Cerco de Jerusalém (614)

Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o cerco pelo Império Sassânida no século VII. Para outros significados, veja Cerco de Jerusalém.

O Cerco de Jerusalém foi parte das Guerras Romano-Sassânidas, realizado durante o reinado de Cosroes II a princípios do século VII em território bizantino.[1] Por causa dos avanços persas na Palestina no ano anterior, o seguinte objetivo do general Sarbaro passou a ser a famosa cidade de Jerusalém, controlada pelo Império Bizantino. Sua conquista proporcionaria um atalho ao mar Mediterrâneo, além disso, a cidade seria um lugar estratégico para o Império Sassânida no qual começar a construção de uma frota naval e que sem dúvida debilitaria ao Império Bizantino. Depois de 21 dias de incessante assédio, as muralhas de Jerusalém cederam aos persas e a vitória deu lugar à anexação territorial de Jerusalém, e com ela, de toda Palestina.

Cerco de Jerusalém
Guerras Romano-Sassânidas
Data 614
Local Jerusalém (Palestina Prima)
Desfecho Decisiva vitória sassânida-judaica.
Mudanças territoriais Jerusalém e Palestina são anexados pelo Império Sassânida
Beligerantes
Império Bizantino Império Sassânida
Aliados judeus
Comandantes
Patriarca Zacarias Sarbaro
Baixas
90 000 mínimas

Como resultado, a cidade foi saqueada e a Vera Cruz foi levada de volta para a Pérsia, juntamente com diversos prisioneiros cristãos, entre eles o patriarca Zacarias de Jerusalém.

ReferênciasEditar

  1. «The Bible and Interpretation - Article name». www.bibleinterp.com. Consultado em 28 de outubro de 2020 
  Este artigo sobre batalhas (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.