Carmine Caridi
Nascimento 23 de janeiro de 1934
Nova York, Estados Unidos
Morte 28 de maio de 2019 (85 anos)
Los Angeles, Estados Unidos
Ocupação Ator

Carmine Caridi (Nova Iorque, 23 de janeiro de 1934Los Angeles, 28 de maio de 2019) foi um ator estadunidense de televisão e cinema, tendo aparecido em vários papéis em cerca de trinta anos de carreira. Seus papéis mais notáveis foram de Albert Volpe, em The Godfather Part III e Carmine Rosato in The Godfather Part II. Foi um dos três atores que interpretaram dois diferentes papéis na série de filmes baseados na obra de Mario Puzo (os outros foram Frank Sivero, que interpretou o jovem Genco Abbandondo em Godfather Part II, e foi um espectador da luta entre Sonny Corleone e Carlo Rizzi em The Godfather, e Sophia Coppola, que fez Mary Corleone em Godfather Part III, e a menina filha de Carlo e Connie, batizada nas cenas finais de The Godfather). Ele ainda fez o Detetive Vince Gotelli na série televisiva NYPD Blue entre 1993-1999. Vive em West Hollywood.

PiratariaEditar

Em 13 de janeiro de 2004, a Motion Picture Association of America anunciou que havia identificado uma cópia pirata do filme Something's Gotta Give, que circulava ilegalmente pela internet, e esta trazia as marcas idendificadoras do vídeo enviado a Caridi, como jurado dos candidatos ao Óscar. Cópias piratas de The Last Samurai, Mystic River, Big Fish e Master and Commander: The Far Side of the World também foram rastreadas até Caridi. O FBI iniciou imediatamente uma investigação sobre o fato.

Depois de um mês o FBI prendeu Russel Sprague, de Homewood, Illinois, por violação de direitos autorais. Autoridades federais alegaram que durante três anos Caridi enviara-lhe cópias screener de aproximadamente sessenta filmes que eram destinados à apreciação para a premiação da Academia.

De acordo com a investigação do FBI, Caridi declarou que enviou os screeners via Federal Express para Mr. Sprague, para uma caixa postal do FedEx, com rótulos pré-endereçados e uma conta numerada. Negou, entretanto, ter recebido pagamento de Sprague, que segundo declarou, acreditava ser um fã de cinema.

Caridi e Sprague foram então processados pela Sony e pela Time Warner no âmbito civil por infração de direitos autorais protegidos. Os estúdios situados em Los Angeles pleitearam indenizações de 150 mil dólares por cada título, em centenas de violações individuais. Antes de receber a condenação criminal, porém, Sprague morreu de causas obscuras.

A Academia anunciou, em 3 de fevereiro de 2004 que estava expulsando Caridi de entre seus membros, por violar o acordo de salvaguarda dos screeners recebidos, sendo este o primeiro membro da entidade expulso sob a nova política de combate à pirataria.

MorteEditar

O ator estava hospitalizado em Los Angeles desde o dia 25 de abril de 2019, após ter sofrido uma queda. O quadro piorou com o surgimento de uma pneumonia e Caridi veio a falecer no dia 28 de maio de 2019 aos 85 anos.[1][2]

Referências

  1. «Morre Carmine Caridi, ator de "Poderoso Chefão" que foi pego pirateando filmes do Oscar». entretenimento.uol.com.br. Consultado em 29 de maio de 2019 
  2. Lee, Benjamin (29 de maio de 2019). «Godfather actor Carmine Caridi dies aged 85». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077