Abrir menu principal

Igreja Católica em Timor-Leste

(Redirecionado de Catolicismo em Timor-Leste)
IgrejaCatólicaEmblem of the Papacy SE.svg
Flag of East Timor.png
Timor-Leste
A Catedral da Imaculada Conceição, em Díli.
Cristãos 1 044 955
Católicos 1 021 247
População 1 063 971
Códice TL

O catolicismo em Timor-Leste faz parte da Igreja Católica Romana, sob a liderança espiritual do papa no Vaticano. Desde a sua independência da Indonésia, Timor-Leste tornou-se o segundo país predominantemente católico do mundo (depois do Vaticano), um legado do seu estatuto como uma antiga colónia portuguesa. Cerca de 96,9% dos timorenses são católicos, apenas 2,2% pertencem a uma fé protestante a partir de 2010.[1][2]

O país foi dividido em três dioceses: Díli, Baucau e Maliana. Essas dioceses estão imediatamente sujeitas à Santa Sé.

O núncio apostólico de Timor-Leste é simultaneamente o núncio da Indonésia.[3]

Índice

HistóriaEditar

 
Estátua do papa João Paulo II em Tasitolu.

No início do século XVI, os comerciantes portugueses e holandeses estabeleceram o primeiro contacto com Timor-Leste. Os missionários mantiveram um contacto esporádico até 1642 quando Portugal assumiu e manteve o controlo até 1974, com uma breve ocupação do Japão durante a Segunda Guerra Mundial.[4]

A Indonésia invadiu Timor-Leste em 1975 e anexou a antiga colónia portuguesa. Os sistemas de crenças animistas timorenses não encaixaram a monoteísta Constituição da Indonésia, resultando nas conversões em massa para o cristianismo. O clero português foi substituído por sacerdotes indonésios e a missa latina e portuguesa foi substituída pela missa indonésia.[5] A Igreja desempenhou um papel importante na sociedade durante a ocupação indonésia de Timor-Leste. Enquanto apenas 20% dos timorenses declaravam-se católicos no momento da invasão de 1975, o índice atingiu 95% no final da primeira década após a invasão. Durante a ocupação, o bispo Carlos Filipe Ximenes Belo tornou-se um dos mais proeminentes defensores dos direitos humanos em Timor-Leste e muitos sacerdotes e freiras arriscaram as suas vidas na defesa dos cidadãos contra os abusos militares.[6] A visita do papa João Paulo II em 1989 a Timor-Leste expôs a situação do território ocupado aos meios de comunicação mundiais e forneceu um catalisador para os ativistas independentes para buscar apoio global. Oficialmente neutro, o Vaticano desejou manter boas relações com a Indonésia, a maior nação muçulmana do mundo. Após a sua chegada a Timor-Leste, o papa beijou simbolicamente uma cruz e pressionou-a no chão, aludindo à sua prática habitual de beijar o chão à chegada a uma nação, e ainda evitando sugerir abertamente que Timor-Leste era um país soberano.[7] Ele falou fervorosamente contra os abusos no seu sermão, evitando nomear as autoridades indonésias como as responsáveis.[8] O papa falou contra a violência em Timor-Leste, e pediu que ambos os lados mostrassem contenção, implorando os timorenses a "amar e rezar pelos seus inimigos".[9]

Em 1996, o bispo Carlos Filipe Ximenes Belo e José Ramos-Horta, os dois principais ativistas timorenses para a paz e a independência, receberam o Prémio Nobel da Paz pelo "o seu trabalho conducente para uma solução justa e pacífica para o conflito em Timor-Leste".[10][11]

Muitos sacerdotes e freiras foram assassinados na violência em Timor-Leste que se seguiu ao referendo de independência de 1999.[12] A nação recém-independente declarou três dias de luto nacional após a morte do papa João Paulo II em 2005.[8]

A Igreja Católica Romana continua muito envolvida na política, com os confrontos de 2005 com o governo sobre a educação religiosa na escola e a suspensão dos julgamentos de crimes de guerra por atrocidades contra timorenses pela Indonésia.[13][14] Eles também aprovaram o novo primeiro-ministro nos seus esforços para promover a reconciliação nacional.[15] Em junho de 2006, a Catholic Relief Services recebeu ajuda dos Estados Unidos para ajudar as vítimas dos meses da agitação no país.[16]

Católicos por municípioEditar

 
Fiéis rezando em frente a Paróquia do Sagrado Coração de Jesus de Becora.
 
Procissão em Becora.
 
Sagrada Família em Remexio

De acordo com o censo demográfico de 2010 da Direção-Geral de Estatística, a percentagem dos católicos por município distribui-se da seguinte maneira:

Catolicismo em Timor-Leste
Município População Católicos
Ainaro 58 147 57 221 98,4 %
Aileu 46 664 39 919 85.5 %
Baucau 110 160 107 998 98,0 %
Bobonaro 911 199 90 815 99,6 %
Cova Lima 59 045 58 874 99,7. %
Díli 228 559 216 047 94,5 %
Ermera 116 937 114 927 98,3 %
Liquiçá 63 171 60 193 95,3 %
Lautém 59 776 87 784 96,7 %
Manufahi 48 614 46 674 96,0 %
Manatuto 41 709 40 966 98,2 %
Oecusse 63 514 63 065 99,3 %
Viqueque 69 476 66 764 96,1 %
Fonte:[1]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b «Population and Housing Census 2010, Population Distribution by Administrative Areas, Volume 2.» (PDF) (em inglês). Direção-Geral de Estatística. 14 de outubro de 2015. Consultado em 17 de agosto de 2017. Arquivado do original (PDF) em 5 de janeiro de 2017 
  2. Castro, Alberto Fidalgo (janeiro de 2012). A Religião em Timor-Leste a partir de uma Perspectiva Histórico-Antropólogo (PDF) (Tese). Universidade da Corunha. p. 1. Consultado em 17 de agosto de 2017 
  3. «New Timor Nuncio presents credentials, calls for end to conflict». Catholic News (em inglês). 2 de março de 2007. Consultado em 17 de agosto de 2017. Arquivado do original em 6 de março de 2007 
  4. «Nobel-Winning Bishop Steps Down». Departamento de Estado dos Estados Unidos (em inglês). Setembro de 2005. Consultado em 17 de agosto de 2017 
  5. Taylor 2004, p. 381.
  6. Gunn, p. 165.
  7. Pinto & Jardine 1997, p. 108.
  8. a b Head, Jonathan (5 de abril de 2005). «East Timor mourns 'catalyst' Pope». BBC News (em inglês). British Broadcasting Corporation. Consultado em 17 de agosto de 2017 
  9. «A courageous voice calling for help in East Timor.». National Catholic Reporter (em inglês). 11 de outubro de 1996. Consultado em 17 de agosto de 2017. Arquivado do original em 25 de Janeiro de 2013 
  10. «The Nobel Peace Prize 1996» (em inglês). Nobel Media. Consultado em 17 de agosto de 2017 
  11. «East Timor: Nobel-Winning Bishop Steps Down». The New York Times (em inglês). 27 de novembro de 2002. Consultado em 17 de agosto de 2017 
  12. «PR timorense recorda "coragem e gratidão" de católicos martirizados na luta do país». Diário de Notícias. 12 de maio de 2017. Consultado em 17 de agosto de 2017 
  13. Gunn, p. 65.
  14. «E Timor may reconsider religious education ban». AsiaNews.it (em inglês). 27 de abril de 2005. Consultado em 17 de agosto de 2017. Arquivado do original em 13 de Novembro de 2005 
  15. «Bishops encourage new premier in East Timor». Fides (em inglês). 18 de julho de 2006. Consultado em 17 de agosto de 2017 
  16. Griffin, Elizabeth (6 de junho de 2006). «New supplies arrive in Timor-Leste, more than 50,000 get relief». Catholic Relief Services (em inglês). Consultado em 17 de agosto de 2017. Arquivado do original em 17 de julho de 2006 

BibliografiaEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Igreja Católica em Timor-Leste