Catedral Metropolitana de Vitória

A Catedral Metropolitana de Vitória é um templo católico brasileiro. É a sede da Arquidiocese de Vitória do Espírito Santo.[1]

Catedral Metropolitana de Nossa Senhora da Vitória
Estilo dominante neogótico
Construção 1918
Inauguração 1933
Sacerdote Dom Dario Campos, OFM
Geografia
País Brasil
Local Brasil Vitória, Espírito Santo
Coordenadas 20° 19' 12" S 40° 20' 14" O

HistóriaEditar

A primeira igreja matriz de Vitória teria sido construída provavelmente ainda em 1550, na época da fundação da Vila de Nossa Senhora da Vitória. Inicialmente uma capela, o seu local de fundação é considerado o marco zero da cidade.[2]

Naquela época, havia um largo à sua frente e ela era parte importante do principal conjunto de edifícios da vila, junto com o Colégio dos Jesuítas (hoje Palácio Anchieta) e a igreja de Nossa Senhora da Misericórdia, demolida para dar lugar ao atual Palácio da Cultura Sônia Cabral.

A capela foi elevada a igreja matriz no início do século XVIII, mas no final do mesmo século seu estado era considerado ruim e ela foi demolida, dando lugar a uma nova igreja matriz no local, que existiu ali até 1918. Era uma igreja ainda de estilo colonial.

Com a criação da Diocese do Espírito Santo em 1895 e a nomeação de seu primeiro bispo, Dom João Batista Correia Néri, a igreja recebeu o título de catedral. Posteriormente, deteriorada e considerada pequena demais para comportar o crescente número de fiéis, foi demolida com o intuito de ser substituída por uma igreja maior, de acordo com o desejo de modernizar a capital do Estado.[3]

ConstruçãoEditar

Demolida a antiga matriz em 1918, o desenhista e paisagista Paulo Motta, que também foi responsável pelo desenho do Parque Moscoso, no centro da cidade,[4] projetou um novo templo em estilo neogótico, mas durante muito tempo as obras ficaram paralisadas e o projeto original foi abandonado.

As obras duraram aproximadamente de 1920 a 1970 e, além de Motta, contou com os trabalhos do engenheiro Henrique de Novaes e o padre José Ludwin, além do professor Adolfo Morales de Los Rios, contratado para fazer o "levantamento das plantas"[2].

Durante as obras da “nova catedral”, os ofícios religiosos foram transferidos para a igreja de São Gonçalo no dia 26 de agosto de 1918 pelo segundo bispo da Diocese do Espírito Santo, Dom Benedito Paulo Alves de Sousa.

Nos anos 40, quando a construção foi reiniciada, um novo projeto foi feito tendo o seu autor, André Carloni, aproveitado as partes já erguidas e mantido o estilo neogótico, inspirado na Catedral de Colônia, na Alemanha. Os vitrais, que cercam toda a catedral, foram construídos pelo artista italiano Cesar Alexandre Formenti e seu filho, Gastão, com quem tinha um ateliê[5].

Sua planta tem forma de cruz latina, voltada para o oriente, na direção de Jerusalém, e sua arquitetura eclética é inspirada no estilo gótico, algo comum em construções do período republicano.

TombamentoEditar

Símbolo da cidade de Vitória, a catedral foi tombada pelo Conselho Estadual de Cultura em maio de 1984.[6] Destaca-se no ambiente por sua imponência e por possuir arquitetura eclética com característica neogótica e os maravilhosos vitrais de suas paredes.[7]

VisitaçãoEditar

Em 2006, a Catedral Metropolitana de Vitória entrou para o Visitar, um projeto da Prefeitura Municipal de Vitória, em conjunto com o Instituto Goia, que abriu as portas dos patrimônios do Centro Histórico de Vitória para visitação.[8] Os patrimônios que fazem parte do Visitar são:

Referências

  1. «Metropolitan Archdiocese of Vitória» (em inglês). Consultado em 3 de junho de 2022 
  2. a b Canal Filho, Pedro (Org.); Reis, Fabio Paiva; Andrade, Marcela Oliveira de; Blank, Bruno (2010). A Catedral Metropolitana de Vitória. Col: Vitória em Monumentos. 5. Vitória: Edufes. p. 26. ISBN 978-85-7772-064-4 
  3. «Visitar Centro Histórico: Cultura, história e a beleza dos monumentos de Vitória». Prefeitura de Vitória. Consultado em 3 de junho de 2022 
  4. «Missas, lives e procissão marcam os 100 anos das obras da Catedral Metropolitana de Vitória». G1. Consultado em 3 de junho de 2022 
  5. Cultural, Instituto Itaú. «César Formenti». Enciclopédia Itaú Cultural. Consultado em 23 de junho de 2022 
  6. «IBGE | Biblioteca | Detalhes | Catedral Metropolitana de Vitória : Vitória, ES». biblioteca.ibge.gov.br. Consultado em 3 de junho de 2022 
  7. «Vitória em Monumentos: Catedral Metropolitana de Vitória». História Capixaba. Consultado em 3 de junho de 2022 
  8. «Projeto Visitar». Prefeitura de Vitória. Consultado em 3 de junho de 2022