Catch Me If You Can (2002)

filme de 2002 dirigido por Steven Spielberg

Catch Me If You Can (bra: Prenda-Me se For Capaz[3][4]; prt: Apanha-Me se Puderes[5][6]) é um filme norte-americano de 2002, do gênero comédia dramático-biográfica, dirigido e produzido por Steven Spielberg, com roteiro de Jeff Nathanson baseado na autobiografia de Frank W. Abagnale Jr., Catch Me If You Can, escrita com Stan Redding.[7]

Catch Me If You Can
Pôster de divulgação
No Brasil Prenda-Me se For Capaz
Em Portugal Apanha-Me se Puderes
 Estados Unidos
2002 •  cor •  141 min 
Direção Steven Spielberg
Produção Steven Spielberg
Michel Shane
Walter F. Parkes
Laurie MacDonald
Roteiro Jeff Nathanson
Baseado em Frank Abagnale
Elenco
Gênero comédia dramático-biográfica
Música John Williams
Cinematografia Janusz Kamiński
Direção de arte Sarah Knowles
Edição Michael Kahn
Companhia(s) produtora(s) Amblin Entertainment
Distribuição DreamWorks
Lançamento Estados Unidos 21 de dezembro de 2002
Brasil 21 de fevereiro de 2003[1]
Idioma inglês
Orçamento US$ 52 milhões[2]
Receita US$ 352.114.312[2]
Site oficial

Estrelado por Leonardo DiCaprio, Tom Hanks, Christopher Walken, Martin Sheen e Nathalie Baye, o filme conta a história de Frank Abagnale, que, antes de seu aniversário de 19 anos, realizou com sucesso golpes no valor de milhões de dólares ao se apresentar como piloto da PANAM, médico da Geórgia e promotor da paróquia da Louisiana. Seu principal crime foi fraudar cheques; ele se tornou tão habilidoso que o FBI mais tarde o procurou para ajudar na captura de outros falsificadores.[3]

O filme estreou em 25 de dezembro de 2002, com sucesso comercial e crítico onde elogiaram a performance de Di Caprio e a trilha sonora de John Williams.[8] No 75º Oscar, Christopher Walken e John Williams foram indicados para melhor ator coadjuvante e melhor trilha sonora original, respectivamente.

Prêmios e indicaçõesEditar

Prêmio Categoria Recipiente Resultado
Oscar 2003 Melhor ator coadjuvante Christopher Walken Indicado[9]
Melhor trilha sonora John Williams Indicado[9]
Globo de Ouro 2003 Melhor Ator - Drama Leonardo DiCaprio Indicado[10]
BAFTA 2003 Melhor ator coadjuvante Christopher Walken Venceu[11]
Melhor trilha sonora John Williams Indicado[11]
Melhor figurino Mary Zophres Indicado[11]
Melhor roteiro adaptado Jeff Nathanson Indicado[11]
MTV Movie 2003 Melhor ator Leonardo DiCaprio Indicado[12]

ElencoEditar

SinopseEditar

O filme se passa na década de 1960 e retrata a história de Frank Abagnale, que quando adolescente se disfarçava das mais diversas profissões e ganhou milhões de dólares com seus golpes.[3]

Precisão históricaEditar

Apesar das várias mudanças dos acontecimentos da vida real, Abagnale acreditava que Spielberg era o único cineasta que "poderia fazer justiça a esse filme".[13] No entanto, Abagnale teve pouco envolvimento com o filme. Em novembro de 2001, Abagnale relatou: "Nunca conheci nem falei com Steven Spielberg e não li o roteiro. Prefiro não. Entendo que agora eles retratam meu pai de uma maneira melhor, como ele realmente era. Steven Spielberg disse ao roteirista (Jeff Nathanson) que deseja uma precisão total nos relacionamentos e fraudes que cometi, espero que, no final, o filme seja divertido, emocionante, divertido e leve para casa uma mensagem importante sobre família, infância e juventude. divórcio".[13]

O verdadeiro Abagnale nunca mais viu o pai depois que fugiu de casa. Spielberg "queria continuar tendo essa conexão em que Frank continuava tentando agradar seu pai; deixando-o orgulhoso dele; vendo-o de uniforme, o uniforme pan-americano". Abagnale elogiou a idéia, dizendo: "Mesmo que eu não tenha visto meu pai novamente, todas as noites depois de viver um dia brilhante, conhecer muitas mulheres e ganhar muito dinheiro, voltaria sozinha a um quarto de hotel e iria pense em minha mãe e meu pai e fantasie em reuni-los novamente e chore. É a justificativa de uma fantasia".[14]

No roteiro, o personagem de Hanks era conhecido como Joseph Shea, o nome real do agente do FBI que rastreava e depois trabalhou com Abagnale.[15][16] Abagnale afirmou que o nome foi alterado porque Shea não queria que seu nome fosse usado no filme, com Hanks escolhendo o nome de um jogador de futebol, Carl Hanratty.[17]

TemasEditar

O filme lida com temas de lares desfeitos e infâncias problemáticas. Os pais de Spielberg se divorciaram quando ele era adolescente, semelhante à situação de Frank Abagnale. No filme, Carl Hanratty também é divorciado de sua esposa, que mora com a filha em Chicago. "Alguns dos meus filmes tiveram a ver com lares desfeitos e pessoas fugindo de seus passados ​​tristes", afirmou Spielberg. "Mas há aqueles que me fizeram dizer: você sabe, também há algo em mim que posso dizer através da narração desse tipo de história alegre".[14]

Spielberg também queria criar um filme que simpatizasse com um bandido. Ele explicou: "Frank era um gênio do século XXI trabalhando na inocência de meados dos anos 60, quando as pessoas confiavam mais do que são agora. Eu não acho que esse seja o tipo de filme em que alguém poderia dizer: 'Eu tenho um plano de carreira.' "[14]

LançamentoEditar

"Eu sei que Hollywood fez uma série de mudanças na história, mas estou honrado por Steven Spielberg, Leonardo DiCaprio e Tom Hanks terem participado da produção do filme inspirado na minha vida. É importante entender que é apenas um filme, não um documentário biográfico.

-A reação de Frank Abagnale ao assisti o filme.[18]

A DreamWorks teve o cuidado de divulgar o filme como "inspirado em uma história verdadeira", para evitar controvérsias semelhantes às que cercam A Beautiful Mind (2001) e The Hurricane (1999), que se desviaram da história e sofreram duras críticas com isso.[14] A estréia ocorreu em Westwood, Los Angeles na Califórnia ,em 18 de dezembro de 2002.[19]

A Game Show Network foi ao ar o episódio de 1977 do programa de televisão To Tell the Truth, que contou com Frank Abagnale. Os segmentos foram exibidos em 29 de dezembro de 2002 e 1º de janeiro de 2003, como promoção.[20]

RecepçãoEditar

BilheteriaEditar

O filme foi lançado em 25 de dezembro de 2002, ganhando um pouco acima de US $ 30 milhões em 3.225 cinemas durante o fim de semana de estréia. O filme faturou US $ 164,6 milhões na América do Norte e US $ 187,5 milhões em países estrangeiros, com um total mundial de US $ 352,1 milhões. O filme foi um sucesso financeiro, recuperando o orçamento de US $ 52 milhões seis vezes.[21] Catch Me If You Can foi o décimo primeiro filme com maior bilheteria de 2002. Minority Report (também dirigido por Spielberg) foi o décimo mais alto.[22]

Resposta críticaEditar

Catch Me If You Can tem aclamação por parte da crítica especializada. Com tomatometer de 96% em base de 194 críticas, o Rotten Tomatoes publicou um consenso: “Com a ajuda de um forte desempenho de Leonardo DiCaprio como na vida real do prodígio golpista Frank Abagnale, Steven Spielberg artesanou um filme elegante, despreocupadamente divertido e surpreendentemente doce”. Tem 89% de aprovação por parte da audiência, usada para calcular a recepção do público a partir de votos dos usuários do site.[8] No Metacritic ,o filme tem uma pontuação de 75 em 100, com base em 39 críticos, indicando "críticas geralmente favoráveis".[23]

Roger Ebert elogiou fortemente o desempenho de DiCaprio e concluiu: "Este não é um filme importante de Spielberg, embora seja fácil de assistir".[24] Stephen Hunter acreditava que DiCaprio mostra "o alcance, a facilidade e a inteligência que Martin Scorsese tão subutilizou nas gangues de Nova York ".[25] James Berardinelli observou: "Catch Me If You Can levar a si mesmo ou a seus súditos muito a sério e contém mais material genuinamente engraçado do que cerca de 90% das chamadas 'comédias' encontradas em multiplex hoje em dia". Berardinelli elogiou a trilha sonora de John Williams , que ele considerou "mais íntimo e jazzístico do que seu material usual, evocando (intencionalmente) Henry Mancini".[26]

Peter Travers da Rolling Stones foi um dos poucos que deu uma crítica negativa ao filme; ele considerou o filme "atolado por mais de 140 minutos. Um filme que decolou como uma lebre na velocidade termina como uma tartaruga enrolada.[27]

Referências

  1. http://www.adorocinema.com/filmes/agenda/?week=2003-02-21 Agência cinema do Brasil - Adorocinema
  2. a b «Catch Me If You Can». Box Office Mojo. Consultado em 19 de janeiro de 2012 
  3. a b c «Prenda-Me se For Capaz». Brasil: AdoroCinema. Consultado em 28 de julho de 2020 
  4. «Prenda-Me se For Capaz». Brasil: CinePlayers. Consultado em 28 de julho de 2020 
  5. «Apanha-Me se Puderes». Portugal: SapoMag. Consultado em 28 de julho de 2020 
  6. «Apanha-Me se Puderes». Portugal: CineCartaz. Consultado em 28 de julho de 2020 
  7. «Catch Me If You Can (2002)». American Film Institute. Consultado em 28 de julho de 2020 
  8. a b «Catch Me If You Can» (em inglês). Rotten Tomatoes. Consultado em 24 de abril de 2014 
  9. a b «75.º Oscar - 2002». CinePlayers. Consultado em 28 de julho de 2020 
  10. «Os vencedores do Globo de Ouro 2003». Época. 20 de janeiro de 2003. Consultado em 7 de junho de 2020 
  11. a b c d «BAFTA|Film in 2003». BAFTA Awards Database. Consultado em 28 de julho de 2020 
  12. Monteiro, Rodrigo "Piolho" (22 de abril de 2003). «MTV Movie Awards 2003». Omelete. Consultado em 7 de junho de 2020 
  13. a b The Man Behind Catch Me If You Can - IGN (em inglês), consultado em 7 de junho de 2020 
  14. a b c d An Interview with Steven Spielberg - IGN (em inglês), consultado em 7 de junho de 2020 
  15. Brodesser, Claude; Brodesser, Claude (29 de agosto de 2001). «D'Works tracking top cop for 'Catch'». Variety (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2020 
  16. Luling, Todd Van (17 de outubro de 2014). «11 Easter Eggs You Never Noticed In Your Favorite Movies». HuffPost (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2020 
  17. "Frank Abagnale: "Catch Me If You Can" | Talks at Google - YouTube"
  18. «Abagnale comments». www.abagnale.com. Consultado em 7 de junho de 2020 
  19. «Título ainda não informado (favor adicionar)» 
  20. Adalian, Josef; Adalian, Josef (11 de dezembro de 2002). «Inside Move: Net game for movie link». Variety (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2020 
  21. «Catch Me If You Can». Box Office Mojo - bilheteria. Consultado em 7 de junho de 2020 
  22. «Domestic Box Office For 2002». Box Office Mojo. Consultado em 7 de junho de 2020 
  23. Catch Me If You Can - Metacritic, consultado em 7 de junho de 2020 
  24. Ebert, Roger. «Catch Me If You Can movie review (2002)». www.rogerebert.com/ (em inglês). Consultado em 7 de junho de 2020  Texto " Roger Ebert" ignorado (ajuda)
  25. Marks, Peter (16 de abril de 2011). «Peter Marks reviews 'War Horse,' 'Catch Me if You Can' and more on Broadway». Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286 
  26. «Review: Catch Me if You Can». preview.reelviews.net. Consultado em 7 de junho de 2020 
  27. «Catch Me If You Can : Review : Rolling Stone». web.archive.org. 19 de abril de 2008. Consultado em 7 de junho de 2020