Cláudio Petraglia

Cláudio Cesar Guimarães Petraglia (São Paulo, 20 de janeiro de 1930Rio de Janeiro, 31 de março de 2021) foi um músico, compositor, maestro, ator, roteirista, novelista e produtor brasileiro. Foi um dos fundadores da TV Cultura de São Paulo e a TV Bandeirantes do Rio.[1] Também foi diretor-presidente do Pólo Cine e Vídeo de Comunicação localizado no Estúdio Oscarito.

Cláudio Petraglia
Nome completo Cláudio Cesar Guimarães Petraglia
Nascimento 2 de janeiro de 1930
São Paulo
Nacionalidade brasileiro
Morte 31 de março de 2021 (91 anos)
Rio de Janeiro
Ocupação compositor, maestro, ator, roteirista, novelista e produtor

CarreiraEditar

Formado em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas[2], dedicou-se as artes em geral e a televisão brasileira.

No teatro, foi produtor musical e compositor, além de produtor e diretor em dezenas de peças, tais como em "Os Interesses Criados", "As Feiticeiras de Salém", "Doce Pássaros da Juventude", "Escolas de Maridos", "Oh, que Delícia de Guerra", "Hair", "Tom Payne", "A Moreninha" ou "Missa Leiga". Também traduziu e adaptou peças como "L´oeuf", de Félicien Marceau.[3]

No cinema, atuou na assistência de produção e direção, além de roteirista, em produções como no filme ítalo brasileiro ""Acade in Brasile"; na série americana Tarzan da década de 1960; ou no filme americano-brasileiro The Gentle Rain de 1966. Nos filmes São Paulo, Sociedade Anônima (compôs "Favela", "Dois corações" e "Fim do Ano"[4]) e "Três Histórias de Amor" (de 1966)[5]) compôs as músicas e foi diretor musical.[3]

Também dedicou-se a música erudita, sendo um dos fundadores do "Movimento Ars Nova" de São Paulo, na década de 1960, e organizador do 1.º Festival de Música Erudita no Teatro Maria Della Costa.[3]

Como produtor de TV, adaptou a franquia norte-americana "Sesame Street" e criou, para a rede Globo, o programa Vila Sésamo. Como novelista, escreveu a telenovela O Mestiço, exibida pela Tupi de São Paulo na década de 1960.[6][7]

Foi diretor artístico daTV Bandeirantes de São Paulo, contratado em 1973 para redefinir a grade da emissora paulista. Sob sua supervisão, foram criados novos programas gravados em estúdios numa época que a emissora comprava filmes e séries americanas.[8]

Como ator, fez uma participação no filme "Cara a Cara", de 1967[9] e na novela A Revolta dos Anjos.

Foi casado com a socialite Helena Petraglia, falecida em 2014[10], e é tio do ator Ricardo Petraglia.[11]

MorteEditar

Cláudio Petraglia morreu no dia 31 de março de 2021, em decorrência da COVID-19.[12]

Prêmios e indicaçõesEditar

Troféu APCAEditar

Ano Categoria Indicação Resultado
1973 Melhor Compositor de Teatro Cláudio Petraglia Venceu

Referências

  1. «Claudio Guimarães Petraglia». Consultado em 19 de janeiro de 2014. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2014 
  2. «Ex-diretor e fundador da Band Rio morre aos 91 anos». Band News FM Rio. Consultado em 31 de março de 2021 
  3. a b c «Revista Missa Leiga». Fundação Nacional de Artes. Consultado em 31 de março de 2021 
  4. «Música: São Paulo S/A». Cinemateca Brasileira. Consultado em 31 de março de 2021 
  5. «Música: Três Histórias de Amor». Cinemateca Brasileira. Consultado em 31 de março de 2021 
  6. «Biografia - Cláudio Petraglia». Museu da TV. Consultado em 31 de março de 2021 
  7. «Morre Cláudio Petraglia, aos 91 anos». Portal Giro. Consultado em 31 de março de 2021 
  8. «TV Bandeirantes». FGV. Consultado em 31 de março de 2021 
  9. «Identidades/elenco: Cara a Cara». Cinemateca Brasileira. Consultado em 31 de março de 2021 
  10. «Morre Helena Petraglia». Lu Lacerda. Consultado em 31 de março de 2021 
  11. «De ator famoso à ativista da maconha, as mil e uma vidas de Ricardo Petraglia». Glamurama de Joyce Pascowitch. Consultado em 31 de março de 2021 
  12. «Cláudio Petraglia morre no Rio, vítima da Covid-19». Portal G 1. Consultado em 31 de março de 2021 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um músico é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.