Cavalleria Rusticana

Cavalleria rusticana (em português Cavalheirismo rústico) é uma ópera em um ato único de Pietro Mascagni, estreada em 17 de maio de 1890 no Teatro Costanzi, em Roma. É dividida em duas partes, separadas por um intermezzo, mas se apresentam em cena contínua. Cavalleria rusticana é considerada uma das primeiras composições do realismo operístico italiano, ou verismo.

Cavalleria rusticana
Cavalheirismo Rústico
Idioma original Italiano
Compositor Pietro Mascagni
Libretista Giovanni Targioni
Tipo do enredo Dramático
Número de atos 1
Número de cenas Cena única
Ano de estreia 1890
Local de estreia Teatro Costanzi, Roma

O libreto é de Giovanni Targioni-Tozzetti e de Guido Menasci, extraído da novela homónima de Giovanni Verga.

PapéisEditar

  • Santuzza, soprano dramático ou mezzosoprano; pobre camponesa
  • Turiddu, tenor; aldeão, recém chegado do exército
  • Lucia, contralto ou mezzosoprano dramático; mãe de Turiddu
  • Alfio, barítono; carreteiro
  • Lola, mezzosoprano; esposa de Alfio

SinopseEditar

Ato ÚnicoEditar

É Domingo de Páscoa num povoado da Sicília. O povoado está reunido na igreja próxima à taverna de Mamma Lucia. Santuzza pergunta a respeito de seu prometido, o soldado Turiddu (hipocorístico siciliano de Salvatore), filho de Mamma Lucia, e ela responde que foi comprar vinho. Chega Alfio, marido de Lola, e solicita uma taça de vinho a Santuzza, e ela lhe responde que Turiddu foi buscar. Alfio não entende, porque viu Turiddu próximo de sua casa.

Tem início à procissão de Páscoa, e todos entram na igreja. Somente Mamma Lucia e Santuzza permanecem fora. Santuzza revela seu sofrimento a Lucia, por saber que Turiddu amava Lola antes de entrar para o exército. Ao voltar, Lola já tinha se casado com Alfio e Santuzza teria sido apenas uma substituta. Lola, desde então, tem se dedicado a seduzir Turiddu.

Chega Turiddu, e Santuzza suplica a ele que não a abandone. Mas Turiddu não faz conta e Santuzza conta a Alfio sobre suas suspeitas. Alfio, furioso, jura vingança.

Sai o povo da igreja, terminada a missa. Vão, então, à taverna de Mamma Lucia comemorar. Turiddu é encarregado de servir aos demais. Alfio aparece, e recusa o vinho de Turiddu, insinuando a traição, ao dizer que seu copo estaria envenenado. Turiddu, então, o desafia a um duelo - pelo gesto scicillano -, desferindo-lhe uma mordida no lóbulo da orelha.

Antes de enfrentar Alfio, já pressentindo o desfecho, Turiddu roga a Mamma Lucia que cuide de Santuzza. Tem início o duelo. Pouco depois, aparece uma mulher em desespero, avisando Mamma Lucia de que seu filho Turiddu foi morto no duelo.

Passagens musicais famosasEditar

As passagens mais conhecidas desta ópera são a Abertura Sinfônica e o Intermezzo, que são peças conhecidas do público geral, tendo sido usadas como parte da trilha sonora do capitulo final da aclamada trilogia O Poderoso Chefão: Parte III; presente também na trilha de Touro Indomável[1], de Scorsese, no anime Samurai X ao final da Saga de Quioto e em novelas como Sangue do Meu Sangue (SBT, 1995) e Terra Nostra (Rede Globo, 1999). Também são famosas as seguintes árias:

  • "O Lola" (ária de Turiddu, cena inicial - parte da Abertura)
  • "Il Cavallo Scalpita" (ária de Alfio, primeiro ato)
  • "Regina Cælli Lætare/Ineggiamo al Signor" (Coro da Procissão, primeiro ato)
  • "Voi lo sapete, o mamma" (ária de Santuzza, primeiro ato)
  • "Ah! lo vedi, che hai tu detto?" (Dueto: Turiddu e Santuzza, primeiro ato)
  • "Ad essi non perdono" (Ária de Alfio, primeiro ato)
  • "Viva il vino spumeggiante" (Ária de Turiddu, segundo ato)
  • "Addio alla madre" (Ária de Turiddu, segundo ato)
  1. «Raging Bull». Wikipédia, a enciclopédia livre. 6 de abril de 2016