Centro Galáctico

centro rotacional, o baricentro, da Via Láctea
(Redirecionado de Centro da Via Láctea)

Coordenadas: Sky map 17h 45m 40.04s, −29° 00′ 28.1″

O Centro Galáctico é o centro rotacional, o baricentro, da Via Láctea.[1][2] Seu objeto massivo central é um buraco negro supermassivo de cerca de 4 milhões de massas solares, que alimenta Sagittarius A*,[3][4][5] uma fonte de rádio compacta que está quase exatamente no centro de rotação galáctico. O Centro Galáctico está a aproximadamente 8 kiloparsecs (26.000 anos luz) de distância da Terra[6] na direção das constelações de Sagittarius, Ophiuchus e Scorpius, onde a Via Láctea aparece mais brilhante, visualmente perto do Aglomerado da Borboleta (M6) ou da estrela Shaula , ao sul da Nebulosa do Cachimbo.

O Centro Galáctico, visto por um dos telescópios infravermelhos 2MASS, está localizado na parte superior esquerda da imagem
Localização marcada do Centro Galáctico
Uma arte do céu noturno em direção ao Centro Galáctico

Existem cerca de 10 milhões de estrelas dentro de um parsec do Centro Galáctico, dominado por gigantes vermelhas, com uma população significativa de supergigantes massivas e estrelas Wolf-Rayet da formação estelar na região há cerca de 1 milhão de anos. As estrelas do núcleo são uma pequena parte dentro do bojo galáctico muito mais amplo.

DescobertaEditar

Por causa da poeira interestelar ao longo da linha de visão, o Centro Galáctico não pode ser estudado em comprimentos de onda de raios-X, visíveis, ultravioletas ou suaves (de baixa energia). A informação disponível sobre o Centro Galáctico vem de observações em comprimentos de onda de raios gama, raios-X pesados (de alta energia), infravermelhos, submilimétricos e de rádio.

Este vídeo panorâmico dá uma visão mais detalhada de uma enorme imagem das partes centrais da Via Láctea feita pela combinação de milhares de imagens do telescópio VISTA do ESO no Observatório Paranal, no Chile, e a compara com a vista na luz visível. Como o VISTA tem uma câmera sensível à luz infravermelha, ele pode ver através de grande parte da poeira bloqueando a visão na luz visível, embora muitos outros filamentos de poeira opaca ainda apareçam bem nesta foto

Immanuel Kant afirmou em Allgemeine Naturgeschichte und Theorie des Himmels (História Natural Geral e Teoria dos Céus) (1755) que uma grande estrela estava no centro da Via Láctea, e que Sirius poderia ser a estrela.[7] Harlow Shapley afirmou em 1918 que o halo de aglomerados globulares ao redor da Via Láctea parecia estar centrado nos enxames de estrelas na constelação de Sagittarius, mas as nuvens moleculares escuras na área bloqueavam a visão da astronomia óptica.[8] No início da década de 1940, Walter Baade, do Observatório Monte Wilson, aproveitou as condições de apagão de guerra nas proximidades de Los Angeles para realizar uma busca pelo centro com o Telescópio Hooker de 100 polegadas (250 cm). Ele descobriu que perto da estrela Alnasl (Gamma Sagittarii) há um vazio de um grau de largura nas faixas de poeira interestelar, o que fornece uma visão relativamente clara dos enxames de estrelas ao redor do núcleo da Via Láctea.[9] Essa lacuna é conhecida como Janela de Baade desde então.[10]

Em Dover Heights, em Sydney, Austrália, uma equipe de radioastrônomos da Divisão de Radiofísica do CSIRO, liderada por Joseph L. Pawsey, usou 'interferometria marítima' para descobrir algumas das primeiras fontes de rádio interestelar e intergaláctica, incluindo Taurus A, Virgo A e Centaurus A. Em 1954, eles construíram uma antena parabólica fixa de 80 pés (24 m) e a usaram para fazer um estudo detalhado de um extenso e extremamente poderoso cinturão de emissão de rádio que foi detectado em Sagittarius. Eles nomearam uma fonte pontual intensa perto do centro desse cinturão de Sagittarius A e perceberam que ela estava localizada bem no centro da Galáxia, apesar de estar cerca de 32 graus a sudoeste do Centro Galáctico conjecturado da época.[11]

Em 1958, a União Astronômica Internacional (IAU) decidiu adotar a posição de Sagittarius A como o verdadeiro ponto de coordenada zero para o sistema de latitude e longitude galáctica.[12] No sistema de coordenadas equatoriais a localização é: RA 17h 45m 40.04s, Dec -29° 00′ 28.1″ (Época J2000).

Distância do Centro GalácticoEditar

Animação de uma galáxia barrada como a Via Láctea mostrando a presença de uma protuberância em forma de X. A forma de X estende-se por cerca de metade do raio da barra. É diretamente visível quando a barra é vista de lado, mas quando o observador está próximo ao longo eixo da barra não pode ser vista diretamente e sua presença só pode ser inferida a partir da distribuição dos brilhos das estrelas ao longo de uma determinada direção

A distância exata entre o Sistema Solar e o Centro Galáctico não é certa,[13] embora as estimativas desde 2000 tenham permanecido na faixa de 24 a 28.4 quiloanos-luz (7.4 a 8.7 quiloparsecs).[14] As estimativas mais recentes de métodos baseados em geometria e velas padrão fornecem as seguintes distâncias para o Centro Galáctico:

  • 7.4±0.2(stat) ± 0.2(syst) or 7.4±0.3 kpc (≈24±kly)[14]
  • 7.62±0.32 kpc (≈24.8±1 kly)[15]
  • 7.7±0.7 kpc (≈25.1±2.3 kly)[16]
  • 7.94 or 8.0±0.5 kpc (≈26±1.6 kly)[17][18][19]
  • 7.98±0.15(stat) ± 0.20(syst) or 8.0±0.25 kpc (≈26±0.8 kly)[20]
  • 8.33±0.35 kpc (≈27±1.1 kly)[5]
  • 8.0±0.3 kpc (≈25.96±0.98 kly)[21]
  • 8.7±0.5 kpc (≈28.4±1.6 kly)[22]
  • 8.122±0.031 kpc (≈26.49±0.1 kly)[23]
  • 8.178±0.013(stat) ± 0.022(syst) kpc (≈26.67±0.1 kly)[6]

Uma determinação precisa da distância ao Centro Galáctico, conforme estabelecido a partir de estrelas variáveis (por exemplo, variáveis RR Lyrae) ou velas padrão (por exemplo, estrelas red clump) é dificultada por vários efeitos, que incluem: uma lei de avermelhamento ambígua; um viés para valores menores da distância ao Centro Galáctico por causa de uma amostragem preferencial de estrelas em direção ao lado mais próximo do bojo galáctico devido à extinção interestelar; e uma incerteza em caracterizar como uma distância média a um grupo de estrelas variáveis encontradas na direção do bojo galáctico se relaciona com a distância ao Centro Galáctico.[24][25]

A natureza da barra da Via Láctea, que se estende pelo Centro Galáctico, também é ativamente debatida, com estimativas para sua metade do comprimento e orientação entre 1-5 kpc (barra curta ou longa) e 10-50°.[22][24][26] Certos autores defendem que a Via Láctea apresenta duas barras distintas, uma aninhada na outra.[27] A barra é delineada por estrelas red clump (ver também gigante vermelha); no entanto, as variáveis RR Lyrae não traçam uma barra galáctica proeminente.[24][28][29] A barra pode ser cercada por um anel chamado anel de 5-kpc que contém uma grande fração do hidrogênio molecular presente na Via Láctea e a maior parte da atividade de formação estelar da Via Láctea. Visto da Galáxia de Andrômeda, seria a característica mais brilhante da Via Láctea.[30]

Buraco negro supermassivoEditar

 
Há um buraco negro supermassivo na área branca brilhante à direita do centro da imagem. Esta fotografia composta cobre cerca de meio grau

A complexa fonte de rádio astronômica Sagittarius A parece estar localizada quase exatamente no Centro Galáctico e contém uma intensa fonte de rádio compacta, Sagittarius A*, que coincide com um buraco negro supermassivo no centro da Via Láctea. A acreção de gás no buraco negro, provavelmente envolvendo um disco de acreção ao seu redor, liberaria energia para alimentar a fonte de rádio, ela mesma muito maior que o buraco negro. Este último é muito pequeno para ver com os instrumentos atuais.

 
Impressão artística de um buraco negro supermassivo no centro de uma galáxia[3]

Um estudo em 2008 que ligou radiotelescópios no Havaí, Arizona e Califórnia (Interferometria de Longa Linha de Base) mediu o diâmetro de Sagittarius A* em 44 milhões de quilômetros (0.3 UA).[4][31] Para comparação, o raio da órbita da Terra ao redor do Sol é de cerca de 150 milhões de quilômetros (1 UA), enquanto a distância de Mercúrio ao Sol na maior aproximação (periélio) é de 46 milhões de quilômetros (0.3 UA). Assim, o diâmetro da fonte de rádio é ligeiramente menor que a distância de Mercúrio ao Sol.

Cientistas do Instituto Max Planck de Física Extraterrestre na Alemanha, usando telescópios chilenos, confirmaram a existência de um buraco negro supermassivo no Centro Galáctico, da ordem de 4.3 milhões de massas solares.[5] Estudos posteriores estimaram uma massa de 3.7 milhões[32][33] ou 4.1 milhões de massas solares.[23]

Em 5 de janeiro de 2015, a NASA relatou ter observado uma explosão de raios-X 400 vezes mais brilhante do que o normal, um recorde, de Sagittarius A*. O evento incomum pode ter sido causado pela quebra de um asteroide caindo no buraco negro ou pelo emaranhamento de linhas do campo magnético dentro do gás que flui para Sagittarius A*, de acordo com os astrônomos.[34]

População estelarEditar

 
Centro Galáctico da Via Láctea e um meteoro

O parsec cúbico central em torno de Sagittarius A* contém cerca de 10 milhões de estrelas.[35] Embora a maioria delas sejam antigas estrelas gigantes vermelhas, o Centro Galáctico também é rico em estrelas massivas. Mais de 100 estrelas OB e Wolf-Rayet foram identificadas até agora.[36] Eles parecem ter sido formados em um único evento de formação estelar há alguns milhões de anos. A existência dessas estrelas relativamente jovens foi uma surpresa para os especialistas, que esperavam que as forças de maré do buraco negro central impedissem sua formação. Este paradoxo da juventude é ainda mais forte para estrelas que estão em órbitas muito estreitas em torno de Sagittarius A*, como S2 e S0-102. Os cenários invocados para explicar essa formação envolvem a formação de estrelas em um aglomerado estelar massivo deslocado do Centro Galáctico que teria migrado para sua localização atual uma vez formado, ou a formação de estrelas dentro de um disco de acreção de gás massivo e compacto ao redor do buraco negro central. A evidência atual favorece a última teoria, pois a formação através de um grande disco de acreção é mais provável de levar à borda discreta observada do jovem aglomerado estelar em aproximadamente 0.5 parsec.[37] A maioria dessas 100 estrelas jovens e massivas parecem estar concentradas em um ou dois discos, em vez de distribuídas aleatoriamente no parsec central.[38][39] Esta observação, no entanto, não permite tirar conclusões definitivas neste momento.

A formação de estrelas não parece estar ocorrendo atualmente no Centro Galáctico, embora o Disco Circumnuclear de gás molecular que orbita o Centro Galáctico a dois parsecs pareça um local bastante favorável para a formação de estrelas. O trabalho apresentado em 2002 por Antony Stark e Chris Martin mapeando a densidade do gás em uma região de 400 anos-luz ao redor do Centro Galáctico revelou um anel acumulado com uma massa vários milhões de vezes a do Sol e perto da densidade crítica para a formação de estrelas. Eles preveem que em aproximadamente 200 milhões de anos haverá um episódio de explosão estelar no Centro Galáctico, com muitas estrelas se formando rapidamente e passando por supernovas cem vezes a taxa atual. Essa explosão estelar também pode ser acompanhada pela formação de jatos relativísticos galácticos à medida que a matéria cai no buraco negro central. Pensa-se que a Via Láctea sofre uma explosão estelar deste tipo a cada 500 milhões de anos.

Além do paradoxo da juventude, há também um "enigma da velhice" associado à distribuição das estrelas velhas no Centro Galáctico. Modelos teóricos previram que as estrelas velhas, que superam em muito o número de estrelas jovens, deveriam ter uma densidade crescente perto do buraco negro, a chamada cúspide Bahcall-Wolf. Em vez disso, descobriu-se em 2009 que a densidade das estrelas velhas atinge o pico a uma distância de aproximadamente 0.5 parsec de Sagittarius A*, depois cai para dentro: em vez de um aglomerado denso, há um "buraco", ou núcleo, ao redor do buraco negro.[40] Várias sugestões foram apresentadas para explicar essa observação intrigante, mas nenhuma é completamente satisfatória.[41][42] Por exemplo, embora o buraco negro comesse estrelas próximas a ele, criando uma região de baixa densidade, essa região seria muito menor que um parsec. Como as estrelas observadas são uma fração do número total, é teoricamente possível que a distribuição estelar geral seja diferente da observada, embora nenhum modelo plausível desse tipo tenha sido proposto ainda.

Bolhas de Fermi emitindo raios gama e XEditar

Bolhas galácticas de raios gama e X
Bolhas de raios gama e X no centro da Via Láctea: Acima: ilustração; Abaixo: vídeo.

Em novembro de 2010, foi anunciado que duas grandes estruturas de lobo elíptico de plasma energético, denominadas "bolhas", que emitem raios gama e raios-X, foram detectadas no núcleo da Via Láctea.[43] Essas chamadas "bolhas de Fermi" se estendem até cerca de 25.000 anos-luz acima e abaixo do Centro Galáctico.[43] O nevoeiro difuso de raios gama da galáxia dificultou as observações anteriores, mas a equipe de descoberta liderada por D. Finkbeiner, com base na pesquisa de G. Dobler, trabalhou em torno desse problema.[43] O Prêmio Bruno Rossi de 2014 foi para Tracy Slatyer, Douglas Finkbeiner e Meng Su "pela descoberta, em raios gama, da grande estrutura galáctica inesperada chamada bolhas de Fermi".[44]

A origem das bolhas está sendo pesquisada.[45][46] As bolhas estão conectadas e aparentemente acopladas, via transporte de energia, ao núcleo galáctico por estruturas colunares de plasma energético apelidadas de "chaminés".[47] Eles foram vistos em luz visível[48] e medições ópticas foram feitas pela primeira vez em 2020.[49]

GaleriaEditar

Em maio de 2021, a NASA publicou novas imagens do Centro Galáctico, com base em pesquisas do Observatório de raios-X Chandra e outros telescópios.[50] As imagens têm cerca de 2.2 graus (1.000 anos-luz) de diâmetro e 4.2 graus (2.000 anos-luz) de comprimento.

Um panorama do Centro Galáctico baseia-se em pesquisas anteriores do Observatório de raios-X Chandra e outros telescópios. Na primeira imagem, os raios-X do Chandra são laranja, verde e roxo, mostrando diferentes energias de raios-X, e os dados de rádio do MeerKAT são em cinza. As próximas imagens mostram cores únicas (banda larga), com dados de raios-X do Chandra em rosa e dados de rádio MeerKAT em azul.
Imagem rotulada composta
Imagem composta
Composto de cor única de raios-X e rádio
Rádio cor única
Os arredores do Centro Galáctico (mapa de vista superior).

Ver tambémEditar

Referências

  1. Overbye, Dennis (31 de janeiro de 2022). «An Electrifying View of the Heart of the Milky Way - A new radio-wave image of the center of our galaxy reveals all the forms of frenzy that a hundred million or so stars can get up to.». The New York Times. Consultado em 1 de fevereiro de 2022 
  2. Heyood, I.; et al. (28 de janeiro de 2022). «The 1.28 GHz MeerKAT Galactic Center Mosaic» (PDF). arXiv. arXiv:2201.10541 . Consultado em 1 de fevereiro de 2022 
  3. a b «ALMA Reveals Intense Magnetic Field Close to Supermassive Black Hole». ESO Press Release. European Southern Observatory. Consultado em 21 de abril de 2015 
  4. a b Doeleman, Sheperd S.; et al. (2008). «Event-horizon-scale structure in the supermassive black hole candidate at that Galactic Centre». Nature. 455 (7209): 78–80. Bibcode:2008Natur.455...78D. PMID 18769434. arXiv:0809.2442 . doi:10.1038/nature07245 
  5. a b c Gillessen, S.; Eisenhauer; Trippe; Alexander; Genzel; Martins; Ott (2009). «Monitoring Stellar Orbits Around the Massive Black Hole in the Galactic Center». The Astrophysical Journal. 692 (2): 1075–1109. Bibcode:2009ApJ...692.1075G. arXiv:0810.4674 . doi:10.1088/0004-637X/692/2/1075 
  6. a b The GRAVITY collaboration (abril de 2019). «A geometric distance measurement to the Galactic center black hole with 0.3% uncertainty». Astronomy & Astrophysics. 625: L10. Bibcode:2019A&A...625L..10G. arXiv:1904.05721 . doi:10.1051/0004-6361/201935656 
  7. Ley, Willy (agosto de 1965). «The Galactic Giants». For Your Information. Galaxy Science Fiction. p. 130–142 
  8. Shapley, H (1918). «Studies based on the colors and magnitudes in stellar clusters. VII. The distances, distribution in space, and dimensions of 69 globular clusters». The Astrophysical Journal. 48: 154. Bibcode:1918ApJ....48..154S. doi:10.1086/142423 
  9. Baade, W (1946). «A Search for the Nucleus of Our Galaxy». Publications of the Astronomical Society of the Pacific. 58 (343): 249. Bibcode:1946PASP...58..249B. doi:10.1086/125835 
  10. Ng, Y. K; Bertelli, G; Chiosi, C; Bressan, A (1996). «The galactic structure towards the Galactic Center. III. A study of Baade's Window: Discovery of the bar population?». Astronomy and Astrophysics. 310: 771. Bibcode:1996A&A...310..771N 
  11. Pawsey, J. L (1955). «A Catalogue of Reliably Known Discrete Sources of Cosmic Radio Waves». The Astrophysical Journal. 121: 1. Bibcode:1955ApJ...121....1P. doi:10.1086/145957 
  12. Blaauw, A.; Gum, C.S.; Pawsey, J.L.; Westerhout, G. (1960). «The new IAU system of galactic coordinates (1958 revision)». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 121 (2): 123–131. Bibcode:1960MNRAS.121..123B. doi:10.1093/mnras/121.2.123  
  13. Malkin, Zinovy M. (fevereiro de 2013). «Analysis of Determinations of the Distance between the Sun and the Galactic Center». Astronomy Reports. 57 (2): 128–133. Bibcode:2013ARep...57..128M. CiteSeerX 10.1.1.766.631 . arXiv:1301.7011 . doi:10.1134/S1063772913020078  Russian original Малкин, З. М. (2013). «Об определении расстояния от Солнца до центра Галактики». Astronomicheskii Zhurnal (em russo). 90 (2): 152–157. doi:10.7868/S0004629913020072 
  14. a b Francis, Charles; Anderson, Erik (junho de 2014). «Two estimates of the distance to the Galactic Centre». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 441 (2): 1105–1114. Bibcode:2014MNRAS.441.1105F. arXiv:1309.2629 . doi:10.1093/mnras/stu631 
  15. Eisenhauer, F.; Genzel, R.; Alexander, T.; Abuter, R.; Paumard, T.; Ott, T.; Gilbert, A.; Gillessen, S.; Horrobin, M.; Trippe, S.; Bonnet, H.; Dumas, C.; Hubin, N.; Kaufer, A.; Kissler-Patig, M.; Monnet, G.; Ströbele, S.; Szeifert, T.; Eckart, A.; Schödel, R.; Zucker, S. (2005). «SINFONI in the Galactic Center: Young Stars and Infrared Flares in the Central Light-Month». The Astrophysical Journal. 628 (1): 246–259. Bibcode:2005ApJ...628..246E. arXiv:astro-ph/0502129 . doi:10.1086/430667 
  16. Majaess, D.J.; Turner, D.G.; Lane, D.J. (2009). «Characteristics of the Galaxy according to Cepheids». MNRAS. 398 (1): 263–270. Bibcode:2009MNRAS.398..263M. arXiv:0903.4206 . doi:10.1111/j.1365-2966.2009.15096.x 
  17. Reid, Mark J. (1993). «The distance to the center of the Galaxy». Annual Review of Astronomy and Astrophysics. 31 (1): 345–372. Bibcode:1993ARA&A..31..345R. doi:10.1146/annurev.aa.31.090193.002021 
  18. Eisenhauer, F.; Schödel, R.; Genzel, R.; Ott, T.; Tecza, M.; Abuter, R.; Eckart, A.; Alexander, T. (2003). «A Geometric Determination of the Distance to the Galactic Center». The Astrophysical Journal. 597 (2): L121–L124. Bibcode:2003ApJ...597L.121E. arXiv:astro-ph/0306220 . doi:10.1086/380188 
  19. Horrobin, M.; Eisenhauer, F.; Tecza, M.; Thatte, N.; Genzel, R.; Abuter, R.; Iserlohe, C.; Schreiber, J.; Schegerer, A.; Lutz, D.; Ott, T.; Schödel, R. (2004). «First results from SPIFFI. I: The Galactic Center» (PDF). Astronomische Nachrichten. 325 (2): 120–123. Bibcode:2004AN....325...88H. doi:10.1002/asna.200310181. Arquivado do original (PDF) em 21 de junho de 2007 
  20. Malkin, Zinovy (2012). «The current best estimate of the Galactocentric distance of the Sun based on comparison of different statistical techniques». arXiv:1202.6128  [astro-ph.GA] 
  21. Camarillo, T.; Mathur; Mitchell; Ratra (2018). «Median Statistics Estimate of the Distance to the Galactic Center». Publications of the Astronomical Society of the Pacific. 130 (984): 024101. Bibcode:2018PASP..130b4101C. arXiv:1708.01310 . doi:10.1088/1538-3873/aa9b26 
  22. a b Vanhollebeke, E.; Groenewegen, M. A. T.; Girardi, L. (abril de 2009). «Stellar populations in the Galactic bulge. Modelling the Galactic bulge with TRILEGAL». Astronomy and Astrophysics. 498 (1): 95–107. Bibcode:2009A&A...498...95V. arXiv:0903.0946 . doi:10.1051/0004-6361/20078472 
  23. a b Abuter, R.; Amorim, A.; Anugu, N.; Bauböck, M.; Benisty, M.; Berger, J. P.; Blind, N.; Bonnet, H.; Brandner, W.; Buron, A.; Collin, C.; Chapron, F.; Clénet, Y.; Foresto, V. dCoudé u; Zeeuw, P. T. de; Deen, C.; Delplancke-Ströbele, F.; Dembet, R.; Dexter, J.; Duvert, G.; Eckart, A.; Eisenhauer, F.; Finger, G.; Schreiber, N. M. Förster; Fédou, P.; Garcia, P.; Lopez, R. Garcia; Gao, F.; Gendron, E.; Genzel, R.; Gillessen, S.; Gordo, P.; Habibi, M.; Haubois, X.; Haug, M.; Haußmann, F.; Henning, Th; Hippler, S.; Horrobin, M.; Hubert, Z.; Hubin, N.; Rosales, A. Jimenez; Jochum, L.; Jocou, L.; Kaufer, A.; Kellner, S.; Kendrew, S.; Kervella, P.; Kok, Y.; Kulas, M.; Lacour, S.; Lapeyrère, V.; Lazareff, B.; Bouquin, J.-B. Le; Léna, P.; Lippa, M.; Lenzen, R.; Mérand, A.; Müler, E.; Neumann, U.; Ott, T.; Palanca, L.; Paumard, T.; Pasquini, L.; Perraut, K.; Perrin, G.; Pfuhl, O.; Plewa, P. M.; Rabien, S.; Ramírez, A.; Ramos, J.; Rau, C.; Rodríguez-Coira, G.; Rohloff, R.-R.; Rousset, G.; Sanchez-Bermudez, J.; Scheithauer, S.; Schöller, M.; Schuler, N.; Spyromilio, J.; Straub, O.; Straubmeier, C.; Sturm, E.; Tacconi, L. J.; Tristram, K. R. W.; Vincent, F.; Fellenberg, S. von; Wank, I.; Waisberg, I.; Widmann, F.; Wieprecht, E.; Wiest, M.; Wiezorrek, E.; Woillez, J.; Yazici, S.; Ziegler, D.; Zins, G. (1 de julho de 2018). «Detection of the gravitational redshift in the orbit of the star S2 near the Galactic centre massive black hole». Astronomy & Astrophysics. 615: L15. Bibcode:2018A&A...615L..15G. arXiv:1807.09409 . doi:10.1051/0004-6361/201833718. hdl:10871/35577  
  24. a b c Majaess, D (março de 2010). «Concerning the Distance to the Center of the Milky Way and Its Structure». Acta Astronomica. 60 (1): 55–74. Bibcode:2010AcA....60...55M. arXiv:1002.2743  
  25. Vovk, Olga (27 de abril de 2011). «Milky Way: Distance to the Galactic Centre». Universe at a glance (blog). Consultado em 23 de março de 2019 
  26. Cabrera-Lavers, A.; González-Fernández, C.; Garzón, F.; Hammersley, P. L.; López-CorredoiRA, M. (dezembro de 2008). «The long Galactic bar as seen by UKIDSS Galactic plane survey». Astronomy and Astrophysics. 491 (3): 781–787. Bibcode:2008A&A...491..781C. arXiv:0809.3174 . doi:10.1051/0004-6361:200810720 
  27. Nishiyama, Shogo; Nagata, Tetsuya; Baba, Daisuke; Haba, Yasuaki; Kadowaki, Ryota; Kato, Daisuke; Kurita, Mikio; Nagashima, Chie; Nagayama, Takahiro; Murai, Yuka; Nakajima, Yasushi; TamuRA, Motohide; Nakaya, Hidehiko; Sugitani, Koji; Naoi, Takahiro; Matsunaga, Noriyuki; Tanabé, Toshihiko; Kusakabe, Nobuhiko; Sato, Shuji (março de 2005). «A Distinct Structure inside the Galactic Bar». The Astrophysical Journal. 621 (2): L105–L108. Bibcode:2005ApJ...621L.105N. arXiv:astro-ph/0502058 . doi:10.1086/429291 
  28. Alcock, C.; Allsman, R. A.; Alves, D. R.; Axelrod, T. S.; Becker, A. C.; Basu, A.; Baskett, L.; Bennett, D. P.; Cook, K. H.; Freeman, K. C.; Griest, K.; Guern, J. A.; Lehner, M. J.; Marshall, S. L.; Minniti, D.; Peterson, B. A.; Pratt, M. R.; Quinn, P. J.; Rodgers, A. W.; Stubbs, C. W.; Sutherland, W.; Vandehei, T.; Welch, D. L. (janeiro de 1998). «The RR Lyrae Population of the Galactic Bulge from the MACHO Database: Mean Colors and Magnitudes». The Astrophysical Journal. 492 (1): 190–199. Bibcode:1998ApJ...492..190A. arXiv:astro-ph/9706292 . doi:10.1086/305017 
  29. Kunder, Andrea; Chaboyer, Brian (dezembro de 2008). «Metallicity Analysis of MACHO Galactic Bulge RR0 Lyrae Stars from their Light Curves». The Astronomical Journal. 136 (6): 2441–2452. Bibcode:2008AJ....136.2441K. arXiv:0809.1645 . doi:10.1088/0004-6256/136/6/2441 
  30. Staff (12 de setembro de 2005). «Introduction: Galactic Ring Survey». Boston University. Consultado em 10 de maio de 2007 
  31. Reynolds, Christopher S. (2008). «Bringing black holes into focus». Nature. 455 (7209): 39–40. Bibcode:2008Natur.455...39R. PMID 18769426. doi:10.1038/455039a 
  32. Ghez, A. M.; Salim, S.; Hornstein, S. D.; Tanner, A.; Lu, J. R.; Morris, M.; Becklin, E. E.; Duchene, G. (20 de fevereiro de 2005). «Stellar Orbits around the Galactic Center Black Hole». The Astrophysical Journal. 620 (2): 744–757. Bibcode:2005ApJ...620..744G. arXiv:astro-ph/0306130 . doi:10.1086/427175 
  33. Schödel, R.; Ott, T.; Genzel, R.; Hofmann, R.; Lehnert, M.; Eckart, A.; Mouawad, N.; Alexander, T.; Reid, M. J.; Lenzen, R.; Hartung, M.; Lacombe, F.; Rouan, D.; Gendron, E.; Rousset, G.; Lagrange, A.-M.; Brandner, W.; Ageorges, N.; Lidman, C.; Moorwood, A. F. M.; Spyromilio, J.; Hubin, N.; Menten, K. M. (outubro de 2002). «A star in a 15.2-year orbit around the supermassive black hole at the centre of the Milky Way». Nature. 419 (6908): 694–696. Bibcode:2002Natur.419..694S. PMID 12384690. arXiv:astro-ph/0210426 . doi:10.1038/nature01121 
  34. a b Chou, Felicia; Anderson, Janet; Watzke, Megan (5 de janeiro de 2015). «Release 15-001 – NASA's Chandra Detects Record-Breaking Outburst from Milky Way's Black Hole». NASA 
  35. «Lecture 31: The Center of Our Galaxy» 
  36. Mauerhan, J. C.; Cotera, A.; Dong, H. (2010). «Isolated Wolf-Rayet Stars and O Supergiants in the Galactic Center Region Identified Via Paschen-α Excess». The Astrophysical Journal. 725 (1): 188–199. Bibcode:2010ApJ...725..188M. arXiv:1009.2769 . doi:10.1088/0004-637X/725/1/188 
  37. Støstad, M.; Do, T.; Murray, N.; Lu, J.R.; Yelda, S.; Ghez, A. (2015). «Mapping the Outer Edge of the Young Stellar Cluster in the Galactic Center». The Astrophysical Journal. 808 (2): 106. Bibcode:2015ApJ...108..106S. arXiv:1504.07239 . doi:10.1088/0004-637X/808/2/106 
  38. «UCLA Galactic Center Group» 
  39. «Galactic Center» 
  40. Buchholz, R. M.; Schödel, R.; Eckart, A. (maio de 2009). «Composition of the galactic center star cluster: Population analysis from adaptive optics narrow band spectral energy distributions». Astronomy and Astrophysics. 499 (2): 483–501. Bibcode:2009A&A...499..483B. arXiv:0903.2135 . doi:10.1051/0004-6361/200811497 
  41. Merritt, David (maio de 2011). Morris, Mark; Wang, Daniel Q.; Yuan, Feng, eds. «Dynamical Models of the Galactic Center». San Francisco. The Galactic Center: A Window to the Nuclear Environment of Disk Galaxies. The Galactic Center: A Window on the Nuclear Environment of Disk Galaxies. 439: 142. Bibcode:2011ASPC..439..142M. arXiv:1001.5435  
  42. Chown, Marcus (setembro de 2010). «Something's been eating the stars». New Scientist. 207 (2778): 30–33. Bibcode:2010NewSc.207...30M. doi:10.1016/S0262-4079(10)62278-6 
  43. a b c Aguilar, David A.; Pulliam, Christine (9 de novembro de 2010). «Astronomers Find Giant, Previously Unseen Structure in our Galaxy». Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics. Release No. 2010-22 
  44. «2014 Rossi prize awarded to Douglas Finkbeiner, Tracy Slatyer, and Meng Su». Harvard University. 8 de janeiro de 2014 
  45. Yang, H.-Y. K.; Ruszkowski, M.; Zweibel, E. G. (12 de fevereiro de 2018). «Unveiling the Origin of the Fermi Bubbles». Galaxies. 6 (29): 29. Bibcode:2018Galax...6...29Y. arXiv:1802.03890 . doi:10.3390/galaxies6010029  
  46. Liu Jia, Researchers reveal common origin of Fermi bubbles and galactic center X-ray outflows, phys.org
  47. Chernyakova, Masha (20 de março de 2019). «X-ray chimneys in the Galactic Centre». Springer Nature Publishing. Nature. 567 (7748): 318–320. Bibcode:2019Natur.567..318C. PMID 30894730. doi:10.1038/d41586-019-00811-9  
  48. Krishnarao, Dhanesh; Benjamin, Robert A.; Haffner, L. Matthew (29 de maio de 2020). «Discovery of High-Velocity H-Alpha Above Galactic Center: Testing Models of the Fermi Bubble». arXiv:2006.00010 . doi:10.3847/2041-8213/aba8f0 
  49. «236th Meeting of the American Astronomical Society». www.abstractsonline.com. Consultado em 8 de junho de 2020 
  50. Wang, Q. Daniel (2021). «Chandra large-scale mapping of the Galactic Centre: Probing high-energy structures around the central molecular zone». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 504 (2): 1609–1618. arXiv:2010.02932 . doi:10.1093/mnras/stab801 
  51. «Lights out in the galactic centre». www.eso.org. Consultado em 30 de abril de 2018 
  52. «Hubble captures glittering crowded hub of our Milky Way». www.spacetelescope.org. Consultado em 15 de janeiro de 2018 
  53. «Hubble Spots White Dwarfs in Milky Way's Central Hub». Consultado em 9 de novembro de 2015 

Leitura adicionalEditar