Abrir menu principal

Cerimônia de abertura dos Jogos Paralímpicos de Verão de 2016

Cerimônia de abertura dos Jogos Paralímpicos de Verão de 2016
Maracanã durante a cerimônia de abertura
Participantes 161 países
Localização Estádio do Maracanã, Rio de Janeiro
Data 7 de setembro de 2016

A cerimônia de abertura dos Jogos Paralímpicos de Verão de 2016 ocorreu na noite de 7 de setembro de 2016 no Estádio do Maracanã, Rio de Janeiro, a partir das 18:30 (21:30 UTC).

Índice

PreparaçõesEditar

O tema da cerimônia foi "todos tem um coração"; o escritor e diretor Marcelo Rubens Paiva afirmou que a cerimônia se concentraria "na humanidade, os sentimentos, as dificuldades, a solidariedade e o amor" e "evoca emoção, risos e lágrimas".[1] Pelo menos 2.500 pessoas estiveram envolvidas na cerimônia, incluindo 500 profissionais criativos e 2.000 voluntários.[1] A coreografia foi coordenada por Cassi Abranche, do Grupo Corpo.[2]

Em 2 de setembro de 2016, o diretor Fred Gelli revelou que a cerimônia contaria com a atleta paralímpica americana de snowboard e participante do Dancing with the Stars Amy Purdy, que apresentaria uma rotina de dança contemporânea, inspirada em samba com um "parceiro surpresa".[3] Apesar de não fornecer detalhes específicos, e em meio a questões financeiras maiores que cercam os Jogos, Flávio Machado afirmou que o orçamento da cerimônia seria fiscalmente responsável, explicando que o seu orçamento "foi suficiente para fazer o que queríamos criar. Não foi um problema e não vai ser um desculpa ".[1]

Em 6 de setembro de 2016, foi anunciado que o presidente do Comitê Olímpico Internacional Thomas Bach iria perder a cerimônia de abertura, a fim de assistir ao funeral do ex-presidente da Alemanha Ocidental Walter Scheel. O delegado do COI para esportes de deficientes Sam Ramsamy participou da cerimônia em seu lugar. É a primeira vez desde 1984 que o atual presidente do COI não participou da cerimônia de abertura de uma Paraolimpíada.[4]

SinopseEditar

Editar

 
Aaron Fotheringham entra no estádio em uma rampa.

A cerimônia começou com um segmento pré-gravado, com Philip Craven, presidente do Comitê Paraolímpico Internacional. Depois de seu voo direto para o Rio ser cancelado, Craven voou para Belém, viajando em sua cadeira de rodas através de várias cidades brasileiras a caminho do Rio de Janeiro, e visitou o Cristo Redentor antes de entrar no estádio.[5][6] A contagem regressiva de dez foi realizada usando números que se desenrolaram a partir do cobertura superior do estádio. Para a conclusão da contagem regressiva, o dublê em cadeira de rodas Aaron "Wheelz" Fotheringham desceu uma rampa, saltando através de um grande número "0" e realizou um mortal em uma almofada de ar.[7] O primeiro segmento da parte cultural da cerimônia homenageou à invenção da roda, com círculos de samba e artistas que foram ao palco em cadeiras de rodas.[8]

O segmento seguinte prestou homenagem às praias do Rio de Janeiro, incluindo artistas "surfando" em skates projetados no chão. O atleta paralímpico brasileiro Daniel Dias apareceu no segmento.[9] Este momento foi seguido por uma homenagem a influência africana sobre a cultura brasileira.[5] O Hino Nacional Brasileiro foi realizado no piano por João Carlos Martins, enquanto artistas dispostos no chão do estádio formaram a bandeira do Brasil.[8][7][9]

Desfile das naçõesEditar

 
A delegação bielorrussa no desfile das nações levando as bandeiras russa e bielorrussa.

Delegações que representaram 161 Comitês Paraolímpicos Nacionais desfilaram no estádio, liderada pelos atletas independentes. Cada equipe foi acompanhada por uma pessoa que levava um sinal em forma de peça de quebra-cabeça com o nome do país em português. O inverso de cada peça foi adornada com as fotos dos atletas que participavam. Em protesto contra o banimento da Rússia dos Jogos devido a um escândalo de doping, um atleta bielorrusso carregou a bandeira da Rússia ao entrar no estádio.[8][5][7] Depois de todos os atletas entrarem, as peças de quebra-cabeça formaram uma imagem de um coração batendo.[9][5]

AberturaEditar

A entrada dos atletas foi seguida pelo discurso de abertura do chefe do Comitê Organizador do Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman, que convidou os atletas a "jogar limpo, respeitar as regras e, acima de tudo, se divertir fazendo o que você fazem de melhor"; Durante seu discurso, Nuzman foi vaiado por fãs presentes após ele agradecer os governos locais por suas contribuições para a organização dos Jogos Paraolímpicos. O discurso de Nuzman foi seguido por um discurso do presidente IPC Philip Craven, em que ele chamou os espectadores para "ver o verdadeiro significado do esporte e a verdadeira definição de capacidade", explicando que "em um país que tem enfrentado grandes desafios, as Paralímpiadas vão mudar seu foco de limitações percebidas, a um mundo cheio de possibilidades e oportunidades infinitas. Eles vão surpreendê-los, inspirar e excitar vocês, mas acima de tudo eles vão mudar." Os Jogos foram oficialmente abertos pelo Presidente do Brasil, Michel Temer, que também foi vaiado.[10][7][8][11][12]

Segmentos culturaisEditar

 
Amy Purdy dança ao lado de um braço robótico.

Um segmento representando a visão apresentou dançarinos vestidos de preto, enquanto carregavam bastões de luz branca, seguidos por uma rotina por um par de dançarinos amblíopes auxiliados por um piso tátil.[6][7][9] Isto foi seguido por segmentos em homenagem aos esportes que seriam apresentados durante os Jogos.[6] O emblema Paraolímpico foi formado no chão da arena, seguido pela entrada e hasteamento da bandeira paraolímpica; a bandeira foi trazida por membros da Associação de Assistência à Criança Deficiente (uma organização para deficientes jovens), e uma montagem de atletas paraolímpicos foi mostrada enquanto a bandeira era levantada. Na sequência da tomada dos juramentos, Amy Purdy também realizou uma rotina de dança, juntamente com um braço robótico KUKA para simbolizar a co-existência de seres humanos e tecnologia.[13][12]

Acendimento da pira paralímpicaEditar

A pira olímpica foi acesa no Maracanã sob chuva. A chama paraolímpica foi levada ao estádio pelo corredor Antônio Souza, que passou a tocha para a ex-atleta Marcia Malsar. Malsar escorregou e caiu no chão encharcado de chuva, deixando a tocha cair. Depois de se recuperar, ela passou a tocha para Ádria Santos, que em seguida entregou a tocha para o nadador brasileiro Clodoaldo Silva. Confrontado com escadas que levavam a pira, elas se abriram para revelar uma rampa para cadeirantes, que ele usou para chegar a pira e acendê-la.[9][12][6]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c «Paralympic opening ceremony to celebrate 'solidarity, love, heart'». Xinhua News Agency. Consultado em 4 de setembro de 2016 
  2. «Coreógrafa do Grupo Corpo faz direção de abertura da Paralimpíada Rio 2016». Estado de Minas. 21 de Agosto de 2016. Consultado em 4 de Setembro de 2016 
  3. «Opening Ceremony to star Amy Purdy with 'surprise partner'». IPC. Consultado em 4 de setembro de 2016 
  4. «Exclusive: IOC President to miss Opening Ceremony of Paralympic Games for first time in 32 years». InsideTheGames.biz. Consultado em 6 de setembro de 2016 
  5. a b c d «Start of the 2016 Paralympics: opening ceremony in Rio – as it happened!». The Guardian. Consultado em 8 de setembro de 2016 
  6. a b c d «As it happened: Rio 2016 Paralympics opening ceremony». Australian Broadcasting Corporation. Consultado em 8 de setembro de 2016 
  7. a b c d e «Rio Paralympics 2016: Brazil president booed at opening ceremony». BBC Sport. Consultado em 8 de setembro de 2016 
  8. a b c d «Paralympics: Belarus stages pro-Russia protest during opening ceremony». The Guardian. Consultado em 8 de setembro de 2016 
  9. a b c d e «Brazilian athlete defines the Paralympic spirit at the Opening Ceremony: Former gold medalist bravely picks herself up after falling in torrential rain and dropping the torch». Daily Mail. Consultado em 8 de setembro de 2016 
  10. «Colourful and joyous – Rio knows how to put on a show». IPC. Consultado em 8 de setembro de 2016 
  11. «Newly-installed Brazilian President booed as he opens Rio 2016 Paralympic Games». InsideTheGames.biz. Consultado em 8 de setembro de 2016 
  12. a b c «Games on! Brazil welcomes the Paralympics». IPC. Consultado em 8 de setembro de 2016 
  13. «In Paralympics Opening Ceremony, Amy Purdy of 'Dancing With the Stars' rocks her running blades». Washington Post. Consultado em 8 de setembro de 2016