Cirrose hepática

Cirrose
Abdómen de uma pessoa com cirrose, observando-se significativa acumulação de líquido e veias visíveis
Sinónimos Cirrose hepática, cirrose do fígado
Especialidade gastroenterologia, hepatologia
Sintomas Fadiga, prurido, pernas inchadas, pele de tom amarelo, contrair nódoas negras com facilidade, retenção de líquidos no abdómen[1]
Complicações Peritonite bacteriana espontânea, encefalopatia hepática, varizes no esófago, cancro do fígado[1]
Início habitual Ao longo de meses ou anos[1]
Duração Crónica[1]
Causas Alcoolismo, hepatite B, hepatite C, doença hepática gordurosa não alcoólica[1][2]
Método de diagnóstico Análises ao sangue, exames imagiológicos, biópsia hepática[1]
Prevenção Vacinação (como a vacina contra hepatite B), evitar o consumo de álcool[1]
Tratamento Depende da causa subjacente[1]
Frequência 2,8 milhões (2015)[3]
Mortes 1,3 milhões (2015)[4]
Classificação e recursos externos
CID-10 K70.3, K71.7, K74
CID-9 571
OMIM 215600
DiseasesDB 2729
MedlinePlus 000255
eMedicine med/3183 radio/175
MeSH D008103
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Cirrose é uma condição médica em que o fígado deixa de funcionar corretamente devido a lesões prolongadas,[1] caracterizadas pela substituição do tecido normal do fígado por tecido fibroso.[1] Isto é, há formação de tecidos de cicatrização no lugar de células saudáveis no fígado. Isso causa uma sobrecarga ou irritação, que impacta na estrutura e funcionamento correto do órgão.A primeira descrição conhecida da doença foi feita por Hipócrates no século V.[5] O termo cirrose tem origem no grego "κίρρωσις" (kirrhos), que significa "amarelado", descrevendo a aparência de um fígado cirrótico.[6][7]

As causas mais comuns de cirrose são o consumo exacerbado de bebidas alcoólicas - considerando que, geralmente, são necessárias mais do que duas ou três bebidas alcoólicas por dia ao longo de vários anos para se desenvolver cirrose alcoólica[1] - hepatite B, hepatite C e doença hepática gordurosa não alcoólica.[1][2] No caso da doença hepática gordurosa não alcoólica, é possível localizar uma série de causas, incluindo sobrepeso, diabetes, hiperlipidemia e hipertensão arterial.[1] Entre outras causas pouco comuns de cirrose, estão a hepatite autoimune, cirrose biliar primária, hemocromatose, alguns medicamentos e cálculos na vesícula biliar.[1] O diagnóstico de cirrose tem por base análises ao sangue, exames imagiológicos e biópsia ao fígado.[1]

A doença desenvolve-se lentamente ao longo de meses ou anos.[1] No início é comum que não se manifestem sintomas,[1] porém, à medida que a doença se vai agravando, a pessoa pode sentir-se cansada, fraca, com comichão, ter as pernas inchadas, desenvolver icterícia, contrair nódoas negras com facilidade, acumular líquido no abdómen - o que pode infetar de forma espontânea[1] -ou surgirem angiomas estelares na pele.[1] Entre outras possíveis complicações estão a encefalopatia hepática - a qual causa confusão e pode provocar perda de consciência[1] - hemorragias das varizes esofágicas ou gástricas e cancro do fígado.[1]

Algumas causas de cirrose, como a hepatite B, podem ser prevenidas com vacinação.[1] Já quanto ao tratamento, esse depende em parte da causa subjacente:[1] abster-se de beber álcool é recomendado para todos os casos de cirrose;[1] as hepatites B e C podem ser tratadas com antivirais;[1] a hepatite autoimune pode ser tratada com corticosteroides;[1] o ursodiol pode ser útil nos casos em que a doença é causada pelo bloqueio dos ductos biliares.[1] Estão também disponíveis medicamentos para tratar complicações como o inchaço abdominal ou das pernas, a encefalopatia hepática e a dilatação das veias esofágicas.[1] Quando se trata dos casos mais graves de cirrose, pode ser considerado um transplante de fígado.[1]

Em 2015 a cirrose afetava cerca de 2,8 milhões de pessoas em todo o mundo, tendo sido a causa de 1,3 milhões de mortes,[3][4] em que, dentre estas, o álcool foi a causa de 348 000 casos, a hepatite C de 326 000 e a hepatite B de 371 000.[4] Como aspectos sociais da cirrose, destaca-se o alcoolismo. Nos Estados Unidos, por exemplo, morrem mais homens de cirrose do que mulhere.[1] - o que pode ser justificado ao se pensar no consumo per capita de álcool no mundo, em que a média é de 6,4 L de álcool puro, mas, ao se analisar separadamente, a variante dos homens é de 13,4 L por ano enquanto, das mulheres, de 2,4 L por ano.[8][9]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad «Cirrhosis». 23 de abril de 2014. Consultado em 19 de maio de 2015. Cópia arquivada em 9 de junho de 2015 
  2. a b GBD 2013 Mortality and Causes of Death, Collaborators (17 de dezembro de 2014). «Global, regional, and national age-sex specific all-cause and cause-specific mortality for 240 causes of death, 1990–2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013.». Lancet. 385 (9963): 117–71. PMC 4340604 . PMID 25530442. doi:10.1016/S0140-6736(14)61682-2 
  3. a b GBD 2015 Disease and Injury Incidence and Prevalence, Collaborators. (8 de outubro de 2016). «Global, regional, and national incidence, prevalence, and years lived with disability for 310 diseases and injuries, 1990–2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015.». Lancet. 388 (10053): 1545–1602. PMC 5055577 . PMID 27733282. doi:10.1016/S0140-6736(16)31678-6 
  4. a b c GBD 2015 Mortality and Causes of Death, Collaborators. (8 de outubro de 2016). «Global, regional, and national life expectancy, all-cause mortality, and cause-specific mortality for 249 causes of death, 1980–2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015.». Lancet. 388 (10053): 1459–1544. PMID 27733281. doi:10.1016/s0140-6736(16)31012-1 
  5. Brower, Steven T. (2012). Elective general surgery : an evidence-based approach. New York: McGraw-Hill Medical. p. 36. ISBN 9781607951094. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2017 
  6. Harper, Douglas. «cirrhosis». Online Etymology Dictionary 
  7. Harper, Douglas. «-osis». Online Etymology Dictionary 
  8. CISA. «Relatório Global sobre Álcool e Saúde - 2018». cisa.org.br. Consultado em 26 de abril de 2021 
  9. «Global status report on alcohol and health 2018». www.who.int (em inglês). Consultado em 26 de abril de 2021 

Ligações externasEditar