Abrir menu principal

Cara a Cara (telenovela)

Cara a Cara
Informação geral
Formato Telenovela
Criador(es) Vicente Sesso
País de origem  Brasil
Idioma original (em português)
Produção
Diretor(es) Jardel Mello
Arlindo Barreto
Elenco ver "Elenco"
Tema de abertura "Cara a Cara" - Antônio Marcos
Exibição
Emissora de televisão original Brasil Rede Bandeirantes
Transmissão original 16 de abril de 1979 - 30 de dezembro de 1979
N.º de episódios 223
Cronologia
Pé de Vento

Cara a Cara é uma telenovela brasileira produzida pela Rede Bandeirantes e exibida de 16 de abril a 30 de dezembro de 1979, em 223 capítulos[1]. Estreou às 20h, mas um mês depois foi transferida para as 19h.

Foi escrita por Vicente Sesso e dirigida por Jardel Mello e Arlindo Barreto.

Produção e repercussãoEditar

Cara a Cara fez sucesso na época de sua exibição, reunindo astros da Rede Globo e da Rede Tupi, que já estava em decadência. Principalmente após a mudança para a faixa das 19h, horário no qual o autor já havia levado ao ar grandes sucessos como "Minha Doce Namorada" (1971) e "Uma Rosa com Amor" (1972), ambas na Globo.

O cantor Antônio Marcos, na época casado com a atriz Débora Duarte, interpretou o mecânico Nando, um papel importante na telenovela, formando um trio com Fúlvio Stefanini e Luiz Gustavo. Antônio Marcos, inclusive, cantava o tema de abertura da telenovela.

David Cardoso, astro de grandes bilheterias na época no gênero chamado de pornochanchada, ao ser convidado para fazer a telenovela, segundo conta no livro David Cardoso - Persistência e paixão, disse que queria o mesmo salário de Fernanda Montenegro, por ser o galã, e que seu nome fosse o primeiro nos créditos de abertura. Cardoso diz ter sido atendido.

A mesma TV Bandeirantes exibiu, a partir da década de 1980, um programa também chamado Cara a Cara, apresentado por Marília Gabriela, que nada tinha a ver com a telenovela.

Segundo dados, o próprio Vicente Sesso realizou duas adaptações desta novela, as duas com o nome da original, Cara a Cara: a primeira em 1982, na Venezuela, pela RCTV, protagonizada por Gustavo Rodríguez, Franklin Virgüez, Javier Vidal e Loly Sánchez, e a segunda em 1984, na Argentina, pela ATC, protagonizada por Verónica Castro.

SinopseEditar

A trama principal gira em torno do mistério que cerca a protagonista Ingrid Von Schubert (Fernanda Montenegro), recém-chegada da Europa. Ela declara que só agora podia voltar, e que seu pai está internado em um asilo de loucos. Por que ela teria decidido voltar ao Brasil? Quais são suas intenções? Como vivia antes? Os únicos que a conhecem realmente são seu advogado, Carlos (David José), e seu acompanhante, Johnny (André Loureiro), que sempre estão a seu lado. Eles, porém, não revelam nada a ninguém.

Tonho (David Cardoso) é um tipo manobrado pelo pai, que acha o estudo uma coisa desnecessária, obrigando-o a viver numa fazenda. Numa propriedade vizinha, mora Regininha (Débora Duarte), filha de Tarquínio (Edson França) e Belinha (Márcia de Windsor), uma família de quatrocentões decadentes. Ela despertará uma grande paixão em Tonho. A moça acabara de chegar da Europa onde, dizem os pais, estava estudando, mas essa não parece ser a razão verdadeira.

Tarquínio e Belinha parecem formar um casal perfeito. Mas o casamento deles é feito apenas de aparências: na realidade, nem dormem na mesma cama. Para esconder esse fato, Belinha chega ao ridículo de desarrumar, todas as manhãs, o lado vazio da cama do casal. Mas é inútil a encenação. Todos conhecem a verdadeira situação e, por isso, os filhos, Regininha e Julinho (Roberto Pirillo), são muito grilados. Junto com eles mora também a velha tia Milu (Carmem Silva), que também tem um grande segredo: não se sabe se ela é louca ou apenas finge ser.

Também tem a família de Orestes (Rolando Boldrin), casado pela segunda vez com Zeni (Irene Ravache). Estes são os novos-ricos e vivem em função do dinheiro, esbanjando cafonice. Natércia (Baby Garroux) e Tatiana (Ana Maria Nascimento e Silva) são as filhas do primeiro casamento de Orestes. Com eles vive, ainda, Fábio (Fausto Rocha), irmão bem mais novo de Zeni.

Francisco (Luis Gustavo), ou Fran, é o moço pobre que se vira de todas as maneiras para frequentar a alta sociedade. Ele e Bebeto (Osmar de Mattos) sempre aparecem em meio aos tipos milionários da trama. Bebeto também é pobre, mas leva vida de milionário.

Mas nem só de tradição familiar, de novos ricos e penetras que é feita a trama. O lado mais humilde também está na história, representado por várias famílias. Uma delas é a da dona Amélia (Wanda Kosmo), viúva, mãe de Dudu (Fúlvio Stefanini), dono de uma oficina mecânica, Carolina (Maria Isabel de Lizandra), estudante de Filosofia, e Bruno (Taumaturgo Ferreira), estudante de Odontologia. Na oficina de Dudu, também trabalham os irmãos Nando (Antônio Marcos) e Tico (Mário Marcos), que enfrentam problemas com o patrão, pois preferem ouvir música a trabalhar.[2]

ElencoEditar

ReprisesEditar

Cara a Cara foi reprisada em três oportunidades:

Referências

  1. «Cara a Cara». Teledramaturgia. Consultado em 28 de abril de 2017 
  2. «NOVELAS DA REDE BANDEIRANTES-ANOS 70». Consultado em 13 de julho de 2019 

Ligações externasEditar