Abrir menu principal

O Clã Kyōgoku (松平氏, Kyōgoku-shi?) foi um clã do Japão de samurais que ganhou destaque durante os períodos Sengoku e Edo da História do Japão .

Clã Kyōgoku
京極氏
Kamon yotumeyui.png
Província de origemŌmi
Clã de origemClã Sasaki - Clã Minamoto
Fundador(a)Kyōgoku Takatsugu
Dissolução1873 (Abolição do sistema han)
Ramos cadetesVários

Índice

GenealogiaEditar

Os Kyōgoku são tozama que descendem diretamente do Imperador Uda (868-897) através de seu neto Minamoto no Masanobu (920-993) [1] . Representavam um ramo do Clã Sasaki , que foram incorporados ao Seiwa Genji [2].


RamosEditar

Fazem parte do Clã Kyōgoku os seguintes Ramos:

O filho de Takatsugu, Kyōgoku Tadataka (1593-1637), casou-se com a quarta filha do Shogun Tokugawa Hidetada em 1607. O patrimônio de Tadataka foi aumentado gradualmente ao longo do tempo. Em 1634, lhe foi concedido o Domínio de Matsue (260.000 koku ) na província de Izumo ; mas morreu três anos depois, sem deixar herdeiros. Seu patrimônio foi revertido ao shogunato [3] [4]
O bakufu designou Kyōgoku Takakazu, filho de Kyōgoku Takamasa irmão de Tadataka, para continuar a linhagem. Tadakazu foi vassalo em Tatsuno (50.000 koku ) na província de Harima . Em 1658, a família foi transferida para Marugame na província de Sanuki , onde permaneceram até a abolição do sistema han em 1871. O Chefe deste ramo do clã tornou-se visconde no período Meiji [3].
Kyōgoku Takahiro (1599 - 1677) foi o filho adotivo e herdeiro de Takatomo. Quando a administração de Miyazu tornou-se sua responsabilidade em 1621, as receitas do domínio foram reduzidos para 75.000 koku. A má administração de Takahiro só foi superada pela de seu filho Kyōgoku Takakuni (1616 - 1675). O Shogun Tokugawa Ietsuna tirou Miyazu das mãos dos Kyōgoku em 1666, e baniu Takakuni e seu filho, Kyōgoku Takayori . Em 1687, Takayori foi autorizado a retornar do exílio; sendo-lhe concedida uma pensão de 2.000 koku e uma posição no Koke. Esta posição burocrática no período Edo era responsável por rituais e cerimônias oficiais [6] .
  • Um sub-ramo do anterior foi criado em 1604 quando Kyōgoku Takatomo transferiu sua sede de autoridade para o Castelo Miyasu. Esta sub-ramificação era composta pelos descendentes dos Kyōgoku que continuaram a manter o Castelo Tanabe na província de Tango. Em 1668, este ramo foi transferido para o Domínio de Toyooka (15.000 koku ) na província de Tajima . O chefe deste ramo se tornou visconde no período Meiji [3].
  • Outro sub-ramo desta mesma vertente foi fundado em 1620 quando Kyōgoku Takamichi (1603 - 1665) se tornou vassalo no Domínio de Mineyama (10.000 koku ) na província de Tango. Takamichi, que era o filho de Kuchiki Tanetsuna , e fora adotado por Takatomo. Os descendentes de Takamichi foram daimyo neste han até 1871. O chefe deste ramo se tornou visconde no no período Meiji [3].

Os tempos modernosEditar

A queda do shogunato Tokugawa criou uma onda de conseqüências imprevisíveis entre os daimyo intimamente associados ao bafuku. Um dos resultados das mudanças foi que a residência em Edo pertencente ao Kyōgoku daimyo de Tadotsu foi vendida. A residencia ficou com Inoue Kaoru , o primeiro ministro das Relações Exteriores no governo Meiji [7] . A residencia tornou-se um local para entreter os dignitários estrangeiros e apresentá-los à estética de jardins japoneses [8].

Após a Segunda Guerra Mundial, a antiga residência Kyōgoku foi adquirida pela International House of Japan . Uma nova residência universitária e um centro cultural foram construídos no local, mas o jardim foi preservado como o legado do Clã Kyōgoku[7]. O jardim sobrevive e o clã continua, embora visivelmente com menos público.

Líderes do ClãEditar

Referências

  1. Plutschow, Herbert. (1995). "Japan's Name Culture: The Significance of Names in a Religious, Political and Social Context, (em inglês) London: Routledge. pp. 133-134. ISBN 9781873410424
  2. Iwao, Seiichi et al. (2002). Dictionnaire historique du Japon, (em francês) p. 1704. Paris: Maisonneuve & Larose. ISBN 9782706816321; OCLC 51096469
  3. a b c d e f g h i Papinot, Jacques. (2003). Nobiliare du Japon (em francês) pp. 27-28.Tokyo: Librarie Sansaisha.
  4. James Murdock. (1996). A History of Japan Psychology Press, 1996 p. 19. ISBN 9780415154178
  5. Jeffrey P. Mass (1985). The Bakufu in Japanese history, Stanford University Press, 1985 p. 162 ISBN 9780804712781 .
  6. Louis-Frédéric Nussbaum . (2005). Kōke (em inglês) Harvard University Press, 2002 p. 547 ISBN 9780674017535
  7. a b Pearson, Clifford. "Glimpses of Contemporary Japan: Or Octopus Balls for Breakfast," Japan Society (New York).
  8. International House of Japan: Edo residence and garden Arquivado em 2 de maio de 2006, no Wayback Machine., página visitada em 09/04/2013. .
  9. "House of Peers (Kizokuin), 1909" do Unterstein.net, p. 14; visitada em 09/04/2013.
  10. "New Yasukuni chief priest picked," Japan Times. , página visitada em 5 de Junho de 2014.