Abrir menu principal

Carlos Castillo Armas

Carlos Castillo Armas
28Presidente da Guatemala
Período 7 de julho de 1954
a 26 de julho de 1957
Antecessor Elfego Hernán Monzón Aguirre
Sucessor Luis Arturo González López
Dados pessoais
Nascimento 4 de novembro de 1914
Santa Lucía Cotzumalguapa, Escuintla, Guatemala
Morte 26 de julho de 1957 (42 anos)
Palacio Nacional de la Cultura, Cidade da Guatemala, Guatemala
Nacionalidade Guatemala Guatemalteco
Alma mater Escuela Politécnica de Guatemala
Cônjuge Odilia Palomo Paíz
Partido Movimento de Libertação Nacioanl
Religião Católico
Profissão Militar
Assinatura Assinatura de Carlos Castillo Armas

Carlos Castillo Armas (4 de novembro de 1914 – 26 de julho de 1957) foi um oficial militar e político guatemalteca. Após tomar o poder em um golpe de estado, ele serviu como Presidente da Guatemala de 1954 a 1957. Era membro do partido conservador Movimento de Libertação Nacional (MLN) e governou seu país de forma autoritária, com apoio próximo dos Estados Unidos.[1]

Filho de um fazendeiro, nascido fora do casamento, Castillo Armas foi educado numa academia militar. Foi um protegido do coronel Francisco Javier Arana, se juntando as forças dele em 1944 num levante contra o presidente Federico Ponce Vaides. Isso começou a Revolução Guatemalteca e introduziu a democracia representativa no país. Após a queda de Vaides, Castillo foi promovido a tenente-coronel, se juntando ao Estado-maior, e se tornou diretor da academia militar. Arana e Castillo Armas se opuseram ao novo governo do presidente Juan José Arévalo; após uma nova tentativa de golpe por Arana, em 1949, Castillo foi mandado para o exílio em Honduras. Buscando apoio para uma nova revolta, ele chamou a atenção da Central Intelligence Agency (CIA), a agência de inteligência dos Estados Unidos. Em 1950, ocorreu outra tentativa de golpe na Cidade da Guatemala, com Castillo tendo que escapar novamente para Honduras. Influenciado pelo medo do comunismo no meio da Guerra Fria e sob pressão de empresas como a United Fruit Company, em 1952, o presidente Harry Truman autorizou a Operação PBFORTUNE, um complô para derrubar o governo esquerdista de Jacobo Árbenz. Castillo Armas deveria liderar o golpe, mas o plano foi abandonado e revisado pelo novo presidente americano Dwight D. Eisenhower em 1953.[1][2]

Em junho de 1954, um novo golpe de estado aconteceu, desta vez mais bem sucedido. Com apoio logístico e de inteligência dos Estados Unidos, Castillo Armas liderou um grupo de 480 soldados, treinados pela CIA. Apesar de contratempos, o apoio estadunidense aos rebeles garantiu o suporte do exército guatemalteca e o presidente Árbenz teve que renunciar, em 27 de junho. Uma série de juntas militares assumiram o poder brevemente até que Castillo Armas assumiu a presidência com poderes totais em 7 de julho. Castillo consolidou sua posição em outubro de 1954 numa eleição, onde concorreu sozinho; seu partido também concorreu sem oposição nas eleições para o congresso. A reforma agrária implementada por Árbenz foi quase que inteiramente revertida, com o governo Castillo confiscando terras de pequenos fazendeiros e as entregando aos grandes latifundiários. Ele também perseguiu sindicalistas, organizações camponesas e opositores, prendendo e matando vários dissidentes. Ele criou o Comitê Nacional de Defesa contra o Comunismo, que investigou mais de 70 000 pessoas, mais tarde investigando aproximadamente mais de 10% da população sob suspeita de simpatia com o comunismo.[3]

O autoritarismo do governo de Castillo Armas fez aumentar a resistência interna, com o governo dele culpando os comunistas pelas crises. O regime de Castillo, impregnado de corrupção e lidando com uma forte crise econômica, foi ficando mais e mais dependente do auxílio dos Estados Unidos. Em 1957, Castillo Armas acabou sendo assassinado por um guarda do palácio presidencial que simpatizava com a esquerda. A Guatemala foi governada então por uma série de juntas militares autoritárias, ainda com apoio dos estadunidenses. Sua morte deu novo ânimo aos movimentos esquerdistas, forçando respostas do governo militar e culminando numa violenta guerra civil (1960-1996). Para os Estados Unidos, a ascensão e queda de Castillo causou um efeito contrário ao que eles pretendiam, com a Guatemala se mergulhando numa grave crise e longo conflito interno, desestabilizando o país por décadas.[4] Sob o governo de Carlos Castillo Armas, a economia da Guatemala encolheu e a corrupção se espalhou pelas instituições políticas.[1]

Referências

  1. a b c «Biography of Carlos Castillo Armas (1914-1957)». TheBiography.us. Consultado em 9 de março de 2019 
  2. Koeppel, Dan (2008). Banana: The Fate of the Fruit That Changed the World. [S.l.]: Hudson Street Press. ISBN 9781101213919 
  3. Handy, Jim (1994). Revolution in the Countryside: Rural Conflict and Agrarian Reform in Guatemala, 1944–1954. [S.l.]: University of North Carolina Press. ISBN 978-0-8078-4438-0 
  4. Loveman, Brian; Davies, Thomas M. (1997). The Politics of Antipolitics: The Military in Latin America. [S.l.]: Rowman & Littlefield. ISBN 978-0-8420-2611-6 


Precedido por
Elfego Hernán Monzón Aguirre
junta militar
Presidente da Guatemala
19541957
Sucedido por
Luis Arturo González López
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Carlos Castillo Armas
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.