Cedofeita

localidade e antiga freguesia do Porto, Portugal
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Cedofeita (desambiguação).

Cedofeita é uma antiga freguesia portuguesa do concelho do Porto que, pela Lei n.º 11-A/2013 de 28 de janeiro,[2] foi integrada na União das Freguesias de Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória.

Portugal Cedofeita 
  Freguesia portuguesa extinta  
Antiga junta de freguesia de Cedofeita
Antiga junta de freguesia de Cedofeita
Símbolos
Brasão de armas de Cedofeita
Brasão de armas
Localização
LocalFregPorto-Cedofeita.svg
Cedofeita está localizado em: Portugal Continental
Cedofeita
Localização de Cedofeita em
Mapa de Cedofeita
Coordenadas 41° 9' 21" N 8° 37' 24" O
Concelho primitivo Porto
Concelho (s) atual (is) Porto
Freguesia (s) atual (is) Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória
História
Extinção 2013
Características geográficas
Área total 2,66 km²
População total (2011[1]) 22 077 hab.
Densidade 8 299,6 hab./km²
Outras informações
Orago São Martinho

PopulaçãoEditar

População da freguesia de Cedofeita[3]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
11 614 16 244 22 677 25 999 30 792 33 020 36 520 41 835 42 796 40 196 35 179 36 841 32 066 24 784 22 077

Pelo decreto nº 40.526, de 08/02/1956, foram-lhe fixados os actuais limites.

Distribuição da População por Grupos Etários
Ano 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos
2001 2 548 3 590 13 281 5 365 10,3% 14,5% 53,6% 21,6%
2011 2 108 2 016 12 028 5 925 9,5% 9,1% 54,5% 26,8%

Média do País no censo de 2001: 0/14 Anos-16,0%; 15/24 Anos-14,3%; 25/64 Anos-53,4%; 65 e mais Anos-16,4%

Média do País no censo de 2011: 0/14 Anos-14,9%; 15/24 Anos-10,9%; 25/64 Anos-55,2%; 65 e mais Anos-19,0%

HistóriaEditar

Dos estudos realizados, tudo aponta para que as origens da freguesia estejam associadas ao primitivo povoado que nasceu, se desenvolveu e prosperou à sombra tutelar da antiga igreja românica, que ainda hoje existe no Largo do Priorado e que pertenceu a um convento de Cónegos Regrantes de Santo Agostinho. A construção da igreja é anterior à da própria Sé Catedral, sendo provavelmente a igreja mais antiga do Porto, construída quando Portugal ainda nem sequer existia politicamente.

Aqui ocorreu a conversão em massa do povo Suevo, anos antes dos Francos, com Clóvis.[carece de fontes?] Diz quem sabe destas coisas[quem?] que a Norte do Douro a igreja românica de Cedofeita é o único monumento do género que nos ficou do período medieval.[carece de fontes?]

Na frontaria do templo, mesmo por cima da porta principal, está gravada no granito uma inscrição latina que dá o ano de 559 como o da fundação da igreja. O teor da inscrição e, sobretudo, a indicação daquele ano como sendo o da fundação do templo suscitou e alimentou, durante anos, uma apaixonada discussão entre historiadores e investigadores que acabou com a conclusão de que a inscrição é apócrifa, por tanto não verdadeira, e que terá sido ali colocada aquando de uma remodelação feita no templo e redigida sem qualquer fundamento histórico.

Os mais antigos e fidedignos documentos que se conhecem, relacionados com o mosteiro de Cedofeita, remontam à Baixa Idade Média. São dois: uma bula do Papa Calisto II, datada de 1120, a qual apenas cita o mosteiro; e a carta de doação de D. Afonso II, do ano de 1218, na qual, com base em informações dos próprios abades e cónegos regrantes, o monarca faz saber que "D. Afonso, nosso senhor e avo (Afonso Henriques) reparara o dito mosteyro e anovadamente o dotara".[necessário verificar]

Fundação do mosteiro durante o Reino SuevoEditar

 
A igreja românica de São Martinho de Cedofeita.

A escassez de documentação referente à fundação da igreja de Cedofeita deu azo a diversas lendas, sendo duas delas as mais recorrentes.

Uns sustentam que foi fundada pelo rei suevo Reciário, que reinou em 446 e que foi o primeiro dos reis suevos a abraçar o Cristianismo. Outros dizem que a fundação da igreja se deve ao rei Teodomiro, também suevo, que a terá mandado construir em 14 de janeiro de 459, e nela se fez batizar conjuntamente com o seu filho Ariamiro, pela mão de São Martinho de Dume. Com este Santo Evangelizador, vieram as relíquias de São Martinho de Tours. Conservam-se num altar dedicado à sua devoção, na Igreja Nova, junto a outras de Martinho de Dume.

Consta que Teodemiro, não encontrando remédio para a enfermidade de seu filho Ariamiro, recorreu a S. Martinho de Tours aonde mandou embaixadores com ofertas de tanta prata e ouro quanto pesasse o filho enfermo. E com tanta fé Teodomiro acreditou neste milagre que logo a seguir à partida dos seus embaixadores ordenou que se começasse a construção de uma igreja em honra de S. Martinho.

O empenho posto no levantamento do templo foi tal que quando os embaixadores chegaram com as relíquias já ela estava concluída. E foi devido à rapidez da construção que veio a dizer-se «Cito Facta», o que significa «Feita Cedo» e que veio a dar CEDOFEITA.

Domínio muçulmanoEditar

Em 755, durante o domínio muçulmano, os cristãos das terras do Mosteiro de Cedofeita receberam um salvo-conduto para a cidade do Porto e permissão para a prática da fé cristã dentro de portas fechadas, mediante um pagamento anual de 50 pesantes. Esta permissão foi dada através de uma «Carta de Jusgo» a troco de outros 50 pesantes, reproduzida por Egidio Johanes em 1229:[4]

A origem da colegiadaEditar

Depois de se ter introduzido nas igrejas catedrais o sistema da vida em comum, passou a ser tão grande o número de clérigos que procuravam servi-la, que em muitas igrejas paroquiais se estabeleceram Colégios clericais com organização semelhante à dos Cabidos. Certos mosteiros também se transformaram em colégios de cónegos por ser permitido aos monges que se apartavam da sua regra seguir o instituído por que se regiam os cabidos.

Esta foi a origem das colegiadas, que dos cabidos se distinguiam por serem presididas pelo pároco, com o título de Prior, ao passo que os cabidos eram presididos pelos bispos.

Desconhece-se a data da fundação da Colegiada de S. Martinho de Cedofeita. De 1221 existe um documento que a ela se refere. Mas é muito provável que a sua criação seja anterior àquela data.

D. Nicolau de Santa Maria diz que já antes de 1118 a Colegiada existia e que tinha Prior e Cónegos que viviam segundo a regra de Santo Agostinho. As Colegiadas no século XVI formavam dois tipos: o das insignes, ao qual pertenciam a de Cedofeita e a de Guimarães, por exemplo; e o das menores.

A Colegiada de Cedofeita distinguiu-se também pelos varões ilustres que nela serviram, entre os quais a figura cimeira do Prior D. Nicolau Monteiro, que foi bispo do Porto, doutor em cânones pela Universidade de Coimbra, confessor da rainha D. Luísa de Gusmão, bispo eleito de Portalegre e da Guarda, conselheiro de Estado, mestre dos filhos de D. João IV, embaixador deste monarca ao pontífice Urbano VIII advogando eficazmente em Roma a justiça de Portugal contra as pretensões de Castela. Além desta grande figura da Igreja, também se notabilizaram na Colegiada de Cedofeita: S. Pascásio, discípulo do primeiro prior, S. Martinho de Dume; D. Beltrão de Monfaves, que foi prior e depois cardeal; D. Gonçalo Pereira, deão do Porto, arcebispo de Braga, avô do Condestável do reino, D. Nuno Álvares Pereira; D. Henrique (infante), irmão de D. João III, arcebispo de Braga e Évora, cardeal e depois rei de Portugal; D. Frei José Maria da Fonseca e Évora, prior comendatário e depois bispo do Porto.

O ermo de CedofeitaEditar

Ao dobrar o ano de 1571, o prior e cónegos da Colegiada de S. Martinho de Cedofeita mandaram ao bispo do Porto uma petição: queriam sair do sítio onde estavam e sugeriam a mudança para junto da Porta do Olival. Diziam os da Colegiada, na referida petição: "Se há igreja que tenha necessidade mui urgente para se trasladar e mudar de êrmo e despovoado para povoado e lugar da cidade acomodado para isso, é esta igreja de S. Martinho de Cedofeita, por muitas razões…". E entre as razões invocadas alegavam que a «igreja não é bem servida, principalmente quando as cheias e tempestades do Inverno e as calmas do Verão tornam impossíveis ou difíceis as longas jornadas entre a Porta do Olival (na Cordoaria) e o longínquo lugarejo de Cedofeita…

Havia ainda outra razão. "A igreja estava num lugar ermo e despovoado e os fregueses, que eram pescadores e lavradores, moravam muito afastados dela e durante a semana ninguém assistia aos ofícios divinos e por vezes até havia dificuldade em arranjar quem ajudasse às missas…".

O coutoEditar

Não há dúvida de que existiu o «Couto de Cedofeita», apesar de alguns historiadores afirmarem que é falsa, que não existiu, a «Carta de Couto» que teria sido conferida por D. Afonso Henriques. Um documento datado de 1849 pormenoriza que o Couto começava no fim da Rua da Rainha (hoje de Antero de Quental), corria pelo Monte Pedral até ao Carvalhido, na Rua da Natária, e confrontava com Paranhos. Do Carvalhido seguia pela Rua da Carcereira até à Cova do Monte, fim da Quinta do Vanzeller, partia com Ramalde e com a estrada para Lordelo e vinha ao Douro. Acompanhava o rio até ao começo da Calçada de Monchique (que ficava já dentro do COUTO) e daí subindo à Rua dos Carrancas partia com Miragaia. Continuava até ao Adro dos Enforcados (traseiras do Hospital de Santo António) onde confrontava com Santo Ildefonso, seguia pelo Rua do Paço até à cerca dos frades do Carmo, Travessa do Carregal, chegava ao canto do Hospital do Carmo, circuitava a Praça dos Ferradores (hoje de Carlos Alberto) até ao cunhal do Palácio dos Balsemões, Rua das Oliveiras e Sovela, Campo de Santo Ovídio, Rua da Lapa e lado poente da Rua da Rainha até Paranhos. Todo este território, que hoje está incorporado no tecido urbano da cidade e intensamente povoado, era, ainda na segunda metade do século XVII, simples arrabalde campesino da cidade.

Quando se terá verificado a integração do Couto de Cedofeita no tecido urbano da cidade do Porto? A resposta, pelas razões já atrás várias vezes referidas (escassez de fontes e falta de documentos) não é fácil de dar. Mas é muito provável que a integração se tenha feito na transição do século XVI para o século XVII. Ou talvez antes. De certeza, sabe-se que a Mesa Grande da Relação, em 9 de Outubro de 1710, ampliou a área limitada pela Muralha Fernandina com as das freguesias contíguas: Vitória, Miragaia e Santo Ildefonso; e também com as de Massarelos e Cedofeita. Esta medida da Mesa Grande, que fixava os novos limites da cidade, já abrangia a área do Couto de Cedofeita.[5]

Anexação à cidade do PortoEditar

Em 1834, a freguesia de Cedofeita, juntamente com a de Bonfim, foi anexada por ordem de D. Pedro IV à cidade do Porto.[6]

PatrimónioEditar

 
Fonte das Oliveiras
 
Quartel de Santo Ovídio
 
Edifício Parnaso
 
Companhia Aurifícia
 
Capela da Ramada Alta

Referenciado pelo IHRUEditar

SímbolosEditar

O brasão de armas, bandeira e selo foram aprovados em Diário da República em 1998.[7] Estes são descritos da seguinte forma:

ReligiãoEditar

EnsinoEditar

BairrosEditar

ArruamentosEditar

A antiga freguesia da Cedofeita contém 173 arruamentos. São estes:

Legenda

  1. Partilhada com as freguesias de Aldoar e Nevogilde.
  2. a b c d Partilhada com a freguesia da Lordelo do Ouro.
  3. a b c d e f g h i j k l m Partilhada com a freguesia de Massarelos.
  4. a b c d e f g h Partilhada com a freguesia de Ramalde.
  5. a b c d e f g Partilhada com a freguesia da Vitória.
  6. a b c d e f g h i j k l m n o p q r Partilhada com a freguesia de Paranhos.
  7. Partilhada com a freguesia do Bonfim.
  8. a b c d e f g h Partilhada com a freguesia de Santo Ildefonso.
  9. a b c d Partilhada com a freguesia de Miragaia.

Ligações externasEditar

Referências

  1. «População residente, segundo a dimensão dos lugares, população isolada, embarcada, corpo diplomático e sexo, por idade (ano a ano)». Informação no separador "Q601_Norte". Instituto Nacional de Estatística. Consultado em 22 de Março de 2014. Cópia arquivada em 4 de Dezembro de 2013 
  2. «Lei n.º 11-A/2013 de 28 de janeiro (Reorganização administrativa do território das freguesias)» (pdf). Diário da República. 1.ª Série, n.º 19. dre.pt. Consultado em 2 de janeiro de 2014 
  3. «Recenseamentos Gerais da População». Instituto Nacional de Estatística 
  4. Foral dado ao Porto por D. Hugo; Doações que lhe fez a Sñr.ª D. Tereza e seu Filho D. Affonso Henriques: E tambem a Carta de Couto da Igreja de Cedofeita, e Confirmações posteriores da mesma (PDF). Porto: Typographia de Viuva de Alvarez Ribeiro e Filhos. 1822. p. 25 
  5. «Origens» 
  6. J. M. P. Pinto (1869). Apontamentos para a historia da cidade do Porto, juntos e coordenados por J. M. P. Pinto. Porto: Typographia Commercial. p. 8 
  7. «Junta de Freguesia de Cedofeita - Aviso» (pdf). Diário da República. 3.ª Série, n.º 120. dre.pt. p. 11248. Consultado em 1 de julho de 2020 
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cedofeita