Abrir menu principal

Casamento do Rei Carlos XVI Gustavo da Suécia e Sílvia Sommerlath

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde setembro de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
O rei e a rainha da Suécia durante o casamento da Princesa Vitória

O casamento do rei Carlos XVI Gustavo da Suécia, aos 30 anos de idade, e da alemã Silvia Sommerlath, três anos mais velha que ele, foi o primeiro que um monarca reinante celebrava no país desde 1797; o anterior foi o do rei Gustavo IV Adolfo, com 21 anos, e a princesa Frederica de Baden, com 16. Carlos Gustavo e Sílvia conheceram-se nos Jogos Olímpicos de Munique, em 1972.

O compromisso de Carlos Gustavo, rei da Suécia e Sílvia começou a 15 de setembro de 1973, foi anunciado a 12 de março de 1976 no Palácio Real e no dia seguinte os noivos tiveram um encontro com a imprensa nos apartamentos da princesa Sibila. O anuncio do matrimónio foi tornado público pelo Chefe da Corte, Chaplain Hans Åkerhielm a 7 de junho no púlpito da Capela Real. A boda teve lugar na Catedral de São Nicolau de Estocolmo a 19 de junho, quase três meses depois do seu compromisso.[1]

Atos prévios ao enlaceEditar

Na noite anterior ao casamento, houve uma noite de gala na ópera. A noiva fez uma entrada memorável: deslumbrante e linda com um vestido fino, alta corte e totalmente dobrado, uma jaqueta de renda e pela primeira vez, usando a tiara favorita da princesa Sibila. No dia anterior, Silvia Sommerlath, mesmo sendo uma cidadã estrangeira, foi condecorada com a Ordem do Serafim. Após a gala na ópera, o rei serviu como anfitrião de um jantar e baile no Palácio de Drottningholm para cerca de 200 convidados, familiares e amigos pessoais. O primeiro casamento de um monarca reinante na Suécia, em tempos modernos, era simples, jovem e romântico. Ele provou ser um evento que atraiu o interesse de muitos meios de comunicação e nesse sentido, se cumpriu o desejo expresso do Rei de que tivesse a maior transparência possível no que concerne aos preparativos oficiais do enlace.

Decoração da Catedral de EstocolmoEditar

O dia do casamento, ao início da manhã, o Mestre de Cerimônias e dois camareiros levaram do Tesouro as coroas de Erik XIV e Lovisa Ulrika para a Catedral de Estocolmo, onde foram colocadas em duas almofadas em azul escuro à esquerda e à direita do altar durante a cerimónia e junto a Carmita Sommerlath, sobrinha de Silvia. A catedral foi decorada em azul e rosa e perfumada com lilás branco, gladíolos e espíreas contidas em urnas de flores. No altar pendia um antependium, doados por Johan, filho de Axel Oxenstierna, em 1659. A frente, um brocado floral pequeno, foi decorado com o brasão de armas de Oxenstierna e Brahe. As iniciais, títulos e propriedades do doador e sua esposa, Margareta Brahe, também foram bordados na antependium, que é exclusivo para a catedral de Estocolmo e é usado para cerimónias reais. No altar também foram colocados dois castiçais e um crucifixo de carvalho, de prata e de ouro feita em Augsburg e doado por Magnus Gabriel De la Gardie à Rainha Cristina para a sua coroação em 1650. Silvia Sommerlath tinha escolhido para o altar dois vasos de prata contendo a rosa vermelha em homenagem a rainha Silvia, cultivada especialmente para a ocasião. A Rainha Louise tinha doado os vasos na Catedral de Estocolmo e Silvia estava muito orgulhoso deles.

O vestido da noivaEditar

 
A Princesa Vitória usou a tiara camafeu no dia do seu casamento em 2010.

O vestido de noiva, o segredo tradicionalmente mais bem guardado não foi revelado até o último momento. A noiva escolheu um no mesmo estilo clássico que tinham usado as princesas Birgitta e Desiree em seu casamento e foi desenhado por Marc Bohan da Dior, que também foi responsável pelos trajes dos pajens e as damas de honor. O vestido era marfim, completamente liso e com mangas compridas, cintura entalalda e com uma longa cauda, ​​que começou de um pouco acima da cintura. O véu da futura rainha, com renda bordada, era uma herança de família Bernadotte. Usado pela Rainha Sofia, a princesa Sibila, mãe do rei, e Desirée e pelas princesas Margaret e Cristina. O véu foi realizada pela com participações especiais embutidos em ouro vermelho e pérolas foi o presente que recebeu da princesa Josefina quando se casou com o rei Oscar I. A tiara foi fechado por um raminho de murta Sofiero, árvore plantada pela avó paterna do rei, a princesa Margaret. Uma jovem florista Marlene Pröpster, da NK loja, foi concedida a honra de fazer o buquê de noiva com orquídeas brancas, alguns ramos de jasmim e lírio do vale. Os pajens e damas de honra, tiveram os suas próprios buquês: Middelschulze Amelia, e Sophia Helene Sommerlath Silfverschiold tiveram buquês brancos, e James Ambler e Hubertus von Hohenzollern, buquês em amarelo e azul, as cores da bandeira sueca.

As aliançasEditar

Seguindo a tradição de casamento alemão, o anel de casamento, em ouro branco e diamantes, foi levado numa almofada por a dama de honor Carmita Sommerlath, filha de Ralf Sommerlath, irmão da rainha.

A TiaraEditar

A nova rainha da Suécia usou a tiara Camafeu da Imperatriz Josephine, uma das peças mais luxuosas e mais importantes na coleção de jóias da família real sueca. É feita de cinco camafeus e pérolas definidos em ouro vermelho com um motivo madressilva. A peça já havia sido usado antes pela rainha Ingrid da Dinamarca, que nasceu princesa da Suécia, a mãe do rei, a princesa Sybilla, e por todas as suas irmãs no dia do seu casamento. Foi usada por a Princesa Victoria no seu casamento em 2010.

Viagem por mar para o Palácio RealEditar

 
O rei e a rainha da Suécia viajaram por mar no barco Vasaorden até ao Palácio Real.

Após a cerimónia do casamento, os novos reis da Suécia percorreram numa carruagem de lâmpadas de prata, agitando bandeiras e lenços ao longo de todo o caminho, a cidade de Estocolmo. Escoltados por esquadrões de lanceiros e dragões reais, e uma alegria plena de Estocolmo chegaram com sorrisos e aplausos a Skeppsholmen, para fazerem uma viagem no barco Vasaorden até Logårdstrappan Strømmen em Skeppsbron. Depois de oito minutos de viagem no barco real. À chegada a Logårdstrappan, que havia sido transformado em um prado florido, mais de 224 músicos populares de Dalarna, vestindo os seus trajes e liderados pelo popular músico Karl Knis Aronsson, tocaram Brudmarsch från Leksand (marcha nupcial de Leksand) para os recém-casados ​​enquanto eles caminhavam pelo tapete vermelho. Nos escadas de Logården, para o Palácio Real, receberam o governador do Palácio Real Sixten Wohlfart. No pátio interior do palácio, o casal agradeceu as cerimónias de boas-vindas. Entre elas destacam-se vároas aeronaves que fizeram uma passagem rápida sobre as montanhas do sul, uma manifestação de felicidade da Força Aérea, desenhando um coração com tiro de fumaça no céu.

A foto do casamentoEditar

A tradicional fotografia de casamento foi tirada por o fotógrafo Lennart Nilsson, que teve o seu tempo na sua tarefa, enquanto milhares de cidadãos de Estocolmo se concentravam em Norrbro e nas ruas e praças adjacentes esperando para ver a os reis recém-casados.

Banquete nupcial em Vita havetEditar

A festa de casamento foi realizada no piso de representação do príncipe Bertil, Vita havet, no piso superior da ala leste do palácio. O próprio Príncipe Bertil atuou como anfitrião e fez um discurso emocionante para o casal, em nome de toda a Família Real e desejou aos noivos "toda a felicidade que se possa imaginar em suas vidas." Alice e Walther Sommerlath, pais da noiva, foram os convidados de honra, mesmo que entre os outros convidados estivessem reis e rainhas. O almoço foi preparado pelo chef da corte, Werner Vögeli. O menu incluiu sopa fria com caviar, mousse de salmão uma receita da "Rainha Silvia", pomba fria com fígado de ganso e morangos silvestres com sorvete de creme e chantilly. Croquembouche bolo lindo decorado com rosas de marzipã e rosa cozido por o mesyte Operakällaren Oster Dag, dominava as mesas.

Lista de convidadosEditar

Família do noivoEditar

Realeza ReinanteEditar

Mónaco:

Países Baixos:

Realeza Não ReinanteEditar

Bulgária:

França:

  • Alfonso, Duque de Cádiz e Carmen, Duquesa de Cádiz

Chefes de Estado RepublicanosEditar

Lua de melEditar

O casal escolheu o Havaí como destino para sua lua de mel, quando regressaram desfrutaram de umas merecidas férias no Palácio Solliden na ilha da Öland.

Ver TambémEditar

Ligações ExternasEditar

Referências

  1. «Boda del rey Carlos XVI Gustavo y Silvia Sommerlath». Consultado em 25 de julho de 2012