Cartas de Catão

As Cartas de Catão foram ensaios dos escritores britânicos John Trenchard e Thomas Gordon, publicados pela primeira vez de 1720 a 1723 sob o pseudônimo de Catão (95-46 a.C), o inimigo implacável de Júlio César e um famoso defensor dos princípios republicanos (mos maiorum).

ObjetivoEditar

As Cartas são consideradas um trabalho fundacional na tradição dos homens da Commonwealth. Os 144 ensaios foram publicados originalmente no London Journal, mais tarde no British Journal, condenando a corrupção e a falta de moralidade no sistema político britânico e alertando contra o governo tirânico e o abuso de poder.

PublicaçãoEditar

As cartas foram coletadas e impressas como Ensaios sobre Liberdade, Civil e Religiosa.[1] Uma medida de sua influência é atestada por seis edições impressas por volta de 1755. Uma geração depois, seus argumentos influenciaram imensamente os ideais da Revolução Americana. De acordo com a obra Patriot-Heroes in England and America de Peter Karsten, as Cartas de Catão eram as coleções mais comuns nas estantes de livros dos pais fundadores dos Estados Unidos.[2]

InfluênciaEditar

Essas cartas também forneceram inspiração e ideais para a geração revolucionária americana. Os ensaios foram amplamente distribuídos nas Treze Colônias e freqüentemente citados em jornais de Boston a Savannah, Geórgia.[3] O renomado historiador Clinton Rossiter afirmou que "ninguém pode gastar tempo nos jornais, inventários de bibliotecas e panfletos da América colonial sem perceber que as Cartas do Cato, em vez do Governo Civil de John Locke, eram a fonte mais popular, citável e estimada de ideias políticas no período colonial."

O Cato Institute, um think tank de Washington, DC, fundado por Edward H. Crane em 1977, leva o nome de Cato's Letters.


ReferênciasEditar

  1. «Cato's letters; or, Essays on liberty, civil and religious, and other important subjects». Christian-Muslim Relations 1500 - 1900. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  2. «Peter Karsten. <italic>Patriot-Heroes in England and America: Political Symbolism and Changing Values over Three Centuries</italic>. Madison: University of Wisconsin Press. 1978. Pp. ix, 257. $25.00». The American Historical Review. Abril de 1980. ISSN 1937-5239. doi:10.1086/ahr/85.2.371. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 
  3. Mitchell, Annie (julho de 2004). «A Liberal Republican "Cato"». American Journal of Political Science (3): 588–603. ISSN 0092-5853. doi:10.1111/j.0092-5853.2004.00089.x. Consultado em 2 de fevereiro de 2021 

Ligações externasEditar