Abrir menu principal
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo.
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Editor: considere colocar o mês e o ano da marcação. Isso pode ser feito automaticamente, substituindo esta predefinição por {{subst:rec}}
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2011). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Chico Whitaker
Nascimento 19 de novembro de 1931 (87 anos)
São Paulo
Cidadania Brasil
Ocupação arquiteto, político
Prêmios Prêmio Right Livelihood

Francisco "Chico" Whitaker Ferreira (São Paulo, 1931)[1] é um arquiteto, político e ativista social brasileiro, "Prêmio Nobel Alternativo" da Right Livewood Award, conferido pelo Parlamento Sueco, em 2006.

Católico oriundo da militância cristã universitária dos anos 50, Whitaker se inspira na Teologia da Libertação e mantém laços estreitos com a Comissão Brasileira Justiça e Paz, organismo ligado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Inicia sua carreira pública junto ao grupo de planejamento do Governador Carvalho Pinto, sob a coordenação do amigo Plínio de Arruda Sampaio. Foi Diretor de Reforma Agrária da SUPRA no Governo João Goulart, o que o leva à prisão por curto período e a sair do país como exilado, para a França, em 1966. Trabalha na CEPAL-ONU, no Chile, no iníco da década de 70, estando no Chile no momento do Golpe de Estado contra Salvador Allende. Como diplomata, atua intensamente no encaminhamento de refugiados às embaixadas de Santiago. Tem que sair do Chile, voltando para a França em 1974, onde reside e coordena o projeto "Por uma Sociedade Superando as Dominações", ligado à Cnbb, até 1981, quando retorna ao Brasil.

Após alguns anos assessorando D. Paulo Evaristo Arns na organização das Comunidades Eclesiais de Base, Whitaker se filia ao Partido dos Trabalhadores em 1988, sendo eleito vereador pelo PT a uma vaga na Câmara Municipal de São Paulo. Atuou como líder do governo de Luiza Erundina, e foi reeleito para mais um mandato em 1992, na gestão Paulo Maluf, quando, na oposição na Câmara, foi Relator de CPI contra a corrupção na Câmara Municipal. Afasta-se da política tradicional e da atuação parlamentar por decisão pessoal ao fim desse mandato, passando a atuar "junto à" sociedade civil como ativista, tornando-se co-fundador do Fórum Social Mundial em 2001. Passa a ter significativo reconhecimento internacional pela sua atuação em favor da chamada "alter-mundialização" e sua luta por um "outro mundo possível" ao capitalismo hegemônico. Já afastado há alguns anos das atividades partidárias, desliga-se do PT em 2006, passando a atuar em campanhas cívicas contra a corrupção eleitoral. Atualmente, anima a mobilização brasileira contra a política nuclear do país e os acordos nucleares com Alemanha e Japão.

Índice

CarreiraEditar

De 1953 a 1954, Whitaker foi presidente da Juventude Universitária Católica do Brasil. Atuou no grupo de planejamento do governo de Carvalho Pinto em São Paulo e como diretor de planejamento da reforma agrária no governo de João Goulart. Em seguida, juntou-se ao movimento de oposição à ditadura militar com o golpe militar de 1964. De 1965 a 1966, foi assessor da CNBB no 1° Plano Pastoral de Conjunto. Em 1966, partiu para o exílio fugindo da repressão política no país com a esposa e os quatro filhos.

Até seu retorno ao Brasil, em 1981, Whitaker viveu e trabalhou na França e no Chile como pesquisador e orientador para o Comitê Católico Contra a Fome (CCFD), a UNESCO e a CEPAL, dentre outras organizações. De 1982 a 1988 foi assessor da Arquidiocese de São Paulo e da CNBB. Em 1985, foi um dos fundadores e coordenadores do Plenário Pró-Participação Popular na Constituinte, que mobilizou cidadãos em todo o país para encaminhar projetos para a Assembléia Constituinte lastreados pela assinatura de milhares de pessoas, criando a sistemática do que denominou-se de "iniciativa popular de leis". É um dos fundadores do MCCE - Movimento de Combate a Corrupção Eleitoral, sendo um dos mentores da Lei 9840 de 1999, Lei de iniciativa popular que cassa candidatos que compram votos, assim como a Lei da Ficha Limpa. Em 2001, Whitaker ajuda a organizar o Fórum Social Mundial. Em 2006, ele recebeu o Prêmio Right Livelihood conhecido como "Prêmio Nobel Alternativo" por sua luta a favor da justiça social. Nas eleições brasileiras de 2008, ajuda a organizar o Projeto Ficha Limpa, que tem como objetivo impedir a candidatura de cidadãos que respondem a processos na Justiça.

Whitaker também fez parte do conselho consultivo do Wikileaks, e foi sócio-fundador da organização não-governamental Transparência Brasil, entretanto não está mais em contacto com essas duas organizações.

LivrosEditar

DVDEditar

  • 2007: Eleições, Cidadania e Redes

Referências

Ligações externasEditar