Carlinhos da Silva

(Redirecionado de Carlos Alberto da Silva)

Carlos Alberto da Silva (São Paulo, 23 de janeiro de 1980), também conhecido Carlinhos Mendigo, é um humorista, imitador, radialista e DJ brasileiro. Conhecido nacionalmente pelas suas participações nos Programas Pânico em suas versões na TV e na Rádio.

Carlos Alberto
Carlinhos em 2016.
Nome completo Carlos Alberto da Silva
Conhecido(a) por Carlinhos Mendigo
Nascimento 23 de janeiro de 1980 (42 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileiro
Estatura 1.80 m
Filho(a)(s) Arthur Henrique Hauck da Silva
Ocupação humorista, imitador, radialista e DJ
Principais trabalhos Pânico, Pânico na TV, Show do Tom, Pânico na Band.

Biografia e carreiraEditar

Antes da famaEditar

Aos 4 anos, ele fugiu da casa onde morava, em São Paulo, levado pelos irmãos mais velhos, que não aguentavam mais as constantes agressões do pai alcoólatra e da mãe. Pouco tempo depois, se perdeu dos irmãos e ficou sem família. Por não ter o que comer ou para onde ir, pediu esmolas e dormiu na rua. Morou na Praça da Sé, Estação São Bento, Praça da República, Vale do Anhangabaú, todas próxima ao capital paulista, até serem levados a convite para uma unidade da FEBEM (Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor, atual Fundação Casa) onde morou com quase 300 crianças.

Da instituição para menores, o Mendigo foi parar em um colégio interno mantido pela prefeitura da cidade. Foi então que a história dele começou a mudar. Aos 14 anos, o rapaz chamava a atenção pelo bom comportamento e pela alegria de viver.[1][2] Apresentado a Dona Margot Leopoldo de Carvalho e Silva, mãe do dono da Jovem Pan, Antônio Augusto Amaral de Carvalho Filho, o Tutinha, que o selecionou para trabalhar como office-boy da estação de rádio.

Anos 2000, Pânico na TV e RádioEditar

Pouco a pouco, com garra e talento, o artista conseguiu superar as barreiras e mudou o destino a seu favor, seu primeiro salário foi de R$150 (o salário mínimo vigente). Consagrou-se humorista no Pânico na TV dando vida a vários personagens com caracterização e vozes, em dezenas de quadros internos e externos pelo programa, tanto no rádio quanto na TV, onde ficou até o final de 2007, quando foi contratado pela Rede Record a peso de ouro ao lado do outro nome da atração Viny Vieira, o ''gluglu'' [3].

Rede RecordEditar

O humorista, então entrou para o elenco do programa Show do Tom no início de 2008.[4] Também fez participações em outros programas da casa. Em 2009, fez parte da primeira temporada do programa A Fazenda, onde ficou em 3° lugar, sendo eliminado na 12° semana.[5] No dia 27 de janeiro de 2011, a namorada de Carlos, Aline Hauck, confirmou a gravidez de 3 meses e meio do humorista. No dia 20 de julho de 2011, nasceu o 1° filho do casal, Arthur Henrique.[6]

2010-presenteEditar

Retorno ao PânicoEditar

Carlos voltou ao elenco do Pânico (agora Pânico na Band) na temporada de 2015, para substituir Wellington Muniz (Ceará), que iria para o Multishow no final do ano.[7] Fez um grande sucesso após fazer o “Silvio Repitiliano” em Silvio e as Gagas de Ilhéus, no Pânico na Band, que teve milhões de acessos no YouTube. Participou de outros quadros de sucesso como Jogo dos tontinhos, Agnaldo Te mostro, Panico's Chef e Master Trash. Ficou no programa até o fim, no dia 17 de dezembro de 2017.[8]

Bola, vai no meu lugar?Editar

Em 2018, estreou um programa chamado "Bola, vai no meu lugar? " com seu amigo e ex-companheiro de pânico, o Bola. A série consiste em Carlinhos arranjar os trabalhos e Bola executa-los no lugar das pessoas que solicitaram. O programa foi lançado no canal de streaming PlayPlus, da Record. O 1° episódio foi lançado em 10 de agosto de 2018 e contou outros 9, fechando a série.[9][10]

PolêmicasEditar

Em janeiro de 2020, após ter problemas para ver o filho que se encontrava na situação com a sua ex-esposa Aline Hauck, Carlos Alberto publicou uma série de postagens em sua rede social, com uma delas mencionando o Goleiro Bruno: " Cada dia que passa, mais eu entendo o goleiro Bruno (...) Aqui para a justiça brasileira, só f*dem a vida do meu filho (...) Deveria fazer igual o goleiro Bruno fez, mas a gente tem que só falar, e falar pode, né… e às vezes fazer também, porque com seis anos você tá na rua. (...) Querem a graninha da pensão? Espera aí sentadinha!" [11]

Em junho de 2021, a Justiça da 3ª Vara Criminal da Barra Funda, São Paulo, aceitou uma denúncia do Ministério Público contra Carlinhos. Ele é acusado do crime de LGBTfobia por publicações nas redes sociais de teor ofensivos a homossexuais e transgêneros.[12] Uma das publicações, feitas em 2020, criticava Thammy Miranda, homem transexual, por ter realizado uma campanha publicitária de Dia dos Pais.[13] A denúncia foi feita pelo suplente de deputado estadual e ativista LGBTI+ Agripino Magalhães na 2ª Delegacia de Polícia de Repressão aos Crimes Raciais e de Delitos de Intolerância (DECRAD), em São Paulo.[14]


Em fevereiro de 2022, foi condenado a pagar R$ 90 mil de pensão alimentícia para filho que teve com a ex-bailarina Aline Hauck. O mesmo encontra-se foragido.[1]

AtualidadeEditar

Carlinhos declara viver uma nova vida desde de que se aproximou do Cristianismo, ele conta sua história de vida e as mudanças que a crença acrescentou e alterou a em sua vida. Além de expor as suas opiniões judiciais e o desejo de mudança, sob tudo com relação aos direitos e deveres paternos e maternos em situações que os país vivem separados, e uma criança não tem a oportunidade de conviver com ambos os lados de forma igualitária [15]. Suas entrevistas em Podcasts pela internet colecionam ótimos números e tiram risadas do público do saudoso tempo de Pânico.

PersonagensEditar

MendigoEditar

Principal personagem tanto no programa da rádio como no da TV.[16] No Pânico na TV, atingiu o ápice com o quadro "Vô, Num vô", fazendo dupla com Mano Quetinho (Vinícius Vieira), no qual visitam praias para avaliar as mulheres, colando no corpo delas o adesivo "Vô" naquelas que consideravam bonitas e "Num Vô" naquelas que consideravam feias. E "camarão" naquelas que achavam somente o corpo atraente.

Merchan NevesEditar

 
Merchan Neves com as rainhas da Fenadoce. Um encontro, no entanto, estranho. A equipe do Pânico na TV estava em Porto Alegre para ver a Seleção Brasileira jogar contra o Paraguai em 2005.

Merchan Neves era uma imitação do apresentador e narrador Milton Neves.[16] Ficou com o nome Merchan por sua fama de fazer muitas propagandas em seus inúmeros programas. Juntamente com os anões que representavam Robinho e Tévez, Merchan Neves deu origem a um famoso bordão do programa: "Pedala Robinho", que alcançou dimensões nacionais, chegando até a ser mencionado na novela das oito América e sendo mencionado por Galvão Bueno, enquanto narrava um dos jogos da Seleção Argentina de Futebol.

Presidente MoluscoEditar

Carlos usava a imagem de Lula, devidamente travestido, para fazer piadas e chacotas ao governo[16], desde o mensalão até o perigo do impeachment, assunto discutido na época da criação do personagem.

Sérgio MallandroEditar

Carlos se vestia como o apresentador Sérgio Mallandro para apresentar a promoção do "Salci Fufu"[16], onde ele tentava pegar casais no "flagra" (geralmente na saída de motéis), a fim de premiá-los com prêmios como liquidificadores e batedeiras se eles dissessem a senha que era "Salci Fufu".

Silvio Santos ReptilianoEditar

Carlos se vestia de paródia do apresentador Silvio Santos. Carlinhos fazia junto com Mari Gonzalez (Baianinha) um quadro no Pânico na Band, "zoando" com as Gagas de Ilhéus, Solange e Cremilda.

FilmografiaEditar

TelevisãoEditar

Ano Título Cargo Notas
2003–07 Pânico na TV Repórter
2007–11 Show do Tom Vários personagens
2009 A Fazenda Participante Temporada 1
2009–10 Programa do Gugu Repórter
2009–11 Hoje em Dia
2012 Tudo É Possível
2013–14 Programa da Tarde
2015–2017 Pânico na Band Repórter / Vários personagens
2018 Bola, vai no meu lugar? Ele mesmo

RádioEditar

Ano Título Estação
1995–2007 Pânico Jovem Pan

Referências

  1. «IstoÉ Gente - IstoÉ, 26 de abril de 2004.» 🔗 
  2. «A história dramática de Carlinhos, o Mendigo». CLAUDIA. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  3. «Mendigo e Gluglu, do "Pânico na TV", assinam com a Record». Extra Online. 8 de dezembro de 2007. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  4. «Record confirma contratação de Gluglu e Mendigo» 
  5. «Carlinhos é eliminado com 65% dos votos; Dado e Danni estão na final - 19/08/2009 - UOL Televisão - A Fazenda». televisao.uol.com.br. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  6. «Nasce Arthur, 1º filho de Carlinhos Silva». CARAS Brasil. 21 de julho de 2011. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  7. CASTRO, DANIEL (14 de novembro de 2014). «Após 7 anos, Carlinhos da Silva volta ao Pânico no lugar de Ceará». Notícias da TV. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  8. «Repórter Vesgo fala sobre fim do "Pânico na Band": "Respeitar os ciclos"». tvefamosos.uol.com.br. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  9. «Pra concorrer com a Netflix: Record lança a "Playplus", nova plataforma online». Mix de Séries. 14 de agosto de 2018. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  10. «A série que vem aí atende pelo título de "Bola Vai no Meu Lugar". – Dublês & Atores». Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  11. "Entendo o goleiro Bruno”, dispara Carlinhos Mendigo
  12. Dia, O. (13 de junho de 2021). «Justiça aceita denúncia contra Carlinhos Mendigo sobre crime de LGBTfobia | Fábia Oliveira». O Dia. Consultado em 18 de junho de 2021 
  13. Miller, Victor (13 de junho de 2021). «Justiça acata denúncia contra Carlinhos Mendigo sobre crime de homotransfobia». GAY BLOG BR @gayblogbr. Consultado em 18 de junho de 2021 
  14. MIYASHIRO, KELLY (11 de agosto de 2020). «'Temos leis que nos protegem', diz ativista gay que denunciou Carlinhos Mendigo». Notícias da TV. Consultado em 18 de junho de 2021 
  15. «Em fase tranquila, Carlinhos Mendigo nega ter se "convertido": "sempre fui da igreja" – Jovem Pan». Em fase tranquila, Carlinhos Mendigo nega ter se "convertido": "sempre fui da igreja" – Jovem Pan. 13 de abril de 2018. Consultado em 1 de agosto de 2021 
  16. a b c d Laís Oliveira. «Mendigo se despede do 'Pânico' em alto mar e revela sua insegurança em trocar de emissora». Ego. Consultado em 29 de agosto de 2019 

Ligações externasEditar