Abrir menu principal

Castelo Velho de Alcoutim

castelo islâmico em ruínas perto de Alcoutim
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Castelo Velho de Alcoutim
Castro de Santa Bárbara
Tipo Castelo
Estilo dominante Medieval
Início da construção Século VIII
Fim da construção Século IX
Proprietário inicial Califado Omíada
Função inicial Militar
Proprietário atual Portugal República Portuguesa
Função atual Cultural
Património Nacional
Classificação Logotipo Imóvel de Interesse Público
Data 31 de dezembro de 1997.
Geografia
País Portugal Portugal
Cidade Portugal Alcoutim, Alcoutim

O Castelo Velho de Alcoutim, também denominado como Castro de Santa Bárbara, localiza-se na Freguesia e Concelho de Alcoutim, no Distrito de Faro, em Portugal.[1]

Constituíndo-se em uma das mais importantes estruturas da arquitectura militar islâmica do Algarve, o monumento domina a plataforma de topo de um morro alcantilado, sobre o rio Guadiana, a cerca de um quilómetro a norte da vila de Alcoutim.

Índice

HistóriaEditar

A opção muçulmana pelo sítio onde se ergue o chamado Castelo Velho não é plenamente compreendida pelos estudiosos. É certo, entretanto, que a defesa foi determinada pela navegação no rio Guadiana e pela importância da atividade mineradora na região à época. As pesquisas arqueológicas no local documentam adequadamente a sua edificação, a partir da formação do Emirado de Córdoba. Posteriormente, à época dos califas e das primeiras taifas, as suas instalações foram ampliadas, adossando-se algumas edificações às suas muralhas e erguendo-se uma torre para a proteção do portão principal de acesso.

Abandonado durante o século XI em circunstâncias desconhecidas, a estrutura gradativamente perdeu os seus fins militares. Após Reconquista cristã da região, os soberanos de Portugal privilegiaram o sítio da atual vila, para cuja defesa erigiram o Castelo de Alcoutim. Este monumento, entretanto, ainda sofreu algumas intervenções durante o século XIII, como pode ser constatado pela presença de ameias nos panos de muralhas e de portas góticas.

Encontra-se classificado como Imóvel de Interesse Público pelo Decreto de 31 de Dezembro de 1997.

Recentemente vem sendo objeto de pesquisa arqueológica sob a responsabilidade da Prof.ª Helena Maria Gomes Catarino, com recursos oriundos do IPA com apoio logístico da Câmara Municipal de Alcoutim. O projeto, denominado Povoamento e fortificações islâmicas do Algarve Oriental: o Castelo Velho de Alcoutim e o seu território mineiro busca estudar o chamado Castelo Velho e seu território, privilegiando aspectos culturais do processo de islamização e a sua relação com as atividades econômicas regionais, em particular a mineração.

CaracterísticasEditar

O conjunto compõe-se de dois recintos fortificados, ambos de planta retangular, em pedra de xisto irregular solta, argamassada com terra, característica da arquitetura omíada:

  • o interior, em cota mais elevada, corresponde à alcáçova. Com uma área de cerca de 32 metros de comprimento por 22 metros de largura (c. 704 m²), é reforçado por diversas torres de planta quadrangular e rectangular, nenhuma delas posicionada nos ângulos. Os seus muros, com cerca de 2 metros de espessura, apresentam, na face externa, buracos destinados ao escoamento de águas pluviais ou esgotos. No seu interior abre-se a cisterna, assim como se erguem algumas edificações (habitações), caracterizando uma pequena alcáçova, com pátios, arruamentos, cozinhas e quartos. A muralha Norte é rasgada por uma estreita porta e o troço voltado sobre o rio Guadiana teria sido reforçado, durante o século XI, mesma época em que terá sido construído o torreão (5,30 metros de comprimento por 3,80 metros de largura) destinado a reforçar a defesa da porta principal, rasgada a Leste.
  • o exterior, delimitado pela cerca que defende o povoado, na encosta. Identificada pela análise dos taludes e pela observação dos tramos visíveis à superfície do solo, apresenta planta retangular e os seus muros são reforçados por torres adossadas. Na cerca abre-se uma porta em cotovelo, que se comunicava com o setor residencial extra-muros que se estendia até à margem do Guadiana.

BibliografiaEditar

  • Carta Arqueológica de Portugal: concelhos de Faro, Olhão, Tavira, Vila Real de Santo António, Castro Marim e Alcoutim (2ª ed.), Lisboa, 1995.
  • Catarino, Helena, "Escavações Arqueológicas nos Castelos de Alcoutim", Actas do 4º Congresso Sobre o Algarve, Lisboa, 1984.
  • Catarino, Helena, "Vestígios Muçulmanos no Nordeste Algarvio e o Castelo Velho de Alcoutim", Actas do 6º Congresso sobre o Algarve, Lisboa, 1986.
  • Catarino, Helena, "Arqueologia Medieval Islâmica no Algarve - Alcoutim, Salir e Paderne", Boletim Informativo Encontro de Arqueologia do Algarve, Faro (Portugal), 1990.
  • "Castelos Muçulmanos no Algarve", Noventa Séculos entre a Serra e o Mar, Lisboa, 1997.
  • Oliveira, Francisco Xavier D' Athaíde, Monografia do Concelho de Vila Real de Santo António, Algarve (Portugal), 1908.
  • Santos, Maria V. A. dos, Arqueologia Romana do Algarve, 1, Lisboa, 1971.

Ligações externasEditar

Referências

  1. Imagem e localização no Google Maps [1]

Ver tambémEditar