Casa de Bourbon-Duas Sicílias

A Casa de Bourbon-Duas Sicílias é o ramo italiano da Casa de Bourbon. Assim sendo, é descendente da dinastia capetiana através da linhagem masculina. O nome vem da junção do nome de sua casa originária e a do reino que era soberana, o Reino das Duas Sicílias, por sua vez uma junção dos reinos de Nápoles e Sicília. Seu primeiro rei foi Carlos VII de Nápoles & V da Sicília. O reino deixou de existir quando foi conquistado em 1861 pelo Reino da Sardenha, logo depois tornando-se parte do Reino de Itália. Atualmente, a soberania da casa é disputada entre as linhagens Napolitana e Espanhola, lideradas respectivamente pelos príncipes Carlos, Duque de Castro, e Pedro, Duque de Calabria.

Casa de Bourbon-Duas Sicílias
Casa de Bourbon Sicílias
Estado Reino de Nápoles
Reino da Sicília Reino da Sicília
Reino das Duas Sicílias Reino das Duas Sicílias
Título Rei da Sicília
Rei de Nápoles
Rei das Duas Sicílias
Duque da Calábria
Príncipes Real das Duas Sicílias
Príncipes das Duas Sicílias
Príncipe de Salerno
Príncipe de Cápua
Conde de Siracusa
Conde de Lecce
Conde de Áquila
Conde de Roccaguglielma
Conde de Espina
Conde de Trápani
Conde de Trani
Conde de Castrogiovanni
Conde de Caserta
Conde de Girgenti
Conde de Lucera
Conde de Melazzo
Conde de Bari
Conde de Caltagirone
Duque de Castro
Origem
Fundador Carlos VII de Nápoles & V da Sicília
Fundação 1734
Casa originária Bourbon
Etnia Caucasiana
Atual soberano
Carlos, Duque de Castro
Pedro, Duque de Calabria
Último soberano Francisco II das Duas Sicílias
Linhagem secundária

O nome "Bourbon-Duas Sicílias" (às vezes abreviado para "Bourbon-Sicília") combina a patrilinha (Bourbon) com sua antiga designação territorial (Duas Sicílias).

HistóriaEditar

 
Familia da rainha Maria Carolina esposa do rei Fernando I

A Casa de Bourbon-Duas Sicílias descendia do ramo espanhol da Casa Capetiana de Bourbon. Criado pelo rei Fernando I das Duas Sicílias (também conhecido como Fernando III da Sicília e Fernando IV de Nápoles), foi verdadeiramente fundado após a reunificação do Reino das Duas Sicílias em 1816. Antes de Fernando I, dois outros membros da Casa de Bourbon, no entanto, reinaram sobre a região: os reis Filipe V de Espanha (como Filipe IV da Sicília e Filipe V de Nápoles entre 1700 e 1713 ) e Carlos III de Espanha (como Carlos VII entre 1734 e 1759 ).[1]

A Casa deu cinco soberanos ao sul da Itália, bem como vários soberanos consirtes à Espanha, Áustria, Brasil, França ou norte da Itália. Destronada em 1861 pela Expedição dos Mil, a casa continuou a unir-se às dinastias católicas através de frequentes uniões matrimoniais.[2]

Desde 1960 e com a morte do pretendente Fernando Pio de Bourbon-Duas Sicílias, a antiga casa real foi dividida em dois ramos rivais: o mais velho, cujo chefe, Pedro de Bourbon-Duas Sicílias, tem o título de cortesia de Duque da Calábria, e o mais jovem, cujo líder, Carlos de Bourbon-Duas Sicílias (nascido em 1963), tem o título de cortesia de duque de Castro.

Por ocasião do casamento, no início do século passado, do príncipe Carlos de Bourbon-Duas Sicílias, avô de Pedro de Bourbon com a Infanta Mercedes, irmã mais velha do rei Afonso XIII de Espanha, este ramo da família, que se tornou o ramo mais antigo após a morte do príncipe Fernando Pio, foi (de acordo com o ramo mais jovem) definitivamente excluído do sucessão à coroa das Duas Sicílias pela escritura de renúncia assinada perante um notário em Cannes em 14 de novembro de 1900. O príncipe Carlos invocou em apoio a esta renúncia "as leis, constituições e costumes da família, em aplicação da Pragmática Sanção do Rei Carlos  III" adotada em 6 de outubro de 1759 que proíbe o herdeiro da Coroa das Duas Sicílias de se inscrever na ordem dinástica da coroa da Espanha. Nesta ocasião, o príncipe abandonou o sobrenome de Bourbon-Duas Sicílias para escolher o de Borbón y Borbón e foi feito Infante de Espanha poucos dias antes deste casamento. Mas o nascimento do Príncipe das Astúrias, filho mais velho de Afonso XIII em 1907, (segundo o ramo mais velho) tornou esta renúncia desnecessária e obsoleta.[3]

Com a morte do príncipe Carlos de Bourbon (1938-2015), seu filho, Pedro de Bourbon, reivindicou, como seu pai e avô antes dele, a qualidade de chefe da casa de Bourbon-Duas Sicílias. Esta pretensão foi imediatamente contestada pelo seu primo, Carlos de Bourbon-Duas Sicílias, que, entretanto, reiterou a sua pretensão à qualidade de único chefe da casa e grão-mestre das Ordens.[4]

Referências

  1. «Así es Pedro de Borbón Dos-Sicilias, próximo duque de Calabria». abc (em espanhol). 10 de outubro de 2015. Consultado em 2 de abril de 2022 
  2. «Un trono di spade per i Borbone». www.ilmattino.it (em italiano). 29 de maio de 2016. Consultado em 2 de abril de 2022 
  3. «S.M. Charles de Bourbon, Roi de Naples et de Sicile | Sacro Militare Ordine Costantiniano di San Giorgio» (em francês). Consultado em 2 de abril de 2022 
  4. «SM Charles de Bourbon, Restaurateur du Royaume de Naples - Ordre Sacré et Militaire Constantinien de Saint-Georges». Sito Ufficiale del Sacro Militare Ordine Costantiniano di San Giorgio | Official Site of the Sacred Military Constantinian Order of St George | Site Officiel de l’Ordre Sacré et Militaire Constantinien de Saint-Georges | Sitio official de la Sagrada Orden Militar Constantiniana de San Jorge | Die offizielle Webseite des heiligen konstantinischen Ritterordens vom Heiligen Georg | Site Oficial da Sagrada e Militar Ordem Constantiniana de São Jorge | Официальный сайт Священного Военного Константинианского Oрденa Святого Георгия (em francês). Consultado em 2 de abril de 2022