escuro que precede toda a existência. Dele, surge Gaia (a Terra), e outros seres divinos primordiais: Eros (amor), Tártaro (abismo) e Érebo (escuridão). Na Bíblia, águas primordiais do abismo (tehom) que cobria a Terra sem forma e vazia (tohu va-bohu), então Deus (Elohim) criou o firmamento para dividi-las em duas para acima e embaixo da Terra.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Euripides Fr.484, Diodoro DK68, B5,1, Apolônio Rhodius I, 49 Kirk p. 42
  2. Kirk, Raven & Schofield 2003, p. 42
  3. Kirk, Raven & Schofield 2003
  4. West, p. 192 line 116 Χάος, "Chasm é melhor traduzido"; chasm em inglês é um empréstimo do grego χάσμα, que é cognato de raiz com χάος. Most, p. 13, traduzido Χάος como "Chasm", e notas: (n. 7): "Geralmente traduzido como Caos; mas isso nos sugere, enganosamente, uma confusão de matéria desordenada, enquanto o termo de Hesíodo indica uma lacuna ou abertura".
  5. R. S. P. Beekes, Etymological Dictionary of Greek, Brill, 2009, pp. 1614 and 1616–7.