Abrir menu principal

Caraguatatuba

município situado na microrregião homônima, no estado de São Paulo, no Brasil
Estância Balneária de Caraguatatuba
  Município do Brasil  
Caraguatatuba panorama.JPG
Símbolos
Bandeira de Estância Balneária de Caraguatatuba
Bandeira
Brasão de armas de Estância Balneária de Caraguatatuba
Brasão de armas
Hino
Lema Dvc in altvm
"Conduza para o Alto"[1][2]
Apelido(s) "Capital do Litoral Norte"
"Caraguá"
Gentílico caraguatatubense
Localização
Localização da Estância Balneária de Caraguatatuba em São Paulo
Localização da Estância Balneária de Caraguatatuba em São Paulo
Estância Balneária de Caraguatatuba está localizado em: Brasil
Estância Balneária de Caraguatatuba
Localização da Estância Balneária de Caraguatatuba no Brasil
Mapa da Estância Balneária de Caraguatatuba
Coordenadas 23° 37' 12" S 45° 24' 46" O
País Brasil
Unidade federativa São Paulo
Região intermediária[3] São José dos Campos
Região imediata[3] Caraguatatuba-Ubatuba-São Sebastião
Região metropolitana Vale do Paraíba e Litoral Norte
Municípios limítrofes São Sebastião; Salesópolis; Paraibuna; Natividade da Serra; Ubatuba
Distância até a capital 178 km[4]
História
Fundação 20 de abril de 1857 (162 anos)
Administração
Prefeito(a) Aguilar Junior (MDB, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [5] 485,010 km²
População total (Estimativa IBGE/2019[6]) 121 532 hab.
Densidade 250,58 hab./km²
Clima tropical úmido (Af)
Altitude 2 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[7]) 0,759 alto
PIB (IBGE/2013) R$ 2.422.613,17 - 2013
PIB per capita (IBGE/2013[8]) R$ 22,947 71 - 2 013
Outras informações
Padroeiro(a) Santo Antônio

Caraguatatuba é um município brasileiro no litoral norte do estado de São Paulo. Pertence à Mesorregião do Vale do Paraíba PaulistaMicrorregião de Caraguatatuba. Localizando-se a leste da capital do estado, distando desta cerca de 178 km. A cidade ocupa uma área de 485,097 km². Em 2019 sua estimativa populacional foi de 121.532 habitantes, resultando em uma densidade demográfica de 229,9 hab/km². Em 2013 foi o 75º mais populoso de São Paulo e o 269 de todo o país. O município é formado pela sede e pelo distrito de Porto Novo[9][10].

A cidade tem uma temperatura média anual de 25 °C e na vegetação original do município predomina a mata atlântica. O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,759, considerando-se assim como elevado em relação ao país, sendo o 169º maior do estado.

Foi elevada à categoria de vila em 1770. O crescimento do povoado veio com a chegada de famílias de estrangeiros, que se instalaram na Fazenda dos Ingleses. A propriedade se estabeleceu em 1927 e trouxe benefícios como o aumento da população, a formação de trabalhadores agrícolas e artesãos, o surgimento do comércio e o crescimento substancial da arrecadação municipal.

É uma das quinze estâncias balneárias do estado de São Paulo.

EtimologiaEditar

Caraguatatuba é vocábulo tupi, que segundo Silveira Bueno significa "lugar de muitos caraguatás", ou seja, "caraguatal", "caraguatazal". Do tupi caraguatá: designação comum dada a várias espécies de plantas epífitas e terrestres da família das bromeliáceas, também conhecidas como gravatá, e tyba: abundância, grande quantidade, ajuntamento.

HistóriaEditar

FundaçãoEditar

Os primeiros sinais de povoamento surgiram após 1534, quando o rei Dom João III de Portugal dividiu o Brasil em 15 Capitanias Hereditárias e as entregou em regime de hereditariedade a nobres, militares e navegadores ligados à da Corte. O objetivo do reino português era facilitar a administração e acelerar a colonização das recém-ocupadas terras brasileiras. Foi criada então a Capitania de Santo Amaro, que se estendia da foz do Rio Juqueriquerê, em Caraguatatuba, até Bertioga. Esta porção de terra foi entregue ao navegador Pero Lopes de Sousa, um nobre português de destaque na época.

Se considera que a fundação formal de Caraguatatuba foi no século XVII, por meio da concessão de Sesmarias um instituto jurídico criado pelo Império de Portugal para distribuição de terras a particulares para a produção de alimentos. Nos primeiros anos de 1600 o capitão-mor Gaspar Conqueiro doou a Miguel Gonçalves Borba e Domingos Jorge a porção de terra localizada na bacia do Rio Juqueriquerê. Foi exatamente naquele ponto que a cidade começou a nascer entre 1664 e 1665 que surgiram sinais de povoamento, com a construção dos primeiros prédios, como a pequena igreja de Santo Antônio, santo padroeiro da cidade de Caraguatatuba.

Mas o pequeno povoado foi assolado por diversos surtos, entre eles o mais mortífero ocorreu em 1693. A varíola, conhecida na época por “Bexigas”, dizimou boa parte da população. Os sobreviventes fugiram para as vilas próximas, Ubatuba e São Sebastião. A doença fez o crescimento retornar à estaca zero, o que atrasou o desenvolvimento do povoado em alguns anos. Após a grande mortandade, o local passou a ser chamado de “Vila que desertou”.

O novo povoado foi elevado à condição de Vila de Santo Antônio de Caraguatatuba em 27 de setembro de 1770, a pedido de Dom Luiz Antônio de Souza Botelho Morgado de Mateus, o então capitão geral da Capitania de São Paulo.

Século XIXEditar

Em 16 de março de 1847, o presidente da Província de São Paulo, Manuel da Fonseca Lima e Silva, ordenou que a vila passasse a ser denominada Freguesia. Caraguatatuba recebeu sua emancipação política e administrativa em 20 de abril de 1857. A população caraguatatubense teve de superar um surto de malária em 1884.

Século XXEditar

 
Caraguatatuba, 1964. Arquivo Nacional.

A população caraguatatubense teve de superar um surto de gripe espanhola em 1918. O aumento da população veio com a chegada de famílias de estrangeiros, que se instalaram na Fazenda dos Ingleses. A propriedade se estabeleceu em 1927 e trouxe benefícios como o aumento da população, a formação de trabalhadores agrícolas e artesãos, o surgimento do comércio e o aumento da economia.

O progresso da Freguesia de Santo Antônio de Caraguatatuba forçou o Governo do Estado de São Paulo a reconhecê-la como Estância Balneária em 30 de novembro de 1947. Sua comarca foi instalada alguns anos depois, em 26 de setembro de 1965.

Catástrofe de 1967Editar

Entre os dias 15 a 18 de março de 1967, a cidade sofreu uma das maiores catástrofes do estado de S. Paulo, quando chuvas ininterruptas causaram deslizamentos de terra e lama em quase todos os pontos da cidade. O saldo da tragédia foi a morte de 436 pessoas e a destruição de um grande número de residências e edifícios. O prefeito da época era Geraldo Nogueira da Silva[11].

GeografiaEditar

A área do município, segundo dados da prefeitura municipal, é de 485 km². Situa-se a 23° 37' 12" de latitude sul e 45° 24' 46" de longitude oeste e está a uma distância de 178 quilômetros a leste da capital paulista. Limita-se com Natividade da Serra a norte, Ubatuba a nordeste, o Oceano Atlântico a sudeste com a Ilha de São Sebastião a sul, São Sebastião a sul, Salesópolis a oeste e Paraibuna a noroeste.

ClimaEditar

clima de Caraguatatuba é tropical úmido, com diminuição de chuvas no inverno e temperatura média anual de 24 °C, tendo invernos úmidos e verões chuvosos com temperaturas moderadamente altas. O mês mais quente, fevereiro, conta com temperatura média de 27 °C, sendo a média máxima de 31 °C e a mínima de 23 °C. E o mês mais frio, julho, com média de 20 °C, sendo 25 °C e 15 °C a média máxima e mínima respectivamente. Outono e primavera são estações de transição.

Dados climatológicos para Caraguatatuba
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 30,3 30,5 30,1 28,4 26,8 25,8 25 25,5 25,9 26,9 28 29,4 27,7
Temperatura média (°C) 26,7 26,8 26,1 24,2 22,2 20,9 20,2 21,2 22,3 23,4 24,4 25,6 23,7
Temperatura mínima média (°C) 23,1 23,1 22,1 20 17,6 16 15,4 16,9 18,7 19,9 20,9 21,8 19,6
Precipitação (mm) 270 253 244 162 110 87 68 86 130 206 212 246 2 074
Fonte: Climate-Data.[12]

Meio ambienteEditar

A vegetação original e predominante no município é a mata atlântica, sendo que a vegetação nativa remanescente está mais presente na serra de Caraguatatuba.

PraiasEditar

Praia do CamaroeiroEditar

A praia do Camaroeiro é continuação da praia do Centro e oferece ótimo visual dos barcos atracados próximos à praia. Lá também fica o Entreposto de Pesca Artesanal. E com a concentração de pescadores, o local também é ótimo para se comprar pescados direto dos profissionais do mar. Há também o acesso para a praia onde se localiza a Pedra da Freira.

PrainhaEditar

A Prainha fica localizada apenas 4 quilômetros de distancia do centro de Caraguatatuba, a Prainha tem águas limpas, calmas e rasas. São essas as características que a torna ideal para crianças e idosos. Quiosques, bares e restaurantes garantem o conforto de visitantes e banhistas.

O local é urbanizado e tem como um de seus principais atrativos a Pedra do Jacaré, que oferece um ótimo local para observação do mar e da orla de Caraguá. O costão de pedras onde está localizada é indicado para a pescaria. Há um acesso para a Praia do Garcez no canto sul da Prainha.

Praia Martim de SáEditar

A praia Martim de Sá é uma das mais urbanizadas do município de Caraguatatuba e uma das preferidas dos jovens, que fazem de lá ponto de encontro durante os finais de semana, carnaval e férias. Com 1,5 quilômetro de extensão e de areia fina e tom amarelado, a praia é bastante concorrida nos dias ensolarados de verão.

O calçadão, que conta com ciclovia, é ótima opção para caminhadas e contemplação do mar. Bares, restaurantes e quiosques oferecem a visitantes e turistas a infraestrutura necessária para um dia de lazer na praia.

Lista completa de praiasEditar

As seguintes praias estão localizadas na Estância Balneária de Caraguatatuba: De norte para o sul

Na enseada de CaraguatatubaEditar

HidrografiaEditar

RodoviasEditar

ComunicaçõesEditar

A cidade era atendida pela Companhia de Telecomunicações do Estado de São Paulo (COTESP), que construiu em 1974 a central telefônica no centro da cidade que é utilizada até os dias atuais. Em 1975 passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP)[14], que construiu as outras centrais telefônicas da cidade, até que em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica. Em 2012 a empresa adotou a marca Vivo para suas operações de telefonia fixa[15][16][17][18].

EconomiaEditar

Caraguatatuba tem boa infraestrutura composta por shoppings, supermercados e lojas. A cidade é a economia mais importante do litoral norte. O Produto Interno Bruto (PIB) de Caraguatatuba em 2011 foi de 1.549.911 mil. O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,759, considerando-se assim como elevado em relação ao país, sendo o 169º maior do estado. Em 2010 a estimativa populacional da cidade foi de 100 mil habitantes e em 2014 a estimativa populacional foi de 111 mil habitantes, isto é um crescimento populacional muito grande, a cidade vem crescendo em uma velocidade incrivelmente alta.

Shows e EventosEditar

Tradicionalmente, entre os meses de dezembro à janeiro, acontece shows de verão e eventos musicais gratuitos, que acontecem na Praça da Cultura e na Praça de eventos Porto Novo. O evento anima não somente os moradores como também veranistas e turistas que visitam a cidade. A última edição, teve início oficial no dia 28 de Dezembro de 2018, intitulada Caraguatatuba Summer Festival[19].

Artista Data Local
Fernando & Sorocaba 28/12/2018 Praça da Cultura
Pagode 90 29/12/2018 Praça de Eventos Porto Novo
Maneva e Onze 20 01/01/2019 Praça de Eventos Porto Novo
Ed. Motta 04/01/2019 Praça da Cultura
Lenine 05/01/2019 Praça da Cultura
Lauana Prado 05/01/2019 Praça de Eventos Porto Novo
Trio Parada Dura 11/01/2019 Praça de Eventos Porto Novo
Ludmilla 11/01/2019 Praça de Eventos Porto Novo
Vanessa da Mata 12/01/2019 Praça da Cultura
Thaeme & Thiago 12/01/2019 Praça de Eventos Porto Novo
Circulador de Fulô e Peixe Elétrico 13/01/2019 Praça de Eventos Porto Novo
Di Ferreiro 18/01/2019 Praça da Cultura
Marcos & Belluti 18/01/2019 Praça de Eventos Porto Novo
Yasmin Santos 25/01/2019 Praça de Eventos Porto Novo
CPM22 25/01/2019 Praça da Cultura
Maria Rita 26/01/2019 Praça da Cultura
Loubet 26/01/2019 Praça de Eventos Porto Novo
Raça Negra 27/01/2019 Praça de Eventos Porto Novo

Ver tambémEditar

Referências

  1. http://ucse.edu.ar/sede_sgo/Hermas/presentacion.htm
  2. http://sonhosdeumprofessor.blogspot.com/2010/11/duc-in-altum-texto-de-aluisio.html
  3. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  4. «Distâncias entre a cidade de São Paulo e todas as cidades do interior paulista». Consultado em 31 de janeiro de 2011 
  5. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  6. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (30 de agosto de 2017). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2017» (PDF). Consultado em 19 de abril de 2018 
  7. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 1 de agosto de 2013 
  8. «Produto Interno Bruto dos Municípios - 2013 IBGE». IBGE @cidades. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 27 de agosto de 2015 
  9. «Municípios e Distritos do Estado de São Paulo» (PDF). IGC - Instituto Geográfico e Cartográfico 
  10. «Divisão Territorial do Brasil». IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 
  11. «Há 50 anos Caraguatatuba sofreu a pior tragédia da sua história»  Acervo do Jornal Folha de S.Paulo
  12. «Clima: Caraguatatuba». Climate-Data. Consultado em 15 de julho de 2015. Cópia arquivada em 15 de julho de 2015 
  13. «Clima: Porto Novo». Climate-Data.org. Consultado em 15 de julho de 2015. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2016 
  14. «Área de atuação da Telesp em São Paulo». Página Oficial da Telesp (arquivada) 
  15. «Telesp vai servir mais 86 cidades do estado». Acervo Folha de S.Paulo 
  16. «Patrimônio da COTESP incorporado pela TELESP» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  17. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  18. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 
  19. «Caraguatatuba Summer Festival». www.turismocaragua.com.br. Consultado em 6 de fevereiro de 2019 

Ligações externasEditar