Caramujo

Disambig grey.svg Nota: Se procura o bairro da cidade de Niterói, veja Caramujo (Niterói).
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCaramujo
Na região sudeste e região sul do Brasil, uma das maiores espécies de caramujos é Adelomelon beckii (Broderip, 1836)[1]; também considerada um dos maiores gastrópodes marinhos do mundo.[2]
Na região sudeste e região sul do Brasil, uma das maiores espécies de caramujos é Adelomelon beckii (Broderip, 1836)[1]; também considerada um dos maiores gastrópodes marinhos do mundo.[2]
Em Portugal a denominação caramujo é principalmente aplicada ao molusco costeiro Littorina littorea (Linnaeus, 1758)[3], também denominado borrelho, burgau ou burrié; espécie comestível[4], encontrada em diversas regiões europeias.[5]
Em Portugal a denominação caramujo é principalmente aplicada ao molusco costeiro Littorina littorea (Linnaeus, 1758)[3], também denominado borrelho, burgau ou burrié; espécie comestível[4], encontrada em diversas regiões europeias.[5]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Mollusca
Classe: Gastropoda

Caramujo (borrelho, burgau ou burrié, em Portugal)[4] é a denominação vernácula, em português (BRA), para vários moluscos marinhos e não-marinhos da classe Gastropoda, possuidores de brânquias ou de pulmões, dada corretamente para as espécies com concha e cujos habitats sejam os ambientes aquáticos como a zona costeira, oceanos, mares, mangues, estuários, lagos, pântanos, rios, córregos e riachos ao redor do mundo.[6][8] O zoólogo Eurico Santos afirma que "não devemos usar indiferentemente a palavra caramujo e caracol. O primeiro nome designa todos os gasterópodes aquáticos, quer pulmonados, quer providos de brânquias, sejam da água doce ou salgada, o segundo (caracol) qualifica com mais justeza os pulmonados terrestres"[9]; embora alguns erros de denominação sejam dados para estes últimos moluscos citados, como é o caso das espécies Lissachatina fulica (Bowdich, 1822)[10], o caramujo-gigante-africano, algumas espécies do gênero Orthalicus H. Beck, 1837 (O. pulchellus e O. phlogerus), conhecidas como caramujo-do-café, e algumas espécies do gênero Megalobulimus K. Miller, 1878 (M. oblongus e M. ovatus), conhecidas como caramujo-berrador, caramujo-boi, caramujo-do-mato ou aruá-do-mato.[6][11][12][13] Rodolpho von Ihering comenta, no seu Dicionario dos Animais do Brasil, esta denominação para "designar particularmente as espécies grandes, de casca grossa, enquanto que caracol é aplicado aos moluscos da mesma ordem, porém de casca fina e de dimensões menores. Aquêles abrangem as formas marinhas, inclusive as espécies miúdas, que então são caramujinhos".[14] Eurico Santos especifica o termo, na obra Moluscos do Brasil, principalmente para as espécies de Heterobranchia, paludícolas ou límnicas, da família Planorbidae Rafinesque, 1815, dotadas de concha enrolada em espiral plana, sem opérculo, e que são vetores da esquistossomose.[15][16][17] Outro gênero de moluscos a frequentar o mesmo tipo de ambiente, Pomacea Perry, 1810, recebe a denominação caramujo-maçã ou caramujo-do-banhado.[6][18][19] Espécie introduzida é o caramujo-trombeta, Melanoides tuberculata (O. F. Müller, 1774), de concha variável, encontrada em ambientes aquáticos degradados, hipóxicos e poluídos, na zona tropical e subtropical, podendo ser coletado em locais com salinidade, próximos do mar.[20][21] Dentre as formas costeiras existem as de concha achatada e não-enrolada, da espécie Lottia subrugosa (d'Orbigny, 1846) - ex Acmaea subrugosa -, denominada caramujo-tigela.[6][7][22]

Ilustração de Lottia subrugosa (d'Orbigny, 1846) em vista superior (esquerda), lateral (centro) e inferior (direita); o caramujo-tigela.[6][7]

PortugalEditar

Em Portugal a denominação caramujo é principalmente aplicada ao molusco costeiro Littorina littorea (Linnaeus, 1758), também denominado borrelho, burgau ou burrié; espécie comestível pertencente à família Littorinidae.[3][4][6] Ela é encontrada em diversas regiões europeias, em rochas e algas da zona entremarés.[5]

Referências

  1. «Adelomelon beckii» (em inglês). World Register of Marine Species. 1 páginas. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  2. Carranza, Alvar; Martínez, Gastón; Arim, Matias (2017). «An endangered gigant marine gastropod : Adelomelon beckii (Broderip, 1836) in Uruguayan waters» (PDF) (em inglês). Pan-American Journal of Aquatic Sciences, 12(2). (PanamJAS). pp. 117–122. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  3. a b «Littorina littorea» (em inglês). World Register of Marine Species. 1 páginas. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  4. a b c «caramujo». Infopédia - Dicionários Porto Editora. 1 páginas. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  5. a b CAMPBELL, Andrew C.; NICHOLLS, James (1980). The Hamlyn Guide to the Seashore and Shallow Seas of Britain and Europe (em inglês). England: The Hamlyn Publishing Group. p. 150. 320 páginas. ISBN 0-600-34019-8 
  6. a b c d e f HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles; FRANCO, Francisco Manoel de Mello (2001). Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa 1ª ed. Rio de Janeiro: Objetiva. p. 618. 2922 páginas. ISBN 85-7302-383-X 
  7. a b «Lottia subrugosa» (em inglês). World Register of Marine Species. 1 páginas. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  8. FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda (1986). Novo Dicionário da Língua Portuguesa 2ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. p. 347. 1838 páginas 
  9. SANTOS, Eurico (1982). Zoologia Brasílica, vol. 7. Moluscos do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia. p. 97. 144 páginas 
  10. a b «Lissachatina fulica» (em inglês). Molluscabase. 1 páginas. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  11. «Orthalicus» (em inglês). Molluscabase. 1 páginas. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  12. «Megalobulimus» (em inglês). Molluscabase. 1 páginas. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  13. HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles; FRANCO, Francisco (Op. cit., p.310.).
  14. IHERING, Rodolpho von (1968). Dicionario dos Animais do Brasil. São Paulo: Editora Universidade de Brasília. p. 203. 790 páginas 
  15. «Planorbidae» (em inglês). Molluscabase. 1 páginas. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  16. SANTOS, Eurico (Op. cit., pp.100-103.).
  17. PESSOA, Samuel Barnsley (1969). Parasitologia Médica 7ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A. p. 415-429. 944 páginas 
  18. «Pomacea» (em inglês). Molluscabase. 1 páginas. Consultado em 16 de agosto de 2020 
  19. «aruá». Michaelis - Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. 1 páginas. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  20. «Caramujo Melanoides». Planeta Invertebrados Brasil. 1 páginas. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  21. «Melanoides tuberculata» (em inglês). Molluscabase. 1 páginas. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  22. SANTOS, Eurico (Op. cit., p.104.).
  Este artigo sobre moluscos, integrado no Projeto Invertebrados é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.