Abrir menu principal

Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Pernambuco

O Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Pernambuco - CFCH -, assim denominado a partir de 1974, resultou da fusão de vários departamentos da antiga Faculdade de Filosofia de Pernambuco, criada em 1950, e do Instituto de Ciências do Homem, havendo sido denominado inicialmente de Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Ocupa uma área de 25.690 metros quadrados, abrigando laboratórios de pesquisa e ensino e uma biblioteca setorial.

DepartamentosEditar

Ciências GeográficasEditar

O Departamento de Ciências Geográficas (DCG) tem uma longa tradição em estudos e pesquisas sobre o semi-árido nordestino, seja através de convênios com instituições como a SUDENE, o FACEPE , o CNPq ou em trabalhos de conceituados geógrafos, a exemplo de Manuel Correia de Oliveira Andrade, Mário Lacerda de Melo, Gilberto Osório de Andrade, Rachel Caldas Lins e outros.

Atualmente o corpo docente, através dos professores Enoque Gomes Cavalcante e Joaquim Correia de Andrade, vem desenvolvendo estudos sobre a ocupação do espaço e a questão ambiental nos municípios de Araripina, Cabrobó e Petrolina em Pernambuco e Juazeiro na Bahia, entre outros, e que serão úteis para alimentar a Rede. Recentemente vem sendo realizados estudos feitos sobre os recursos hídricos do Nordeste, especificamente sobre a relação entre a IRRIGAÇÃO e a DESERTIFICAÇÃO na região do Submédio São Francisco (DIPOLO Petrolina/Juazeiro). Sabe-se que em geral a prática irracional da agricultura irrigada se constitui numa das causas da desertificação. No caso do Brasil, Vasconcelos Sobrinho, entre outros especialistas, mostrou o fenômeno da salinização física (mal uso do solo) e da erosão, assim como outros problemas de natureza física e química decorrentes da irrigação realizada de forma inadequada.

Em sua atuação na REDESERT o DCG já possui informações físicas e sócio-econômicas básicas do município de Cabrobó, em Pernambuco, núcleo identificado pela EMBRAPA, Núcleo DESERT - UFPI e o Projeto Áridas como em processo de desertificação acelerado. Tais estudos foram solicitados pelo Ministério do Meio Ambiente para o desenvolvimento do Plano Nacional de Combate à Desertificação - PNCD.

Com a sua inserção na rede, o DCG tem como objetivos, entre outros, identificar a relação existente entre a irrigação, a desertificação e a questão ambiental; manter diagnósticos atualizados sobre a realidade geográfica das áreas propensas à desertificação no Nordeste; estabelecer técnicas de manejo dos recursos hídricos com vistas ao máximo aproveitamento do uso da água na irrigação; promover um programa permanente de cursos de curta duração para a formação de recursos humanos na questão da desertificação; manter intercâmbio de informações com várias instituições que integram a rede; realizar eventos científicos sobre a questão ambiental, notadamente na questão da desertificação no Semi-Árido nordestino e desenvolver um programa de doutoramento em meio ambiente.

Ciências SociaisEditar

O Departamento de Ciências Sociais é constituído pelo Curso de Graduação, de Bacharelado (diurno) e de Licenciatura (noturno), em Ciências Sociais e os Cursos de Pós-Graduação em Antropologia, Ciência Política e Sociologia, todos com nível de Mestrado e Doutorado. Organiza-se em grupos e núcleos de pesquisa onde o corpo docente e discente juntos trabalham para desenvolver uma visão crítica de assuntos e temas diversos para poder fornecer análise, interpretação e ação sobre especificidades sociais, políticas e culturais da mesma.
No total, são 45 (quarenta e cinco) professores que compõem o Departamento de Ciências Sociais, onde 25 são doutores, 6 são mestres, 6 são especialistas e 8 estão em treinamento de doutorado. Destes, 4 (quatro) estão afastados da vida acadêmica, tendo suas atividades em outros órgãos do governo. O regime de trabalho dos professores do Departamento em sua grande maioria é de dedicação exclusiva, tendo apenas um com o regime de quarenta horas. São nove funcionários técnico-administrativos que se encontram distribuídos junto à secretaria do Departamento, na graduação e nas pós-graduações.
Atualmente, o Departamento conta em seu quadro com 10 professores visitantes, todos com dedicação exclusiva e lecionando na graduação e nas pós-graduações, sendo 3 na área de Antropologia, 3 na área de Ciência Política e 4 na área de Sociologia, conforme suas especialidades.

Pós-Graduação

Antropologia
Oficialmente criado em 1977, sucedendo a cursos de aperfeiçoamento e especialização, estabelecidos desde 1973, o Programa de Pós-Graduação em Antropologia (Página Oficial) mantém cursos regulares de Mestrado em Doutorado em Antropologia, além oferecer cursos especialização na área da Antropologia da Saúde e Antropologia do Desenvolvimento.
O PPGA/UFPE mantém em conjunto com o Departamento de Antropologia da Universidade de Salamanca um Doutorado conjunto onde parte do corpo docente do PPGA/UFPE participa do programa deste Doutorado.

Política Pública
O Programa de Pós-Graduação em Ciência Política (Página Oficial), criado inicialmente como Especialização em 1979, sofreu inúmeras reformulações ao longo de sua história. A última revisão curricular ocorreu durante 1998, aonde se chegou a um currículo enxuto (24 créditos) que permite ao aluno concluir o curso no prazo máximo de 30 meses. Após as mudanças acima mencionadas, as Áreas de Concentração passaram a ser: "Estado e Governo", "Políticas Públicas" e "Política Internacional". As Linhas de Pesquisas são: Processos de Integração Regional, Sistemas Políticos Internacionais Comparados e Políticas Públicas e Participação Social, Relações Civil-Militares e Policiais, Religião e Política, Democracia e Direitos Humanos, Pós-Modernidade e Política, e Globalização, respectivamente.

Sociologia
Pode-se dizer que a institucionalização acadêmica da Sociologia em Pernambuco se completou ao se criar, em 1963, a pós-graduação e a pesquisa no Instituto de Ciências do Homem (ICH) da Universidade do Recife, hoje Universidade Federal de Pernambuco. No ICH, entre outras, foram criadas as Divisões de Economia e de Sociologia, destinadas à pesquisa e ao ensino pós-graduado nessas áreas. Até então, a Sociologia como disciplina universitária estava presente nos cursos de graduação de ciências sociais das Faculdades de Filosofia do Recife e de Pernambuco, no Curso de Serviço Social da Escola de Serviço Social de Pernambuco e em alguns outros cursos dessas duas Faculdades e de outras unidades universitárias, como a Faculdade de Ciências Econômicas.
O Programa de Pós-Graduação em Sociologia (Página Oficial) teve sua origem nos Cursos de Mestrado em Economia e Sociologia ministrados pelas respectivas Divisões, autorizados pelo Conselho Universitário como um programa conjunto em dezembro de 1966 no Instituto de Ciências do Homem. Começaram a funcionar em janeiro de 1967 e foram credenciados pelo Conselho Federal de Educação em 1974 (Parecer 11/74, aprovado pelo CFE em 21 de janeiro de 1974, homologado pelo Ministro da Educação em 1 de agosto de 1974 e publicado no Diário Oficial da União em 22 de agosto de 1974). Em 1968, em conseqüência de reforma universitária, o Mestrado em Sociologia passou a ser localizado institucionalmente no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas e o de Economia, na Faculdade de Ciências Econômicas, embora continuassem fisicamente funcionando no primeiro. Passaram a formar o Programa Integrado de Economia e Sociologia (PIMES), coordenado pela Reitoria da Universidade, assim permanecendo até 1981.
O Curso de Doutorado, com área de concentração em mudança social, devidamente autorizado pelo Conselho Universitário em 15 de agosto de 1994, começou a funcionar em 1995, com a sigla atual de PPGS/UFPE, sendo aprovado pelo DAA/GTC/CAPES em 17 de julho do mesmo ano. Em 2002 o PPGS foi avaliado com a nota 5 pela CAPES , indicando a sua posição de programa consolidado na área.

HistóriaEditar

O curso de História é oferecido pela UFPE desde 1950, sendo oferecido conjuntamente com Geografia até 1958. Em 1967, foi reestruturado, fundindo-se com a Divisão de Método e Pesquisa Histórica do Instituto da Ciência do Homem, formando, desde então, o Departamento de História. Atualmente o CFCH abriga os seguintes departamentos:

Departamento de Filosofia;

Departamento de Ciência Política;

Departamento de Antropologia e Museologia

Departamento de Sociologia;

Departamento de Arqueologia

Departamento de História;

Departamento de Psicologia;

Departamento de Geografia.

Responsáveis pelos cursos de bacharelado e licenciatura de Filosofia, Ciência Política, Ciências Sociais, Museologia, Arqueologia, História, Psicologia e Geografia.

Pós-Graduação

  • Arqueologia e Patrimônio (Mestrado e Doutorado)
  • História (Mestrado e Doutorado)

Unidades

  • Grupo de Pesquisa Sociedade e Natureza
  • Laboratório de Antropologia Visual
  • Laboratório de Arqueologia Histórica
  • Laboratório de Informática
  • Laboratório de Pesquisa e Ensino de História
  • Laboratório de Preservação do Patrimônio
  • Laboratório do Núcleo de Estudos Arqueológicos
  • Setor de Documentação Oral

PsicologiaEditar

Página Oficial
O Departamento de Psicologia da UFPE teve suas origens na Divisão de Psicologia do Instituto de Ciências do Homem, criada em 1963. Com a reforma universitária, na década de 1970, essa Divisão foi transformada em Departamento do Centro de Filosofia e Ciências Humanas.

De acordo com a sua finalidade básica de promover o ensino, a pesquisa e a extensão o Departamento apresenta o compromisso com a formação de recursos humanos para as universidades e a sociedade em geral e com a produção do conhecimento psicológico, respeitando o pluralismo de perspectivas teóricas e metodológicas para se adequar à complexidade de seu objeto de investigação.

O Departamento é responsável pelo Curso de Graduação em Psicologia, pela Pós-Graduação em Psicologia, área de concentração em Psicologia Cognitiva, pela Clínica Psicológica da UFPE, tem oferecido cursos de Especialização na área de Psicologia Escolar, oferece também disciplinas em cursos (graduação e pós-graduação) de outros Departamentos desta Universidade. Os docentes se organizam em grupos ou laboratórios que desenvolvem várias atividades de pesquisa e extensão.

O Curso de Graduação em Psicologia recebeu autorização para funcionar em 1971, sendo reconhecido pelo Conselho Federal de Educação em 1977. Oferece habilitação em Bacharelado e em Formação de Psicólogo. Atualmente, o curso oferece 80 vagas anuais (40 em cada semestre) para entrada via vestibular, apresentando uma média de 400 alunos por semestre.

Desde 1976 é mantido um Mestrado em Psicologia Cognitiva. Este programa recebeu de 1981 a 1998, ininterruptamente, a classificação de Nível A na avaliação da CAPES. Além desse, é oferecido um novo Mestrado em 3 linhas de pesquisa: Processos Básicos em Psicologia e Neurociências, Processos Sociointerativos e Desenvolvimento Humano e Processos Psicossociais, Poder e Práticas Coletivas.

Em 1998, teve início o Programa de Doutorado, também com área de concentração em Psicologia Cognitiva. Deste então, a UFPE passou a oferecer o único Curso Pleno de Pós-Graduação em Psicologia (Mestrado e Doutorado) fora do eixo Sul-Sudeste-DF. Nas avaliações mais recentes da CAPES, o Curso (Mestrado e Doutorado) recebeu a classificação Nível 6, mantendo sua tradição de excelência.

Unidades

  • Clínica Psicológica
criada em 1980 com o objetivo de servir de campo de estágio curricular aos alunos de Psicologia, oferecer prioritariamente à comunidade universitária um serviço de atendimento psicológico ligado às diferentes especializações dos professores do Departamento da área de Psicologia Clínica, na década de 80. Enquanto Clínica-Escola, ligada a uma instituição universitária, ela tem contribuído para a formação de alunos do Curso de Graduação em Psicologia e do Curso de Especialização em Clínica, oferecido anteriormente pelo Departamento, à medida que além de oferecer um local de estágio para os alunos, desenvolve outras atividades, tais como: reuniões de estudo de casos, de supervisão, do setor de recepção, grupos de estudo e de intercâmbio e a presença de profissionais cujas produções possam trazer enriquecimento aos trabalhos ali desenvolvidos.
  • Centro de Estudos, Pesquisa e Atenção à Saúde Mental (CEPASM)
  • Laboratórios
Laborátório de Interação Social Humana (LABINT)
Laboratório de Percepção Visual (LABVIS)
Laborátório de Pesquisa em Psicologia Clínica (LABCLIN)
Grupo de Estudos e Orientação Psicopedagógica (GEOP)
Laborátório de Comunicação e Linguagem na 1ª Infância (LABCOM)
Laboratório de Estudos da Linguagem e da Leitura
Laboratório de Software Educativo e Desenvolvimento de Conceitos Matemáticos
Laboratório de Aprendizagem e Desenvolvimento de Conceitos Matemáticos e Científicos
  Este artigo sobre educação ou sobre um educador é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.