Abrir menu principal

Carlos Henrique Raposo, mais conhecido como Carlos Kaiser (Porto Alegre, 2 de julho de 1963) é um suposto ex-futebolista brasileiro. Sem habilidades necessárias a um futebolista profissional, Carlos teve uma carreira de jogador de futebol por mais de 20 anos, conseguindo ludibriar diversos clubes brasileiros (Botafogo, Flamengo, Bangu, Fluminense, Vasco da Gama, America) e do exterior (Puebla do México, El Paso Patriots dos EUA, Louletano de Portugal e Gazélec Ajaccio da França), fazendo parte de seus elencos, mesmo sem praticamente ter disputado partidas oficiais[2].

Carlos Kaiser
Informações pessoais
Nome completo Carlos Henrique Raposo
Data de nasc. 2 de julho de 1963 (56 anos)
Local de nasc. Porto Alegre, RS,  Brasil
Nacionalidade brasileiro
Altura 1,86 m
Ambidestro
Apelido Maior malandro do futebol mundial,
Forrest Gump do futebol brasileiro
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Posição Meia, Centroavante
Clubes de juventude
–1973
1973–1977
Brasil Botafogo
Brasil Flamengo
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s










Brasil Sport Club Internacional
Brasil Botafogo
Brasil Flamengo
México Puebla
Estados Unidos El Paso Sixshooters
Brasil Bangu
França Gazélec Ajaccio
Brasil Fluminense
Brasil Vasco da Gama
Portugal Louletano
Brasil América do Rio
0 (0)
0 (0)
0 (0)
0 (0)
0 (0)[1]
0 (0)
0 (0)
0 (0)
0 (0)
0 (0)

Por este fato, Carlos ganhou a alcunha de O Maior Malandro do Futebol Mundial[3], e passou a aparecer em vários programas, como Programa do Jô[4], Provocações[5], Aqui com Benja[6], entre outros.

BiografiaEditar

Segundo o próprio Carlos, seu apelido Kaiser foi dado devido à semelhança com o alemão Franz Beckenbauer, um dos maiores futebolistas de todos os tempos e que era conhecido como Kaiser por conta de sua habilidade com a bola[8]. De acordo com o documentário sobre sua vida, porém, Carlos ganhou este apelido por sua semelhança com uma garrafa da cerveja "Kaiser"[9].

Sua história começou a ganhar destaque em 2011, após o programa Esporte Espetacular, da Rede Globo, exibir uma matéria que contava, com detalhes, como ele por mais de 20 anos conseguiu ludibriar diversos clubes brasileiros (Botafogo, Flamengo, Bangu, Fluminense, Vasco da Gama, America) e do exterior (Puebla do México, El Paso Patriots dos EUA, Louletano de Portugal e Gazélec Ajaccio da França), fazendo parte de seus elencos, mesmo sem praticamente ter disputado partidas oficiais[10][11].

Táticas para Ludibriar os ClubesEditar

Com uma forma física de dar inveja a muitos jogadores profissionais, mas sem habilidades, sua fraude consistia em assinar um contrato curto e declarar que ele não estava em forma física, de modo que passaria as primeiras semanas apenas com treinamento físico onde pudesse brilhar. Quando ele tinha que treinar com outros jogadores, ele fingia uma lesão no tendão; a tecnologia na época dificultou a detecção da fraude. Quando necessário, ele conseguia um atestado com um dentista amigo que alegava ter uma infecção focal. Seguindo esses passos, ele conseguia ficar alguns meses nos vários clubes, treinando e sem nunca ser exposto como uma fraude[10].

Outra parte da farsa era fazer amizade com jornalistas para que eles escrevessem histórias fictícias sobre ele, deixando-o, assim, sempre em evidência[10]. Em um artigo de jornal, foi relatado que ele teve um grande momento no Puebla, e que por isso ele foi convidado para se tornar um cidadão mexicano para jogar pela seleção. Ele também usava telefones móveis de brinquedo, caros e incomuns na época, para criar conversas falsas em línguas estrangeiras ou rejeitar ofertas de transferência inexistentes para criar uma imagem de si mesmo como um jogador valioso[12].

Verdade ou Mentira?Editar

A prova de que Carlos Kaiser realmente passou por clubes cariocas está nos relatos de outros futebolistas, como Renato Gaúcho, Ricardo Rocha, Bebeto e o falecido Carlos Alberto Torres[13]. Segundo o Uol, Kaiser fez 12 partidas oficiais pelo América-RJ, e 1 pelo Bangu[7].

Porém, muitas de suas histórias parecem ter sido inventadas, a saber:

Campeão Mundial pelo IndependienteEditar

Entre seus supostos feitos notáveis, Kaiser alega ter sido campeão Mundial Interclubes pelo Independiente em 1984, fato não confirmado pela diretoria do clube argentino[14] O Independiente alegou que havia um jogador com o mesmo nome, porém tratava-se do meio-campista Carlos Enrique (também nascido em 1963), que jogou também a Copa América de 1991 pela Seleção da Argentina.

Briga com Torcedores do BanguEditar

Uma das histórias mais curiosas é a que Castor de Andrade, então presidente do Bangu, ordenou que o técnico colocasse Carlos, que estava no banco, em campo. Ele, então, arrumou uma briga com um torcedor Banguense, tomou cartão vermelho e não entrou em campo. Pelo menos é essa a história que Carlos conta[11]. Porem, conforme levantamento feito pelo jornal Tribuna Expresso, um simples levantamentos de informações coloca em xeque esta anedota[13]. Carlos alega que esta briga ocorreu em um jogo que o Bangu estava perdendo por 2 x 0 para o Coritiba. Durante toda a década de 80, somente uma vez é que o Coritiba abriu vantagem de dois gols: na Libertadores de 1986. O problema é que o jogo foi no Paraná, e não em Bangu, como conta Kaiser[13]. Além disso, a história afirma que o treinador do jogo era Moisés, técnico do clube carioca entre 1983 e 1986 e responsável pela contratação do malandro. Porém, o amigo de Kaiser já havia saído da equipa neste jogo; esta foi comandada por Paulo César Carpegiani e não há relato de qualquer transtorno ou expulsão no duelo[13].

Passagem pelo futebol francêsEditar

Carlos alega que teve uma passagem pelo Gazélec Ajaccio. O documentário Kaiser: The Greatest Footballer Never to Have Played Football induz o espectador a entender que também se trata de uma mentira[15].

Vida após pendurar as chuteirasEditar

Após "aposentar-se" da suposta vida de boleiro, Carlos atualmente é "personal trainer".[16]

Documentário e LivroEditar

Em novembro de 2015, Carlos Kaiser assinou um contrato de exclusividade com uma empresa de produção do Reino Unido, a Nods & Volleys Entertainment Limited, que foi incorporada especificamente para contar sua história em todos os formatos de mídia.

Em 2018, a sua história virou um documentário, dirigido pelo britânico Louis Myles, intitulado Kaiser: The Greatest Footballer Never to Have Played Football, ainda sem tradução para o português.[17] Myles contou que a ideia do filme surgiu após ter vindo para o Brasil participar da Copa de 2014, e conversar com o jornalista Tim Vickery, correspondente da BBC no Brasil.[18]

Além do filme, um livro escrito pelo jornalista Rob Smyth, que conta sua história e que é homônimo ao documentário, também foi lançado em 2018.[19]

Ver TambémEditar

Referências

  1. Conheça a história de Carlos Kaiser, o maior malandro do futebol mundial. Youtube. 8 de maio de 2011. Em cena em 03:32 
  2. inbedwithmaradona.com THE GREAT PRETENDER: He wanted to be a player, without having to play. Jack Lang tells the story of Carlos Henrique Kaiser.
  3. esportes.yahoo.com/ Confissões de Carlos Kaiser: o maior impostor do futebol
  4. globoplay.globo.com/
  5. folha.uol.com.br/ Ex-jogador de futebol Carlos Kaiser será entrevistado no "Provocações"
  6. noticiasnovinhas.com.br/
  7. a b uol.com.br O rei do migué virou filme
  8. dn.pt/ Kaiser, o futebolista que passou 26 anos a enganar toda a gente
  9. oglobo.globo.com/ "The Kaiser": filme debate malandragem e futebol no Rio sob olhar estrangeiro
  10. a b c globoesporte.globo.com A história de Carlos Henrique Kaiser, o Forrest Gump do futebol brasileiro
  11. a b globoesporte.globo.com Briga com torcedor, bolas na galera, celular falso... as aventuras de Kaiser
  12. «Carlos "Kaiser": bolas fora, lesões agendadas, telemóveis falsos - Maisfutebol.iol.pt» 
  13. a b c d Tribuna Expresso Carlos Kaiser: Não há nada mais brasileiro do que a malandragem. E ninguém foi tão malandro quanto ele
  14. maisfutebol.iol.pt Carlos «Kaiser»: a história de um farsante no futebol
  15. vice.com/ A incrível trajetória do craque de futebol que nunca jogou bola
  16. maisfutebol.iol.pt Carlos «Kaiser»: bolas fora, lesões agendadas, telemóveis falsos. A transferência para o Ajaccio, a felicidade no departamento médico, o interesse do Louletano e a regeneração pela mão do budismo Acessado em 21/06/2012.
  17. veja.abril.com.br/ História do ‘mentiroso’ Carlos Kaiser ganha documentário
  18. oglobo.globo.com/ filme debate malandragem e futebol no Rio sob olhar estrangeiro
  19. Smyth, Rob (26 de abril de 2017). «The forgotten story of ... Carlos Kaiser, football's greatest conman». The Guardian. Consultado em 29 de maio de 2017 

Ligações ExternasEditar