Abrir menu principal

Cheias de 1967 na região de Lisboa

Cheias de 1967 na região de Lisboa
Capa do Século Ilustrado de dezembro 1967
Duração 25 de Novembro e 26 de Novembro de 1967
Vítimas cerca de 700 mortos, milhares de desalojados
Áreas afetadas região de Lisboa e Vale do Tejo

As cheias de 1967 na região de Lisboa foram causadas por fortes chuvas na madrugada de 25 para 26 de Novembro de 1967. Causaram cerca de 700 mortes e a destruição de 20 mil casas[1], constituindo a pior catástrofe na região lisboeta desde o grande sismo de 1755.

Apesar da gravidade da tragédia, as cheias e as suas consequências foram sub-noticiadas, devido às fortes limitações impostas pela censura do Estado Novo. Foi igualmente impedida a contabilização completa de mortes e estragos[1].

As condições meteorológicasEditar

Na madrugada de 25 para 26 de novembro de 1967, fruto de uma depressão meteorológica que percorreu todo o Vale do Tejo, precipitação intensa e concentrada provocou cheias em toda a região de Lisboa, atingindo sobretudo os concelhos de Loures, Vila Franca de Xira e Arruda dos Vinhos. A precipitação destas fortes chuvadas equivaleu a um quinto da precipitação anual. Na estação meteorológica da Gago Coutinho no concelho de Lisboa foram registados 115.6 mm de precipitação num período de apenas 24 horas[2] e na de São Julião do Tojal no concelho de Loures 111 mm em apenas 5 horas (entre as 19h e as 24h de dia 25 de novembro).[3]

Várias causas contribuíram para a gravidade das cheias[3]: as bacias hidrográficas da região lisboeta têm áreas reduzidas e tempos de resposta curtos (2 horas); a drenagem tinha sido dificultada pela construção ao longo dos cursos de água, pela falta de limpeza dos rios e ribeiras, e, em muitos pontos, pela canalização subterrânea com dimensão insuficiente.

Destruição e mortesEditar

As inundações, associadas às precárias condições de habitação e à falta de ordenamento, causaram cerca de 700 mortos e deixam milhares de pessoas sem abrigo, e destruíram casas, estradas e pontes[4]. A título de exemplo aponta-se o seguinte número de mortos[5]:

  • Arruda dos Vinhos: 12 mortos;
  • Vila Franca de Xira: 204 mortos.

Reacção do Estado e censuraEditar

Mobilização da sociedade civilEditar

O estado foi incapaz de dar o apoio adequado às vítimas. Ocorreu então uma mobilização da sociedade civil, nomeadamente de estudantes e de associações católicas. Recorda Mariano Gago:

"... com as cheias de 1967 e com a participação na movimentação dos estudantes de Lisboa no apoio às populações (morreram centenas de pessoas na área de Lisboa e isso era proibido dizer-se). Só as Associações de Estudantes e a Juventude Universitária Católica é que estavam no terreno a ajudar as pessoas a tirar a lama, a salvar-lhes os pertences, juntamente com alguns raros corpos de bombeiros e militares. Talvez isso, tenha sido um dos primeiros momentos de mobilização política da minha geração."[3]

As cheias na ImprensaEditar

50 anos depois podem-se rever os vários jornais que cobriram este acontecimento: Diário de Lisboa [6], Diário Popular [7], República [8], Flama [9] e Século Ilustrado [10].

ReferênciasEditar

  1. a b http://observador.pt/2017/11/24/cheias-de-1967-21-fotos-do-rasto-de-morte-que-salazar-quis-ocultar/
  2. «Sítio da Câmara Municipal de Lisboa: 1967 - Cheias». www.cm-lisboa.pt. Consultado em 26 de novembro de 2017 
  3. a b c Alveirinho Dias, J. «As Cheias de Novembro de 1967 em Lisboa». Universidade do Algarve 
  4. Catulo, Kátia (25 de novembro de 2007). «Nunca choveu tanto como em 67». Diário de Notícias 
  5. Bruno, Inês (2013). Análise de suscetibilidades e o ordenamento do território à escala municipal. Aplicação aos concelhos de Arruda dos Vinhos e Vila Franca de Xira, Mestrado em Riscos e Protecção Civil, ISEC - ETEA.
  6. Hemeroteca Digital (24 novembro 2017). «Diário de Lisboa (novembro 1967)» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 11 de dezembro de 2017 
  7. Hemeroteca Digital (24 novembro 2017). «Diário Popular (novembro 1967)» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 11 de dezembro de 2017 
  8. Hemeroteca Digital (24 novembro 2017). «República (novembro 1967)» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 11 de dezembro de 2017 
  9. Hemeroteca Digital (24 novembro 2017). «Flama (novembro 1967)» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 11 de dezembro de 2017 
  10. Hemeroteca Digital (24 novembro 2017). «Século Ilustrado (novembro 1967)» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 11 de dezembro de 2017 

Ligações externasEditar