Abrir menu principal

Carolina Amália de Hesse-Cassel

Carolina Amália
Duquesa de Saxe-Gota-Altemburgo
Princesa de Hesse-Cassel
Duquesa de Saxe-Gota-Altemburgo
Reinado 24 de abril de 1801
a 17 de maio de 1822
Antecessor(a) Luísa Carlota de Mecklemburgo-Schwerin
Sucessor(a) Extinção da linha de sucessão
 
Marido Augusto, Duque de Saxe-Gota-Altemburgo
Casa Hesse-Cassel
Saxe-Gota-Altemburgo
Nascimento 11 de julho de 1771
  Hanau, Condado de Hesse-Cassel, Sacro Império Romano-Germânico
Morte 22 de fevereiro de 1848 (76 anos)
  Gota, Ducado de Saxe-Coburgo-Gota
Pai Guilherme I, Eleitor de Hesse
Mãe Guilhermina Carolina da Dinamarca
Religião Luteranismo

Carolina Amália de Hesse-Cassel (11 de Julho de 1771, Hanau – 22 de Fevereiro de 1848, Gota), foi uma princesa alemã e membro da Casa de Hesse-Cassel por nascimento e duquesa de Saxe-Gota-Altemburgo por casamento.

Era a segunda filha do conde (depois príncipe) Guilherme I de HesseI e da princesa Guilhermina Carolina da Dinamarca e Noruega, filha do rei Frederico V da Dinamarca.

VidaEditar

Desde a sua infância que Carolina Amália estava noiva do seu primo direito, o príncipe Frederico de Hesse. No entanto, o noivado foi rompido em 1799, quando se soube que Carolina estava a ter um caso amoroso com o seu camareiro, o conde Ludwig von Taube, que terminou quando o conde Guilherme I o dispensou do seu serviço e expulsou da corte. No verão de 1801, Carolina Amália conheceu o príncipe-herdeiro Augusto de Saxe-Gota-Altemburgo quando ele estava de visita à corte de Cassel. Em Janeiro de 1802, o duque Ernesto II de Saxe-Gota-Altemburgo, pediu a princesa em casamento em nome do filho. O casamento celebrou-se na terra natal da noiva, Cassel, a 24 de Abril desse ano.

Não nasceram filhos do casamento, mas Carolina Amália foi uma madrasta dedicada para a filha do marido, a princesa Luísa. Dois anos depois, em 1804, Carolina Amália tornou-se duquesa-consorte de Saxe-Gota-Altemburgo após a morte do seu sogro.

A conhecida pintora Caroline Louise Seidler, que se encontrava em Gota no inverno de 1811 para pintar um retrato da família ducal, descreveu Carolina Amália de forma pouco lisonjeadora "boa, benevolente, mas não uma senhora excelente". Sobre a  sua relação com o marido Augusto, Seidler também comentou: "Ela ama-o entusiasticamente, admira o seu espirito".[1]

No entanto, "uma vez que os seus pontos de vista sobre a vida são completamente diferentes",[2] o casal ducal acabou por se separar após alguns anos casamento, quando Carolina se afastou da vida pública por volta de 1810. Um dos principais motivos que levou ao seu afastamento foi o entusiasmo que o seu marido sentia por Napoleão, que a duquesa não partilhava, uma vez que os pais dela tinham sido obrigados a fugir para o exílio depois de Hesse-Cassel ser ocupado pelo exército francês em 1806.

Após a morte do marido em 1822, Carolina Amália retirou-se para o Palácio de Inverno de Gota (em alemão: Winterpalais) onde escolheu passar os seus anos de viuvez. Durante a sua ocupação, o povo de Gota decidiu mudar o nome do palácio em sua honra para Palácio da Viúva (em alemão: Witwenpalais)-.

 
O Palácio de Inverno em Gota, por Heinrich Justus Schneider, 1840.

Foi na sua residência de verão, o Schloss Friedrichsthal, onde a duquesa-viúva recebeu o casal real britânico (a rainha Vitória e o príncipe Alberto) em Agosto de 1845, durante a sua visita à Alemanha. O jornal local, Privilegirte Gothaische, escreveu uma notícia sobre esta visita: "...todos em Gota regozijaram de felicidade por receber quando a mui amada e nobre princesa, a duquesa-viúva Carolina Amália, recebeu a sublime esposa do seu amado neto, o príncipe Alberto, nos seus braços maternos".[3]

O príncipe Alberto (filho mais novo de Luísa, enteada de Carolina Amália) era o neto-emprestado favorito da duquesa-viúva. Entre 1822 e 1835, Alberto e o seu irmão Ernesto passaram várias semanas por ano no Palácio de Inverno com Carolina Amália. Alberto trocou correspondência frequentemente com Carolina, a quem chamava sempre "Querida Avó" e terminava sempre as suas cartas com "O teu fiel neto, Alberto".[4]

O duque Ernesto II de Saxe-Coburgo-Gota, irmão de Alberto, também recordava a sua avó emprestada com carinho, escrevendo: "Durante a sua longa vida, quase não teve inimigos e aproveitou até à morte [...] é uma admiração verdadeiramente rara".[5]

Carolina Amália morreu a 22 de Fevereiro de 1848, no Palácio de Inverno, com 76 anos, depois de, segundo o jornal Privilegirte Gothaische ter sofrido uma doença no peito.[6]

Cinco dias depois, a 27 de Fevereiro, o último membro da família ducal de Saxe-Gota-Altemburgo foi enterrado no Parkinsel em Gota, ao lado do marido. A pedido de Carolina, o funeral foi muito simples e sem pompa.[7] Tal como as outras campas da família do duque, o seu jazigo não se encontra assinalado com nenhum monumento. A simples pedra oval com uma rosa ficou irreconhecível há várias décadas e, actualmente, não é possível dizer ao certo onde o casal se encontra sepultado.

Carolina Amália foi a última das duquesas-consortes da linha de Ernesto I, o Pio que fundou o ducado de Saxe-Gota-Altemburgo. A linha masculina já tinha sido extinta em 1825, com a morte do seu cunhado, o duque Frederico IV.

GenealogiaEditar

Os antepassados de Carolina Amália de Hesse-Cassel em três gerações
Carolina Amália de Hesse-Cassel Pai:
Guilherme I, Eleitor de Hesse
Avô paterno:
Frederico II, Conde de Hesse-Cassel
Bisavô paterno:
Guilherme VIII, Conde de Hesse-Cassel
Bisavó paterna:
Doroteia Guilhermina de Saxe-Zeitz
Avó paterna:
Maria da Grã-Bretanha
Bisavô paterno:
Jorge II da Grã-Bretanha
Bisavó paterna:
Carolina de Ansbach
Mãe:
Guilhermina Carolina da Dinamarca
Avô materno:
Frederico V da Dinamarca
Bisavô materno:
Cristiano VI da Dinamarca
Bisavó materna:
Sofia Madalena de Brandemburgo-Kulmbach
Avó materna:
Luísa da Grã-Bretanha
Bisavô materno:
Jorge II da Grã-Bretanha
Bisavó materna:
Carolina de Ansbach

ReferênciasEditar

  1. Rosemarie Bartel, Princess Luise of Saxe-Gotha-Altenburg, Gotha 2009, p. 23.
  2. Max Berbig, Karoline Amalie of Hesse-Kassel, in: The wives of the rulers of the Duchy of Gotha, Gotha, 1890, p. 142.
  3. Privilegirte Gothaische Newspaper, vol. 154, no. 173, 30 30 August 1845.
  4. Charles Grey, The youth of Prince Albert of Saxe-Coburg-Gotha, Gotha, 1868.
  5. Max Berbig, Karoline Amalie of Hesse-Kassel, in: The wives of the rulers of the Duchy of Gotha, Gotha, 1890, p. 142.
  6. Privilegirte Gothaische Newspaper, vol. 157, No. 38, 22 February 1848.
  7. Richard Waitz, The ducal grounds of the Parkinsel of Gotha from his creation to the present time, Gotha 1854, p. 17.