Abrir menu principal
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita referências, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2012). Ajude a inserir fontes confiáveis e independentes. Material controverso que esteja sem fontes deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Cláudia Mello
Cláudia Mello, na peça A Alma Boa de Setsuan em setembro de 2010.
Nome completo Cláudia Bertollosi Mello
Nascimento 27 de fevereiro de 1950 (69 anos)
São Paulo, Capital
Nacionalidade Brasileira
Ocupação
Atividade 1970–presente
Cônjuge Juca de Oliveira (c. 1970–71)

Cláudia Bertollosi Mello (São Paulo, 27 de fevereiro de 1950) é uma atriz e comediante brasileira.

Índice

BiografiaEditar

Cláudia Mello nasceu na cidade de São Paulo, em 27 de fevereiro de 1950. Quando cursava a Faculdade de Arquitetura na Universidade Mackenzie, integra o grupo de teatro amador da instituição e decide abandonar o curso e dedicar-se exclusivamente ao teatro.

CarreiraEditar

 
Cláudia (direita) na peça A Alma Boa de Setsuan, em 2008.

Em 1970, ao mesmo tempo em que estreia no teatro profissional, na montagem de A Cozinha, de Arnold Wesker, com direção de Antunes Filho, também dá seus primeiros passos no cinema, no filme A Moreninha, de Glauco Mirko Laurelli, e na televisão, na novela Simplesmente Maria, na TV Tupi. Em 1971, por sua atuação no espetáculo O Pelicano, de August Strinberg, com direção de Antônio Abujamra, recebe o Prêmio APCT de Atriz Revelação. Volta a ser premiada em 1986, como o Prêmio Lei Sarney e Prêmio Shell de Melhor Atriz, por As Margens do Ipiranga, de Fauzi Arap. Em 1993, por Adorável Desgraçada, de Leilah Assumpção, com direção de Fauzi Arap, ganha o Prêmio APCA de Melhor Atriz. De 2004 a 2007 esteve no elenco principal do seriado humorístico A Diarista, atuando ao lado de Cláudia Rodrigues, Dira Paes e Helena Fernandes.[1]

No cinema, por sua atuação no filme Quanto Vale ou É Por Quilo?, de Sérgio Bianchi, em 2005, recebe o prêmio na categoria de Melhor Atriz Coadjuvante, do FIESP/SESI do Cinema Paulista. Em 2011 fez parte do elenco da novela A Vida da Gente, de Lícia Manzo, como Moema. E também esteve na série Batendo Ponto como a faxineira Flora. Protagonizou a série Três Teresas em 2013 no GNT. Teve papéis de destaque na novela Sete Vidas interpretando a submissa Guida e em A Força do Querer interpretando a governanta conselheira Zu. Em 2017 integra o elenco do espetáculo Mambo Italiano, de Steve Galluccio, com direção de Clarisse Abujamra. Após o término da novela A Força do Querer, Cláudia Mello assinou contrato com a Record e interpreta Isabel na telenovela Jesus.

FilmografiaEditar

TelevisãoEditar

Ano Título Personagem Notas
1970 Simplesmente Maria Cláudia
1970 Toninho on the Rocks[2] Dirce
1971 Hospital Lindalva
1972 Vitória Bonelli Dora
1991–92 Grande Pai Maria das Graças Santana
1994 Éramos Seis Benedita
1995 As Pupilas do Reitor Brásia
1996 Razão de Viver Jandira
1998 Serras Azuis Cornélia Salvador (Cornelinha)
2004 Meu Cunhado Corina Maria de Jesus Temporada 1
2004–07 A Diarista Dalila
2008 Revelação Conceição Nogueira Episódios: "8 de dez. de 2008–8 de janeiro de 2009"
2009 Vende-se um Véu de Noiva Glória Fonseca
2010 Passione Durvalina Pedrosa[3] Episódios: "14–22 de junho de 2010"
2011 A Vida da Gente Moema [4]
2011 Batendo Ponto Dona Flora Cavalcanti
2013 Três Teresas Teresa Rodrigues (Teresinha)[5]
2015 Sete Vidas Guida de Moraes Ribeiro
2017 A Força do Querer Zuleide Oliveira (Zu)
2018 Jesus Isabel de Jerusalém[6]
2019 Topíssima Dona Clementina

CinemaEditar

Ano Título Personagem
1970 A Moreninha Clementina[7]
1994 A Causa Secreta[8]
2000 Cronicamente Inviável Cinira
2005 Quanto Vale ou É por Quilo? Tia Mônica
2009 Os Inquilinos Consuelo
2012 E a Vida Continua... Alzira

TeatroEditar

  • 2008/2009: A Alma Boa de Setsuan - de Bertolt Brecht
  • 2007: Chorinho - de Fauzi Arap
  • 2006: As Turca - de Andrea Bassit
  • 2005: A Boa Alma de Setsuan - de Bertolt Brecht
  • 2004: A Babá - de Juca de Oliveira
  • 1997: Caixa Dois - de Juca de Oliveira
  • 1996: Péricles, o Príncipe de Tiro - de William Shakespeare Direção de Ulisses Cruz
  • 1993/1994: Adorável Desgraçada - de Leilah Assumpção. Direção de Fauzi Arap (Prêmio APCA de Melhor Atriz; indicação ao Prêmio Molierè de Melhor Atriz)
  • 1992: Laranja Mecânica - de Anthony Burgess. Direção de Olair Coan
  • 1988: Fulaninha e Dona Coisa - de Noemi Marinho. Direção de Fauzi Arap
  • 1986/1987: As Margens do Ipiranga - de Fauzi Arap. (Prêmio Lei Sarney de Melhor Atriz; Prêmio Shell de Melhor Atriz).
  • 1978: A Fila de Israel Horowitz. Direção de Jorge Takla
  • 1974: Vejo um Vulto na Janela - de Leilah Assumpção. Direção de Emilio di Biasi
  • 1971: O Pelicano - de Strinberg. Direção de Antonio Abujamra (Prêmio APCT de Atriz Revelação)
  • 1970: A Cozinha - de Arnold Wesker. Direção de Antunes Filho.

Prêmios e indicaçõesEditar

Atriz Revelação por O Pelicano (venceu)

Melhor Atriz por As Margens do Ipiranga

Melhor Atriz por As Margens do Ipiranga

Melhor Atriz por Adorável Desgraça (venceu)

Melhor Atriz por Adorável Desgraça (indicada)

Melhor Atriz Coadjuvante por Quanto Vale ou É Por Quilo? (venceu)

Referências

  1. «Durvalina é presa após denúncia de Felícia». Gshow.com 
  2. «Toninho on The Rocks». Teledramaturgia. Consultado em 26 de novembro de 2016 
  3. «"É um alerta para o público, ela é barra pesada", diz Cláudia Mello sobre sua personagem em Passione». Gshow.com 
  4. Rede Globo (2012). «Moema». Consultado em 28 de junho de 2013  Verifique data em: |ano= / |data= mismatch (ajuda)
  5. GNT. «Teresinha (Claudia Mello)». Consultado em 28 de junho de 2013 
  6. «Claudia Mello, a Zu de 'A Força do Querer', assina contrato com a Record TV». Consultado em 26 de outubro de 2017 
  7. Cinemateca Brasileira, A Moreninha [em linha]
  8. Cinemateca Brasileira, A Causa Secreta [em linha]

Ligações externasEditar