Christiana Guinle

actriz brasileira

Christiana Guinle (Rio de Janeiro, 23 de janeiro 1965) é uma atriz, diretora, produtora e artista plástica brasileira. É prima da também atriz Guilhermina Guinle.

Christiana Guinle
'
Nascimento 1965
Rio de Janeiro
Cidadania Brasil
Ocupação atriz, atriz de teatro,

Começou sua carreira ao 13 anos com uma participação no programa Armação Ilimitada. Aos 15 anos mudou-se para a Inglaterra após obter uma bolsa de estudos na Royal Shakespeare Company, onde foi aluna da Vanessa Redgrave e formou-se como Bachelor Actress. Ao voltar para o Brasil fez cursos livres e começou a atuar nas peças do Tablado.

Em seguida fez sua estreia profissional na peça O ateneu, de Aluísio Azevedo, com direção de Carlos Wilson. Trabalhou com o mesmo diretor nas peças Os três mosqueteiros, baseada na obra de Alexandre Dumas, e Odisseia, baseada na obra de Homero, com a qual ganhou Prêmio Mambembe de Melhor Atriz por sua interpretação de Penélope.

Estreou no cinema, em 1986, com uma participação no curta metragem À Espera, primeiro trabalho cinematográfico do diretor Luiz Fernando Carvalho. Em 1989 esteve em cartaz com duas peças concomitantemente: Os cegos, de Michel Ghelderode com direção de Moaçyr Góes, e Lulu, de Frank Wedekind com direção de Naum Alves de Souza. Dois anos depois foi dirigida por Ulysses Cruz na peça La ronde de Arthur Schinitzler. Com o mesmo diretor trabalhou em 1994 na peça Anjo Negro de Nelson Rodrigues, trabalho que lhe rendeu o Prêmio APCA de Melhor Atriz, e em 1996 à frente da produção de A dama do mar, peça de Henrik Ibsen estreada no Píer Mauá, projeto inovador que impulsionou a revitalização do Cais da Gamboa, por esse trabalho foi Indicada ao Prêmio Shell de Melhor Atriz.

Em 1993 atuou na peça O inferno são os outros, com direção de Antônio Abujamra e foi Indica ao Prêmio Molière de Melhor Atriz, sendo considerada "a Cacilda Becker de sua geração" nas palavras de Tonia Carrero No ano seguinte fez o filme Mil e Uma, com direção de Suzana de Moares, e em 1996 atuou em Metalguru, de Flávio Colker, que ganhou os prêmios de Melhor Filme e Melhor Atriz no Festival Mix Brasil e no Verzaubert Internationales Queer Filmfestival em Berlim.

Em 1989 fez sua estreia na TV com a telenovela O Salvador da Pátria da TV Globo onde interpretou Leda, a secretária de Severo Blanco (Francisco Cuoco), em 1995 transferiu-se para a Rede Bandeirantes e participou da telenovela A Idade da Loba, e em 1997 transferiu-se para o SBT e participou da telenovela Os Ossos do Barão. Voltou a trabalhar com Jayme Monjardim, quando foi contratada novamente pela Rede Globo em 1999 para viver a personagem Aimée em Chiquinha Gonzaga, com ele também fez seu trabalho seguinte na emissora interpretando a Irmã Damiana, freira responsável por vigiar Rosário, personagem de Mariana Ximenes, em A casa das sete mulheres

Em 2004 atuou ao lado de Renata Sorrah em Medeia, tragédia de Eurípides, dirigida por Bia Lessa. Nesse mesmo ano fez a minissérie Um só coração, interpretando sua própria tia Gigi Guinle. Dois anos depois participou da minissérie JK.

Em 2012 retornou ao teatro com a peça Criados em Cativeiro de Nicky Silver, com direção de Jefferson Miranda. No mesmo ano também retornou para a televisão na novela Lado a Lado, na qual interpretou Carlota, mulher conservadora e amarga que junto da irmã Constância, vivida por Patrícia Pilar, tentava coagir qualquer movimento de transgressão e infernizava a vida de sua outra irmã Celinha, vivida por Isabela Garcia, e de sua filha Alice, vivida por Juliane Araújo. Dois anos depois deu vida à Márcia na novela Boogie Oogie, enfermeira que ajudou Suzana, personagem de Alessandra Negrini, a trocar na maternidade as recém nascidas Sandra e Vitória, interpretadas por Ísis Valverde e Bianca Bin respectivamente.

CarreiraEditar

TeatroEditar

  • 1993 - O Inferno São os Outros
  • 1994 - Anjo Negro[1] - Direção de Ulysses Cruz
  • 1996 - A Dama do Mar - Direção de Ulysses Cruz
  • 2004 - Medeia - Direção de Bia Lessa

CinemaEditar

  • 1986 - À Espera - Direção de Luiz Fernando Carvalho - Filme premiado no Festival de Gramado, Festival de San Sebastian (Espanha) e Festival de Ste. Therèse (Canadá)
  • 1994 - Mil e Uma - Direção de Suzana Moraes
  • 1996 - Metalguru - Direção de Flávio Colker

TelevisãoEditar

PrêmiosEditar

  • s/d - Mambembe - Melhor Atriz por Odisséia de Homero
  • 1993 - Molière - Indicação de Melhor Atriz por O Inferno são os Outros
  • 1994 - APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte)- Melhor Atriz por Anjo Negro
  • 1996 - Shell - Melhor Atriz por Dama do Mar
  • 1996 - Festival Alternativo de Berlin - Melhor Atriz por Metalguru

Referências

ReferênciasEditar

Ligações externasEditar