Cavades II

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Cavades.

Siroes (em grego: Σιρόης; romaniz.: Siróes), melhor conhecido só por seu nome régio de Cavades II (em latim: Cavades; em persa médio: 𐭪𐭥𐭠𐭲; romaniz.: Kawād; em persa: قباد; romaniz.: Qobād ou Qabād), foi xá do Império Sassânida de 25 de fevereiro de 628 até sua morte em 6 de setembro do mesmo ano. Era filho de Cosroes II (r. 590–628), a quem sucedeu após tê-lo derrubado em um golpe de Estado. Seu reinado foi um ponto de virada na história do Império Sassânida, e alguns argumentam que ajudou a provocar o seu fim.

Cavades II
Rei de reis de arianos e não-arianos
Efígie de Cavades num dracma de seu reinado
xá do Império Sassânida
Reinado 25 de fevereiro a 6
de setembro de 628
Consorte
Antecessor(a) Cosroes II
Sucessor(a) Artaxes III
 
Descendência Artaxes III
Dinastia sassânida
Morte 6 de setembro de 628
  Ctesifonte
Pai Cosroes II
Mãe Maria
Religião

NomeEditar

O nome de Siroes foi registrado como Σειρόης (Seiróes) na Crônica Pascoal (século VII), Xiauai (Šiawaih) nos Anais de Eutíquio de Alexandria (século X), Σιρόης no Breviário de Nicéforo I (século IX), na Crônica de Teófanes, o Confessor (século IX), na Sinopse da História de Jorge Cedreno (século XI) e nos Extratos da História de Zonaras (século XII), como Xeroe (Šērōē) na Crônica do Cuzestão (século VII), na Crônica de 724, na Crônica de Jacó de Edessa (século VIII), na Crônica de Sirte (século IX?), na Crônica de 819, no Kitab al-'Unwan de Agápio de Hierápolis (século X), na Crônica de Miguel, o Sírio (século XI) e na Crônica de Bar Hebreu (século XIII). [1] Destas grafias, Xeroe representa a versão em persa médio, havendo ainda variações ao siríaco Xeroi (Šērōī), o persa novo Xiruié (Širūyeh) (Ferdusi) e Xirui (Šīrūī) e o árabe Xiruiá (Šīrūyah) (Baladuri) e Xirai (Šīrai) (Tabari). Almaçudi ainda chamou-lhe de o Tirano (Algaxum).[2]

Já o seu segundo nome Cavades aparece como Καβώης (Kabóes) no Breviário de Nicéforo, Cavades nos Anais de Eutíquio, Καβάτης na Crônica Pascoal, Kawat na Crônica de Sebeos, na História dos Albaneses Caucasianos de Moisés de Dascurene (século X) e na História da Casa Arzerúnio de Tomás (século X).[1] Deriva, por sua vez, do avéstico Kawāta.[3]

VidaEditar

Primeiros anos e ascensãoEditar

Siroes era filho de Cosroes II, o último proeminente do Império Sassânida, e Maria, uma mulher grega, filha do imperador Maurício I (r. 582–602). Foi mais tarde preso por ele, que queria garantir a sucessão de seu filho favorito Merdasas, filho de sua esposa favorita Sirém. A reputação de seu pai foi arruinada na última fase da Guerra bizantino-sassânida de 602–628, pois 627 o general Razates foi morto e Dastagerda, a residência favorita do xá, foi arrasada pelo imperador Heráclio (r. 610–641), que avançava à capital sassânida de Ctesifonte. Em 628, Siroes foi libertado pelas famílias nobres do Império Sassânida, que incluíam o aspabedes ("chefe do exército") Ispabudã Farruque Hormisda, seus dois filhos Rustã Farruquezade e Farruquezade; Sarbaro da Casa de Miranes; a facção armênia representada por Basterotzes II e finalmente o canaranges da província de Abarxar, no leste do Império Sassânida.[4]

ReinadoEditar

 
Dinar de Cosroes II (r. 590–628)
 
Tremisse de Heráclio (r. 610–641)

Em 25 de fevereiro, Siroes, com seu comandante Gusdanaspes, capturou Ctesifonte e prendeu Cosroes. Então se proclamou xá e assumiu o nome dinástico de Cavades. Procedeu à execução de todos os seus irmãos e meio-irmãos, até o herdeiro Merdasas, que era o filho favorito de Cosroes. O assassinato de todos os seus irmãos, "todos homens bem educados, valentes e cavalheirescos",[5] despojou a dinastia sassânida de um futuro governante competente e foi descrito como uma "fúria louca" e "imprudente".[6] Três dias depois, ordenou que Mir Hormisda executasse seu pai. No entanto, após o regicídio, Cavades também mandou matar Mir Hormisda. [7] Suas irmãs Borana e Azarmiducte supostamente o criticaram e repreenderam por suas ações, que o encheram de remorso.[8]

Devido às ações de Cavades, seu reinado é visto como um ponto de virada na história sassânida, e alguns estudiosos argumentaram que desempenhou papel central o fim do Império sassânida.[6] A derrubada e morte de Cosroes causou uma guerra civil caótica, com os membros mais poderosos da nobreza ganhando total autonomia e começando a criar seu próprio governo. As hostilidades entre as famílias nobres persas (parsigues) e partas (pálaves) foram retomadas, dividindo a riqueza do país.[5] Independente disso, com apoio dos nobres, enviou emissários a Heráclio em Ganzaca, que chegaram em 3 de abril, para acabar a guerra contra os bizantinos, o que permitiu ao imperador reocupar todos os seus territórios perdidos, seus soldados capturados, uma indenização de guerra, junto com a Vera Cruz e outras relíquias que foram perdidas em Jerusalém em 614.[9][10]

Cavades concedeu total liberdade religiosa aos cristãos sob o seu governo,[11] alimentando a ideia de que fosse criptocristão.[9] Pôs Basterotzes II como marzobã (marquês) da Armênia com a posição de aspetes[12] e Ixoiabe II (r. 628–645) como o católico (patriarca) da Igreja do Oriente (em Selêucia-Ctesifonte).[13] Mais tarde morreu de peste após alguns meses de reinado em 6 de setembro. Os nobres (bozorgãs) elegeram seu filho de oito anos, Artaxes III. Na realidade, porém, exercia pouco poder e seu império era controlado por seu vizir Ma-Adur Gusnaspe, cujo dever era proteger o país até que Artaxes tivesse idade suficiente para governar.[14]

CasamentoEditar

Uma passagem da Crônica de Edessa identifica "Anzoi, a Romana", que era provavelmente uma princesa cristã do Império Bizantino, como sua esposa e mãe de Artaxes,[15] mas a Crônica de Sirte dá como mãe do príncipe uma certa Bore.[16] Segundo a Crônica do Cuzestão, também desposou sua irmã Borana, demonstrando a prática zoroastrista do cuedodá ou casamento de parentes próximos.[17][18][a]

NotasEditar

[a] ^ De acordo com Sebeos, era a esposa de Sarbaro. No entanto, para Chaumont e Pourshariati, isso é improvável.[19][20]

Referências

  1. a b Martindale 1992, p. 276.
  2. Justi 1895, p. 297.
  3. Justi 1895, p. 159.
  4. Pourshariati 2008, p. 173.
  5. a b Shahbazi 2005.
  6. a b Kia 2016, p. 255–256.
  7. Tabari 1999, p. 398.
  8. Tabari 1999, p. 399.
  9. a b Kaegi 1991, p. 1117.
  10. Oman 1893, p. 212.
  11. Neusner 1990, p. 161.
  12. Martindale 1992, p. 1364.
  13. Tajadod 1993, p. 323–324.
  14. Pourshariati 2008, p. 131-132.
  15. Martindale 1992, p. 94.
  16. Martindale 1992, p. 246.
  17. Tabari 1999, p. 404 (nota 996).
  18. Daryaee 1999, p. 77.
  19. Chaumont 1989, p. 366.
  20. Pourshariati 2008, p. 205 (nota 1139).

BibliografiaEditar

  • Chaumont, Marie Louise (1989). «Bōrān». Enciclopédia Irânica Vol. IV, Fasc. 4. Nova Iorque: Imprensa da Universidade de Colúmbia 
  • Daryaee, Touraj (1999). «The Coinage of Queen Bōrān and Its Significance for Late Sāsānian Imperial Ideology». Boletim (Sociedade Britânica para Estudos Médio Orientais) [Bulletin (British Society for Middle Eastern Studies)]. 13: 77–82 
  • Justi, Ferdinand (1895). Iranisches Namenbuch. Marburgo: N. G. Elwertsche Verlagsbuchhandlung 
  • Kaegi, Walter Emil (1991). «Kavad-Shiruya». In: Kazhdan, Alexander Petrovich. The Oxford Dictionary of Byzantium. Nova Iorque e Oxônia: Imprensa da Universidade de Oxônia. ISBN 0-19-504652-8 
  • Kia, Mehrdad (2016). The Persian Empire: A Historical Encyclopedia [2 volumes]. Santa Bárbara: ABC-CLIO. ISBN 978-1610693912 
  • Martindale, John R.; Jones, Arnold Hugh Martin; Morris, John (1992). «Bore; Cavades II qui et Siroes». The Prosopography of the Later Roman Empire - Volume III, AD 527–641. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press. ISBN 0-521-20160-8 
  • Neusner, Jacob (1990). Judaism, Christianity, and Zoroastrianism in Talmudic Babylonia. Atlant: Scholars Press. ISBN 9781555404741 
  • Pourshariati, Parvaneh (2008). Declínio e queda do Império Sassânida. Nova Iorque: IB Tauris & Co Ltd. ISBN 978-1-84511-645-3 
  • Tabari (1999). Bosworth, C.E., ed. The History of al-Tabari Vol. V - The Sasanids, The Byzantines, the Lakhmids and Yemen. Nova Iorque: Imprensa da Universidade Estadual de Nova Iorque 
  • Tajadod, Nahal (1993). Les Porteurs de Lumière. Paris: Plon 
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Cavades II