Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Se procura a escritora brasileira, veja Emília Bandeira de Melo.
Carmen Dolores
Nome completo Carmen Dolores Cohen Sarmento Veres
Nascimento 22 de abril de 1924 (95 anos)
Lisboa
Nacionalidade português
Ocupação Atriz e escritora
Atividade 1943 - 2005
Cônjuge Vítor Manuel Carneiro Veres (1917 — 2011)
Outros prémios
Prémio Lucinda Simões (1959)(1961)
Medalha de Mérito Cultural (1991)
Globo de Ouro (2004)
Prémio António Quadros (2016)
Prémio Sophia (Carreira) (2016)

Carmen Dolores Cohen Sarmento Veres[1] GOIHDmSEGOM (Lisboa, 22 de abril de 1924) é uma atriz e escritora portuguesa.

BiografiaEditar

Carmen Dolores nasceu em 22 de abril de 1924, em Lisboa.[2][3]

Filha de José de Matos Sarmento de Beja (Coimbra, São Bartolomeu, 20 de setembro de 1869 - Lisboa, 9 de novembro de 1939) e de sua mulher (Madrid, 29 de outubro de 1906) María del Pilar Manuela Cohen y Muñoz (Madrid, 31 de dezembro de 1889 - Lisboa, 5 de julho de 1960), de ascendência espanhola e judaica.[4]

Casou em Vila Nova de Gaia, Santa Marinha, 30 de abril de 1947 com Vítor Manuel Carneiro Veres (Lisboa, Encarnação, 13 de junho de 1917 - 18 de abril de 2011), Engenheiro, filho de Manuel Henriques Veres e de sua mulher Josefina Aurora Carneiro.[4]

Frequentou o Liceu D. Filipa de Lencastre e teve como professor e mestre Manuel Lereno[5]. Deu-se a conhecer através da rádio, em teatro radiofónico na RCP[5] onde se iniciou aos 12 anos, ao lado de nomes como Rogério Paulo, Alves da Costa, Isabel Wolmar, Laura Alves, Álvaro Benamor e Josefina e António Silva[5]. Aos 19 anos estreia-se no cinema, como protagonista de Amor de Perdição (1943), adaptação de António Lopes Ribeiro do romance de Camilo Castelo Branco. Seguir-se-á Um Homem às Direitas (1945) de Jorge Brum do Canto, A Vizinha do Lado (1945) de Lopes Ribeiro e Camões (1946) de José Leitão de Barros.

Aparece no teatro em 1945, integrada na Companhia Os Comediantes de Lisboa, sediada no Teatro da Trindade, depois foi somando sucessos. Casou em 1947 e em 1951 passou para o palco do Teatro Nacional D. Maria II, sob a direção de Amélia Rey Colaço, com diversos sucessos de que se salienta Frei Luís de Sousa de Almeida Garrett.

Criou, com outros atores, o Teatro Moderno de Lisboa, no palco do Cine-Teatro Império, tendo desenvolvido um projecto que levou à cena novas encenações de peças de autores consagrados como Fiódor Dostoiévski, William Shakespeare, August Strindberg ou José Cardoso Pires.

Viveu sete anos em Paris.

Na década de 80 trabalhou no cinema com José Fonseca e Costa, em A Mulher do Próximo (1988) e Balada da Praia dos Cães (1987). Em 1998 foi dirigida por Diogo Infante em Jardim Zoológico de Cristal de Tennessee Williams, no Teatro Nacional.

Apareceu esporadicamente em televisão, nas telenovelas Passerelle, A Banqueira do Povo e A Lenda da Garça.

Abandonou os palcos em 2005 com a peça Copenhaga, de Michael Frayn, encenada por João Lourenço[6].

Prémios e distinçõesEditar

ObrasEditar

  • Retrato inacabado (1984, O Jornal, Lisboa)[15]
  • No palco da memória (2013, Porto Editora, Porto)[16]
  • Vozes Dentro de Mim (2017)[13]

FilmografiaEditar

TelevisãoEditar

Telenovelas
Séries

CinemaEditar

TeatroEditar

  Esta lista está incompleta. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-a.
Ano Peça Autor Teatro Notas
1952 O Vestido de Noiva Teatro Nacional D. Maria II [7][17]
1952 Sonho de Uma Noite de Verão Teatro Nacional D. Maria II [7][17]
1956 Alguém Terá de Morrer Teatro Nacional D. Maria II [7][17]
1957 Dona Inês de Portugal Teatro Nacional D. Maria II [17]
1958 O Gebo e a Sombra Raul Brandão [7][17]
1959 O Fim do Caminho Allan L. Martin [7][17]
1959 Seis Personagens Em Busca de Autor Pirandello [7][17]
1969 A Dança da Morte Strindberg [7][17]
1975 As Espingardas da Mãe Carrar [17]
1976 O Círculo de Giz Caucasiano [17]
1983 Comédia à Moda Antiga [17]
1984 Confissões Numa Esplanada de Verão [17]
1987 O Jardim das Cerejas Anton Tchekov Teatro Aberto [17]
1992 Espectros Teatro Experimental de Cascais [17]
1998 Jardim Zoológico de Cristal [17]
2002 Um Mês no Campo Anton Tchekov Teatro Aberto [17]
2003 Copenhaga Ivan Sergeivich Turguenev Teatro Aberto [17]

TelevisãoEditar

  Esta lista está incompleta. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-a.
Ano Projeto Personagem Canal Notas
1964 O Óleo RTP
1966 A Bela Doroteia
1967 Frei Luís de Sousa
1968 A Chave
1972 A Senhora das Brancas Mãos
1987 Cobardias
1988 Passerelle Maria do Carmo
1990 Chuva de Maio Teresa
1991 Claxon Miranda Buick
1993 A Viúva do Enforcado
1993 A Banqueira do Povo Tininha
1999 A Lenda da Garça Beatriz Bessa
2000 Casa da Saudade Elvira Lago


Referências

  1. Audiogest (25 de julho de 2007). «Lista de associados da Audiogest» (PDF). Associação para a Gestão e Distribuição de Direitos. p. 5. Consultado em 30 de Dezembro de 2013. Arquivado do original (PDF) em 22 de outubro de 2008 
  2. Anon (Junho de 2006). «Diogo Infante e Carmen Dolores: afinidades em cena». Revista Centro Colombo, ano 3, nº 10. p. 32-39 (4). Consultado em 17 de setembro de 2017 
  3. «Carmen Dolores» (em inglês). Rate Your Music. Consultado em 19 de Janeiro de 2015 
  4. a b Jorge Manuel de Albuquerque de Oliveira da Quinta; Lourenço de Figueiredo Perestrelo Correia de Matos (2009). Sarmentos e Bejas. [S.l.]: Jorge Manuel de Albuquerque de Oliveira da Quinta. p. 147, 150, 152, 153 e 154 
  5. a b c DIAS, Patrícia Costa (2011). A Vida com um Sorriso - Histórias, experiências, gargalhadas, reflexões de Isabel Wolmar. Lisboa: Ésquilo. p. 39-46. ISBN 978-989-8092-97-7 
  6. Jornal de Letras n.º 1199 (14 a 27 de setembro de 2016), pág. 14.
  7. a b c d e f g h i Moura, Nuno Costa (2007). «Apêndice 7 : Prémios Artísticos (entre 1959 e 1973)». "Indispensável dirigismo equilibrado" : O Fundo de Teatro entre 1950 e 1974 : (Volume II) (PDF) (Tese de Mestrado). Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. p. 48, 52. Consultado em 18 de maio de 2016 
  8. a b c «Entidades Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Carmen Dolores". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 27 de setembro de 2018 
  9. Melhor intérprete feminino de teatro declamado.
  10. «Medalhas de Mérito Cultural» (PDF). Ministério da Cultura. Outubro de 2008. Consultado em 6 de julho de 2010. Arquivado do original (PDF) em 3 de agosto de 2010 
  11. «RTP leva a melhor». Correio da Manhã. 26 de maio de 2004. Consultado em 17 de setembro de 2017 
  12. «Carmen Dolores recebeu Medalha Municipal de Mérito, Grau Ouro». Câmara Municipal de Lisboa. 23 de maio de 2014. Consultado em 17 de setembro de 2017. Arquivado do original em 20 de junho de 2016 
  13. a b Agência Lusa (20 de julho de 2017). «Fotógrafo Pedro Letria distinguido com o Prémio António Quadros 2017». Diário de Notícias. Consultado em 17 de setembro de 2017 
  14. Lusa (14 de maio de 2016). «"Capitão Falcão" é o vencedor dos prémios Sophia de cinema com seis estatuetas». Expresso. Consultado em 17 de maio de 2016 
  15. OCLC 612491213. Consultado em 17 de setembro de 2017
  16. OCLC 864425960. Consultado em 17 de setembro de 2017
  17. a b c d e f g h i j k l m n o p q «Ficha de Pessoa : "Carmen Dolores"». Centro de Estudos de Teatro & Tiago Certal. 12 de Maio de 2014. Consultado em 17 de setembro de 2017 

Ligações externasEditar