Chicha de jora

A chicha de jora (em quíchua Aqha e em kichwa Aswa[1]) é uma bebida fermentada natural do Peru, frequentemente encontrada no Peru, Bolívia e Equador. Há diversas variedades de acordo com a região, mas sua preparação é sempre à base de «jora», ou seja, milho maltado. É produzida desde a era pré-inca sendo uma bebida sagrada usada em atos cerimoniais, e em festas de todas as culturas pré-hispânicas da zona central andina.

Embora tecnicamente seja uma cerveja artesanal de milho, seu teor alcoólico muda de acordo com a região e o «chichero» (nome da pessoa que produz a bebida).

HistoriaEditar

Na época do Império Inca, de acordo com a lenda, durante o governo do Túpac Yupanqui as chuvas degradaram os silos onde se armazenava o milho fazendo que os grãos se fermentaram e mudaram a malte. Para não descartar esse alimento, ordenou-se o reparto deles em forma de "mote" (milho cozinhado em agua) mais finalmente terminaram descartando-o. Embora, um habitante com fome que procurava alimento no lixo, consumiu a malte e fico alcoolizado.[2]

Foi a bebida bebida favorita da nobreza inca ainda de se usar em rituais cerimonais. Durante o Inti Raymi , o Inca brindava com chicha de jora em honra ao deus Sol (Inti).[3] Também era costume deixar uma vasilha com esta bebida no túmulo dos familiares mortos ou a oferecer como pago à Pachamama ou Tinka para ter uma boa colheita.[4]

Na actualidade, a chicha de jora é consumida principalmente nas zonas rurais do norte e da serra do Peru. Inclusive em cidades como Lambayeque ou Cajamarca ainda mantêm sua forma tradicional de preparação baseada em milho gigante branco que só cresse na serra dessa região. A presentação da bebida aos comensais se faz em vasilhas feitas com abóboras secas pintadas e lavradas nomeadas «potos» ou «cojuditos» segundo seu tamanho.[5]

PreparaçãoEditar

 
Garrafão de "clarito" (chicha mais suave) servida num "poto" (Catacaos, Perú).

Para preparar a chicha de jora, é necessário obter a farina de jora. Este procedimento demora aproximadamente um mês e se assemelha às fases lunares já que cada etapa deter unos sete dias. Uma vez que se tem obtido o milho,[6] que pode ser amarelo ou branco, se molha em um leito feito de folhas de “jorapanka”. Esta é uma planta que fica nas partes mais profundas das quebradas e cujo sabor é absorvido pelos grãos de milho.

Os grãos de milho se deixam repousar por sete días cobertos com as folhas. Este procedimento ajuda a que os grãos germinam.[7] Os grãos germinados são levados a secar baixo o sol por uma semana. Uma vez que está seco, é moído e se obtêm a farina de jora. Com esta farina se faz a preparação da bebida e, para que adquira seu sabor especial, é cozinhada com lenha. Primeiro se ferve todo tipo de ervas doces mientras a farina molha-se em agua frija. Uma vez que se tem obtido a essência das ervas, se as retira da caçarola e se verte a farina. Se debe deixar fervendo e movendo constantemente até que a farina não se repouse no fundo da caçarola. Se o milho não foi suficientemente doce, se adiciona rapadura.

Uma vez que a bebida este cozida, se inicia o procedimento do "chichado". Com a ajuda de uma peneira, se filtra a chicha numa vasilha que originalmente era de barro e cuja base se enterrava. O número de dias de repouso dependerá do grão de fermentação que se precise. Para as festas, se deixa fermentar de três a sete dias.

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Diccionario Kichwa - español» (PDF) 
  2. «Crónica Viva - Chicha de jora, un regalo de los Incas». 4 de outubro de 2009. Consultado em 25 de agosto de 2018 
  3. «turisticalperu - El Inti Raymi». 15 de junho de 2012. Consultado em 25 de agosto de 2018 
  4. [ligação inativa]
  5. «Chicha de Jora – Bebida ancestral 24 Porciones». Recetas de Comida Peruana - Gastronomía Para El Mundo (em espanhol). Consultado em 11 de julho de 2016 
  6. «Chicha de jora, esencial para la cultura andina». EL TIEMPO (em espanhol). 25 de fevereiro de 2018. Consultado em 19 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2019 
  7. «La chicha de jora está ligada a la fertilidad». La Hora Noticias de Ecuador, sus provincias y el mundo (em espanhol). Consultado em 19 de janeiro de 2019 

Ligações externasEditar