Carlos Antonio López

político paraguaio, 1° Presidente do Paraguai
Disambig grey.svg Nota: Se procura pela cidade do Paraguai, veja Carlos Antonio López (cidade).
Carlos Antonio López
1.º Presidente do Paraguai
Período 13 de março de 1844
a 10 de setembro de 1862
Vice-presidente Mariano González (1844–1854)
Francisco Solano López (1854–1862)
Antecessor Ele mesmo como cônsul
Sucessor Francisco Solano López
Cônsul do Paraguai
Período 12 de março de 1841
a 13 de março de 1844
Antecessor Mariano Roque Alonso
Sucessor Ele mesmo como Presidente
Dados pessoais
Nome completo Carlos Antonio López Ynsfrán
Nascimento 04 de novembro de 1792 (228 anos)
Assunção, Paraguai
Morte 10 de setembro de 1862 (69 anos)
Assunção, Paraguai
Nacionalidade Paraguai paraguaio
Cônjuge Juana Pabla Carrillo Vianna
Filhos Francisco
Venancio
Benigno
Rafaela
Inocencia
Partido nenhum
Religião Católico romano

Carlos Antonio López (Assunção, 4 de Novembro de 1790 — Assunção, 10 de Setembro de 1862) foi um político paraguaio, presidente de seu país. Era pai de Francisco Solano López.

Na presidência, impulsionou obras públicas, estruturou o exército e a marinha. Em 1848 decretou o fim das missões no Paraguai e estendeu aos índios a condição de cidadãos. Foi responsável pela modernização, por exemplo a construção de ferrovias, e abertura internacional em seu país, entre as décadas de 1840 e 1860.

Sua proposta de modernização, no entanto, foi dificultada pelo governo argentino, que há anos havia bloqueado o acesso paraguaio ao Rio Paraná e ao Rio Paraguai. Com isso, o país de Carlos Antônio López não tinha acesso ao oceano e apresentava dificuldades no comércio exterior.

Primeiros anos, família e educaçãoEditar

Carlos Antonio López Ynsfrán nasceu em 04 de novembro de 1790[nota 1] no bairro de Manorá, no subúrbio de Assunção. Era um dos oitos filhos de Miguel Cirilo López, um alfaiate de ascendência espanhola, com Melchora Ynsfrán[1].

Inicialmente, ele teve uma educação religiosa, assim como seus dois primeiros irmãos, Martín López e Basilio Antonio López, que seguiram a vida eclesiástica na ordem dos franciscanos, tendo se matriculado no Real Colégio Seminário de San Carlos, uma instituição de ensino confessional orientada para a preparação de clérigos e que foi fechada durante o governo de Rodríguez de Francia.[1][3]

Em virtude de ter se destacado nos estudos, Carlos Antonio López recebeu as ordens menores e obteve a posição de catedrático de Artes, ou seja, de professor de Filosofia, do agora Colégio de San Carlos, no ano 1814, quando contava com menos de 25 anos de idade.[4]

No ano de 1817, ele passou a ensinar na cátedra de Teologia Moral e Dogmática do mesmo colégio. Enquanto ensinava no Colégio de San Carlos, também conhecido como Colégio Carolino, ele realizava seus estudos em Direito, o que lhe permitiu exercer a advocacia integralmente após o fechamento desta instituição de ensino em março de 1823.[4][5]

 
Carlos Antonio López e sua esposa, Joanna Paula Carrillo de López.

Em 1826, Carlos López se casa com Juana Pabla Carrillo Vianna, uma integrante de uma família criolla local detentora de riquezas, recebendo como dote matrimonial uma estância em Vila del Rosario, situada a aproximadamente 240 km ao norte da capital paraguaia.[4]

A consolidação da Ditadura de Rodríguez de Francia contribuiu para que diversos membros da elite rural paraguaia se recolhessem às suas estâncias, ou seja, a suas propriedades rurais, postura que foi adotada também por Carlos Antonio López que ficara no ostracismo até 1840, quando o Ditador Perpétuo Francia faleceu, momento em que Carlos López retorna a Assunção.[6][7]

O ConsuladoEditar

Em 12 de março de 1841, os delegados distritais reunidos em Congresso Geral escolheram como cônsules do Paraguai o então advogado e proprietário de terras, Carlos Antonio López, e o militar Mariano Roque Alonso, este responsável por dar um golpe de estado no Triunvirato formado por Juan José Medina, José Gabriel Benítez y José Domingo Campos, grupo que já havia dado um golpe de estado anterior na Junta de Governo Provisório (Junta de Gobierno Provisional) de cinco membros: Manuel Antonio Ortiz (alcalde primer juez ordinario), Agustín Cañete (comandante en armas do quartel de la Plaza), Pablo Pereira (comandante do quartel do Hospital), Miguel Maldonado (comandante do quartel de S. Francisco) e Gabino Arroyo (comandante do quartel de Rivera).[8]

HomenagensEditar

A Academia Diplomática y Consular “Carlos Antonio López”, instituição criada na década de 1970 para a formação de diplomatas mantida pelo Ministério das Relações Exteriores do Paraguai, foi nomeada em sua homenagem.[9]

A Rota 09, importante rodovia paraguaia, tem o seu nome.[10][11][12]

O Parque Carlos Antonio Lopez é um dos principais parques urbanos de Assunção, que por ser situado na maior cidade do Paraguai, acaba sendo uma das maiores áreas verdes urbanas do país, tendo sido declarado um sítio de interesse turístico pela Secretaria Nacional do Turismo do governo paraguaio.[13]

Notas

  1. Existe uma controvérsia entre os historiadores sobre o ano de nascimento de Carlos Antonio López com historiadores apontando o ano de 1790[1], enquanto outros apontam para o ano de 1792.[2]

Referências

  1. a b c Miranda Filho 2018, p. 78.
  2. Maestri 2014, p. 158.
  3. Maestri 2014, p. 158-159.
  4. a b c Maestri 2014, p. 159.
  5. Rivarola 2003, p. 23.
  6. Maestri 2014, p. 160.
  7. Saeger 2007, p. 38.
  8. Langa Pizarro 2001, p. 32-33.
  9. Paraguay. «Reseña histórica de la Academia Diplomática y Consular "Carlos Antonio López"» (em espanhol). MRE - Ministerio de Relaciones Exteriores del Paraguay. Consultado em 8 de junho de 2020 
  10. Dalles, Paola (14 de maio de 2013). «Rutas del Paraguay» (em espanhol). ABC Color. Consultado em 8 de junho de 2020 
  11. Paraguay. «Mapa del Paraguay - Red vial 2018» (em espanhol). MOPC - Ministerio de Obras Publicas y Comunicaciones del Paraguay. Consultado em 1 de fevereiro de 2019 
  12. «MOPC elabora mapa actualizado de rutas del Paraguay». ultimahora.com (em espanhol). Ultima Hora. 7 de março de 2014. Consultado em 1 de fevereiro de 2019 
  13. «Parque Carlos Antonio López» (em espanhol). InfoParaguay. Consultado em 8 de junho de 2020 

BibliografiaEditar

  • Maestri, Mario (2014), Paraguai: A República Camponesa (1810-1865), ISBN 9788567542102, Porto Alegre: FCM Editora 
  • Miranda Filho, Orlando de (2018), «O Paraguai no Século 19: aspectos da formação, integração e conflagração na Bacia do Prata antes da Guerra da Tríplice Aliança», in: Esselin, Paulo Marcos; Martins Junior, Carlos, A Retirada da Laguna e a Guerra da Tríplice Aliança contra o Paraguai, ISBN 9788567542294, Porto Alegre: FCM Editora 
  • Rivarola, Domingo M. (2003), La Educación Superior Universitária en Paraguay, Asunción: IESALC 
  • Saeger, James Schofield (2007), Francisco Solano López and the Ruination of Paraguay: Honor and Egocentrism, ISBN 9780742537545, Lanham: Rowman & Littlefield Publishers 
  • Langa Pizarro, M. Mar (2001). Guido Rodríguez Alcalá en el contexto de la narrativa histórica paraguaya (Tese de Doutorado) (em espanhol). Universidad de Alicante 

Ligações externasEditar

Este artigo incorpora texto do artigo «Carlos Antonio López» (em inglês) da Encyclopædia Britannica (11.ª edição), publicação em domínio público.


  Este artigo sobre um político é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Carlos Antonio López