Carlos Alberto Machado

Carlos Alberto Machado (Lisboa, 18 de Novembro de 1954) é um escritor, actor e produtor português.[1]

Carlos Alberto Machado
Nome completo Carlos Alberto Machado
Nascimento 18 de novembro de 1954 (65 anos)
Lisboa
Nacionalidade Portugal Portugal
Ocupação Escritor, actor, produtor, encenador

FormaçãoEditar

É Licenciado em Antropologia pela FCSH/ Universidade Nova de Lisboa e Mestre em Sociologia da Cultura, Comunicação e Tecnologias de Informação pelo ISCTE.[2]

ActividadeEditar

Trabalha desde 1969 nas áreas do teatro, animação e gestão cultural. Colaborou com o ACARTE da Fundação Gulbenkian, Centro Georges Pompidou em Paris, Ministério da Cultura, no qual foi assessor, e Expo 98, onde foi programador de espectáculos. Foi professor da Escola Superior de Teatro e Cinema de 1999 a 2000, e da Universidade de Évora, fazendo a licenciatura em Teatro de 2001 a 2008. Dirigiu laboratórios de escrita para teatro com o CITAC, Quarta Parede, CEPiA e Teatro de Giz.[2] Colaboração nas revistas Sete Palcos, Adágio, Belém, Periférica, Boca de Incêndio e Telhados de Vidro e nos jornais O Diário, Semanário, Ilha Maior, Jornal do Pico e Expresso das Nove - onde assina ainda uma crónica semanal.[2] Coordenou as edições municipais do Município das Lajes do Pico, nomeadamente: co-director da revista Magma, juntamente com Sara Santos, Cadernos SIBIL, com José Augusto Soares.[2] e com Urbano Bettencourt a Biblioteca Açoriana. Dedica-se à escrita.

ObrasEditar

EnsaiosEditar

  • Teatro da Cornucópia: As Regras do Jogo - Lisboa, em 1999
  • Cuidar dos Mortos - Sintra, Instituto de Sintra, em 1999.

Peças de teatroEditar

  • Transportes & Mudanças (Três Peças em Um Acto) - Lisboa, em 2000
  • Os Nomes que faltam - Cadernos Dramat, Nº 6, Teatro Nacional S. João/Cotovia, em 2001
  • Restos. Interiores - em 2002
  • Aquitanta - em 2003
  • As Aventuras Extraordinárias do Príncipe e do Castor - em colaboração, Cadernos CITAC, IV, em Janeiro de 2004
  • Hamlet & Ofélia - Maputo, Escola Portuguesa de Moçambique-Centro de Ensino da Língua Portuguesa, em 2008
  • 5 Cervejas para o Virgílio (Lisboa, & etc., 2009)
  • Hoje Não Há Música - Maputo, Escola Portuguesa de Moçambique-Centro de Ensino da Língua Portuguesa, em 2010

PoesiaEditar

  • Ventilador - Espinho, Elefante Editores, em 2000
  • Mundo de Aventuras - Évora, em 2000
  • Mito, seguido de Palavras Gravadas na Calçada - Lisboa, em 2001
  • A Realidade Inclinada - Lisboa, Averno, em 2003
  • Talismã - Lisboa - Assírio & Alvim, em 2004
  • Registo Civil - Poesia Reunida - Lisboa - Assírio & Alvim, em 2010
  • Por eso volveré / Por isso voltarei / C’est pourquoi je reviendrai (desenhos de Márcio Matos) Canárias - dir. Nilo Palenzuela e Orlando Britto Jinorio, Projecto Horizontes Insulares, Governo das Canárias, programa Septénio, em 2010
  • Corpos - Lajes do Pico - colecção azulcobalto, em 2011

Para a história do teatro em PortugalEditar

  • Centro Dramático de Évora. 25 Anos em Cena - CCE/CENDREV 1975-2000 (Évora, Centro Dramático de Évora, 2000)
  • José Manuel Castanheira. Scénographies 1973-1993 - (Paris/Évora, Centre Georges Pompidou/Nobilis, 1993)
  • José Manuel Castanheira. Une Ruine en Construction - (Paris/Évora, Centre Georges Pompidou/Nobilis, 1993)

Participação em colectâneasEditar

  • Arqueologia e Recuperação dos Espaços Teatrais, Lisboa, ACARTE/Fundação Calouste Gulbenkian, com organização de José Manuel Castanheira em 1992
  • MEMÓRIA ABRACE I, São Paulo, em 2000
  • Brincar com as Palavras, Jogar com as Imagens, Lisboa, em 2002
  • Poetas sem Qualidades, Lisboa, Averno, com a organização de Manuel de Freitas em 2002
  • Escrita na Paisagem - Évora, Festival Escrita na Paisagem, em 2005

EspectáculosEditar

  • Pouco A Pouco A Sombra - Amadora, Escola Superior de Teatro e Cinema, em exibição de 18 de Fevereiro e 24 de Março de 2000
  • A Mortos e Vivos - Os Nomes Que Faltam - com estreia a 15 de Fevereiro de 2001, Lisboa
  • Vertigem - Arranjo e fixação de texto de improvisações, com estreia a 15 de Novembro de 2001, no teatro O Bando, Vale de Barris, Palmela
  • Aventuras Extraordinárias do Príncipe e do Castor - Direcção e escrita do texto, com Ana Fernandes, Fernando Silva, Tiago Lança e Sílvia das Fadas. Colaboração de Francisco Frazão, Jorge Correia e Niama, com estreia a 14 de Janeiro de 2004 no Teatro Académico Gil Vicente, Coimbra
  • Restos. Interiores - com estreia a 29 de Maio de 2005, em Lajes do Pico
  • Os Nomes Que Faltam - com estreia a 17 de Junho de 2005, no Auditório de Alfornelos
  • Aquitanta - com estreia: 24 de Julho de 2007 no teatro Estúdio Zero no Porto
  • Ficava Tão Bem Naquele Canto Da Sala - Leitura encenada, com direcção de Felipe de Assis, no âmbito do Ciclo de Leituras Dramáticas da Universidade Federal da Bahia, Brasil, a 22 de Outubro de 2007
  • E Nós Aqui No Meio De Não Saber Nada - Criação de texto a partir da Oficina de Escrita Criativa coordenada pelo próprio na Ilha do Faial, Açores, em 2008
  • A Felicidade Ideal - Produção: Curso Profissional de Artes do Espectáculo-Interpretação, do Conservatório-Escola das Artes da Madeira (Prova de Aptidão Profissional) - Encenação e interpretação: Vitor Gonçalves. Estreia: Centro das Artes – Casa das Mudas, Funchal, dia 14 de Julho de 2011
  • Hamlet & Ofelia – Produção do Teatro Passagem de Nível - Concepção Cénica, Criação e Interpretação: Mónica Lourenço e Ricardo Mendes - Estreia no Auditório de Alfornelos, em 4 de Novembro de 2011

Referências

  1. «Carlos Alberto Machado» (em inglês). Projecto Vercial. Consultado em 8 de Dezembro de 2009 
  2. a b c d «Carlos Alberto Machado» (em inglês). Assírio & Alvim. Consultado em 22 de Fevereiro de 2009 

Ligações externasEditar