Abrir menu principal
Carlos Humberto Romero
Carlos Humberto Romero (1977)
Nascimento 29 de fevereiro de 1924
Chalatenango
Morte 27 de fevereiro de 2017 (92 anos)
San Salvador

Carlos Humberto Romero Mena (Chalatenango, 29 de fevereiro de 1924San Salvador, 27 de fevereiro de 2017[1]) foi um general e presidente de El Salvador, de 1977 até 1979.[2] Romero manteve o poder até outubro de 1979, quando foi deposto com um golpe de Estado reformista por dissidentes, oficiais militares politicamente conservadores e moderados e civis.[3] O golpe de Estado que depôs o presidente-general Humberto Romero foi preâmbulo a uma guerra civil de doze anos de El Salvador. Romero era um membro do Partido de Conciliação Nacional,[2] e também atuou como ministro da Defesa entre 1972-1973. O domínio do Presidente-General Romero foi uma ditadura militar no estilo de seus predecessores. O período de Romero no cargo foi amplamente caracterizado pela escalada de violência e instabilidade. No final de 1970, a agitação política aumentou, por causa de graves desigualdades sócio-econômicas de El Salvador sem resposta por seu governo e o descontentamento generalizado com a política governamental, culminou com protestos e rebelião generalizada, que foram recebidas com represálias por parte das forças do governo. Em resposta, as forças de segurança e esquadrões da morte do governo torturou e assassinou com regularidade sindicalistas, religiosos, intelectuais, agricultores independentes, funcionários da universidade e manifestantes. A repressão do governo matou 687 civis em 1978 e um adicional de 1.796 em 1979.[4]

Cargos políticos
Precedido por
Arturo Armando Molina
Presidente de El Salvador
1977–1979
Sucedido por
Junta Revolucionária de Governo

Referências

  1. David Marroquin (27 de fevereiro de 2017). «Muere expresidente Carlos Humberto Romero» (em espanhol). ElSalvador.com. Consultado em 27 de fevereiro de 2017 
  2. a b Carlos Humberto Romero - Encyclopædia Britannica
  3. El Salvador coup leaders promise free elections
  4. Socorro Jurídico Cristiano (Stanley 1996, 1-2, 222)