Charlie and the Chocolate Factory (filme)

filme de 2005 dirigido por Tim Burton

Charlie and the Chocolate Factory (bra A Fantástica Fábrica de Chocolate[4]) é um filme de fantasia de 2005, dirigido por Tim Burton. É a segunda adaptação para o cinema do livro britânico homônimo de 1964 , de Roald Dahl e estrelado por Johnny Depp como Willy Wonka e Freddie Highmore como Charlie Bucket.

Charlie and the Chocolate Factory
Cartaz promocional
No Brasil A Fantástica Fábrica de Chocolate
 Estados Unidos
 Reino Unido
 Austrália[1]
2005 •  cor •  115 min 
Direção Tim Burton
Produção Brad Grey
Richard D. Zanuck
Michael Siegel
Roteiro John August
Baseado em Charlie and the Chocolate Factory, de Roald Dahl
Elenco Johnny Depp
Freddie Highmore
David Kelly
Helena Bonham Carter
Deep Roy
AnnaSophia Robb
ver mais
Gênero fantasia
comédia
aventura
Música Danny Elfman
Cinematografia Philippe Rousselot
Edição Chris Lebenzon
Companhia(s) produtora(s) Village Roadshow Pictures
The Zanuck Company
Plan B Entertainment
Theobald Film Productions
Tim Burton Productions
Pinewood Studios
Distribuição Warner Bros.
Lançamento 15 de Julho de 2005 (eua)[2]
Idioma inglês
Orçamento US$150 milhões[3]
Receita US$ 474 968 763[2]
Cronologia
Willy Wonka and the Chocolate Factory

EnredoEditar

Charlie Bucket é um garoto pobre que vive com os pais (Senhor e Senhora Bucket) e avós (Joe, Georgina, Josephine e George Bucket) numa pequena e miserável casa (provavelmente em Londres). Ele é um grande fã de chocolate, do qual ganha apenas uma barra e somente no dia de seu aniversário, da marca do maior fabricante de chocolate do país: Willy Wonka, cuja enorme e enigmática fábrica está situada bem perto de sua humilde casa.

A família tem trabalhado muito desde que o pai de Charlie, Senhor Bucket (Noah Taylor) perdeu seu emprego na fábrica de pasta de dentes da cidade. Eis que Willy Wonka lança uma estranha promoção: em suas Barras de Chocolate Wonka foram colocados cinco convites dourados, que davam a quem os achasse o direito de passar um dia visitando a fábrica. Charlie, então, abre seu presente anual mais cedo, mas não consegue encontrar o Convite Dourado.

A primeira criança a encontrar o Convite Dourado é Augustus Gloop, que mora em Düsseldorf, Alemanha. Era de se esperar que Augustus ganhasse o Convite Dourado, já que come muitas barras por dia. A segunda pessoa a achar o convite foi Veruca Salt, residente de Buckinghamshire, Inglaterra. Veruca sempre consegue tudo o que quer, e atazanou o pai até conseguir um Convite. Porém, não foi o senhor Salt que o deu, nem a senhora Salt, mas sim as empregadas da fábrica de nozes do senhor Salt. A terceira ganhadora foi Violet Beauregarde que vive em Atlanta, Geórgia, e que tem entre seus hábitos a luta de caratê e a arte de mascar chiclete. Em suas palavras e nas de sua mãe ela "é uma vencedora". E até o fato de ela, com apenas 10 anos, ter 263 troféus e medalhas é impressionante. Do que ela parece mais gostar é de seu recorde mundial de mascar chicletes. O quarto ganhador foi Mike Teavee, que mora no Denver, Colorado. Mike é um garoto prepotente, mal-humorado e metido a sabe-tudo, além de ser viciado em televisão e videogames e não mostra nenhum interesse por ter ganho um Convite Dourado. O menino encontrou o convite com contas complicadas, precisando comprar apenas um chocolate, embora deteste chocolate, o que torna um enigma o porquê de querer visitar a fábrica.

Ao que parecia, o último convite foi achado por uma pessoa da Rússia, mas descobriu-se que o convite era falso – exatamente na hora em que Charlie encontrava o último convite e saía correndo para a casa de seus pais. Uma mulher ofereceu 500 dólares de presente para Charlie em troca do convite, mas o dono da loja onde Charlie comprou a barra mandou-a e a outro interesseiro deixá-lo em paz, dizendo a ele não dar o convite a ninguém.

Charlie iria dar o convite para a mulher ou outro que aceitasse pagar bem por ele, mas por insistência de seu vovô George, que embora fosse resmungão mostra-se um homem sensato, resolveu não dar o convite, e ir à fábrica acompanhado de seu avô Joe, que já havia trabalhado na fábrica há muitos anos. O horário de comparecimento à fábrica era às 10 horas da manhã.

Na Fábrica de Chocolate de Wonka, as crianças conhecem Willy Wonka e seus estranhos empregados, os Oompa-Loompas de apenas cerca de 30 centímetros de altura. Na Fábrica, cada uma das crianças egoístas recebe um castigo e uma música, composta pelos Oompa Loompas. O primeiro a ir embora é Augustus Gloop, num acidente na sala do chocolate. A segunda é Violet Beauregarde, num acidente na importante sala de invenções. A terceira é Veruca Salt na sala de nozes. O quarto é Mike Teavee na sala que ele próprio escolheu. Só sobrou Charlie.

Charlie ganhou a Fábrica, mas a recusou, já que não poderia levar sua família. O jovem garoto ajudou Willy Wonka a resolver os problemas com seu pai, o Dr. Wilbur Wonka (Christopher Lee), que exageradamente proíbia Willy Wonka de comer doces quando ele era criança. No fim, Charlie ganhou a Fábrica de Chocolate e Willy Wonka, uma família.

ElencoEditar

Personagem Ator/Atriz
Willy Wonka Johnny Depp
Charlie Bucket Freddie Highmore
Vovô Joe David Kelly
Oompa-Loompas Deep Roy
Sra. Bucket Helena Bonham Carter
Sr. Bucket Noah Taylor
Sra. Beauregarde Missi Pyle
Sr. Salt James Fox
Dr. Wilbur Wonka Christopher Lee
Sr. Teavee Adam Godley
Sra. Gloop Franziska Troegner
Violet Beauregarde AnnaSophia Robb
Veruca Salt Julia Winter
Mike Teavee Jordan Fry
Augustus Gloop Philip Wiegratz
Jovem Willy Wonka Blair Dunlop
Vovó Georgina Liz Smith
Vovó Josephine Eileen Essell
Vovô George David Morris
Príncipe Pondicherry Nitin Ganatra
Vendedor Oscar James
Cara na loja Roger Frost
Narrador - voz Geoffrey Holder

ProduçãoEditar

Desenvolvimento para outra adaptação de Charlie and the Chocolate Factory, filmado anteriormente como Willy Wonka & the Chocolate Factory, começou em 1991, 20 anos após a primeira versão do filme, que resultou na Warner Brothers proporcionando a Dahl Estate com total controle artístico. Antes do envolvimento de Burton, diretores como Gary Ross, Rob Minkoff, Michael Caton-Jones, Martin Scorsese e Tom Shadyac tinham sido envolvidos, enquanto a Warner Bros. considerou ou discutiu o papel de Willy Wonka, com Robin Williams, Dustin Hoffman, Nicolas Cage, Steve Martin, Jim Carrey, Christopher Walken, Michael Keaton, Brad Pitt, Will Smith e Adam Sandler.[4]

Burton trouxe imediatamente colaboradores regulares Johnny Depp e Danny Elfman a bordo do projeto. Charlie and the Chocolate Factory representa a primeira vez desde The Nightmare Before Christmas, que Elfman contribuiu para a trilha sonora com canções escritas e seus vocais. As filmagens ocorreram entre Junho e Dezembro de 2004, no Pinewood Studio, no Reino Unido, onde Burton evitou usar efeitos digitais, tanto quanto possível.

Burton estava encontrando problemas para encontrar um ator para o papel de Charlie, até Depp, que trabalhou com Freddie Highmore em Finding Neverland, sugeriu Highmore para o papel.[4] Highmore já tinha lido o livro antes, mas decidiu lê-lo mais uma vez antes da audição.[5] "Eu não tinha visto o filme original antes de fazer Charlie and the Chocolate Factory", explicou o ator. "Eu pensei que era melhor esperar até mais tarde, porque eu pensei que eu deveria criar meu Charlie sozinho. Acho que o filme original é bom, mas eu acho que é melhor agora, porque Charlie é mantido mais puro".[6]

Foram feitas comparações entre Willy Wonka e Michael Jackson. Burton brincou: "Aqui está o negócio. Há uma grande diferença: Michael Jackson gosta de crianças, Willy Wonka não pode suportá-los. Para mim, isso é uma diferença enorme."[7] Depp explicou que as semelhanças com Jackson nunca lhe ocorreram. "Eu digo se havia alguém que você gostaria de comparar a Wonka seria um Howard Hughes, quase. Recluso, misofóbico, controlador.[8] A outra inspiração de Depp para Wonka veio do glamour dos astros de rock dos anos 70.[4]

RecepçãoEditar

No consenso do agregador de críticas Rotten Tomatoes diz: "Mais perto do material de origem do que Willy Wonka & the Chocolate Factory de 1971 (...) é para pessoas que gostam de Chocolate visualmente atraente e escuro." Na pontuação onde a equipe do site categoriza as opiniões da grande mídia e da mídia independente apenas como positivas ou negativas, o filme tem um índice de aprovação de 83% calculado com base em 258 comentários dos críticos. Por comparação, com as mesmas opiniões sendo calculadas usando uma média aritmética ponderada, a nota alcançada é 7,2/10.[9]

Em outro agregador, o Metacritic, que calcula as notas das opiniões usando somente uma média aritmética ponderada de determinados veículos de comunicação em maior parte da grande mídia, tem uma pontuação de 72/100, alcançada com base em 40 avaliações da imprensa anexadas no site, com a indicação de "revisões geralmente favoráveis".[10]

Prêmios e indicaçõesEditar

OscarEditar

Globo de OuroEditar

BAFTAEditar

  • Indicado nas categorias de Melhor Maquiagem, Melhor Figurino, Melhor Direção de Produção e Melhores Efeitos Especiais

GrammyEditar

  • Indicado na categoria de Melhor Canção - Filme - "Wonka's Welcome Song"

Referências

  1. «Charlie and the Chocolate Factory». bfi. Consultado em 30 de outubro de 2022 
  2. a b «Charlie and the Chocolate Factory (2005)». Box Office Mojo. Amazon.com. Consultado em 3 de novembro de 2013 
  3. Chris Nashawaty (8 de julho de 2005). «Cover Story: The Truth About 'Charlie'». Entertainment Weekly. Consultado em 11 de junho de 2009 
  4. a b c d «Charlie and the Chocolate Factory». AdoroCinema. Consultado em 13 de fevereiro de 2016 
  5. Freddie Highmore; Kristin Kloberdanz (29 de novembro de 2004). «Q&A Freddie Highmore». Time. Consultado em 3 de novembro de 2013 
  6. Steve Head (15 de julho de 2005). «Interview: Freddy Highmore». IGN. Consultado em 3 de novembro de 2013 
  7. Steve Head (8 de julho de 2005). «Interview: Tim Burton». IGN. Consultado em 3 de novembro de 2013 
  8. Steve Head (13 de julho de 2005). «Interview: Johnny Depp». IGN. Consultado em 3 de novembro de 2013 
  9. «Charlie and the Chocolate Factory». Rotten Tomatoes (em inglês). Consultado em 30 de outubro de 2022 
  10. «Charlie and the Chocolate Factory». Metacritic (em inglês). Consultado em 30 de outubro de 2022 

Ligações externasEditar