Abrir menu principal

Civilização do Vale do Indo

Civilização do Vale do Indo
Blank.png
3 300 a.C.1 300 a.C. 
Blank.png
Indus Valley Civilization, Mature Phase (2600-1900 BCE).png
Mapa do auge da civilização harapeana (2600-1900 a.C.)


Mohenjo-daro.jpg
Ruínas escavadas de Moenjodaro, província de Sindh, Paquistão. Mohenjo-daro, na margem direita do rio Indo, é um Patrimônio Mundial da UNESCO, o primeiro local no sul da Ásia a ser declarado como tal.

Região Ásia Meridional
Países atuais

Línguas oficiais Língua harapeana

História  


• 3300 a.C. até 2800 a.C.  Fase inicial
• 2600 a.C. até 1900 a.C.  Fase madura
• 1900 a.C. até 1300 a.C.  Declínio

Civilização do Vale do Indo (CVI) foi uma civilização da Idade do Bronze nas regiões noroeste do sul da Ásia, que existiu entre 3300 a.C. e 1300 a.C., sendo que atingiu seu auge entre 2600 a.C. e 1900 a.C..[1][nota 1] Juntamente com o Egito antigo e a Mesopotâmia, foi uma das três primeiras civilizações da região, compreendendo o norte da África, o oeste da Ásia e o sul da Ásia, e das três, a mais difundida, sendo que seu complexo de centros urbanos abrange uma área que se estende do nordeste do Afeganistão, através de grande parte do Paquistão e o oeste e noroeste da Índia.[2][nota 2] Floresceu nas bacias do rio Indo, que flui através do Paquistão e ao longo de um sistema de rios perenes, principalmente alimentados por monções, que antes corriam nas proximidades do rio sazonal Ghaggar-Hakra, no noroeste da Índia e no leste do Paquistão.[1][3]

As cidades da civilização eram destacadas por seu planejamento urbano, casas de tijolos assados, sistemas elaborados de drenagem e abastecimento de água, aglomerados de grandes edifícios não residenciais e novas técnicas de artesanato (produtos de cornalina, entalhes em selos) e metalurgia (cobre, bronze, chumbo e estanho).[4] As grandes cidades de Mohenjo-daro e Harapa muito provavelmente chegaram a ter entre 30.000 e 60.000 habitantes,[5][nota 3] sendo que a própria civilização, durante sua florescência, pode ter contido entre um e cinco milhões de pessoas.[6][nota 4] A gradual seca do solo da região durante o terceiro milênio a.C. pode ter sido o estímulo inicial para a urbanização associada à civilização, mas também reduziu o suprimento de água o suficiente para causar seu desaparecimento e a migração de sua população para o leste.[7][8][3][9]

A civilização também é conhecida como Civilização Harapeana, por conta da cidade de Harapa, a primeira a ser escavada no início do século XX no que era então a Índia britânica e agora é o Paquistão.[10][nota 5] A descoberta de Harapa, e logo depois de Mohenjo-Daro, foi o ponto culminante do trabalho que começou em 1861 com a fundação do Serviço Arqueológico da Índia durante o Raj britânico.[11] No entanto, houve culturas anteriores e posteriores, frequentemente chamadas pré-harapeanas e pós-harapeanas na mesma região. Em 2002, foram relatadas mais de 1.000 cidades e assentamentos harapeanos, dos quais pouco menos de cem haviam sido escavados,[12][nota 6][13][14][nota 7] Entretanto, existem cinco principais locais urbanos:[15][nota 8] Harappa, Moenjodaro (Patrimônio Mundial da UNESCO), Dholavira, Ganeriwala, no Deserto de Cholistão, e Rakhigarhi.[16][nota 9] As primeiras culturas harapeanas foram precedidas por aldeias agrícolas neolíticas locais, a partir das quais as planícies fluviais foram povoadas.[17][18]

O idioma harapeano não é diretamente atestado e sua afiliação é incerta, pois a escrita indo ainda não foi decifrada.[19] Um relacionamento com a família de idiomas dravidiano é uma teoria defendidas por uma parte dos estudiosos.[20][21]

NomeEditar

A civilização do vale do Indo é nomeada por conta do sistema do rio Indo, cujas planícies aluviais foram os primeiros locais onde vestígios da civilização foram identificados e escavados.[22][nota 10] Seguindo uma tradição em arqueologia, a civilização é às vezes chamada de harapeana, por conta de Harapa, o primeiro local a ser escavado na década de 1920; isso é notavelmente verdadeiro no uso empregado pelo Serviço Arqueológico da Índia após a independência da Índia em 1947.[23][nota 11]

Uma parte dos estudiosos usa os termos "cultura sarasvati", "civilização sarasvati", "civilização indo-sarasvati" ou "civilização sindhu-saraswati", porque consideram o rio Ghaggar-Hakra o mesmo que o Sarasvati,[24][25][26] um rio mencionado várias vezes no Rig Veda, uma coleção de antigos hinos sânscritos compostos no segundo milênio a.C..[27][28][29][nota 12] No entanto, pesquisas geofísicas recentes sugerem que, diferentemente do Sarasvati, cujas descrições no Rig Veda são as de um rio alimentado pela neve, o Ghaggar-Hakra era um sistema perene de rios alimentados por monções, que se tornaram sazonais na época em que a civilização diminuiu, aproximadamente 4.000 anos atrás.[3][nota 13] Além disso, os defensores da nomenclatura "sarasvati" veem uma conexão entre o declínio da civilização e a ascensão da civilização védica na planície gangética; no entanto, historiadores do declínio da civilização do Vale do Indo consideram as duas substancialmente desconectadas.[32][nota 14]

ExtensãoEditar

 
Principais locais e extensão da civilização do vale do Indo

A civilização do Indo era aproximadamente contemporânea das demais civilizações ribeirinhas do mundo antigo: o Egito ao longo do Nilo, Mesopotâmia nas terras regadas pelo Eufrates e Tigre e a China na bacia de drenagem do rio Amarelo. Na época de sua fase madura, a civilização havia se espalhado por uma área maior do que as outras mencionadas, o que incluía um núcleo de 1.500 km acima do plano aluvial do Indo e de seus afluentes. Além disso, havia uma região com flora, fauna e habitats díspares, até dez vezes maiores, que haviam sido moldados cultural e economicamente pelo Indo.[33][nota 15]

Por volta de 6500 a.C., a agricultura surgiu no Baluchistão, nas margens do aluvião do Indo.[5][34][35][36] Nos milênios seguintes, incursões nas planícies do Indo preparam o terreno para o crescimento de assentamentos humanos rurais e urbanos.[37][nota 16] A vida sedentária mais organizada, por sua vez, levou a um aumento líquido na taxa de natalidade.[5][nota 17] Os grandes centros urbanos de Mohenjo-daro e Harappa muito provavelmente chegaram a ter entre 30.000 e 60.000 habitantes e, durante o florescimento da civilização, a população do subcontinente cresceu para algo entre 4 e 6 milhões de pessoas.[5][nota 18] Durante esse período, a taxa de mortalidade também aumentou, pois as condições de vida próximas de humanos e animais domesticados levaram a um aumento de doenças contagiosas.[35][nota 19] Segundo uma estimativa, a população da civilização do Indo em seu pico pode ter sido entre um e cinco milhões de pessoas.[38][nota 20]

A Civilização do Vale do Indo se estendeu do Baluchistão do Paquistão, a oeste, a Uttar Pradesh no oeste da Índia, a leste, do nordeste do Afeganistão, no norte, ao estado de Gujarat, no sul da Índia.[24] O maior número de locais harapeanos está nos estados de Gujarat, Haryana, Punjab, Rajastão, Uttar Pradesh, Jammu e Caxemira na Índia, e nas províncias de Sindh, Punjab e Baluchistão no Paquistão. Os assentamentos costeiros se estenderam de Sutkagan Dor[39] no Baluchistão Ocidental a Lothal[40] em Gujarat. Uma cidade do Vale do Indo foi encontrada no rio Oxus em Shortugai no norte do Afeganistão,[41] no vale do rio Gomal no noroeste do Paquistão,[42] em Manda, Jammu no rio Beas perto de Jammu,[43] Índia, e em Alamgirpur, no rio Hindon, apenas 28 km de Deli.[44] O local harapeano mais ao sul é Daimabad, em Maharashtra. Os sítios arqueológicos harapeanos são encontrados com mais frequência nos rios, mas também no litoral antigo,[45] por exemplo, Balakot,[46] e nas ilhas, por exemplo, Dholavira.[47]

Período pré-harapeanoEditar

 Ver artigo principal: Mergar
 
Modelo de difusão da agricultura do Crescente Fértil após 9000 a.C.

Mergar é um assentamente neolítico (7000 a.C. até 2500 a.C.), a oeste do vale do rio Indo, perto da passagem de Bolan,[48] que deu novas ideias sobre o surgimento da civilização do vale do Indo.[49][nota 21] Mergar é um dos primeiros locais com evidências de agricultura e pastoreio no sul da Ásia[50][51][nota 22] e foi influenciado pelo Oriente Próximo,[61] com similaridades entre "variedades de trigo domesticadas, fases iniciais da agricultura, cerâmica, outros artefatos arqueológicos, algumas plantas domesticadas e animais de rebanho."[62] De acordo com Parpola, a cultura do Oriente Próximo migrou para o vale do Indo e se tornou a civilização do vale do Indo.[63]

 
O Haplogroup L-M20 tem uma alta frequência no vale do Indo. McElreavy e Quintana-Murci (2005) observam que "a distribuição de frequência e o tempo estimado de expansão (~7.000 AP) desta linhagem sugere que sua propagação no vale do Indo pode estar associada à expansão de grupos agrícolas locais durante o período neolítico."[64][65]

Jean-Francois Jarrige defende uma origem independente de Mergar. Jarrige observa "a suposição de que a economia agrícola foi introduzida em pleno desenvolvimento do Oriente Próximo ao sul da Ásia"[nota 23][nota 24][nota 25] e as semelhanças entre os locais neolíticos de Mesopotâmia oriental e o vale do Indo, são consideradas evidências de um "continuum cultural" entre esses locais. Mas, dada a originalidade de Mergar, Jarrige conclui que o local tem um passado local anterior " e não é um remanescente da cultura neolítica do Oriente Próximo".

Lukacs e Hemphill sugerem um desenvolvimento local inicial de Mergar, com uma continuidade no desenvolvimento cultural, mas uma mudança na população. De acordo com Lukacs e Hemphill, embora exista uma forte continuidade entre as culturas neolítica e calcolítica (Idade do Cobre) de Mergar, evidências dentárias mostram que a população calcolítica não descende da população neolítica de Mergar,[80] o que "sugere níveis moderados do fluxo gênico".[80][nota 26] Mascarenhas et al. (2015) observam que "novos tipos de corpos, possivelmente da Ásia Ocidental, são relatados a partir das sepulturas de Mergar, começando na fase de Togau (3800 a.C.)."[81] De acordo com Narasimhan et al. (2019), a população harapeana provavelmente resultou de uma mistura de povos relacionadas, mas não descendentes, de agricultores iranianos e de caçadores-coletores do sul da Ásia e surgiu entre cerca de 5400 a 3700 AEC.[82][83]

Gallego Romero et al. (2011) afirmam que suas pesquisas sobre a tolerância à lactose na Índia sugerem que "a contribuição genética da Eurásia ocidental identificada por Reich et al. (2009) reflete principalmente o fluxo gênico do Irã e do Oriente Médio".[84] Eles observam ainda que "as primeiras evidências de criação de gado no sul da Ásia vêm do local do rio Indo, em Mergar, e datam de 7.000 AP".[84][86]

Período inicialEditar

 
Período inicial harapeano, c. 3300-2600 a.C

A fase inicial Ravi harapeana, nomeada por conta do rio Ravi nas proximidades, durou de cerca de 3300 a.C. até 2800 a.C.. Está relacionada à fase Hakra, identificada no vale do rio Ghaggar-Hakra, a oeste, e é anterior à fase Kot Diji (2800 a 2600).   BCE, Harappan   2), nomeado após um local no norte de Sindh, Paquistão, perto de Mohenjo-daro . Os primeiros exemplos do script Indus datam da 3ª   milênio aC.[87][88]

A fase madura das culturas das aldeias anteriores é representada por Rehman Dheri e Amri no Paquistão.[89] Kot Diji representa a fase que antecedeu a fase madura, com a cidadela representando a autoridade centralizada e uma qualidade de vida cada vez mais urbana. Outra cidade desse estágio foi encontrada em Kalibangan, na Índia, no rio Hakra.[90]

As redes de comércio vincularam essa cultura a culturas regionais relacionadas e a fontes distantes de matérias-primas, incluindo lápis-lazúli e outros materiais. Nessa época, os moradores haviam domesticaram várias plantas, como ervilhas, sementes de gergelim, tâmaras e algodão, além de animais, como o búfalo. As primeiras comunidades harapeanas voltaram-se para grandes centros urbanos em 2600 aC, quando a fase madura começou. A pesquisa mais recente mostra que as pessoas do Vale do Indo migraram das aldeias para as cidades.[91][92]

Os estágios finais do período inicial são caracterizados pela construção de grandes assentamentos murados, pela expansão das redes comerciais e pela crescente integração das comunidades regionais em uma cultura material "relativamente uniforme" em termos de estilos de cerâmica, ornamentos e selos a escrita indo, levando à transição para a fase madura.[93]

Período maduroEditar

 
Período maduro harapeano c. 2600–1900 a.C

De acordo com Giosan et al. (2012), a lenta migração para o sul das monções pela Ásia inicialmente permitiu que as aldeias do Vale do Indus se desenvolvessem domando as inundações do Indo e de seus afluentes. A agricultura apoiada pelas inundações levou a grandes excedentes agrícolas, que por sua vez apoiaram o desenvolvimento das cidades. Os residentes da CVI não desenvolveram recursos de irrigação, contando principalmente com as monções sazonais que levaram a inundações no verão.[94] Brooke observa ainda que o desenvolvimento de cidades avançadas coincide com uma redução nas chuvas, o que pode ter desencadeado uma reorganização em grandes centros urbanos.[95]

Segundo J.G. Shaffer e D.A. Lichtenstein,[96] a fase madura era "uma fusão das tradições ou 'grupos étnicos' Bagor, Hakra e Kot Diji no vale Ghaggar-Hakra, nas fronteiras da Índia e Paquistão".[97]

Até 2600 a.C., as comunidades da fase inicial se transformaram em grandes centros urbanos. Esses centros urbanos incluem Harapa, Ganeriwala, Moenjodaro no Paquistão atual e Dholavira, Kalibangan, Rakhigarhi, Rupar e Lotal na Índia moderna.[98] No total, mais de 1.000 cidades e assentamentos foram encontrados, principalmente na região geral dos rios Indo e Ghaggar-Hakra e seus afluentes.[99]

CidadesEditar

 
Celeiro em Harapa.
 
Sistema de drenagem de Lotal.

Uma cultura urbana sofisticada e tecnologicamente avançada é evidente na Civilização do Vale do Indo, que criou os primeiros centros urbanos da região. A qualidade do planejamento das cidades sugere conhecimento sobre planejamento urbano e governos locais eficientes, que priorizam a higiene ou, alternativamente, a acessibilidade aos meios de ritual religioso.[100]

Como visto em Harapa, Moenjodaro e Rakhigarhi, recentemente escavada, esse plano urbano incluía os primeiros sistemas de saneamento urbano conhecidos do mundo, como mostram evidências da engenharia hidráulica da civilização. Dentro da cidade, casas individuais ou grupos de casas obtinham água de poços. De uma sala que parece ter sido reservada para o banho, as águas residuais eram direcionadas para esgotos cobertos, que ladeavam as principais ruas. As casas abriam apenas para pátios internos e faixas menores. A construção de casas em algumas aldeias da região ainda se assemelha em alguns aspectos à construção de casas dos harapeanos.[101]

Os antigos sistemas de esgoto e drenagem, desenvolvidos e usados em cidades de toda a região do Indo, eram muito mais avançados do que os encontrados em locais urbanos contemporâneos no Oriente Médio e ainda mais eficientes do que os encontrados em muitas áreas do Paquistão e da Índia atualmente. A arquitetura avançada dos harapeanos é mostrada por seus impressionantes estaleiros, celeiros, armazéns, plataformas de tijolos e paredes de proteção. As enormes muralhas das cidades do Indo provavelmente protegeram os harapeanos das inundações e podem ter dissuadido os conflitos militares.[102]

O objetivo da cidadela permanece em debate. Em nítido contraste com os contemporâneos desta civilização, a Mesopotâmia e o Egito antigo, nenhuma grande estrutura monumental foi construída. Não há evidências conclusivas de palácios ou templos - ou de reis, exércitos ou sacerdotes. Pensa-se que algumas estruturas sejam celeiros. Encontrado em uma cidade há um enorme banho bem construído (o "Grande Banho"), que pode ter sido um banho público. Embora as cidadelas fossem muradas, não está claro se essas estruturas eram defensivas. A maioria dos habitantes da cidade parece ter sido composta por comerciantes ou artesãos, que moravam com outros que tinham a mesma ocupação em bairros bem definidos. Materiais de regiões distantes eram utilizados nas cidades para a construção de selos e outros objetos. Entre os artefatos descobertos estavam belas contas de faiança envidraçadas. Os selos de esteatita têm imagens de animais, pessoas (talvez deuses) e outros tipos de inscrições, incluindo um sistema de escrita ainda não decifrado. Alguns dos selos foram usados para estampar argila em mercadorias comerciais. Embora algumas casas fossem maiores que outras, as cidades da CVI eram notáveis por seu aparente e relativo igualitarismo. Todas as casas tinham acesso a instalações de água e drenagem. Isso dá a impressão de uma sociedade com uma concentração de riqueza relativamente baixa, embora um claro nível social seja visto em adornos pessoais.[103]  

TecnologiaEditar

 
Pesos harapeanos encontrados no vale do Indo.[104]

As pessoas da CVI alcançaram grande precisão na medição de comprimento, massa e tempo. Eles foram os primeiros a desenvolver um sistema de pesos e medidas uniformes. Os engenheiros harapeanos seguiam a divisão decimal da medida para todos os fins práticos, incluindo a medida da massa conforme revelada por seus pesos hexaedros. Esses pesos de cherte estavam na proporção de 5: 2: 1 com pesos de unidades de 0,05, 0,1, 0,2, 0,5, 1, 2, 5, 10, 20, 50, 100, 200 e 500; com cada unidade pesando aproximadamente 28 gramas, semelhante à onça imperial inglesa, sendo que objetos menores eram pesados em proporções semelhantes com as unidades de 0,871. No entanto, como em outras culturas, os pesos reais não eram uniformes em toda a área. Os pesos e medidas utilizados posteriormente em Artaxastra e Cautília (quarto século a.C.) são os mesmos que os usados em Lotal.[105]

Uma pedra de toque contendo faixas de ouro foi encontrada em Banawali e provavelmente foi usada para testar a pureza do ouro (essa técnica ainda é usada em algumas partes da Índia).[97]

Artes e ofíciosEditar

 
A Garota Dançarina de Mohenjodaro; 2400–1900 a.C.

Várias esculturas, selos, cerâmicas de vasos de bronze, jóias de ouro e figuras anatomicamente detalhadas em terracota, bronze e esteatita foram encontradas em locais de escavação.[106] Os harapeanos também fizeram vários brinquedos e jogos, entre eles dados cúbicos (com um a seis buracos nas faces), que foram encontrados em locais como Moenjodaro.[107]

Várias estatuetas de ouro, terracota e pedra representando meninas em poses de dança revelam a presença de alguma forma de dança na cultura harapeana. Essas figuras de terracota incluíam vacas, ursos, macacos e cães. O animal representado na maioria das focas em locais do período maduro não foi claramente identificado. Parte touro, parte zebra, com um chifre majestoso, tem sido uma fonte de especulação. Até o momento, não há evidências suficientes para substanciar alegações de que a imagem tenha significado religioso ou de culto, mas a prevalência da imagem levanta a questão de saber se os animais nas imagens da CVI são ou não símbolos religiosos.[108]

Muitos ofícios, incluindo "trabalhos com conchas, cerâmica e fabricação de contas de esteatita e ágata" eram praticados e as peças eram usadas na confecção de colares, pulseiras e outros ornamentos de todas as fases da cultura harapeana. Alguns desses ofícios ainda são praticados no subcontinente indiano atualmente.[109] Alguns itens de maquiagem e produtos de higiene pessoal (um tipo especial de pente, o uso de colírio e um dispositivo especial de higiene pessoal três em um) encontrados em contextos harapeanos ainda possuem contrapartes similares na Índia moderna.[110] Foram encontradas figuras femininas de terracota (c. 2800–2600 a.C.) que tinha a cor vermelha aplicada ao "mangá" (linha de partição do cabelo).[110]

SelosEditar

 
Selos, alguns deles com escrita harapeana; provavelmente feito de esteatita; Museu Britânico (Londres).

Milhares de selos de esteatita foram recuperados e seu caráter físico é bastante consistente. Em tamanho que variam de ¾ polegadas a ½ polegas. Na maioria dos casos, eles têm uma saliência furada na parte traseira para acomodar um cordão para manuseio ou para uso como adorno pessoal. Foram encontrados selos em Moenjodaro, representando uma ponta cabeça e outra, no selo de Pashupati, sentada de pernas cruzadas no que alguns chamam de pose de ioga. Esta figura foi identificada de várias maneiras. Sir John Marshall identificou uma semelhança com o deus hindu, Shiva.[111]

Uma divindade humana com chifres, cascos e cauda de um touro também aparece nos selos, em particular em uma cena de luta com um animal com chifres de tigre. Essa divindade foi comparada ao Enkidu meopotâmico.[112][113][114] Vários selos também mostram um homem lutando com dois leões ou tigres, um motivo de "mestre dos animais" comum às civilizações do oeste e do sul da Ásia.[115]

Comércio e transporteEditar

 
Vaso ovóide de barro polido e pintado, com contas de cornalina redondas (terceiro-segundo milênio a.C.).

A economia da civilização do Indo parece ter dependido significativamente do comércio, o que foi facilitado por grandes avanços na tecnologia de transporte. A CVI pode ter sido a primeira civilização a usar o transporte com rodas.[116] Esses avanços podem ter incluído carros de boi idênticos aos vistos hoje no sul da Ásia, além de barcos. A maioria desses barcos provavelmente era pequena, de fundo chato, talvez movida a vela, semelhante à que se pode ver hoje no rio Indo; no entanto, há evidências secundárias de embarcações de alto mar. Os arqueólogos descobriram um enorme canal dragado e o que consideram uma instalação de ancoragem na cidade costeira de Lotal, no oeste da Índia (estado de Guzerate). Uma extensa rede de canais, usada para irrigação, também foi descoberta por H.P. Francfort.[117]

Durante 4300–3200 a.C., no período calcolítico (idade do cobre), a área da Civilização do Vale do Indo mostra semelhanças cerâmicas com o sul do Turquemenistão e o norte do Irã, o que sugere considerável mobilidade e comércio. Durante o período inicial (cerca de 3200–2600 a.C.), semelhanças em cerâmica, selos, estatuetas, ornamentos, etc, documentam o intenso comércio de caravanas com a Ásia Central e o planalto iraniano.[118]

A julgar pela dispersão dos artefatos da CVI, as redes comerciais integraram economicamente uma área enorme, incluindo partes do Afeganistão, as regiões costeiras da Pérsia, norte e oeste da Índia e Mesopotâmia, levando ao desenvolvimento das relações indo-mesopotâmicas. Estudos de esmalte dentário de indivíduos enterrados em Harapa sugerem que alguns moradores haviam migrado para a cidade a partir de regiões além do vale do Indo.[119] Há alguma evidência de que os contatos comerciais se estendam até Creta e possivelmente ao Egito.[120]

 
Descobertas arqueológicas sugerem que as rotas comerciais entre a Mesopotâmia e o Indo estavam ativas durante o terceiro milênio aC, levando ao desenvolvimento das relações indo-mesopotâmicas.[121]

Havia uma extensa rede de comércio marítimo operando entre as civilizações harapeana e mesopotâmica, desde a fase intermediária, com muito comércio sendo tratado por "comerciantes intermediários de Dilmun" (moderno Bahrain e Failaka, localizado no Golfo Pérsico).[122] Esse comércio marítimo de longa distância tornou-se viável com o desenvolvimento de embarcações construídas em pranchas, equipadas com um único mastro central que sustentava uma vela de juncos ou tecidos.[123]

Supõe-se geralmente que a maior parte do comércio entre o Vale do Indo (antiga Meluhha?) e os vizinhos ocidentais prosseguiu pelo Golfo Pérsico, em vez de por terra. Embora não exista uma prova incontestável de que esse era realmente o caso, a distribuição de artefatos do tipo Indo na península de Omã, no Bahrein e no sul da Mesopotâmia torna plausível que uma série de estágios marítimos ligassem o Vale do Indo e a região do Golfo.[124]

Na década de 1980, importantes descobertas arqueológicas foram feitas em Ras al-Jinz (Omã), demonstrando conexões marítimas do Vale do Indo com a península Arábica.[123][125][126]

AgriculturaEditar

De acordo com Gangal et al. (2014), há fortes evidências arqueológicas e geográficas de que a agricultura neolítica se espalhou do Oriente Próximo para o noroeste da Índia, mas também há "boas evidências para a domesticação local da cevada e do gado zebu em Mergar".[61][127]

 
Figuras harapeanas encontradas em um tesouro em Daimabad, 2000 a.C

Segundo Jean-François Jarrige, a agricultura teve uma origem independente em Mergar, apesar das semelhanças que ele observa entre os locais neolíticos da Mesopotâmia oriental e o vale do Indo ocidental, que são evidências de um "continuum cultural" entre esses locais. No entanto, Jarrige conclui que Mehrgarh tem um passado local anterior e não é um remanescente da cultura neolítica do Oriente Próximo. O arqueólogo Jim G. Shaffer escreve que o sítio arqueológico de Mergar "demonstra que a produção de alimentos era um fenômeno nativo do sul da Ásia" e que os dados apóiam a interpretação da "urbanização pré-histórica e da organização social complexa no sul da Ásia, com base em desenvolvimentos da cultura nativa, mas sem isolamentos."[128]

Jarrige observa que o povo de Mergar usava trigo e a cevada domesticados,[129] enquanto Shaffer e Liechtenstein observam que a principal safra de cereais cultivados era a cevada de seis linhas, uma colheita derivada da cevada de duas linhas.[130] Gangal concorda que "as colheitas domesticadas neolíticas em Mergar incluem mais de 90% de cevada", observando que "há boas evidências para a domesticação local da cevada". No entanto, Gangal também observa que a colheita incluia "uma pequena quantidade de trigo", que "é sugerido como de origem do Oriente Próximo, pois a distribuição moderna de variedades selvagens de trigo é limitada ao norte do Levante e ao sul da Turquia.[61][131]

O gado que é frequentemente retratado nos selos da CVI é o Bos primigenius namadicus, semelhantes ao gado zebu, que ainda é comum na Índia e na África. É diferente do gado europeu e foi originalmente domesticado no subcontinente indiano, provavelmente nno Baluchistão.[132][61]

Pesquisa de J. Bates et al. (2016) confirma que as populações da CVI foram as primeiras a usar estratégias complexas de cultivo múltiplo em ambas as estações, cultivando alimentos durante o verão (arroz, milho e feijão) e inverno (trigo, cevada e leguminosas), que exigiam diferentes regimes de rega.[133] Bates et al. (2016) também encontraram evidências de um processo de domesticação de arroz totalmente separado no antigo sul da Ásia, baseado na espécie selvagem Oryza nivara. Isso levou ao desenvolvimento local de uma mistura de "terras úmidas" e "terras áridas" da agricultura local de arroz Oryza sativa indica, antes que o arroz verdadeiramente "úmido" Oryza sativa japonica chegasse por volta de 2000 a.C.[134]

LínguaEditar

 Ver artigo principal: Língua harapeana

Tem sido frequentemente sugerido que os falantes da língua harapeana correspondiam aos linguisticamente aos proto-dravidianos.[135] O indólogo finlandês Asko Parpola conclui que a uniformidade das inscrições da CVI exclui qualquer possibilidade de o uso de idiomas muito diferentes e que uma forma primitiva do idioma dravidiano deve ter sido o idioma do povo indo.[136] Hoje, a família línguas dravídicas concentra-se principalmente no sul da Índia e no norte e leste do Sri Lanka, mas ainda existem bolsões no restante da Índia e no Paquistão (língua brahui), o que dá credibilidade à teoria.

Segundo Heggarty e Renfrew, as línguas dravidianas podem ter se espalhado no subcontinente indiano com a expansão da agricultura.[137] Segundo David McAlpin, as línguas dravídicas foram trazidas para a Índia pela imigração de Elam na Índia.[138] Em publicações anteriores, Renfrew também afirmou que o protodravidiano foi trazido para a Índia por agricultores da parte iraniana do Crescente Fértil, [139][140][141][nota 27] mas mais recentemente Heggarty e Renfrew observam que "ainda há muito a ser feito para elucidar a pré-história do dravidiano". Eles também observam que "a análise de McAlpin dos dados da linguagem e, portanto, de suas alegações, permanece longe da ortodoxia".[137] Heggarty e Renfrew concluem que vários cenários são compatíveis com os dados e que "o júri linguístico ainda está muito fora".[137][nota 29]

Possível sistema de escritaEditar

 Ver artigo principal: Escrita harapeana
 
Dez caracteres Indo do portão norte de Dholavira

Entre 400 e 600 símbolos indo distintos[146] foram encontrados em selos, pequenas tábuas, potes de cerâmica e mais de uma dúzia de outros materiais, incluindo uma "placa" que aparentemente pairava sobre o portão da cidadela interna da cidade de Dholavira. As inscrições típicas da CVI não têm mais que quatro ou cinco caracteres, a maioria dos quais (além da "placa" de Dholavira) é pequeno; o mais longo em uma única superfície, inferior a 1 polegada quadrada, e 17 sinais longos; o maior em qualquer objeto (encontrado em três faces diferentes de um objeto produzido em massa) tem um comprimento de 26 símbolos. Embora a CVI seja geralmente caracterizada como uma sociedade letrada com base nessas evidências, essa descrição foi contestada por Farmer, Sproat e Witzel (2004)[147] que argumentam que o sistema indo não codificava a linguagem, mas era ao contrário, semelhante a uma variedade de sistemas de sinais não linguísticos usados extensivamente no Oriente Próximo e em outras sociedades, para simbolizar famílias, clãs, deuses e conceitos religiosos. Outros alegaram, ocasionalmente, que os símbolos eram usados exclusivamente para transações econômicas, mas essa alegação deixa inexplicável a aparência dos símbolos indo em muitos objetos rituais, muitos dos quais foram produzidos em massa em moldes. Nenhum paralelo com essas inscrições é conhecido em outras civilizações antigas.[148]

Em um estudo de 2009 por PN Rao et al. publicado na Science, cientistas da computação, comparando o padrão de símbolos com várias escritas lingúiticas e sistemas não linguísticos, incluindo DNA e uma linguagem de programação de computador, descobriram que o padrão da escrita harapeana é mais próximo do das palavras faladas, apoiando a hipótese de que ele codifica um idioma ainda desconhecido.[149][150]

 
A maior inscrição indo já encontrada

Farmer, Sproat e Witzel contestaram esse achado, apontando que Rao et al. na verdade, não comparou os sinais indo com "sistemas não linguísticos do mundo real", mas com "dois sistemas totalmente artificiais inventados pelos autores, um composto por 200.000 sinais ordenados aleatoriamente e outro de 200.000 signos totalmente ordenados, que afirmam falsamente representar as estruturas de todos os sistemas de signos não linguísticos do mundo real". Farmer et al. também demonstraram que a comparação de um sistema não linguístico, como os sinais heráldicos medievais, com as línguas naturais, produz resultados semelhantes aos que Rao et al. obteve com os sinais indo. Eles concluem que o método utilizado por Rao et al. não pode distinguir sistemas linguísticos de sistemas não linguísticos.[151]

As mensagens nos selos provaram serem muito curtas para serem decodificadas por um computador. Cada selo possui uma combinação distinta de símbolos e há poucos exemplos de cada sequência para fornecer um contexto suficiente. Os símbolos que acompanham as imagens variam de selo para selo, tornando impossível derivar um significado para os símbolos das imagens. No entanto, houve uma série de interpretações oferecidas para o significado dos selos. Essas interpretações foram marcadas por ambiguidade e subjetividade.:69

Fotos de muitas das milhares de inscrições existentes são publicadas no Corpus of Indus Seals and Inscriptions (1987, 1991, 2010), editado por Asko Parpola e seus colegas. O volume mais recente republicou fotos tiradas nas décadas de 1920 e 1930 de centenas de inscrições perdidas ou roubadas, juntamente com muitas descobertas nas últimas décadas; anteriormente, os pesquisadores tinham que suplementar os materiais no Corpus estudando as minúsculas fotos nos relatórios de escavação de Marshall (1931), MacKay (1938, 1943), Wheeler (1947) ou reproduções em fontes dispersas mais recentes. As cavernas de Edakkal, no distrito de Wayanad, em Querala, contêm desenhos que variam desde períodos de até 5.000 a.C. até 1000 a.C.. O grupo mais jovem de pinturas pode ser uma possível conexão com a Civilização do Vale do Indo.[152]

ReligiãoEditar

 
Estátua do chamado "Padre Sacerdote", Moenjodaro, fase madura harapeana, Museu Nacional, Karachi, Paquistão.

O sistema de religião e crenças do povo do Vale do Indo recebeu considerável atenção, especialmente da visão de identificar precursores de divindades e práticas religiosas de religiões indianas que mais tarde se desenvolveram na área. No entanto, devido à escassez de evidências, que está aberta a interpretações variadas e ao fato da escrita harapeana permanecer indecifrada, as conclusões são parcialmente especulativas e amplamente baseadas em uma visão retrospectiva de uma perspectiva hindu muito posterior.[153][154]

Um trabalho inicial e influente na área que estabeleceu a tendência para interpretações hindus de evidências arqueológicas dos sítios arqueológicos harapeanos[155] foi o de John Marshall, que em 1931 identificou o seguinte como características proeminentes da religião indo: um Grande Deus Masculino e uma deusa mãe; deificação ou veneração de animais e plantas; representação simbólica do falo (linga) e da vulva (yoni); e, uso de banhos e água na prática religiosa. As interpretações de Marshall foram muito debatidas e, às vezes, disputadas nas décadas seguintes.[156][157]

Um selo do Vale do Indo mostra uma figura sentada com um toucado com chifres, possivelmente tricefálico e possivelmente fálico, cercado por animais. Marshall identificou a figura como uma forma primitiva do deus hindu Shiva (ou Rudra), associado ao ascetismo, ioga e linga; considerado como um senhor de animais e frequentemente descrito como tendo três olhos. O selo passou a ser conhecido como o Selo Pashupati, por conta de Pashupati (senhor de todos os animais), um epíteto de Shiva.[156][158] Embora o trabalho de Marshall tenha recebido algum apoio, muitos críticos e até apoiadores levantaram várias objeções. Doris Srinivasan argumentou que a figura não tem três faces, ou postura de ioga e que na literatura védica Rudra não era um protetor de animais selvagens.[159][160]

 
O selo Pashupati, mostrando uma figura sentada, cercada por animais

Herbert Sullivan e Alf Hiltebeitel também rejeitaram as conclusões de Marshall, com o primeiro alegando que a figura era feminina, enquanto o último associou a figura com Mahisha, o Deus Buffalo e os animais ao redor com vahanas (veículos) de divindades para as quatro direções cardeais.[161][162] Escrevendo em 2002, Gregory L. Possehl concluiu que, embora seja apropriado reconhecer a figura como uma divindade, sua associação com o búfalo de água e sua postura como disciplina ritual, considerando-a como um proto -Shiva estaria indo longe demais.[158] Apesar das críticas à associação de Marshall ao selo com um ícone proto-Shiva, ele foi interpretado como o tirthankara Rishabhanatha por jainistas e Vilas Sangave[163] ou um antigo Buda pelos budistas.[155] Historiadores como Heinrich Zimmer e Thomas McEvilley acreditam que há uma conexão entre Rishabhanatha e a civilização do Vale do Indo.[164][165]

Marshall hipotetizou a existência de um culto à adoração à Deusa Mãe, com base na escavação de várias figuras femininas e achou que isso fosse um precursor da seita hindu do shaktismo. No entanto, a função das figuras femininas na vida do povo do vale do Indo permanece incerta e Possehl não considera que as evidências da hipótese de Marshall sejam "terrivelmente robustas".[166] Alguns dos betilos interpretados por Marshall como representações fálicas sagradas agora são considerados pilões ou balcões de caça, enquanto que as pedras de anel que foram pensadas para simbolizar yoni foram determinadas como características arquitetônicas usadas para sustentar pilares, embora a possibilidade de seu simbolismo religioso não possa ser eliminada.[167]

 
Selos de suástica da civilização do vale do Indo no Museu Britânico

Muitos selos do vale do Indo mostram animais, sendo que alguns parecem ser transportados em procissões, enquanto outros mostram criações quiméricas.Um selo de Moenjodaro mostra um monstro meio humano e meio búfalo atacando um tigre, o que pode ser uma referência ao mito sumério de um monstro criado pela deusa Aruru para combater Gilgamesh.[168]

Em contraste com as civilizações egípcias e mesopotâmicas contemporâneas, o Vale do Indo carece de palácios monumentais, embora as cidades escavadas indiquem que a sociedade possuía o conhecimento de engenharia necessário.[169][170] Isso pode sugerir que as cerimônias religiosas, se ocorreram, podem ter sido confinadas em grande parte a lares individuais, pequenos templos ou ao ar livre. Vários locais foram propostos por Marshall e estudiosos posteriores como possivelmente devotados a fins religiosos, mas atualmente se pensa que apenas o Grande Banho de Moenjodaro tenha sido usado como um local para purificação ritual.[166][171] As práticas funerárias da civilização harapeana são marcadas por enterro fracionário (no qual o corpo é reduzido a restos esqueléticos por exposição aos elementos antes do enterro final) e até cremação.[172][173]

DeclínioEditar

 
Período tardio de Harappan, c. 1900–1300   AEC

Por volta de 1900 a.C. começaram a surgir sinais de um declínio gradativo e, por volta de 1700 a.C., a maioria das cidades havia sido abandonada. Exames recentes de esqueletos humanos do sítio de Harapa demonstraram que o fim da CVI passou por um aumento na violência interpessoal e em doenças infecciosas como hanseníase e tuberculose.[174][175] Segundo o historiador Upinder Singh, "o quadro geral apresentado pela fase tardia harapeana é o de uma quebra de redes urbanas e uma expansão de redes rurais".[176]

Durante o período de aproximadamente 1900 a.C. a 1700 a.C., várias culturas regionais surgiram na área da civilização do Vale do Indo. A cultura do Cemitério H estava em Panjabe, Haryana e oeste de Uttar Pradesh, a cultura Jhukar estava em Sind e a cultura Rangpur estava em Guzerate.[177][178][179] Outros sítios associados à fase tardia da cultura harapeana são Pirak, no Baluchistão, Paquistão, e Daimabad, em Maharashtra, Índia.[93]

Os maiores sítios arqueológicos do período harapeano tardio são Kudwala no Deserto de Cholistão, Bet Dwarka em Guzerate e Daimabad em Maharashtra, que podem ser considerados urbanos, mas são menores e têm menor número em comparação com as cidades da fase madura. Bet Dwarka foi fortalecido e continuou a ter contatos com a região do Golfo Pérsico, mas houve uma diminuição geral do comércio de longa distância.[180] Por outro lado, o período também viu uma diversificação da base agrícola, com uma diversidade de culturas e o advento da dupla colheita, bem como uma mudança de assentamentos rurais em direção ao leste e ao sul.[181]

A cerâmica do período tardio é descrita como "mostrando alguma continuidade com as tradições maduras da cerâmica harapeana", mas também diferenças distintas.[182] Muitos locais continuaram ocupados por alguns séculos, embora suas características urbanas tenham declinado e desaparecido. Artefatos anteriormente típicos, como pesos de pedra e figuras femininas, tornaram-se raros. Existem alguns selos circulares com desenhos geométricos, mas faltam a escrita harapeana que caracterizava a fase madura da civilização. A escrita é rara e restrita a inscrições em vasos. Houve também um declínio no comércio de longa distância, embora as culturas locais mostrem novas inovações em faiança e fabricação de vidro e escultura de contas de pedra.[183] As comodidades urbanas, como esgotos e banheiros públicos, não eram mais mantidas e os edifícios mais novos eram "mal construídos". Esculturas de pedra foram deliberadamente vandalizadas, objetos de valor às vezes eram escondidos em tesouros, sugerindo inquietação, e os cadáveres de animais e até de humanos eram deixados desenterrados nas ruas e em prédios abandonados.[184]

Durante a segunda metade do segundo milênio a.C., a maioria dos assentamentos pós-urbanos do período tardio foi totalmente abandonada. A cultura material subsequente era tipicamente caracterizada por ocupação temporária de "acampamentos de uma população que era nômade e principalmente pastoril" e que usava "cerâmica artesanal grosseira".[185] No entanto, há maior continuidade e sobreposição entre o período tardio e as fases culturais subsequentes em locais em Panjabe, Haryana e oeste de Uttar Pradesh, principalmente pequenos assentamentos rurais.[181][186]

"Invasão ariana"Editar

 
Urnas de cerâmica pintada de Harapa (1900-1300 a.C.)

Em 1953, Sir Mortimer Wheeler propôs que a invasão de uma tribo indo-europeia da Ásia Central, os "arianos", causou o declínio da CVI. Como evidência, ele citou um grupo de 37 esqueletos encontrados em várias partes do Moenjodaro e passagens nos Vedas referentes a batalhas e fortes. No entanto, os estudiosos logo começaram a rejeitar a teoria de Wheeler, já que os esqueletos pertenciam a um período após o abandono da cidade e nenhum foi encontrado perto da cidadela. Os exames subsequentes dos esqueletos por Kenneth Kennedy em 1994 mostraram que as marcas nos crânios eram causadas por erosão e não por violência.[187]

Na cultura do Cemitério H (a fase tardia harapeana na região de Punjab), alguns dos desenhos pintados nas urnas funerárias foram interpretados pelas lentes da literatura védica: por exemplo, pavões com corpos ocos e uma pequena forma humana no interior, que foi interpretada como a alma dos mortos, e um cão que pode ser visto como o cão de Yama, o deus da morte.[188][189] Isso pode indicar a introdução de novas crenças religiosas durante esse período, mas as evidências arqueológicas não sustentam a hipótese de que o povo do Cemitério H seja o destruidor das cidades harapeanas.[190]

Mudança climática e secasEditar

As causas contributivas sugeridas para a localização da CVI incluem mudanças no curso do rio[191] e mudanças climáticas que também são sentidas pelas áreas vizinhas do Oriente Médio.[192][193] A de 2016 muitos estudiosos acreditam que secas e um declínio no comércio com o Egito e a Mesopotâmia causaram o colapso da civilização do Indo.[194] A mudança climática que causou o colapso da CVI deveu-se possivelmente a "uma megasseca abrupta e crítico resfriamento 4.200 anos atrás", que marca o início do Meghalaiano, o estágio atual do Holoceno.[195]

O sistema Ghaggar-Hakra era alimentado pela chuva,[nota 30][nota 31] e o suprimento de água dependia das monções. O clima do Vale do Indo se tornou significativamente mais frio e seco a partir de 1800 a.C., ligado a um enfraquecimento geral das monções na época. A monção indiana declinou e a aridez aumentou, com o Ghaggar-Hakra retraindo seu alcance em direção ao sopé do Himalaia,[94][198][199] levando a inundações erráticas e menos extensas que tornaram a agricultura de inundação menos sustentável.

A aridificação reduziu o suprimento de água o suficiente para causar o fim da civilização e espalhar sua população para o leste.[200][201][95][nota 32] De acordo com Giosan et al. (2012), os residentes da CVI não desenvolveram a capacidade de irrigação, contando principalmente com as monções sazonais que causam inundações no verão. À medida que as monções se deslocavam para o sul, as inundações se tornaram muito irregulares para atividades agrícolas sustentáveis. Os moradores então migraram para a bacia do Ganges, no leste, onde estabeleceram aldeias menores e fazendas isoladas. O pequeno excedente produzido nessas pequenas comunidades não permitiu o desenvolvimento do comércio e as cidades morreram.[202][203]

TerremotosEditar

Existem evidências arqueológicas de grandes terremotos em Dholavira em 2200 a.C. e em Kalibangan em 2700 e 2900 a.C. Tal sucessão de terremotos, juntamente com a seca, pode ter contribuído para o declínio do sistema Ghaggar-Harka. Alterações no nível do mar também são encontradas em dois locais portuários possíveis ao longo da costa de Makran, que agora estão no interior. Terremotos podem ter contribuído para o declínio de vários locais devido a danos diretos por agitação, pela mudança do nível do mar ou pela mudança no suprimento de água.[204][205][206]

ContinuidadeEditar

Escavações arqueológicas indicam que o declínio de Harapa levou as pessoas para o leste.[207] Segundo Possehl, depois de 1900 a.C., o número de locais na Índia atual aumentou de 218 para 853. Segundo Andrew Lawler, "escavações ao longo da planície gangética mostram que as cidades começaram a surgir por lá a partir de 1200 a.C., apenas alguns séculos depois que Harapa foi abandonada e muito antes do que se suspeitava."[194][nota 33] De acordo com Jim Shaffer, houve uma série contínua de desenvolvimentos culturais, assim como na maioria das áreas do mundo. Elas vinculam "as chamadas duas principais fases da urbanização no sul da Ásia".[209]

Em locais como Bhagwanpura (em Haryana), escavações arqueológicas descobriram uma sobreposição entre a fase final da cerâmica do período tardio e a fase inicial da cerâmica associada à cultura védica e datando de 1200 a.C.. Este sítio arqueológico fornece evidências de vários grupos sociais ocupando a mesma vila, mas usando cerâmicas diferentes e vivendo em diferentes tipos de casas: "com o tempo, a cerâmica do período tardio foi gradualmente substituída pela cerâmica de louça pintada em cinza" e outras mudanças culturais indicadas pela arqueologia incluem o introdução do cavalo, ferramentas de ferro e novas práticas religiosas.[93]

Há também um sítio harapeano chamado Rojdi no distrito de Rajkot em Saurashtra. Sua escavação começou sob a liderança de uma equipe arqueológica do Departamento de Arqueologia do Estado de Gujarat e do Museu da Universidade da Pensilvânia em 1982-83. Em seu relatório sobre escavações arqueológicas em Rojdi, Gregory Possehl e MH Raval escrevem que, embora haja "sinais óbvios de continuidade cultural" entre a civilização harapeana e as culturas posteriores do sul da Ásia, muitos aspectos do "sistema sociocultural" harapeano e da "civilização integrada" foram "perdidos para sempre", enquanto a Segunda Urbanização da Índia (começando com a cultura da cerâmica negra polida do norte, c. 600 a.C.) "está bem fora desse ambiente sociocultural".[210]

Período pós-harapeanoEditar

Anteriormente, os estudiosos acreditavam que o declínio da civilização harapeana levou a uma interrupção da vida urbana no subcontinente indiano. No entanto, a civilização do vale do Indo não desapareceu repentinamente e muitos de seus elementos aparecem em culturas posteriores. A cultura do Cemitério H pode ser a manifestação do período tardio em uma grande área na região de Panjabe, Haryana e oeste de Uttar Pradesh, e a cultura da cerâmica colorida de ocre é sua sucessora. David Gordon White cita três outros estudiosos tradicionais que "demonstraram enfaticamente" que a religião védica deriva parcialmente das Civilizações do Vale do Indo.[211]

A de 2016, dados arqueológicos sugerem que a cultura material classificada com a fase tardia pode ter persistido até pelo menos c. 1000–900 a.C. e foi parcialmente contemporâneo da cultura cerâmica colorida de ocre.[209] O arqueólogo de Harvard Richard Meadow aponta para o final do assentamento de Pirak, que prosperou continuamente desde 1800 a.C. até a época da invasão de Alexandre, o Grande em 325 a.C..[194]

Após a queda da CVI, surgiram culturas regionais mostrando, em graus variados, a influência harapeana. Na antiga cidade de Harapa, foram encontrados enterros que correspondem a uma cultura regional chamada cultura do Cemitério H. Ao mesmo tempo, a cultura da cerâmica colorida ocre expandiu-se do Rajastão para a Planície Indo-Gangética. A cultura do Cemitério H tem as primeiras evidências de cremação; uma prática dominante no hinduísmo atual.

Contexto históricoEditar

 
Impressão de um selo cilíndrico do Império Acádio, com o rótulo: "O Divino Charcalicharri Príncipe de Acádia, Ibni-Sharrum, o Escriba, seu servo". Pensa-se que o búfalo de chifres longos tenha vindo do vale do Indo e testemunha trocas com Meluhha, a Civilização do Vale do Indo. Circa 2217-2193 a.C. Museu do Louvre.[212][213][214]

A fase madura da CVI é contemporânea à Idade do Bronze no antigo Oriente Próximo, em particular ao período de Elam, Período Dinástico Arcaico, Império Acádio a Terceira dinastia de Ur na Mesopotâmia e da Civilização Minoica em Creta e do Antigo Reino do Primeiro Período Intermediário Antigo Egito.

A CVI foi comparada em particular com as civilizações de Elam (também no contexto da hipótese elamo-dravidiana) e com a Creta minóica (por causa de paralelos culturais isolados, como o onipresente culto à deusa e representações de saltos de touros).[215] A CVI era identificada com o topônimo "Meluhha" nos registros sumérios; os sumérios os chamavam de "meluhhaitas".[216]

Shahr-i-Sokhta, localizado no sudeste do Irã, mostra rota comercial com a Mesopotâmia.[217][218] Um número de selos com escrita indo também foi encontrado em sítios arqueológicos da Mesopotâmia.[219][220]

DasyuEditar

Após a descoberta da CVI na década de 1920, ela foi imediatamente associada aos nativos dasa, hostis às tribos rigvédicas, em numerosos hinos do Rigveda. Mortimer Wheeler interpretou a presença de muitos cadáveres não enterrados encontrados nos níveis mais altos de Moenjodaro como vítimas de uma conquista bélica e afirmou que "Indra é acusado" da destruição da CVI. A associação do CVI com os dasas, que moravam em cidades, permanece sedutora porque o prazo assumido da primeira migração indo-ariana para a Índia corresponde perfeitamente ao período de declínio da CVI observado no registro arqueológico. A descoberta do período urbano avançado, no entanto, mudou a visão do século XIX da migração indo-ariana precoce como uma "invasão" de uma cultura avançada às custas de uma população aborígene "primitiva", a uma aculturação gradual de "bárbaros" nômades em uma civilização urbana avançada, comparável às migrações germânicas após a queda de Roma, ou a invasão cassita da Babilônia. Esse afastamento de cenários simplistas "invasionistas" é paralelo a desenvolvimentos semelhantes no pensamento sobre a transferência de idiomas e o movimento populacional em geral, como no caso da migração dos falantes de proto-grego para a Grécia ou a indo-europeização da Europa Ocidental.

MundaEditar

Línguas munda e um "filo perdido" (talvez relacionado ou ancestral da língua nihali)[221] foram propostos como outros candidatos à linguagem da CVI. Michael Witzel sugere uma linguagem de prefixo subjacente semelhante às línguas austro-asiáticas, principalmente a língua khasi; ele argumenta que o Rigveda mostra sinais dessa influência hipotética harapeana no nível histórico mais antigo e o dravidiano apenas em níveis posteriores, sugerindo que os falantes de austroasiático eram os habitantes originais de Punjabe e que os indo-arianos só encontraram os falantes de dravidiano mais tarde.[222]

Veja tambémEditar

Notas

  1. Wright: "A Mesopotâmia e o Egito ... coexistiram com a civilização do Indo durante seu florescimento entre 2600 e 1900 a.C."[1]
  2. Wright: "A civilização do Indo é uma das três no 'Antigo Oriente' que, junto com a Mesopotâmia e o Egito faraônico, foi o berço da civilização primitiva no Velho Mundo (Childe, 1950). A Mesopotâmia e o Egito viveram mais, mas coexistiram com a civilização do Indo durante seu florescimento entre 2600 e 1900 a.C.. Das três, a do Indo foi a mais expansiva, estendendo-se do nordeste do Afeganistão até o Paquistão e a Índia."[2]
  3. Dyson: "Moenjodaro e Harapa podem ter entre 30.000 e 60.000 pessoas (talvez mais no primeiro caso). O transporte de água foi crucial para o abastecimento dessas e de outras cidades. Dito isto, a grande maioria das pessoas vivia em áreas rurais. No auge da civilização do vale do Indo, o subcontinente pode ter tido de 4 a 6 milhões de pessoas."[5]
  4. McIntosh: "O enorme potencial da grande região do Indo ofereceu espaço para um enorme aumento populacional; até o final do período maduro, estima-se que os harapeanos já chegassem de 1 a 5 milhões de pessoas, provavelmente bem abaixo da capacidade de carga da região."[6]
  5. Habib: "Harapa, no distrito de Sahiwal, no oeste de Punjab, no Paquistão, há muito era conhecida pelos arqueólogos como um extenso local no rio Ravi, mas seu verdadeiro significado como cidade principal de uma grande civilização antiga não foi reconhecido até a descoberta de Moenjodaro perto do margens do Indo, no distrito de Larkana de Sindh, por Rakhaldas Banerji em 1922. Sir John Marshall, então diretor geral do Serviço de Arqueologia da Índia, usou o termo 'civilização do Indo' para a cultura descoberta em Harapa e Moenjodaro, devido ao contexto geográfico implícito no nome 'Indo' e à presença de cidades implícitas na palavra 'civilização'. Outros, notadamente o Serviço Arqueológico da Índia após a Independência, preferiram chamá-lo de 'harapeana', considerando Harapa como o seu sítio arqueológico padrão."[10]
  6. Possehl: "Existem 1.056 sítios harapeanos do período maduro que foram relatados, dos quais 96 foram escavados."[12]
  7. Singh: "Hoje, a contagem de sítios harapeanos aumentou para cerca de 1.022, dos quais 406 estão no Paquistão e 616 na Índia. Destes, apenas 97 foram escavados até agora."[14]
  8. Coningham and Young: "Foram identificados mais de 1.000 assentamentos pertencentes à Era Integrada (Singh, 2008: 137), mas existem apenas cinco locais urbanos significativos no pico da hierarquia de assentamentos (Smith, 2.006a: 110) (Figura 6.2).: Moenjodaro na planície inferior do Indo; Harapa no oeste do Punjab; Ganweriwala no Cholistão; Dholavira no oeste de Gujarat; e Rakhigarhi em Haryana. Moenjodaro cobria uma área de mais de 250 hectares, Harapa ultrapassou 150 hectares, Dholavira 100 hectares e Ganweriwala e Rakhigarhi cerca de 80 hectares cada."[15]
  9. Wright: "As cinco principais cidades do Indo são discutidas neste capítulo. Durante o período urbano, a cidade antiga de Harapa expandiu-se em tamanho e população e se tornou um importante centro no Alto Indo. Outras cidades que emergem durante o período urbano incluem Moenjodaro, no Baixo Indo, Dholavira, ao sul, no extremo oeste da Índia peninsular em Kutch, Ganweriwala no Cholistão e uma quinta cidade, Rakhigarhi, no Ghaggar-Hakra. Rakhigarhi será discutida brevemente, tendo em vista o limitado material publicado."[16]
  10. Wright: "Incapaz de declarar a idade da civilização, ele continuou a observar que os artefatos do Indo (que ele (John Marshall) nomeou em homenagem ao sistema fluvial) diferiam de qualquer outra civilização conhecida na região ..."[22]
  11. Habib: "Sir John Marshall, então diretor geral do Levantamento Arqueológico da Índia, usou o termo 'civilização Indus' para a cultura descoberta em Harappa e Moenjodaro, um termo duplamente adequado por causa do contexto geográfico implícito no nome 'Indo' e pela presença das cidades implícitas na palavra "civilização". Outros, notadamente o Servilo Arqueológico da Índia após a Independência, preferiram chamá-lo "harapeana", considerando Harapa como o seu sítio padrão."[23]
  12. Por exemplo Michel Danino observa que uma datação alternativa dos Vedas para o terceiro milênio aC coincide com a fase madura da civilização do vale do Indo[30] e que é "tentador" igualar o vale do Indo e o período védico.[31] S.P. Gupta "argumentou que elementos védicos como o cavalo, altares de fogo e sacrifícios de animais já existiam nos locais de cultura chamada 'Indo-Sarasvati'".[28] Essas sugestões são rejeitadas pela comunidade acadêmica.[27]
  13. Giosan (2012): "Várias especulações avançaram a ideia de que o sistema fluvial Ghaggar-Hakra, às vezes identificado com o rio mítico perdido de Sarasvati (por exemplo, 4, 5, 7, 19), era uma grande geleira alimentada pelo rio Himalaia. Fontes potenciais para este rio incluem o rio Yamuna, o rio Sutlej ou ambos os rios. No entanto, a falta de incisão em larga escala no interflúvio demonstra que rios grandes alimentados por geleiras não fluíram pela região de Ghaggar-Hakra durante o Holoceno. Atualmente, o vale de Ghaggar-Hakra e seus rios tributários estão secos ou com fluxos sazonais. No entanto, os rios foram indubitavelmente ativos nessa região durante a fase urbana harapeana. Recuperamos depósitos fluviais arenosos com aproximadamente 5.400 anos no Forte Abbas, no Paquistão e trabalhos recentes sobre o interflúvio superior de Ghaggar-Hakra na Índia também documentaram as areias do canal Holoceno com aproximadamente 4.300 anos de idade. No interflúvio superior, a deposição de planície de inundação de grãos finos continuou até o final, tão recente quanto 2.900 atrás. Essa redistribuição fluvial generalizada de sedimentos sugere que chuvas de monção confiáveis ​​foram capazes de sustentar rios perenes no início do Holoceno e explica por que os assentamentos harapeanos floresceram ao longo de todo o sistema Ghaggar-Hakra sem acesso a um rio alimentado por geleiras".[3]
  14. Sen: "A chamada controvérsia de Saraswati reacendeu o debate sobre o fim da civilização harapeana e o início da civilização védica do Ganges. Foram aspectos das culturas védicas maduras do primeiro milênio a.C. derivados de uma versão tardia da cultura do vale do Indo? Historiadores do declínio da da civilização do Vale do Indo, como Shereen Ratnagar, descreveram os dois como essencialmente desconectados, separados em tempo e substância."[32]
  15. Fisher: "Esse foi o mesmo amplo período de tempo no qual surgiram as civilizações da Mesopotâmia (entre os rios Tigre e Eufrates), do Egito (ao longo do Nilo) e do nordeste da China (na bacia do rio Amarelo). No seu auge, a Civilização do Vale do Indo estava era a mais extensa dessas civilizações antigas, estendendo-se por 1.500 km até a planície do rio Indo, com uma área central de 30.000 a 100.000 km², além de esferas periféricas de influência econômica e cultural e ecologicamente diversas que se estendiam a até dez vezes mais nessa área. A uniformidade cultural e tecnológica das cidades do Indo é especialmente impressionante à luz das distâncias relativamente grandes entre elas, com separações de cerca de 280 km, enquanto as cidades da Mesopotâmia, por exemplo, têm apenas uma média de 20 a 25 km de distância uma da outra.[33]
  16. Coningham and Young: "Mergar continua sendo um dos principais locais do sul da Ásia, porque forneceu as primeiras evidências indiscutíveis conhecidas de comunidades agrícolas e pastorais na região, sendo que seu material vegetal e animal fornece evidências claras da manipulação e domesticação de determinadas espécies. Talvez o mais importante, no contexto do sul da Ásia, foi o papel desempenhado pelo boi zebu o torne um desenvolvimento distinto e localizado, com um personagem completamente diferente de outras partes do mundo. Finalmente, a longevidade do local e sua articulação com o local vizinho de Nausharo (c. 2800–2000 aC), fornece uma continuidade muito clara das primeiras vilas agrícolas do sul da Ásia ao surgimento de suas primeiras cidades (Jarrige, 1984)."[37]
  17. Dyson: "Nos milênios seguintes, a agricultura se desenvolveu e se espalhou lentamente pelo vale do Indo e áreas adjacentes. A transição para a agricultura levou ao crescimento da população e ao eventual aumento da civilização do Indo. Com o movimento para a agricultura assentada e o surgimento de aldeias, vilas e cidades, provavelmente houve um aumento modesto na taxa média de mortalidade e um aumento ligeiramente maior na taxa de natalidade."[5]
  18. Dyson: "Moenjodaro e Harapa podem ter tido entre 30.000 e 60.000 pessoas (talvez mais no primeiro caso). O transporte de água foi crucial para o abastecimento dessas e de outras cidades. Dito isto, a grande maioria das pessoas vivia em áreas rurais. No auge da civilização do vale do Indo, o subcontinente pode ter contido de 4 a 6 milhões de pessoas."[5]
  19. Fisher: "Essa 'revolução agrícola' permitiu superávits alimentares que apoiavam populações em crescimento. Sua dieta em grande parte com cereais não necessariamente tornou as pessoas mais saudáveis, já que condições como cáries e deficiências de proteínas podem aumentar. Além disso, doenças infecciosas se espalham mais rapidamente com condições de vida mais densas, tanto de humanos quanto de animais domesticados (que podem espalhar sarampo, gripe e outras doenças para os seres humanos)."[35]
  20. McIntosh: "Crescimento e distribuição da população: "A pré-história das fronteiras indo-iranianas mostra um aumento constante ao longo do tempo no número e na densidade de assentamentos baseados na agricultura e no pastoralismo. Em contraste, a população das planícies do Indo e de regiões adjacentes viveu principalmente da caça e traços limitados sugerem que seus assentamentos eram muito menos numerosos, pequenos e amplamente dispersos, embora até certo ponto essa aparente situação deva refletir a dificuldade de localizar assentamentos de caçadores-coletores. A presença de animais domésticos em alguns assentamentos de caçadores-coletores atesta o contato com o povo das terras fronteiriças, provavelmente no contexto do movimento sazonal dos pastores das colinas para as planícies. O potencial de expansão populacional nas colinas era severamente limitado e, portanto, do quarto ao terceiro milênio a.C., os colonos mudaram-se das terras fronteiriças para as planícies e depois para Gujarat, sendo os primeiros pastores, seguidos posteriormente pelos agricultores. O enorme potencial da grande região do Indo ofereceu espaço para um enorme aumento populacional; até o final do período maduro, estima-se que os harapeanos chegassem entre 1 e 5 milhões de pessoas, provavelmente bem abaixo da capacidade de carga da região."[38]
  21. De acordo com Ahmad Hasan Dani, professor emérito da Universidade Quaid-e-Azam, em Islamabad, a descoberta de Mergar "mudou todo o conceito da civilização do Indo ... Aqui temos o toda a sequência, desde o início da vida na aldeia."[49]
  22. Escavações em Bhirrana, Haryana, na Índia, feitas entre 2006 e 2009 pelo arqueólogo K.N. Dikshit, forneceram seis artefatos, incluindo "cerâmica relativamente avançada", os chamados utensílios Hakra, datados em um intervalo de tempo entre 7380–6201 aC.[52][53][54][55] Essas datas competem com Mergar por ser o local mais antigo de restos culturais da região.[56] No entanto, Dikshit e Mani esclarecem que esse intervalo de tempo refere-se apenas a amostras de carvão vegetal, datadas de rádio-carbono em respectivamente 7570–7180 aC (amostra 2481) e 6689–6201 aC (amostra 2333).[57][58] Dikshit escreve ainda que a fase inicial diz respeito a 14 covas rasas que "poderiam acomodar cerca de 3 a 4 pessoas."[59] De acordo com Dikshit, no nível mais baixo desses poços, foi encontrado a Louça Hakra feito com rodas, que 'não estava bem acabado'[59] junto com outros produtos.[60]
  23. De acordo com Gangal et al. (2014), existem fortes evidências arqueológicas e geográficas de que a agricultura neolítica se espalhou do Oriente Próximo para o noroeste da Índia.[61][66] Gangal et al. (2014):[61] "Existem várias linhas de evidência que apóiam a idéia de conexão entre o neolítico no Oriente Próximo e no subcontinente indiano. O local pré-histórico de Mergar no Baluchistão (Paquistão moderno) é o local neolítico mais antigo do subcontinente noroeste da Índia, datado de 8500 aC ". Possehl GL (1999). "Indus Age: The Beginnings". Filadélfia: Univ. Pennsylvania Press.</ref>
  24. As colheitas domesticadas neolíticas em Mergar incluem mais de 90% de cevada e uma pequena quantidade de trigo. Há boas evidências para a domesticação local de cevada e zebu em Mergar,[67][68] mas sugere-se que as variedades de trigo sejam de origem do Oriente Próximo, pois a distribuição moderna de variedades selvagens de trigo é limitada ao norte do Levante e ao sul da Turquia.[69] Um estudo detalhado de mapas de satélites de alguns sítios arqueológicos nas regiões de Baluchistão e Khybar Pakhtunkhwa também sugere semelhanças nas fases iniciais da agricultura com locais na Ásia Ocidental.[70] Cerâmica preparada pela construção sequencial de lajes, fogueiras circulares cheias de seixos queimados e grandes celeiros são comuns a Mergar e a muitos locais da Mesopotâmia.[71] The postures of the skeletal remains in graves at Mehrgarh bear strong resemblance to those at Ali Kosh in the Zagros Mountains of southern Iran [19].[67] Clay figurines found in Mehrgarh resemble those discovered at Teppe Zagheh on the Qazvin plain south of the Elburz range in Iran (the 7th millennium BCE) and Jeitun in Turkmenistan (the 6th millennium BCE).[72] Strong arguments have been made for the Near-Eastern origin of some domesticated plants and herd animals at Jeitun in Turkmenistan (pp. 225–227).[73]
  25. O Oriente Próximo é separado do vale do Indo pelos planaltos áridos, cordilheiras e desertos do Irã e Afeganistão, onde a agricultura pluviométrica é possível apenas no sopé e nos vales sem saída.[74] No entanto, essa área não era um obstáculo intransponível para a dispersão do neolítico. A rota ao sul do mar Cáspio faz parte da Rota da Seda, que já tinha algumas seções em uso desde pelo menos 3.000 aC, conectando Badakhshan (nordeste do Afeganistão e sudeste do Tajiquistão) com a Ásia Ocidental, o Egito e a Índia.[75] Da mesma forma, a seção de Badakhshan às planícies da Mesopotâmia (a Grande Estrada Khorasan estava aparentemente funcionando em 4.000 aC e vários locais pré-históricos estão localizados ao longo dela, cujas assembléias são dominadas pela tecnologia cerâmica, formas e desenhos de Cheshmeh-Ali (Shahr-e Cheshmeh-Ali.[74] Semelhanças notáveis em estatuetas e estilos de cerâmica e formas de tijolos de barro, entre os primeiros locais neolíticos nas montanhas Zagros, no noroeste do Irã (Jarmo e Sarab), a planície Deh Luran no sudoeste do Irã (Tappeh Ali Kosh e Chogha Sefid), Susiana (Chogha Bonut e Chogha Mish), o platô central iraniano (Tappeh-Sang-e Chakhmaq) e o Turquemenistão (Jeitun) sugerem uma cultura comum incipiente.[76] A dispersão neolítica no sul da Ásia envolveu plausivelmente a migração da população.[77][73] Essa possibilidade também é suportada pelas análises de cromossomo Y e mtDNA,[78][79]
  26. Eles também observaram que "os descendentes lineares diretos dos habitantes neolíticos de Mergar podem ser encontrados ao sul e leste de Mergar, no noroeste da Índia e na margem oeste do platô de Deccan, com o Mergar neolítico mostrando maior afinidade com os calcocolíticos Inamgaon, ao sul de Mergar, do que com o Mehrgarh calcolítico.[80]
  27. Ver:
    • Mukherjee (2001): "Mais recentemente, cerca de 15.000 a 10.000 anos antes do presente (AP), quando a agricultura se desenvolveu na região do Crescente Fértil que se estende de Israel através do norte da Síria ao oeste do Irã, houve outra onda de migração humana a leste (Cavalli-Sforza et al., 1994 Renfrew 1987), parte da qual também parece ter entrado na Índia. Postula-se que essa onda trouxe as línguas dravidianas para a Índia (Renfrew, 1987). Posteriormente, a família de idiomas indo-europeu (ariano) foi introduzida na Índia com cerca de 4.000 AP."[140]
    • Derenko: "A disseminação dessas novas tecnologias tem sido associada à dispersão das línguas dravidiana e indo-européia no sul da Ásia. Supõe-se que a língua proto-elamo-dravidiana, provavelmente originada na província de Elam, no sudoeste do Irã, se espalhe para o leste com o movimento de agricultores para o Vale do Indo e o subcontinente indiano."[141]

      Derenko refers to:
      * Renfrew (1987), Archaeology and Language: The Puzzle of Indo-European Origins
      * Renfrew (1996), Language families and the spread of farming. In: Harris DR, editor, The origins and spread of Agriculture and Pastoralism in Eurasia, pp. 70–92
      * Cavalli-Sforza, Menozzi, Piazza (1994), The History and Geography of Human Genes.
  28. Kumar: "A análise de duas variantes do cromossomo Y, Hgr9 e Hgr3 fornece dados interessantes (Quintan-Murci et al., 2001). A variação microssatélites de Hgr9 entre iranianos, paquistaneses e indianos indica uma expansão das populações para cerca de 9.000 AP no Irã e depois para 6.000 AP na Índia. Essa migração teve origem no que foi historicamente denominado Elam, no sudoeste do Irã, no vale do Indo e pode ter sido associada à disseminação das línguas dravidianas do sudoeste do Irã (Quintan-Murci et al., 2001)."[144]
  29. Kivisild et al. (1999) notam que "uma pequena fração das linhagens de mtDNA da Eurásia Ocidental encontradas em populações indianas pode ser atribuída a uma mistura relativamente recente."[142] em c. 9.300 ± 3.000 AP,[143] que coincide com "a chegada à Índia de cereais domesticados no Crescente Fértil e dá crédito à conexão linguística sugerida entre as populações elamita e dravídica".[143] Segundo Kumar (2004), referindo-se a Quintan-Murci et al. (2001), "variação microssatélites de Hgr9 entre iranianos, paquistaneses e indianos indica uma expansão de populações para cerca de 9.000 AP no Irã e depois para 6.000 AP na Índia. Essa migração se originou no que historicamente denominado Elam no sudoeste do Irã no Vale do Indo e pode ter sido associado à disseminação das línguas dravídicas do sudoeste do Irã".[144][nota 28] De acordo com Palanichamy et al. (2015), "A presença de haplogrupos de mtDNA (HV14 e U1a) e haplogrupo do cromossomo Y (L1) nas populações dravídicas indica a disseminação da língua dravídica na Índia a partir do oeste da Ásia."[145]
  30. A pesquisa geológica de um grupo liderado por Peter Clift investigou como os cursos de rios mudaram nesta região desde 8000 anos atrás, para testar se as reorganizações climáticas ou fluviais causaram o declínio harapeano. Usando datação U-Pb de grãos de areia de zircão, eles descobriram que sedimentos típicos dos rios Beas, Sutlej e Yamuna (tributários do Indo no Himalaia) estão realmente presentes nos antigos canais de Ghaggar-Hakra. No entanto, as contribuições de sedimentos desses rios de alimentação glacial pararam há pelo menos 10.000 anos atrás, muito antes do desenvolvimento da civilização do Indo.[196]
  31. Tripathi et al. (2004) descobriram que os isótopos de sedimentos transportados pelo sistema Ghaggar-Hakra nos últimos 20 mil anos não provêm do Alto Himalaia glaciado, mas têm uma fonte sub-Himalaia e concluíram que o sistema fluvial era alimentado pela chuva. Eles também concluíram que isso contradiz a ideia de um poderoso rio "Sarasvati" da época harapeana.[197]
  32. Broke:[95] "A história na Índia harapeana era um pouco diferente (veja a Figura 111.3). A vila da Idade do Bronze e as sociedades urbanas do Vale do Indo são uma espécie de anomalia, pois os arqueólogos encontraram pouca indicação de defesa local e de guerra regional. Parece que as abundantes chuvas de monções do início ao holoceno médio criaram uma condição de abundância para todos e as energias competitivas foram canalizadas para o comércio e não para o conflito. Os estudiosos argumentam há muito tempo que essas chuvas moldaram as origens das sociedades urbanas harapeanas, que emergiram das aldeias neolíticas por volta de 2600 a.C. Parece agora que essas chuvas começaram a diminuir lentamente no terceiro milênio a.C., exatamente no ponto em que as cidades harapeanas começaram a se desenvolver. Assim, parece que essa "primeira urbanização" no sul da Ásia foi a resposta inicial dos povos do vale do Indo ao início da aridificação do holoceno tardio. Essas cidades foram mantidas por 300 a 400 anos e depois gradualmente abandonadas quando os povos harapeanos se reinstalaram em aldeias dispersas na faixa leste de seus territórios, no Punjab e no vale do Ganges.'
    17 (nota de rodapé):
    (a) [3]
    (b) Camilo Ponton, "Holocene Aridification of India," GRL 39 (2012), L03704;
    (c) Harunur Rashid et al., "Late Glacial to Holocene Indian Summer Monsoon Variability Based upon Sediment Records Taken from the Bay of Bengal," Terrestrial, Atmospheric, and Oceanic Sciences 22 (2011), 215–28;
    (d) Marco Madella and Dorian Q. Fuller, "Paleoecology and the Harappan Civilization of South Asia: A Reconsideration," Quaternary Science Reviews 25 (2006), 1283–301. Compare with the very different interpretations in
    (e) Possehl, Gregory L. (2002), The Indus Civilization: A Contemporary Perspective, ISBN 978-0-7591-0172-2, Rowman Altamira, pp. 237–245 
    (f) Michael Staubwasser et al., "Climate Change at the 4.2 ka BP termination of the Indus Valley Civilization and Holocene South Asian Monsoon Variability," GRL 30 (2003), 1425. [in] Bar-Matthews and Avner Ayalon, "Mid-Holocene Climate Variations."
  33. A maioria dos locais da cultura de Grey Gare no Ghaggar-Hakra e na planície superior do Ganges eram pequenas vilas agrícolas. No entanto, "várias dezenas" de locais desta cultura acabaram surgindo como assentamentos relativamente grandes que podem ser caracterizados como cidades, as maiores das quais eram fortificados por valas ou fossos e aterros feitos de terra empilhada com paliçadas de madeira, embora menores e mais simples que os grandes e elaboradamente fortificados cidades que cresceram após 600 aC na cultura mais totalmente urbana.[208]

Referências

  1. a b c Wright 2009, p. 1.
  2. a b Wright 2009.
  3. a b c d e Giosan et al. 2012.
  4. Wright 2009, pp. 115–125.
  5. a b c d e f g h Dyson 2018, p. 29.
  6. a b McIntosh 2008, p. 187.
  7. Madella & Fuller 2006.
  8. MacDonald 2011.
  9. Brooke 2014.
  10. a b Habib 2015, p. 13.
  11. Wright 2009, p. 2.
  12. a b Possehl 2002a, pp. 62–76.
  13. Possehl 2002, p. 20.
  14. a b Singh 2008, p. 137.
  15. a b Coningham & Young 2015, p. 192.
  16. a b Wright 2009, p. 107.
  17. Shaffer 1992, I:441–464, II:425–446.
  18. Kenoyer 1991.
  19. «We are all Harappans». Outlook India 
  20. Ratnagar, Shereen. Trading Encounters: From the Euphrates to the Indus in the Bronze Age. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-19-566603-8 
  21. Lockard, Craig. Societies, Networks, and Transitions. Volume 1: To 1500. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-4390-8535-6 
  22. a b Wright 2009, p. 10.
  23. a b Habib 2002, pp. 13–14.
  24. a b Singh, Upinder. A History of Ancient and Early medieval India: from the Stone Age to the 12th century. [S.l.: s.n.] ISBN 978-81-317-1120-0 
  25. Charles Keith Maisels. «The Indus/'Harappan'/Sarasvati Civilization». Early Civilizations of the Old World: The formative histories of Egypt, The Levant, Mesopotamia, India, and China. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-134-83731-1 
  26. Denise Cush; Catherine A. Robinson; Michael York. Encyclopedia of Hinduism. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-7007-1267-0 
  27. a b Mukherjee 2001b.
  28. a b Habib 2002, p. 44.
  29. Danino 2010.
  30. Danino 2010, p. 256.
  31. Danino 2010, p. 258.
  32. a b Sen 2019, p. 81.
  33. a b Fisher 2018, p. 35.
  34. Dyson: "O povo do subcontinente foi caçador-coletor por muitos milênios. Havia muito poucos deles. De fato, 10.000 anos atrás, podia haver apenas algumas centenas de milhares de pessoas vivendo em pequenos grupos, muitas vezes isolados, descendentes de vários ingressantes humanos "modernos". Então, talvez ligado a eventos na Mesopotâmia, cerca de 8.500 anos atrás, a agricultura surgiu no Baluchistão."[5]
  35. a b c d Fisher 2018, p. 33.
  36. Fisher: "O primeiro exemplo descoberto na Índia de uma sociedade agrícola assentada e bem estabelecida está em Mergar, nas colinas entre a passagem de Bolan e a planície do Indo (hoje no Paquistão) (ver Mapa3.1). Desde 7000 aC, as comunidades começaram a investir mais mão-de-obra na preparação da terra e na seleção, plantio, cultivo e colheita de determinadas plantas produtoras de grãos. Eles também domesticaram animais, incluindo ovelhas, cabras, porcos e bois (Bos indicus e Bos taurus). Os bois castradores, por exemplo, os transformavam principalmente de fontes de carne em animais domésticos de tração.[35]
  37. a b Coningham & Young 2015, p. 138.
  38. a b McIntosh 2008, pp. 186–187.
  39. «Harappan Outposts on the Makran Coast». Antiquity. 36. doi:10.1017/S0003598X00029689 
  40. Rao, Shikaripura Ranganatha. Lothal and the Indus civilization. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-210-22278-2 
  41. Kenoyer 1998, p. 96
  42. «Excavations in the Gomal Valley». Ancient Pakistan 
  43. Joshi, J.P.; Bala, M. «Manda: A Harappan site in Jammu and Kashmir». In: Possehl, Gregory L. Harappan Civilization: A recent perspective. [S.l.: s.n.] 
  44. A. Ghosh (ed.). «Excavations at Alamgirpur». Indian Archaeology, A Review (1958–1959). [S.l.: s.n.] 
  45. Ray, Himanshu Prabha. The Archaeology of Seafaring in Ancient South Asia. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-521-01109-9 
  46. Dales, George F. «The Balakot Project: Summary of four years excavations in Pakistan». In: Maurizio Taddei. South Asian Archaeology 1977. [S.l.: s.n.] 
  47. Bisht, R.S. «A new model of the Harappan town planning as revealed at Dholavira in Kutch: A surface study of its plan and architecture». In: Chatterjee Bhaskar. History and Archaeology. [S.l.: s.n.] ISBN 978-81-85205-46-5 
  48. «Stone age man used dentist drill» 
  49. a b «Traders of the Plain». Saudi Aramco World 
  50. UNESCO World Heritage. 2004. ". Archaeological Site of Mehrgarh
  51. Hirst, K. Kris. 2005. "Mehrgarh". Guide to Archaeology
  52. Jason Overdorf (28 de novembro de 2012). «Archeologists confirm Indian civilization is 2000 years older than previously believed». Globalpost 
  53. «Indus Valley 2,000 years older than thought». 4 de novembro de 2012 
  54. Jhimli Mukherjee Pandey (29 de maio de 2016). «Archeologists confirm Indian civilization is 8000 years old». Times of India 
  55. «History What their lives reveal». 4 de janeiro de 2013 
  56. «Haryana's Bhirrana oldest Harappan site, Rakhigarhi Asia's largest: ASI». The Times of India. 15 de abril de 2015 
  57. Dikshit 2013, pp. 132, 131.
  58. Mani 2008, p. 237.
  59. a b Dikshit 2013, p. 129.
  60. Dikshit 2013, p. 130.
  61. a b c d e f Gangal 2014.
  62. Singh 2016, p. 5.
  63. Parpola 2015, p. 17.
  64. «A population genetics perspective of the Indus Valley through uniparentally-inherited markers» (PDF) 
  65. Ver também:* This map from Sahoo et al. (2006), A prehistory of Indian Y chromosomes: Evaluating demic diffusion scenarios
    * Sengupta et al. (2006), Polarity and Temporality of High-Resolution Y-Chromosome Distributions in India Identify Both Indigenous and Exogenous Expansions and Reveal Minor Genetic Influence of Central Asian Pastoralists
  66. Singh 2016.
  67. a b Jarrige, J.F. (2008) "Mehrgarh Neolithic". Pragdhara 18: 136–154
  68. Costantini L (2008) "Os primeiros agricultores no Paquistão Ocidental: a evidência do assentamento agropastoril neolítico de Mergar". Pragdhara 18: 167–178
  69. Fuller DQ (2006) "Agricultural origins and frontiers in South Asia: a working synthesis". J World Prehistory 20: 1–86
  70. Petrie, C.A.; Thomas, K.D. (2012). «The topographic and environmental context of the earliest village sites in western South Asia». Antiquity. 86 (334): 1055–1067. doi:10.1017/s0003598x00048249 
  71. Goring-Morris, A.N.; Belfer-Cohen, A. (2011). «Neolithization processes in the Levant: The outer envelope». Curr. Anthropol. 52: S195–S208. doi:10.1086/658860 
  72. Jarrige C. (2008) The figurines of the first farmers at Mehrgarh and their offshoots. Pragdhara 18: 155–166
  73. a b Harris D.R. (2010). Origins of Agriculture in Western Central Asia: An Environmental-Archaeological Study. Philadelphia: Univ. Pennsylvania Press.
  74. a b Hiebert FT, Dyson RH (2002). "Prehistoric Nishapur and frontier between Central Asia and Iran". Iranica Antiqua XXXVII: 113–149
  75. Kuzmina EE, Mair V.H. (2008). The Prehistory of the Silk Road. Philadelphia: Univ. Pennsylvania Press
  76. Alizadeh A (2003). "Excavations at the prehistoric mound of Chogha Bonut, Khuzestan, Iran. Technical report", University of Chicago, Illinois.
  77. Dolukhanov P (1994). Environment and Ethnicity in the Ancient Middle East. Aldershot: Ashgate.
  78. Quintana-Murci, L.; Krausz, C.; Zerjal, T.; Sayar, S.H.; Hammer, M.F.; et al. (2001). «Y-chromosome lineages trace diffusion of people and languages in Southwestern Asia». Am J Hum Genet. 68 (2): 537–542. PMC 1235289 . PMID 11133362. doi:10.1086/318200 
  79. Quintana-Murci, L.; Chaix, R.; Wells, R. Spencer; Behar, D.M.; Sayar, H.; et al. (2004). «Where West meets East: The complex mtDNA landscape of the Southwest and Central Asian corridor». Am J Hum Genet. 74 (5): 827–845. PMC 1181978 . PMID 15077202. doi:10.1086/383236 
  80. a b c Coningham & Young 2015, p. 114.
  81. Mascarenhas 2015, p. 9.
  82. Narasimhan & et al. 2019, p. 6, 11.
  83. Ver também Tony Joseph, How We, The Indians, Came To Be, the quint
  84. a b c Gallego Romero 2011, p. 9.
  85. Gallego Romero 2011, p. 12.
  86. Gallego romero et al. (2011) refer to (Meadow 1993):[84] Meadow RH. 1993. Animal domestication in the Middle East: a revised view from the eastern margin. In: Possehl G, editor. Harappan civilization. New Delhi: Oxford University Press and India Book House. pp. 295–320.[85]
  87. Peter T. Daniels. The World's Writing Systems. [S.l.: s.n.] 
  88. Parpola, Asko. Deciphering the Indus Script. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-521-43079-1 
  89. Durrani, F.A. «Some Early Harappan sites in Gomal and Bannu Valleys». In: Lal, B.B.; Gupta, S.P. Frontiers of Indus Civilisation. [S.l.: s.n.] 
  90. «Kalibangan: A Harappan metropolis beyond the Indus Valley». Expedition. 17 
  91. «Evidence for Patterns of Selective Urban Migration in the Greater Indus Valley (2600–1900 BC): A Lead and Strontium Isotope Mortuary Analysis». PLOS ONE. 10. Bibcode:2015PLoSO..1023103V. PMC 4414352 . PMID 25923705. doi:10.1371/journal.pone.0123103 
  92. «Indus Valley people migrated from villages to cities: New study». Times of India 
  93. a b c J.M. Kenoyer (2006), "Cultures and Societies of the Indus Tradition. In Historical Roots" in the Making of ‘the Aryan’, R. Thapar (ed.), pp. 21–49. New Delhi, National Book Trust.
  94. a b «Fluvial landscapes of the Harappan civilization». Proceedings of the National Academy of Sciences. 109. ISSN 0027-8424. PMC 3387054 . PMID 22645375. doi:10.1073/pnas.1112743109 
  95. a b c Brooke, John L. Climate Change and the Course of Global History: A Rough Journey. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-521-87164-8 
  96. Shaffer, Jim G.; Lichtenstein, Diane A. «Ethnicity and Change in the Indus Valley Cultural Tradition». Old Problems and New Perspectives in the Archaeology of South Asia. Col: Wisconsin Archaeological Reports. 2. [S.l.: s.n.] 
  97. a b Bisht, R.S. «Excavations at Banawali: 1974–77». In: Possehl Gregory L. Harappan Civilization: A Contemporary Perspective. [S.l.: s.n.] 
  98. India Today, ed. (7 de novembro de 2011). «Indus re-enters India after two centuries, feeds Little Rann, Nal Sarovar». Consultado em 3 de outubro de 2019 
  99. Possehl, Gregory L. «Harappans and hunters: economic interaction and specialization in prehistoric India». In: Morrison, Kathleen D.; Junker, Laura L. Forager-Traders in South and Southeast Asia: Long-Term Histories. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-521-01636-0 
  100. Gregory L. Possehl (11 de novembro de 2002). The Indus Civilization: A Contemporary Perspective. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-7591-1642-9 
  101. Lal 2002, pp. 93–95
  102. Morris, A.E.J. (1994). History of Urban Form: Before the Industrial Revolutions. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-582-30154-2 
  103. Gelderloos, Peter (2017). Worshiping Power: An Anarchist View of Early State Formation. Oakland: AK Press. 142 páginas 
  104. Art of the First Cities: The Third Millennium B.C. from the Mediterranean to the Indus. [S.l.: s.n.] 2003. ISBN 9781588390431 
  105. Sergent, Bernard. Genèse de l'Inde. [S.l.: s.n.] ISBN 978-2-228-89116-5 
  106. McIntosh, Jane. The Ancient Indus Valley: New Perspectives. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-57607-907-2 
  107. Lal 2002, p. 89
  108. Keay, John, India, a History. New York: Grove Press, 2000.
  109. «Trade and Technology of the Indus Valley: New Insights from Harappa, Pakistan». World Archaeology. 29. doi:10.1080/00438243.1997.9980377 
  110. a b Lal 2002, p. 82
  111. «Excavations at Mohenjodaro». Annual Report of the Archaeological Survey of India 
  112. Littleton, C. Scott (2005). Gods, Goddesses, and Mythology. [S.l.: s.n.] ISBN 9780761475651 
  113. Marshall, John (1996). Mohenjo-Daro and the Indus Civilization: Being an Official Account of Archaeological Excavations at Mohenjo-Daro Carried Out by the Government of India Between the Years 1922 and 1927. [S.l.: s.n.] ISBN 9788120611795 
  114. Singh. The Pearson Indian History Manual for the UPSC Civil Services Preliminary Examination. [S.l.: s.n.] ISBN 9788131717530 
  115. The Indus Script. Text, Concordance And Tables Iravathan Mahadevan. [S.l.: s.n.] 
  116. Hasenpflug, Rainer, The Inscriptions of the Indus civilisation Norderstedt, Germany, 2006.
  117. Singh, Upinder. A History of Ancient and Early Medieval India. [S.l.: s.n.] ISBN 978-81-317-1120-0 
  118. Parpola 2005, pp. 2–3
  119. «Surprising Discoveries From the Indus Civilization». National Geographic 
  120. Doniger, Wendy. The Hindus: an alternative history. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-19-959334-7 
  121. During-Caspers, GS Elisabeth; Reade, Julian E. (2008). The Indus-Mesopotamia relationship reconsidered. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-4073-0312-3 
  122. Neyland, R.S. «The seagoing vessels on Dilmun seals». In: Keith, D.H.; Carrell T.L. Underwater archaeology proceedings of the Society for Historical Archaeology Conference at Kingston, Jamaica 1992. [S.l.: s.n.] 
  123. a b Maurizio Tosi, "Black Boats of Magan. Some Thoughts on Bronze Age Water Transport in Oman and beyond from the Impressed Bitumen Slabs of Ra's al-Junayz", in A. Parpola (ed), South Asian Archaeology 1993, Helsinki, 1995, pp. 745–761 (in collaboration with Serge Cleuziou)
  124. Daniel T. Potts (2009), Maritime Trade: Pre-Islamic Period iranicaonline.org
  125. Maurizio Tosi: Die Indus-Zivilisation jenseits des indischen Subkontinents, in: Vergessene Städte am Indus, Mainz am Rhein 1987,, S. 132–133
  126. Story of Ras Al Jinz. Oman Information
  127. Gangal refers to Jarrige (2008), "Mehrgarh Neolithic". Pragdhara 18: 136–154; and to Costantini (2008), "The first farmers in Western Pakistan: the evidence of the Neolithic agropastoral settlement of Mehrgarh". Pragdhara 18: 167–178
  128. Shaffer 1999 p.245
  129. «Excavations at Mehrgarh-Nausharo». Pakistan Archaeology. 10 
  130. Shaffer and Liechtenstein 1995, 1999
  131. Gangal refers to Fuller (2006), Agricultural origins and frontiers in South Asia: a working synthesis. J World Prehistory 20: 1–86
  132. Gallego Romero 2011.
  133. «Approaching rice domestication in South Asia: New evidence from Indus settlements in northern India». Journal of Archaeological Science. 78. doi:10.1016/j.jas.2016.04.018 
  134. «Rice farming in India much older than thought, used as 'summer crop' by Indus civilisation» 
  135. «Indus Writing Analysis by Asko Parpola» 
  136. Sanskrit has also contributed to Indus Civilization, Deccan Herald, 12 August 2012
  137. a b c Heggarty & Renfrew 2014.
  138. Ver:
    • David McAlpin, "Toward Proto-Elamo-Dravidian", Language vol. 50 no. 1 (1974);
    • David McAlpin: "Elamite and Dravidian, Further Evidence of Relationships", Current Anthropology vol. 16 no. 1 (1975);
    • David McAlpin: "Linguistic prehistory: the Dravidian situation", in Madhav M. Deshpande and Peter Edwin Hook: Aryan and Non-Aryan in India, Center for South and Southeast Asian Studies, University of Michigan, Ann Arbor (1979);
    • David McAlpin, "Proto-Elamo-Dravidian: The Evidence and its Implications", Transactions of the American Philosophical Society vol. 71 pt. 3, (1981)
  139. Cavalli-Sforza (1994).
  140. a b Mukherjee 2001.
  141. a b Derenko (2013).
  142. Kivisild 1999, p. 1331.
  143. a b Kivisild 1999, p. 1333.
  144. a b Kumar 2004.
  145. Palanichamy (2015), p. 645.
  146. Wells, B. An Introduction to Indus Writing. Early Sites Research Society (West) Monograph Series, 2, Independence MO 1999
  147. «The Collapse of the Indus-Script Thesis: The Myth of a Literate Harappan Civilization» (PDF) 
  148. Parpola (2005)
  149. «Entropic Evidence for Linguistic Structure in the Indus Script». Science. 324. Bibcode:2009Sci...324.1165R. PMID 19389998. doi:10.1126/science.1170391 
  150. «Indus Script Encodes Language, Reveals New Study of Ancient Symbols» 
  151. 'Conditional Entropy' Cannot Distinguish Linguistic from Non-linguistic Systems Acessado em 19 de setembro de 2009.
  152. «This 360 tour of Kerala's Edakkal caves will mesmerise you». Indian Express 
  153. keay.
  154. Wright 2009, pp. 281–282.
  155. a b «Archaeology at the Heart of a Political Confrontation The Case of Ayodhya» (PDF). Current Anthropology. 45. JSTOR 10.1086/381044. doi:10.1086/381044 
  156. a b Marshall 1931, pp. 48–78.
  157. Possehl 2002, pp. 141–156.
  158. a b Possehl 2002, pp. 141–144.
  159. Srinivasan 1975.
  160. Srinivasan 1997, pp. 180–181.
  161. Sullivan 1964.
  162. Hiltebeitel 2011, pp. 399–432.
  163. Vilas Sangave. Facets of Jainology: Selected Research Papers on Jain Society, Religion, and Culture. [S.l.: s.n.] ISBN 978-81-7154-839-2 
  164. Zimmer, Heinrich. Campbell, ed. Philosophies of India. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-691-01758-7 
  165. Thomas McEvilley (2002) The Shape of Ancient Thought: Comparative Studies in Greek and Indian Philosophies. Allworth Communications, Inc. 816 pages;
  166. a b Possehl 2002, pp. 141–145.
  167. McIntosh 2008, pp. 286–287.
  168. Marshall 1931, p. 67.
  169. Possehl 2002, p. 18.
  170. Thapar 2004, p. 85.
  171. McIntosh 2008, pp. 275–277, 292.
  172. Possehl 2002, pp. 152, 157–176.
  173. McIntosh 2008, pp. 293–299.
  174. «A Peaceful Realm? Trauma and Social Differentiation at Harappa». International Journal of Paleopathology. 2. PMID 29539378. doi:10.1016/j.ijpp.2012.09.012 
  175. «Infection, Disease, and Biosocial Process at the End of the Indus Civilization». PLOS ONE. 0084814. Bibcode:2013PLoSO...884814R. PMC 3866234 . PMID 24358372. doi:10.1371/journal.pone.0084814 
  176. Upinder Singh (2008), A History of Ancient and Early Medieval India From the Stone Age to the 12th Century, p. 181
  177. «Late Harappan Localization Era Map» 
  178. McIntosh, Jane (2008). The Ancient Indus Valley: New Perspectives.
  179. Upinder Singh (2008), A History of Ancient and Early Medieval India From the Stone Age to the 12th Century, p. 211
  180. U. Singh (2008), pp. 181, 223
  181. a b U. Singh (2008), pp. 180–181
  182. U. Singh (2008), p. 211
  183. Kenoyer (2006).
  184. McIntosh (2008), pp. 91, 98
  185. F.R. Allchin (ed.), The Archaeology of Early Historic South Asia: The Emergence of Cities and States (Cambridge University Press, 1995), p. 36
  186. Allchin (ed., 1995), pp. 37–38
  187. Edwin Bryant. The Quest for the Origins of Vedic Culture. [S.l.: s.n.] 
  188. J.P. Mallory and Douglas Q. Adams (eds., 1997), Encyclopedia of Indo-European Culture, p. 102
  189. Bridget and Raymond Allchin (1982), The Rise of Civilization in India and Pakistan, p. 246
  190. Mallory & Adams 1997, pp. 102–103.
  191. David Knipe (1991), Hinduism. San Francisco: Harper
  192. «Decline of Bronze Age 'megacities' linked to climate change». phys.org 
  193. Emma Maris (2014), Two-hundred-year drought doomed Indus Valley Civilization, nature
  194. a b c «Indus Collapse: The End or the Beginning of an Asian Culture?». Science Magazine. 320 
  195. «Collapse of civilizations worldwide defines youngest unit of the Geologic Time Scale». News and Meetings 
  196. Clift et al., 2011, U-Pb zircon dating evidence for a Pleistocene Sarasvati River and capture of the Yamuna River, Geology, 40, 211–214 (2011). [1]
  197. Tripathi, Jayant K.; Bock, Barbara; Rajamani, V.; Eisenhauer, A. (25 de outubro de 2004). «Is River Ghaggar, Saraswati? Geochemical Constraints» (PDF). Current Science. 87 (8). Cópia arquivada (PDF) em 25 de dezembro de 2004 
  198. «An Ancient Civilization, Upended by Climate Change». New York Times. LiveScience 
  199. «Huge Ancient Civilization's Collapse Explained». New York Times 
  200. «Palaeoecology and the Harappan Civilisation of South Asia: a reconsideration». Quaternary Science Reviews. 25. Bibcode:2006QSRv...25.1283M. doi:10.1016/j.quascirev.2005.10.012 
  201. «Potential influence of the Pacific Ocean on the Indian summer monsoon and Harappan decline». Quaternary International. 229. Bibcode:2011QuInt.229..140M. doi:10.1016/j.quaint.2009.11.012 
  202. «Migration of monsoons created, then killed Harappan civilization». Los Angeles Times 
  203. «Intensified summer monsoon and the urbanization of Indus Civilization in northwest India». Scientific Reports. 8. Bibcode:2018NatSR...8.4225D. ISSN 2045-2322. PMC 5844871 . PMID 29523797. doi:10.1038/s41598-018-22504-5 
  204. «Evidence for Tectonic Activity During the Mature Harappan Civilization, 2600-1800 BCE». AGU Fall Meeting Abstracts 
  205. «Tectonic Activity during the Harappan Civilization». AGU Fall Meeting Abstracts. 2001. Bibcode:2001AGUFM.U52B..07P 
  206. Kovach, Robert L.; Grijalva, Kelly; Nur, Amos (1 de outubro de 2010). Earthquakes and civilizations of the Indus Valley: A challenge for archaeoseismology. Col: Geological Society of America Special Papers. 471. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-8137-2471-3. doi:10.1130/2010.2471(11) 
  207. Warrier, Shrikala. Kamandalu: The Seven Sacred Rivers of Hinduism. [S.l.: s.n.] 
  208. James Heitzman, The City in South Asia (Routledge, 2008), pp. 12–13
  209. a b Shaffer, Jim. «Reurbanization: The eastern Punjab and beyond». In: Spodek, Howard; Srinivasan, Doris M. Urban Form and Meaning in South Asia: The Shaping of Cities from Prehistoric to Precolonial Times. [S.l.: s.n.] 
  210. Harappan Civilisation and Rojdi, by Gregory L. Possehl and M.H. Raval (1989) https://books.google.com/books?id=LtgUAAAAIAAJ&pg=PA19#v=onepage&q&f=false
  211. White, David Gordon. Kiss of the Yogini. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-226-89483-6 
  212. «Cylinder Seal of Ibni-Sharrum». Louvre Museum 
  213. «Site officiel du musée du Louvre». cartelfr.louvre.fr 
  214. Brown, Brian A.; Feldman, Marian H. (2013). Critical Approaches to Ancient Near Eastern Art. [S.l.: s.n.] ISBN 9781614510352 
  215. Mode, H. Indische Frühkulturen und ihre Beziehungen zum Westen. [S.l.: s.n.] 
  216. John Haywood, The Penguin Historical Atlas of Ancient Civilizations, Penguin Books, London, 2005, p. 76
  217. Iran Almanac and Book of Facts. [S.l.: s.n.] 
  218. Podany, Amanda H. Brotherhood of Kings: How International Relations Shaped the Ancient Near East. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-19-971829-0 
  219. Piesinger, Constance Maria. Legacy of Dilmun: The Roots of Ancient Maritime Trade in Eastern Coastal Arabia in the 4th/3rd Millennium B.C. [S.l.: s.n.] 
  220. Joan Aruz; Ronald Wallenfels. Art of the First Cities: The Third Millennium B.C. from the Mediterranean to the Indus. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-58839-043-1 
  221. «Substrate Languages in Old Indo-Aryan (Ṛgvedic, Middle and Late Vedic)» (PDF). Electronic Journal of Vedic Studies. 5 
  222. «The Languages of Harappa» (PDF). Electronic Journal of Vedic Studies 

BibliografiaEditar

Ligações externasEditar