Chakaia Booker (nascida em 1953 em Newark, Nova Jersey) é uma escultora estadunidense conhecida por criar obras monumentais e abstratas para galerias e espaços públicos ao ar livre. As obras de Booker estão contidas em mais de 40 coleções públicas e foram exibidas nos Estados Unidos, Europa, África e Ásia. Booker foi incluída na Bienal do Museu Whitney de 2000, recebeu uma bolsa Guggenheim em 2005 e um prêmio da Academia Americana de Artes e Letras para Arte em 2001. Booker viveu e trabalhou no East Village de Nova York desde o início dos anos 1980 e mantém um estúdio de produção em Allentown, Pensilvânia.

Chakaia Booker
Nascimento 1956
Newark, New Jersey, EUA
Nacionalidade norte-americana
Área escultura
Formação Universidade de Rutgers, City College de Nova York
Página oficial
https://chakaiabooker.com/

Booker é mais conhecida por seu uso inovador e exclusivo de pneus de borracha reciclada, seu principal material escultural. A borracha forneceu a Booker a capacidade de trabalhar em um formato modular em uma escala monumental, mantendo um movimento fluido e uma sensação gestual. Além de pneus de borracha, Booker também utiliza aço inoxidável e tecido para criar obras esculturais. Em 2009, Booker iniciou uma exploração aprofundada da gravura, criando um grupo significativo de trabalhos gráficos, amplamente focados no processo de xilogravura. A abordagem de Booker aos processos de impressão é uma reminiscência de seus métodos de trabalho modulares na escultura. A gravura tornou-se uma parte regular da produção artística de Booker e, assim como o uso da borracha, Booker inventou maneiras únicas de manipular materiais e processos.

Infância e educação editar

Chakaia Booker nasceu em 1953 em Newark, New Jersey e cresceu na cidade vizinha East Orange. Ela aprendeu a costurar com sua avó, tia e irmã. Consertar, reparar e manipular materiais no início da vida foi fundamental para a abordagem posterior de Booker à arte, cerâmica e escultura usáveis, especificamente com o uso de padrão, repetição e construção modular.

Booker recebeu um BA em sociologia da Universidade Rutgers em 1976 e um Mestrado em Belas Artes do City College of New York em 1993.[1] Ela estudou dança africana, cerâmica, tecelagem, cestaria e tai chi, todos os quais influenciaram sua arte.[1]

Ela mora e trabalha no East Village de Nova York desde o início dos anos 1980. Na década de 1990, ela começou a trabalhar com materiais descartados de construção e pneus de borracha, que evoluíram para seu estilo artístico. Ela mantém um estúdio de produção em Allentown, Pensilvânia, para fabricação de obras públicas e de grande escala. Booker atuou nos conselhos do International Sculpture Center e do Socrates Sculpture Park.

Carreira editar

A partir da década de 1980, Booker criou esculturas vestíveis nas quais ela poderia se colocar dentro e utilizar como roupa. "A escultura de vestuário usável era sobre como obter energia e sensação de um design desejado".[2] No início dos anos 1990, Booker começou a criar grandes esculturas ao ar livre a partir de materiais descartados encontrados em canteiros de obras, incluindo pneus de borracha, um meio no qual ela continua trabalhando. Os vários padrões, cores e larguras dos pneus criam uma paleta para Booker semelhante à paleta de um pintor. O uso de pneus por Booker sugere uma série de preocupações estéticas, políticas, culturais e econômicas. Eles podem ser considerados uma referência à paisagem urbana do norte de Nova Jersey ou um lembrete de como os modos de transporte mudaram desde a era industrial.[1][3] As esculturas de pneus também podem ser consideradas para abordar a identidade afro-americana: seus pigmentos e texturas variados podem ser interpretados como uma representação da variedade de tons de pele afro-americanos.[4] A resiliência do mateiral foi vista como "uma metáfora convincente da sobrevivência da identidade afro-americana no mundo moderno".[5] Os padrões de pneus em seu trabalho também podem se referir a elementos da cultura africana, incluindoescarificação, pintura corporal e tecidos tradicionais.[6]

O trabalho de Booker também lida com temas de classe, trabalho e gênero. "Echoes in Black (Industrial Cicatrization)" de 2000, lida com a escarificação emocional e física que as pessoas experimentam na vida. Sua peça "No More Milk and Cookies" de 2003 "questiona nossa sociedade voltada para o comércio e o que acontece quando o consumo é proibido".[7] Sua peça de 2001 "Wench (Wrench) III" é uma escultura surrealista que subverte uma chave de mecânico muito masculina em um boá de penas feminino. A peça "Spirit Hunter" é uma reminiscência de imagens de vida e morte, bem como uma abordagem feminista do nascimento e da sexualidade.[8]

Obras e exposições editar

Chakaia Booker atualmente trabalha e reside na cidade de Nova York. Seu trabalho faz parte da coleção permanente do Metropolitan Museum of Art, do Museu de Arte de Akron, do Johnson Museum of Art da Universidade Cornell, das galerias Max Protetch e June Kelly em Nova York, entre outros. Ela participou de exposições coletivas e individuais em lugares como o Museu de Arte Neuberger, o Museu de Arte de Akron, a Galeria Marlborough, a Galeria Sandler Hudson em Atlanta, Geórgia, e o MoMA PS1 no Queens, bem como na exposição "Twentieth Century American Sculpture" realizada na Casa Branca em 1996. Em 22 de junho de 2008, Booker expôs "Chaikaia Booker: Mass Transit" em Indianápolis, Indiana. Esta exposição de arte pública apresentou 10 esculturas "criadas pela artista após sua visita a Indianápolis e sua pesquisa sobre a história e o patrimônio da cidade".[9]

O National Museum of Women in the Arts exibiu seus trabalhos no The New York Avenue Sculpture Project (2012), FOREFRONT: Chakaia Booker (2006) e Reaching for the Stars through Art (1998).[10] O Museu de Arte da Geórgia em Athens também exibiu seu trabalho em uma exposição intitulada Defiant Beauty, que esteve em exibição de abril de 2012 a 2013.[11] Vários de seus trabalhos também foram exibidos no Garment District da cidade de Nova York de junho a novembro de 2014.[12] Booker é uma das nove artistas contemporâneas com trabalhos em exibição na Galeria Wonder da Galeria Renwick no Museu Smithsoniano de Arte Americana em Washington, DC.[13] A escultura em exibição era "It's So Hard to be Green", que também foi exibida na Bienal do Museu Whitney de 2000.[14] A escultura de Booker, Position Preferred, estava em exibição no McNay Art Museum em 2020.[15]

Em maio de 2021, sua exposição "Chakaia Booker: The Observance" foi exibida no Instituto de Arte Contemporânea em Miami.[16] Em 2021, o Oklahoma Contemporary exibiu sua exposição Shaved Portions.[17]

Obras notáveis em coleções públicas editar

Prêmios, comissões e residências editar

Prêmios e residências selecionados editar

Comissões selecionadas editar

Referências editar

  1. a b c Mathew Guy Nichols "Chakaia Booker: Material Matters", Art in America V. 92 No. 6 (June/July 2004)164-169
  2. Jan Garden Castro "The Language of Life: A Conversation with Chakaia Booker", Sculpture, V. 22 No. 1
  3. Masson, Lucinda (março de 2007). «The Putney School Gallery, Michael S. Currier Center/Putney, VT: Chakaia Booker: Sculpture.». Art New England. 28 (2): 36. Consultado em 2 de fevereiro de 2017 
  4. Wei, "Queen of Rubber Soul", 88
  5. Nichols, "Chakaia Booker: Material Matters", 167
  6. Nichols, "Chakaia Booker: Material Matters", 166
  7. Castro, "The Language of Life: Chakaia Booker", 29
  8. «Decordova» 
  9. «Downtown Dedication Marks Debut of Public Art Exhibition – Newsroom – Inside INdiana Business with Gerry Dick». Arquivado do original em 19 de jul. de 2011 
  10. «Chakaia Booker». National Museum of Women in the Arts. Consultado em 11 de março de 2017 
  11. «Defiant Beauty: The Work of Chakaia Booker». Georgia Museum of Art. Consultado em 11 de março de 2017 
  12. «Where the Rubber Meets the Road: Garment District Selects Virtuoso Artist Chakaia Booker for Public Installation» (PDF) (press release). Garment District NYC. garmentdistrictnyc.com. 14 de abril de 2014. Consultado em 17 de dezembro de 2017. Arquivado do original (PDF) em 12 de agosto de 2014 
  13. «Wonder Gallery». Renwick Gallery. 13 de novembro de 2015. Consultado em 11 de novembro de 2015 
  14. Ault, Alicia (24 de novembro de 2015). «Artist Chakaia Booker Gives Tires a Powerful Retread». Smithsonian Magazine. Consultado em 11 de março de 2017 
  15. «What to do in San Antonio Today: July 29». San Antonio Magazine (em inglês). 28 de julho de 2020. Consultado em 8 de setembro de 2020 
  16. Aboreden, Ashley-Anna (18 de maio de 2021). «Chakaia Booker's Craftsmanship Is on Display at ICA Miami». Miami New Times. Consultado em 2 de junho de 2021 
  17. «Oklahoma Contemporary Exhibitions». Mutual Art. MutualArt Services, Inc. Consultado em 17 de dezembro de 2021 
  18. «Shhh». PyramidHill. Pyramid Hill Sculpture Park and Museum. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  19. «Mother and Child». Zimmerli Museum. Rutgers University. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  20. «Blue Bell». Allen Art Collection. Oberlin College. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  21. «Acquisition: Chakaia Booker». NGA. National Gallery of Art. 18 de agosto de 2022. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  22. «Sweet Dreams». Brooklyn Museum. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  23. «When Thoughts Collide». Herbert F. Johnson Museum of Art. Cornell University. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  24. «Acid Rain». NMWA. National Museum of Women in the Arts. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  25. «El Gato». KemperArt. Kemper Museum of Contemporary Art. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  26. «India Blue». FlintArts. Flint Institute of Arts. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  27. «It's Like This». ArtsBMA. Birmingham Museum of Art. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 18 de maio de 2022 
  28. «Artwork on Second Floor - Reynolds Library». Philander Smith College African American Art Collection. Philander Smith College. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  29. «Raw Attraction». MetMuseum. Metropolitan Museum of Art. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  30. «Urban Butterfly». Davis Museum. Wellesley College. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  31. «Urban Mask». NMAAHC. Smithsonian Institution. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  32. «Untitled». BrooksMuseum. Memphis Brooks Museum of Art. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  33. «A Moment in Time». StormKing. Storm King Art Center. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  34. «Echoing Factors». Brooklyn College Library. City University of New York. Consultado em 15 de novembro de 2022 
  35. «Quality Time». RISDMuseum. Rhode Island School of Design. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  36. «Quality Time». Whitney. Whitney Museum. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  37. «Quality Time». Yale Art Gallery. Yale University. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  38. «Rendezvous». Meijer Gardens. Frederik Meijer Gardens and Sculpture Park. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  39. «Urban Excursion». Meijer Gardens. Frederik Meijer Gardens and Sculpture Park. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  40. «Position Preferred». McNayArt. McNay Art Museum. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  41. «Remembering Columbia». Flickr. National Aeronautics and Space Administration. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  42. «Four Twenty One». Driskell Center. University of Maryland, College Park. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  43. «Four Twenty One». Yale Art Gallery. Yale University. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  44. «Untitled». Davis Museum. Wellesley College. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  45. «Untitled woodcut and chine collé». LOC. Library of Congress. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de novembro de 2022 
  46. «National Museum of African American History and Culture: Public Art, First Floor». NMAAHC. Smithsonian Institution. 19 de setembro de 2016. Consultado em 15 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 23 de abril de 2022 

Ligações externas editar

 
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Chakaia Booker