Charles-Ferdinand Walsin Esterhazy

Charles-Ferdinand Walsin Esterhazy
Comandante Esterházy (1898).
Nascimento 16 de dezembro de 1847
Paris
Morte 21 de maio de 1923 (75 anos)
Harpenden
Sepultamento Hertfordshire
Cidadania França
Progenitores Pai:Ferdinand Walsin Esterhazy
Alma mater Lycée Condorcet
Ocupação militar, espião
Empregador La Libre Parole

Marie Charles Ferdinand Walsin Esterházy (Paris,16 de Dezembro de 1847 - Harpenden, 21 de Maio de 1923) foi um oficial do exército francês que se veio a provar culpado do crime de traição do qual o oficial Alfred Dreyfus, de origem judaica, havia sido injustamente condenado.[1] Esterhazy havia sido o verdadeiro autor do le bordereau, documento usado para acusar Dreyfus.

Esterhazy era aparentado a uma nobre família húngara da qual uma parte se estabelecera em França nos finais do século XVII, tendo o patriarca de então organizado um regimento de cavalaria húngara (hussardo).

A partir de 1903 instala-se na Inglaterra, atuando como correspondente do jornal anti-dreyfusista La Libre Parole. Em 1908 passa a viver na cidade de Harpenden, no leste da Inglaterra, dissimulando sua identidade sob o nome de Conde Jean de Voilemont. De 1911 a 1917, redige artigos para o jornal L'Éclair.

Esterhazy morreu em Harpenden sem jamais ter sido condenado.

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Charles-Ferdinand Walsin Esterhazy». Biblioteca Nacional da Alemanha (em alemão). Consultado em 16 de maio de 2020 
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Charles-Ferdinand Walsin Esterhazy