Abrir menu principal

Cardigos

freguesia de Mação, Portugal
Portugal Portugal Cardigos 
  Freguesia  
Cardigos01.JPG
Localização
Localização no concelho de Mação
Localização no concelho de Mação
Cardigos está localizado em: Portugal Continental
Cardigos
Localização de Cardigos em Portugal
Coordenadas 39° 41' 41" N 8° 01' 09" O
País Portugal Portugal
Região Centro (Região das Beiras)
Sub-região Médio Tejo
Província Beira Baixa
Concelho MAC.png Mação
Administração
Tipo Junta de freguesia
Presidente Carlos Alberto Farinha Leitão (PPD/PSD)
Características geográficas
Área total 71,34 km²
População total (2011) 1 086 hab.
Densidade 15,2 hab./km²
Código postal 6120
Outras informações
Orago Nossa Senhora da Assunção

Cardigos é uma freguesia portuguesa do concelho de Mação, na província da Beira Baixa, região do Centro (Região das Beiras) e sub-região do Médio Tejo, com 71,34 km² de área e 1 086 habitantes (2011). A sua densidade populacional é 15,2 hab/km².

Foi vila e sede de concelho até ao início do século XIX. Era constituído apenas por uma freguesia e tinha, em 1801, 1 121 habitantes. Aquando da extinção foi integrado no concelho de Vila de Rei, passando em 1878 a integrar o de Mação.

PopulaçãoEditar

População da freguesia da Cardigos [1]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
1 987 2 150 2 311 2 759 3 105 2 898 3 268 3 636 3 889 3 231 2 237 2 002 1 495 1 233 1 086

No ano de 1864 pertencia ao concelho de Vila de Rei, distrito de Castelo Branco. Por decreto de 30/05/1877 passou a pertencer ao actual concelho

Distribuição da População por Grupos Etários
Ano 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos
2001 122 79 440 592 9,9% 6,4% 35,7% 48,0%
2011 78 83 398 527 7,2% 7,6% 36,6% 48,5%

Média do País no censo de 2001: 0/14 Anos-16,0%; 15/24 Anos-14,3%; 25/64 Anos-53,4%; 65 e mais Anos-16,4%

Média do País no censo de 2011: 0/14 Anos-14,9%; 15/24 Anos-10,9%; 25/64 Anos-55,2%; 65 e mais Anos-19,0%

ToponímiaEditar

Em 1525 chamava-se Cardigos ou Bichieira, indiferentemente. Havia nesta vila uma família de apelido Cardigos de quem a localidade herdou o nome. Em documentos oficiais aparecem ainda vários nomes dados a Cardigos como Brucheira, Bichieira, Buchieira, Abucheria, Vichieyra e, finalmente, Cardigos aparece já no alvará passado por D. João IV de 5 de Fevereiro de 1643.

HistóriaEditar

A fundação de Cardigos está envolta no longínquo passado, mas a avaliar pelos vestígios megalíticos (dólmenes) pensa-se ter havido nesta região ocupação muitos séculos antes de Cristo.

Situada, como a localidade de Amêndoa, num ponto de ligação de várias redes de comunicação da Hispânia, são encontrados vários testemunhos romanos como algumas pontes, templos, aquedutos, etc. Outros vestígios foram ainda localizados tais como inscrições funerárias e todo um espólio da época romana onde se destacam várias alfaias agrícolas.

Seguindo a tradição romana muitos nomes de localidades derivam de plantas, animais, e minerais (Moreira, Ferreira). Foi esta civilização que aqui desenvolveu a agricultura e culturas como a oliveira e a vinha, às quais se juntam árvores de frutos, cereais, e explorações de minérios como o ouro, ferro e estanho.

Do povo imigrado do norte da Europa, os visigodos, poucos foram os vestígios deixados, sendo certo que em 711 esta região foi ocupada pelos muçulmanos que aqui se fixaram com a sua cultura até ao início da reconquista cristã, levada a cabo por Afonso Henriques com a ajuda das ordens militares religiosas, como a dos Hospitalários e Templários, até finais do séc. XIII. Tal como a freguesia de Amêndoa, o primeiro do domínio de Cardigos é dado aos cavaleiros templários, passando mais tarde para o domínio da Ordem de Malta. Razão pela qual o brasão da freguesia ostenta a cruz desta antiquíssima Ordem Religiosa e Militar em chefe[2].

Durante o reinado de Filipe II de Espanha, em 1605, Cardigos é elevado a sede de Comarca.

PatrimónioEditar

 
Pelourinho.

LocalidadesEditar

[Arganil], Azinhal, Azinhalete, Cardigos, Carrascal, Carvalhal, Casais de S. Bento, Casalinho, Casas da Ribeira, Chaveira & Chaveirinha, Colos, Corujeira, Freixoeirinho, Freixoeiro, Lameirancha, Mesão Frio, Moita Recome, Pracana da Ribeira, Pracana do Outeiro, Roda, Sarnadas, Vale Madeiros, Vales de Cardigos, Vinha Velha.

Actividades económicasEditar

Indústrias de carnes, panificação, serração de madeiras, carvão, serralharia civil, olivicultura, agricultura, fabrico de velas, carpintaria, construção civil, comércio e oficinas.

FeirasEditar

  • Feira do Tremoço (2º Domingo da Quaresma)
  • Feira de Verão (2º Domingo de Agosto)

Festas e RomariasEditar

  • Espírito Santo (Domingo do Espírito Santo)
  • S. Bento (3ª feira de Páscoa)
  • Sagrado Coração de Jesus (2º Domingo de Setembro)
  • [Chaveira (Dia de San Pedro)http://www.chaveira.com ]

Locais de interesse turísticoEditar

GastronomiaEditar

Maranhos, cabrito assado, cavacas, bolo fino, coscorões, e tigeladas.

ArtesanatoEditar

Bordados em linho e cestos em verga e velas de cera.

ColectividadesEditar

Referências

  1. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
  2. PINHO, António Brandão de (2017). A Cruz da Ordem de Malta nos Brasões Autárquicos Portugueses. Lisboa: Chiado Editora. 426 páginas. Consultado em 28 de agosto de 2017